As flores de outono Seguir história

moonpierredelune Ammi Pierre

Uma garota gosta de espiar pessoas no banco de praça que dá de frente para seu quarto. Um dia acontece algo incomum que muda a vida dela, e isso envolve uma begônia, flores que representam lealdade e amor verdadeiro.


Conto Todo o público.

#jovem #banco-de-praça #flores #amor #258
Conto
3
4.2mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

As flores de outono

Avistava sempre aquele banco marrom, através da janela do meu quarto, espionando as pessoas que lá sentavam: idosos se apoiavam para amarrar seus sapatos, jovens ficavam conversando no fim da tarde, namorados paravam ali para ficar se beijando em beijos intermitentes com gosto de saudades, enquanto as crianças se escondiam atrás dele no jogo de esconde-esconde.

Com passos calmos, sempre aquele homem jovem chegava e parava ali, sentando-se e olhando para o nada, como perdido em pensamentos que iam e voltavam, assolando-o com vigor, sem nunca deixá-lo em paz. Observava o nada como se o tempo-espaço não existisse, e todas as pequenas coisas fizessem mais sentido do que realmente possuem. Todos os dias eu me questionava no que ele tanto refletia. Quais inquietudes guardava tão fundo na alma?

Algumas vezes eu sorria apressada, enquanto pensava neste rapaz, um meio sorriso, daqueles sorrateiros que dizem tanto num mistério profundo, ao observá-lo furtivamente por uma fresta na cortina.

No outono, porém, aconteceu algo diferente: ele segurava uma begônia, flores de outono e, com angústia, jogou-as no chão e começou a chutá-las com uma raiva gigantesca.

Coloquei minha mão perto da boca e me desestabilizei ao tentar correr para dentro de casa, cai no chão com um estrondo. Foi naquele breve momento que ele percebeu e se aproximou da minha janela. Perguntou-me se eu estava bem de um jeito inesperado, e me questionou o que eu fazia espiando-o pela janela.

— Eu não estou te espiando — respondi, corando.

— Observar os outros sem permissão é espiar — ele replicou, de um jeito engraçado.

Não pude argumentar muito quanto a isso. De fato, essa era a definição.

— Desculpe, não queria ficar te olhando... — falei.

Ele somente abriu um grande sorriso.

— Por que razão você chutava aquelas flores? — perguntei de modo intrometido.

— Minha namorada... bem, ex-namorada, me traiu com meu melhor amigo. E eu descobri quando ia lhe dar essas flores — ele deu de ombros.

— Puxa — exclamei.

— Quer conversar comigo naquele banco? — ele perguntou — sempre fico pensando na vida e no mundo quando estou sentado lá. É um bom lugar para se inspirar em histórias, parece que te transporta para lugares paralelos.

Ao sair de casa e sentar com ele, me lembro dele ter recolhido as flores, passado as mãos para tentar recuperá-las, me dar um sorriso embaraçado e oferece-las nas minhas mãos.

Viramos amigos, grandes amigos, namorados, e depois nos casamos numa cerimônia nada tradicional perto do banco de uma praça, somente com uma testemunha.

Naquele dia, plantamos begônias, símbolo de lealdade e amor verdadeiro, mais isso tudo é outra história.

Nesse momento, me relembro desse amor nada comum que me apareceu, somente pelo motivo de gostar de espiar o que as pessoas faziam no banco de madeira que dava de frente para meu quarto.

Bem, o romance pode aparecer em horas e lugares tão inadequados e estranhos quanto possível. Pode estar, inclusive, na sua esquina, basta procurar com atenção.








27 de Julho de 2019 às 14:50 3 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Ammi Pierre Olá, tudo bem? Eu adoro escrever, e tenho conta em vários websites. * Moonpierre - Nyah Fanfiction * Moonpierre de Lune - Wattpad * Moonpierre - Sweek Caso queiram me acompanhar por aí, fiquem à vontade. *Em andamento: Tudo acontece naquela balada - sendo publicado em ambas as redes Inkspired e Wattpad.

Comentar algo

Publique!
Valéria Costa Valéria Costa
Só posso dizer que amei!
August 02, 2019, 11:44

  • Ammi Pierre Ammi Pierre
    Olá! Muito obrigada, fico feliz que você gostou ❤️ August 02, 2019, 22:19
~