Luzes#01 (Série: Quando as Luzes se Apagam) Seguir história

lebloncarter Leblon Carter

Simas é um jovem de dezenove anos que acaba de se formar na faculdade de comunicação e artes de São Paulo. Apaixonado por literatura e escrevendo seu primeiro livro para participar do concurso de pequenos escritores de Nova Iorque, ele se vê obrigado a trabalhar em um cinema antes de poder concretizar seu sonho. Lá, ele conhece Cedric Venegas, um jovem colega de trabalho por quem ele começa a despertar sinceros sentimentos. Em meio ao trabalho árduo, a escrita e o amor não correspondido, Simas se vê em apuros quando começa a perceber que relacionamentos com garotos héteros podem gerar diversos problemas para ele e para qualquer outro que queira se aventurar nessa história. Aos poucos, ambos vão percebendo que a última sessão só acaba quando todas as luzes se apagam, ou quando o primeiro beijo acontece.


LGBT+ Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #gay #adolescente #hot #juvenil #lgbt #fanfic
0
1137 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 0.0 - Prólogo

Não é fácil escrever. Digo isso pois a literatura sempre esteve presente na minha vida. Desde a infância, até a adolescência, da qual acabo de sair. Mais precisamente, livros. Não há nada mais instigante para mim do que ler um livro que me faça viajar para outro lugar. Conhecer novas personagens, culturas, cidades, tradições. É um pouco do mundo em um pedaço de papel. Aventura, romance, ficção. Cada gênero tem a sua especialidade, o tornando único.

Quando leio, tento focar mais na história em si do que na escrita. Claro, erros de português atrapalham, e muito. Geralmente, eles são pequenos e quase imperceptíveis. Muitos escritores não escrevem bem. E isso não os tornam menos escritores por isso. Eles são mais vistos como contadores de histórias, já que o foco está na mensagem transmitida e no enredo em si, e não apenas nas palavras que formam o todo.

Desde que me formei em Cinema pela faculdade de comunicação e arte de São Paulo, comecei a escrever um livro. É uma história sobre um adolescente de quatorze anos que assassina toda a sua família na ceia de natal. Após isso, ele é enviado para um hospital psiquiátrico chamado "Saint Louis", e recebe uma pulseira azul. Mais tarde, ele descobre que outros pacientes também possuem pulseiras, mas de cores diferentes. Cada cor representava um sentimento e esse sentimento foi o que o levou a cometer tal crime. Mas acho que já estou falando demais. Apesar de soar um pouco mórbido, a história reflete a visão humana sobre o que é o pensar e fazer. O que leva uma pessoa boa a fazer coisas ruins, e as consequências que isso acarreta não só para as vítimas, mas para os próprios causadores disso.

Sempre gostei muito de filmes e livros que me fizessem refletir sobre a vida. É algo que te instiga a querer saber mais e entender como o mundo e as pessoas funcionam. Não é algo vazio que te preenche por algumas horas e some deixando um grande buraco no cérebro. O ser humano é tão complexo. Sentimentos, expressões, ações, pensamentos...tantas coisas dentro de alguns ossos, tecido e sangue. Um emaranhado de ligações que formam a coisa mais valiosa no mundo: a vida humana.

Nesse exato momento, estou no metro a caminho do meu primeiro dia de trabalho. Apesar de trabalhar no meu livro dia e noite, pronto para inscrevê-lo no concurso de pequenos escritores de Nova Iorque que vai escolher um livro para ser publicado pela "Checkmate", maior editora da América, também preciso pagar minhas contas. Só consegui terminar a faculdade graças ao projeto "pequeno escritor", da minha antiga escola. Ela escolhia cinco estudantes com grande talento para a escrita e os financiavam durante dois anos. Acabei sendo o quarto escolhido, precisando ter que fazer uma análise sobre a economia atual do país, uma dissertação sobre como a literatura brasileira podia ajudar a população mais carente e escrever um roteiro de comercial sobre o combate as drogas. Não foi uma tarefa fácil. Principalmente por todo o conhecimento que eu tinha sobre roteiros até ali ter saído de páginas de internet e livros mofados da velha biblioteca. Mesmo tendo sido tarefas bem árduas, valeu a pena. Na faculdade, aprendi muito sobre o que o cinema e a arte queriam ensinar as pessoas.

Quando você se forma em algo que te faz bem, provavelmente acredita que trabalhará na mesma coisa. Porém, não é bem isso que aconteceu comigo. Um dos meus professores me indicou para uma vaga de estágio como auxiliar de gerente de projeção em um dos cinemas da cidade, mas como o meu diploma não ficou pronto a tempo, acabei perdendo a vaga. Felizmente, ou infelizmente, o recrutador acabou gostando de mim e conseguiu me encaixar em outra vaga um pouco mais modesta. "Usher", para ser mais preciso. Não, não é o cantor. Também me confundi da primeira vez. Usher era o funcionário focado na área de operações. Para quem não sabe, existem três áreas no cinema: bilheteria; onde são vendidos os ingressos e entregue brindes de filmes nos lançamentos. Snack bar; a lanchonete do cinema. Lá possui a famosa "pipoca de cinema", com aquela manteiga derretida que ninguém consegue repetir em casa, refrigerantes, sucos, doces, cachorro-quente e mais um amontoado de agrotóxicos. E, por último, a área de operações, onde ficam as salas de cinema, o podium, nome dado ao local onde é recolhido os ingressos, os banheiros e a sala de óculos 3D. Minha tarefa era deixar tudo limpo e organizado. Em outras palavras, seria um faxineiro. Não há nenhuma vergonha nisso, mas ao invés de ter a adaptação do meu livro sendo exibido nas salas de cinema, eu limparia a sujeira de quem fosse assistir filmes.

Mesmo sendo barulhento e muitas vezes apertado, ler no metro se tornou uma coisa corriqueira para mim. Principalmente quando precisava estudar páginas de roteiro para as provas na faculdade. Atualmente, estou lendo "O Alquimista Prodígio e a Espada de Cobre", de um escritor brasileiro. Eu gostava de ler livros nacionais pois me ajudava a melhorar a escrita. Estudar roteiros na faculdade tinha mais haver com as técnicas, enquanto o livro mostrava a doçura das palavras e as formas que elas podiam ser usadas.

Por morar em um conjunto habitacional longe do centro da cidade, era necessário pegar um ônibus e um metro. Indo até o final da linha em ambos. Eu iria entrar no serviço as quatorze horas e sairia às onze da noite. Então, levantava bem cedo para deixar tudo pronto para o longo dia. Depois de vinte e três estações e trinta páginas de leitura, eis que chego a estação de metrô Tucuruvi. Por ser a última estação da linha azul, todas as pessoas tentariam desembarcar ao mesmo tempo, o que sempre me proporcionava empurrões e cotoveladas. Por isso, como de costume, sempre esperava um intervalo de dez segundos para que todos descessem, e só assim eu me arriscaria a tentar sair vivo dali.

Centenas de pessoas passavam de um lado para o outro em sequências de segundos. Eu não me arriscaria a ficar entre elas. Antes que pudesse me aventurar nesse mar de seres humanos apressados com suas vidas cotidianas, guardei meu livro na parte mais funda da minha bolsa. Bens preciosos em primeiro lugar sempre. E, antes que uma manada de seres humanos se formasse novamente para embarcar no metro que estava prestes a sair, tratei de seguir em direção a primeira escada que aparecera no caminho. Ela levava até a saída da rua principal. A estação, que provavelmente viraria uma rotina na minha vida a partir de agora, tinha uma imensidão maior por dentro do que por fora. Após atravessar a catraca, com outras centenas de pessoas, me deparo com o meu destino do outro lado da rua.

16 de Junho de 2019 às 19:26 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo Capítulo 0.1 - Vermelho

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 10 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas