brendalf Brenda Bezerra

“Se você não quer ouvir nada sobre seus erros e suas injúrias, deve se acostumar com a solidão de errar sozinho e a dor de se sentir fraco entre suas paredes.”


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#FicdeEpoca #estupro #sexo #gay #bl #yaoi #Sengoku #japão #LGBTQI+ #kaido #kaisoo
3
3.8mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

One.

Nem todos reconhecem que estão fazendo parte da história, até que essa assim se torne. Todos ainda falavam sobre os esforços japoneses para impedir a invasão de seu arquipélago pelas, então unificadas, tribos mongóis. Quase trezentos anos haviam-se passado e as crianças ouviam histórias heroicas sobre as gerações anteriores, se espelhando em guerreiros mortos com olhos brilhantes de futuros heróis de guerra. Os jovens se animavam pela possibilidade de lutar nos próximos anos, os velhos amargavam a injustiça de famílias não devidamente recompensadas pela detenção dos mongóis, a tensão se instaurava entre os clãs governantes, os olhos dos nobres cresciam diante das supostas riquezas dos vizinhos, mesmo sabendo que os recursos, em geral, haviam se exaurido naquele período de guerras.

Aos altos restavam um teia de intrigas, golpes baseados em poder e oportunismo, aos baixos sobravam a falsa paz trazida por um tecido translucido e frágil que encobria os problemas de uma sociedade prestes a ruir em seu próprio eixo. A ganância gerou ruína, com as constantes trocas as autoridades centrais se desmantelaram, se desfazendo em estilhaços de poderes políticos: os senhores feudais, os quais cresciam numerosamente, tomando posse de pequenas regiões, consagrando-as como feudos e, seja na base do medo ou da confiança, conseguindo o respeito como governantes daqueles povos. Ainda se dizia que esses se reportavam ao Xogun, mesmo que os mesmo se comportassem como Estados, com suas próprias moedas, política e exércitos.

Ocorreram disputas em torno da sucessão do Xogum, sendo a mais conhecida entre dois dos clãs mais influentes da época, os Hosokawa e os Yamana, esse ato ficou conhecido como a guerra de Onin, que durou mais de dez anos, causando milhares de mortes e deixaram a cidade de Kyoto arrasada. Os jovens já não se animavam mais com a possibilidade de guerra, os feudos ardiam em miséria e fogo e agora os confrontos aconteciam por recursos básicos, não se lutava mais uma guerra de nobres, e sim uma guerra de famintos. Uma guerra civil se instaurou.

Os senhores feudais lutavam por influência e inflamavam seu exército com a ideia de que lutavam pelo seu povo, os servos fieis se destacavam pela força e gana no olhar sempre que questionados sobre a sua posição perante seus líderes, os grandes generais tremiam, entre excitação e medo, esperando o menor sinal de fogo para voltar a manchar os becos com o sangue dos inimigos. Os samurais eram a elite suja e dominante e agora a lei que imperava era a lei da espada.

Enquanto os feudos mais pobres digladiavam por recursos e alimento, alguns grandes feudos se reuniam tentando retomar a unificação do Japão e restabelecer o poder de uma autoridade central, outros, por sua vez, buscavam o poder individual de governar sobre todos os 260 feudos reconhecidos dentro do pequeno país.

Um dos primeiros senhores feudais a tentar essa reunificação foi o, também general, Kim Jongin, que carregava junto ao seu brasão a inscrição “Tenkafubu”.

Todo o Japão sob uma única espada.

O escrito dizia muito sobre sua ambição, e suas conquistas diziam muito sobre o seu potencial. O general que assumira o controle do feudo de sua família precocemente, em meio aos 25 anos já espalhava o medo por onde passava, colecionando vitórias e inimigos que viam no seu desempenho e táticas de guerra um futuro ameaçador. Hoje, ele comanda suas tropas sob punho de ferro, enquanto estabelece relações com o clã de Imagawa, muitos dizem que esse tipo de contato é uma via de mão única, levando-se em consideração a vantagem numerosa que o clã leva contra o jovem, porém os mesmos desconhecem o quanto o velho Yoshimoto anceia manter a paz com o clã dos Kim, mesmo que isso custe o dividir de suas reservas com o seu povo.

E é nesse cenário de violência e glória, nas sombras dos cabelos de um jovem guerreiro de coração ardente em ódio e terror, que a história se construiu, as escolhas se tornaram ações e as ações se tornando traços, escritos em folhas amareladas por aqueles que venceram os conflitos; mesmo que entre as diversas camadas espeças de acontecimentos conhecidos, se escondessem fatos limitantes, que regeram, fortemente, destinos abandonados entre as pontas dos dedos dos deuses, e yokais.

8 de Agosto de 2019 às 06:23 0 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Two.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Photograph Photograph
A linguagem das flores A linguagem das flores
Protect your e-mail Protect your e-mail