Fugitivos Seguir história

K
Keren Rafaela


Um ômega e seu filhote acabam entrando no território dos lobos cinzas enquanto fogem de seu líder opressões e abusador. Feridos, sem lar e desprovidos de um rumo a tomar na vida, a história dos dois ganha uma nova página que envolve um grande e marrento lobo cinza e sua peculiar maneira de encarar os desafios da vida.


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#jeon-jungkook #tae #fanfic #universoalternativo #omegaverse #bts #omega #alpha #abo
0
3.5mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Desespero, Preocupação e... Carinho

Era fim de tarde, o sol se deitava no horizonte preguiçosamente banhando a terra com longas sombras e uma sensação de desamparo naquele dia particularmente frio que anunciava a chegada imprevista do inverno que havia chegado de surdina e já cobrava a todos que moravam na região montanhosa entre os territórios dos grandes e ferozes lobos cinzas e dos ágeis e astutos lobos brancos.

O vento que corria pela terra desolada pelo frio intenso levava junto a si os lamentos de todos que ousavam se esgueirar pelas árvores frondosas que prersistiam ao tempo hostil e não havia aberto exceções para ninguém, o que levou o Ômega de belos cabelos brancos e lábios rosados a esconder-se em uma caverna enquanto encolhia-se buscando juntar ao menos um pouco de calor para o minúsculo corpo infantil que se alinhava a seu peito desejoso de sentir o cheiro calmante de seus feromonios e proteger-se do frio congelante que ameaçava traga-los vivos. Podia sentir o corpinho delicado do menor amolecer em seus braços e aquilo lhe tirava lentamente o pouca sanidade que ainda persistia em manter seus pensamentos em ordem.

Lágrimas quentes cortaram a pele pálida e imaculada do rosto do albino enquanto a ideia de perder o filhote lhe consumia em completa agonia. A dor antes insuportável dos ferimentos que percorriam seu corpo agora pareciam apenas sentimentos distantes e insignificantes quando comparados com a dor que tomava seu coração. Nunca em sua existência havia desejado voltar para o covil aterrorizador ao qual havia fugido junto ao filho, mas por uma fração de segundo considerou que deveria ter sido mais submisso e garantido a segurança que seu pequeno necessitava. Pensamento esse que foi sendo posto de lado conforme as lembranças violentas de ter sido abusado diversas vezes pelo pai do garoto e ter visto o atacar algumas vezes o próprio filho sem poder sequer tentar se impor contra. Não podia mais suportar os maltratos vindos do outro. Tinha certeza que morreria se o fizesse e isso seria o mesmo que entregar a pequena e delicada joia em seus braços de bandeija para um homem cruel torturar e isso sem dúvida seria muito pior que a morte para o albino.

A febre do ômega se fazia presente e com ela pensamentos desconexos e confusos sobre o que havia acontecido para ter acabado ali e em como seria de seu futuro lhe apavoravam ate o último fio de cabelo.

Após uma briga entre ele e o pai de seu filho que quase o matou, ficou com medo de um futuro abuso do outro, pegou o pouco que tinha e fugiu. Ato que não passou despercebido fazendo que durante a fuga fosse atacado por um beta sob o comando de seu parceiro e ferido por ele gravemente. Dês de então ele e o pequeno atravessaram o território que antes os pertencia e entraram no território vizinho, parando naquela caverna por conta do Ômega que já não podia nem mesmo se manter de pé de tão fraco que estava. E no momento sem mantimentos e contando com a companhia um do outro apenas, temia o que viria pela frente pois tudo indicava o fim certo.

Os dedos finos e delicados apertavam fracamente o filhote em seus braços e as lágrimas escassas cessavam enquanto seus olhos se fechavam lentamente. Tentava mater-se desperto, mas a cada segundo as pálpebras pesavam mais e o esforço para manter-se acordado mostrava-se inútil. O frio e a febre e os ferimentos que percorriam seu corpo lhe tiraram a sua força e o lançava para o inconsciente que no momento parecia muito tentador e aconchegante.

A escuridão chegou antes mesmo que o albino notasse e foi de encontro ao nada, era desesperador e calmante ao mesmo tempo. Sua respiração diminuía perigosamente e os batimentos de seu coração oscilavam constantemente. Lutava internamente contra aquilo, não podia se deixar ir daquela forma, mas nada adiantava. Até mesmo os gritos internos que lançava para si mesmo se apagavam e o frio se dissipada como se nem sequer existisse.

Estava com medo. Precisava de ajuda. Por ele e o filhote, precisava viver.

Desmaiou

[Quebra de tempo]

Em uma de suas idas e vindas a consciência, sentia-se pressionado a algo quente e mãos firmes segurando seu corpo.

Podia ouvir gritos distantes e em certo momento de lucidez abriu os olhos minimamente o que possibilitou ver o homem que lhe carregava nos braços olhando para o seu rosto com uma expressão de angústia e preocupação. Por um motivo desconhecido a si, viu nas orbes negras que o encaravam uma conexão que fez seu corpo tenso relaxar e amolecer contra o outro.

Sentia que podia se entregar a exaustão e nem por um momento hesitou após ver nos olhos do outro o que há muito não recebia…

Carinho.

17 de Junho de 2019 às 21:56 0 Denunciar Insira 0
Continua… Novo capítulo Todos os Sábados.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~