As Cartas encontradas de Rogério Fonseca Seguir história

diego-morales Diego Morales

Em uma cabana de troncos em localização florestal sigilosa, foi encontrado um cadáver em decomposição. Ao lado dele, cartas de um homem em desespero, aparentemente insano que fala sobre um novo mundo desconhecido, seu isolamento, sua doença, seus crimes, e algumas lembranças. Esta é uma delas.


Ficção científica Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#geracao #millenium #atual #escravos #zumbi #tecnologia #socidade #desabafo #cadaver #cartas #auto-ajuda #recuperacao #insanidade #loucura #mental #passaros #alegria #sonho #medo #paranormal #alienigenas #misterio #floresta #psiciologia #refem #isolamento #pos-apocaliptico #suicidio #historia #diario #casa #cabana
5
1668 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Um mundo só meu.

Acordei com o som dos pássaros. A correnteza não foi piedosa com meus pecados. O som constante da água faz com que eu me lembre de tudo o que aconteceu. Aos poucos, lava e só leva tudo para longe. Não faz desaparecer. O que eu fiz, foi feito e pronto. Era tudo tão improvável, inconstante, falso, vazio, fútil. Cansei-me. Cansei-me dos sorrisos amarelados, das "selfies" com pessoas desinteressantes, de viver a vida através de um visor de celular. Nunca precisei disso para mim. O mundo morreu, aos poucos.

Acho-me como um sobrevivente, em uma cabana de troncos mortos ao lado de um lago corrente. Estou cercado de árvores e plantas que desconheço, algumas dão frutos outras não, mas o que importa é que nos damos bem. Elas lá e eu aqui. As vezes sinto que elas ficam me olhando, me vigiando como se soubessem que faço parte do inimigo. Sou um vírus escondido, um soldado infiltrado que acaba com a natureza. Elas sabem disso e ficam me vigiando. As vezes em um farfalhar das folhas acho que elas estão tentando me assustar.

Talvez o isolamento do resto do mundo esteja me deixando louco. Ou talvez também esteja me curando de uma loucura que sempre vivi. Talvez eu esteja voltando a ter controle de minha própria sanidade. Ontem eu vi um pássaro se assustar com um outro ao se aproximar de forma mais sorrateira sobre um galho morto que fica uns 4 metros de minha nova morada. Eu ri. Fazia tempo que isso não acontecia. Olhei para os lados e não havia ninguém para compartilhar isso. Estava tudo bem. Talvez o mundo, Deus, universo ou seja lá o que for preparou aquele pequeno momento para mim. Não precisava de mais alguém para ser espectador daquele momento. Ao mesmo tempo no mundo havia milhões ou talvez até infinitas coisas acontecendo para serem assistidas.

O isolamento te faz ver o quanto você não é importante, o quanto você é perfeitamente substituível e te faz lembrar que você perece com o tempo. Depois disso a terra te engole e pessoalmente estou passando a acreditar que é a partir daí que as coisas realmente passam a acontecer. Este plano, este mundo, não me impressiona mais. Sequer irei entrar em questões pífias e repetitivas se eu deveria ter tido filhos, ou me casado para sentir coisas que que poderiam me impressionar. Acho que só seria mais uma prisão. Como um homem completamente incomodado por sentimentos alheios como eu iria conseguir conviver com a eterna obrigação de outros seres humanos de diferentes pensamentos sob o mesmo teto? A ideia de uma família me assusta, me irrita, me enoja. De qualquer forma ainda sinto saudades da carne assada de minha avó paterna.

Pessoalmente (e o que não é pessoal neste fim de mundo que estou ou talvez o começo dele não sei) não sinto falta de ninguém. Quando comecei o plano de minha cura, até passou pela minha cabeça trazer um cão comigo. No fim das contas não deu tempo, com assassinos de aluguel atrás de mim com gente querendo saber onde eu havia escondido o dinheiro e interrogando todas as pessoas que enganei para benefício próprio, não era uma boa continuar na cidade. Não era interessante ter outros seres humanos por perto. Sem contar que acredito que seria uma tortura para o pobre animal ter que conviver comigo, que não estou completamente são. Acho que ele morreria de tédio. Você, se achou minhas cartas escritas a mão provavelmente junto ao meu cadáver, já deve estar dormindo neste momento. Bons sonhos de qualquer forma e procure não acordar. Tenho certeza que aí é melhor que aqui. Ou se você ver uma cabana em seus sonhos, bata na porta e entre. Aí a gente continua esse bate papo. Talvez você esteja sonhando, talvez eu seja seu sonho, talvez a gente é a mesma pessoa e você se lembre que quem escreveu tudo isso, foi você um dia.

A minha parcial sobriedade (meu estoque está na metade ainda) faz-me ver o mundo real. Adivinha só: é uma merda. Ontem a noite pensei em escrever, mas estava triste. Estava tentando sobreviver. Fiquei deitado no meu saco de dormir torcendo em ouvir o barulho de tudo explodindo lá longe. De tudo acabando de forma hollywoodiana como em um filme de zumbis. Torci para ser o último ser humano do mundo. Apesar de estar pensando em ter meus últimos dias aqui, sinto que seria extremamente divertido voltar e ver que o ser humano se extinguiu e deu paz para o planeta se recuperar. Ver carros revirados, tudo ainda meio em chamas, cadáveres cá e lá, tudo destruído. Destruído para a grande reconstrução. Ver que o único som que escuto são de meus passos e saber que este é o único som que será emitido de um ser humano. O último ser humano. Sentir o silêncio absoluto que me dá a mais pura verdade. Bem, pelo menos a minha. Já imaginou? Ter um planeta só para você? Ou mais sabiamente falando, ser do planeta inteiro?

O ser humano se tornou o verdadeiro câncer deste planeta e não serão ongs bancadas por empresários ricos (como já trabalhei para alguns) que irá resolver tudo. O mundo não tem salvação, não pela mão dos homens. É sim, tarde demais. Os seres humanos já são esses zumbis hipnotizados pelos próprios egos que se expõem em vitrines ao vivo com a ajuda de aplicativos de celulares de última geração. Pensando assim, realmente, se não for para ser o último ser humano do planeta, acho que vou ficar por aqui. Acho que se eu ver mais alguém vagando por aí, credo, só de pensar me embrulha o estômago. Prefiro continuar em minhas fantasias egoístas de que quero ser o último vírus da terra e sobreviver na mesma até o dia em que ela vagarosamente engolir meu corpo. Depois disso, como já disse, é que tudo realmente começa a acontecer. Ansioso para minha passagem a este novo e desconhecido plano.

17 de Agosto de 2019 às 16:15 2 Denunciar Insira 3
Leia o próximo capítulo Espelho

Comentar algo

Publique!
Rhu Caroline Rhu Caroline
Ok. Como no FB você pediu opinião irei ressaltar algumas coisas aqui. Já no primeiro parágrafo percebi uma mistura/indecisão nos tempos verbais da narrativa. Isso é algo que já me aconteceu e recebi esse toque de um leitor aqui da plataforma. Repasso aqui a dica: É mais fácil narrar com verbos no passado e no contínuo. Além disso ao longo da narrativa percebi uma incoerência no relato dos acontecimentos. Ocorre uma mistura e até mesmo repetição de algo que já foi dito, acredito que falta um pouco de organização sobre o que você quer dizer e quando dizer. Por ex, o parágrafo que vc questiona ao leitor sobre ele ter achado a carta, seria interessante estar no final do capítulo, daria o impacto perfeito para um fechamento! Outro pequeno detalhe, quando usar de números, escreva por extenso. Salvo algumas exceções onde esteticamente pode ficar bacana o uso numeral mesmo, o correto é "quatro metros de minha morada" ao invés de "4 metros de minha morada" . Um exemplo de exceção tirada de um capítulo de meu livro: DOMINGO 24 Janeiro 2016 07:03 (aqui usei numerais pq era para dar ênfase ao que o personagem estava vendo na tela de seu Smartphone. Essa frase vem centralizada com bastante destaque no meio do texto. No mais, o primeiro capítulo não me revela muita coisa sobre o personagem, o que instiga a curiosidade pelo saber mais, por esperar esclarecimentos vindo dos próximos capítulos. Mandou bem nisso ai. ;) Por último, uma pergunta, começou a escrever tem quanto tempo?
Tassio Cap Tassio Cap
Algo melancólico com entornos críticos da insuportável existência humana. Interessante a escolha disgestiva de quem fala, escolhendo a si mesmo como prioridade. Continue. Abraços.
17 de Agosto de 2019 às 12:17
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 5 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!