This will be our little secret Seguir história

sahsoonya Sarah M

[KaiSoo/SooKai] [OS] KyungSoo acaba de descobrir um dos muitos segredos do primo Jongin. E fará o que for necessário para que possa viajar com os amigos nas férias, mesmo que isso signifique ameaçar Jongin com a verdade. Porém, Jongin tem outros planos ao descobrir o que o primo planeja e essa viagem promete muitas novas emoções a esses dois mentirosos.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#ua #os #primos #sahsoonya #fluffy #lemon #+18 #slash #kaisoo #exo #yaoi
Conto
2
2781 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

The perfect liars


Notas: Oi galeris! Estive um pouco ausente, mas aqui estou eu para compartilhar mais uma das antigas fics que eu tinha postadas no Spirit. Espero que apreciem esse KaiSoo marotão! Boa leitura.



This will be our little secret



Andava aborrecido pelos corredores da escola. Queria alguém pra socar. Ouvira mais um sonoro "não" e isso sempre o exasperava.


BaekHyun estava deitado com a cabeça apoiada nas pernas do amigo ChanYeol enquanto ele apoiava seu caderno de desenho em sua cabeça. Baek tinha fones de ouvido e apreciava a batida agitada de "dreaming" do SOAD de olhos fechados. Ambos vestiam uma camiseta preta com uma estampa deveras abstrata de Bullet for my valentine, naquele canto isolado do pátio.

Ninguém se aproximava muito dos garotos. Costumavam ter má fama devido à seu gosto musical. E eles mesmos gostavam de alimentar essa ideia de que eram maçãs podres. Assim ninguém os incomodava. Eles prezavam essa paz.


E eis que o terceiro integrante daquele grupo de renegados chegara. KyungSoo chegou silencioso como sempre, sentando ao lado de ChanYeol que só percebeu isso quando ele começou a falar.


- Vocês acreditam que ela disse não de novo?


- Que susto Soo! - ChanYeol pôs a mão no coração, assustando Baek que levantou e fitou os amigos.


- Você tem que parar de brotar do chão em silêncio. Quase nos mata de susto. - Baek falou, simplesmente.


- Vocês é que são desatentos - a resposta era sempre a mesma. Baek revirou os olhos.


- Então ela não vai permitir? - ChanYeol fechou o caderno e olhou para KyungSoo, que trazia uma expressão emburrada no rosto.


- Exato.


- Qual a desculpa dessa vez? - Baek questionou.


- Ela diz que não confia em mim viajando sozinho... Que eu preciso de alguém pra cuidar de mim.


- Você tem a gente!


- Ela não confia na "gente" - fez aspas com os dedos - Fazendo essa viagem sozinhos.


- Que cúmulo! - Baek se exasperou, sempre tão dramático. - Até meus pais que são caretas deixaram. Creio que ela tenha lhe dado uma boa outra opção, certo?

KyungSoo suspirou. Ele odiava reproduzir a fala da mãe. Só de lembrar dos termos que ela usara já se sentia irritado.


- Ela quer que eu chame Jongin pra ir junto.


- O que? Por que? - ChanYeol descansou o braço nos ombros de KyungSoo enquanto ouvia atentamente o que o amigo ia dizer.


- Ela disse que como Jongin é maior de idade e mais responsável, se sentiria mais tranquila em me deixar viajar com vocês... - KyungSoo crispou os lábios, descontente.

Ele simplesmente não queria aquilo.


BaekHyun revirou os olhos, sem paciência para o cuidado exagerado da mãe do amigo. Não entrava em sua cabeça o modo reservado e tradicional da família do outro.


- E o que seu primo irritante disse?


- Ainda não falei com ele. Jongin é todo certinho, mas não me suporta e o sentimento é recíproco. Nunca vi cara mais baba ovo da família, pelos deuses. Ele até faz a faculdade que os pais queriam, só para deixá-los orgulhosos... Bleh.


- Ouvi que ele é um universitário bem popular... - ChanYeol observou.


- Pode até ser, mas eu não engulo essa pose dele não. Aquele ali tem a maior cara de pegador. Deve aprontar de tudo lá na faculdade... Longe dos olhos da família. - Baek soltou, tirando os cabelos pretos dos olhos, enquanto sorria malicioso para o amigo.


KyungSoo olhou para o céu, como costumava fazer quando estava muito inquieto.


- Não me importa o que aquele babaca faz, desde que ele aceite ir com a gente pra essa viagem.



***


Já havia andado pra cima e pra baixo ao redor daquele campus e nada do moreno. Cada pessoa a quem perguntava lhe passava uma informação diferente.


- Talvez eu devesse ter ligado antes? - sussurrou KyungSoo para si mesmo, enquanto passava por um pátio com uma bela fonte. - Não. - completou - Se aquele cretino soubesse que eu vinha provavelmente fugiria.


As coisas eram assim. O filho de sua tia e ele costumavam ser amigos quando crianças. Jongin era 5 anos mais velho que KyungSoo porém, sempre brincavam juntos na infância. Quando os anos de pré adolescência chegaram para o moreno, Jongin simplesmente pareceu ter perdido o interesse em ter seu primo, segundo ele fofinho, perto de si.

Enquanto Jongin se tornara o filho prodígio para seus pais, KyungSoo foi se tornando cada vez mais introvertido, mas nada que alguns amigos esquisitões não resolvessem, afinal a amizade de ambos sempre foi do tipo superficial entre primos. Nada demais. Com o tempo seus interesses mudaram e fazia tempos que não se falavam. Na verdade, não se gostavam justamente por serem tão diferentes. Jongin era um verdadeiro galã desde a escola e chamava muita atenção por sua dedicação e bons modos. Um garoto de ouro.

Já KyungSoo, era deveras estudioso, porém muito frio e reservado. Não gostava muito de pessoas, preferia apreciar o mundo de sua maneira singular. Por sempre ouvir a mãe usar o primo como exemplo toda vez que lhe repreendia por ouvir música muito alto, ou por assistir aqueles animes e ler livros de terror que segundo ela "nada tinham a acrescentar em sua vida" ele passou a odiá-lo ainda mais, até mesmo não estando presente quando o primo e a mãe vinham visitar sua progenitora.

Mas, agora o caso era outro, pois mesmo sabendo que o primo o odiava tanto quanto ele próprio o fazia, estava disposto a passar por cima de seu orgulho para conseguir o aval para a viagem que tanto planejou para o último ano do ensino médio.

Enquanto andava, já bem cansado por um dos corredores que davam acesso à biblioteca, reconheceu um garoto que costumava ser amigo de seu primo quando criança e resolveu perguntar a ele se sabia algo do moreno.


- SeHun? - falou, vendo o rapaz loiro se virar e o fitar.


- Sim, em que posso ajudar? - disse o rapaz, usando o blusão do mesmo curso que ouviu que seu primo cursava, economia.


- Você por acaso viu Kim Jongin por aqui?


O garoto soltou um risinho, analisando-o de cima a baixo com indisfarçável curiosidade.
- O que quer com ele?

KyungSoo se esforçou para esboçar um sorriso simpático quando tudo que queria era arrebentar a cara daquele moleque de uma vez e descobrir onde o primo pentelho se enfiara.


- Vim passar um recado a ele... - mentiu. Aquele amigo de Jongin de trouxa só tinha cara, pois seus gestos e olhares denotaram que não estava comprando aquela história. KyungSoo sentiu que tinha que ser cauteloso.


- Qual a natureza do recado? - SeHun lançou lhe um olhar indecifrável ao baixinho, que arqueou a sobrancelha em confusão.


- Um recado de família... A tia dele me pediu que viesse avisá-lo. - foi mais específico pra não dar pinta. O amigo enfim pareceu convencido.


- Nesse horário ele deve estar na biblioteca... Estudando. - falou, com um estranho sorriso nos lábios. Aliás, quem é você?


- Sou... Um amigo dele.


- Então devia saber que ele não curte ser interrompido quando está... Estudando.

Aquele jeito esquisito de enfatizar o "estudando" só deixou o estudante ainda mais confuso e irritado.


- Eu sei disso... Aliás, que parte da biblioteca? - desconversou.


- Bem, ele costuma estudar na ala B. Está bem escondida, mas estou certo que você vai encontrar. - SeHun soltou uma risadinha travessa antes de sair caminhando, e completando: - Só não lhe diga que te falei onde ele está, okay tampinha?

KyungSoo estreitou os olhos, irritado com o apelido. Era justamente disso que Jongin costumava lhe chamar quando criança. A simples lembrança lhe fazia cerrar os dentes. Preparou seu sorriso mais falso ao responder:


- Mas, é claro, obrigado pela informação.


O garoto sumiu dentre os muitos estudantes que se preparavam para o próximo tempo, enquanto o baixinho tentava decifrar aquelas coisas que ele lhe disse. Resolveu deixar pra lá, já que tinha pressa em se humilhar para o primo.



***
Os olhos pareciam querer saltar da cara ao dar-se conta do que acontecia diante de seus olhos.


Após andar pela maldita biblioteca por tempo indeterminado, KyungSoo finalmente encontrara a ala B. Era realmente bem afastada e estava aparentemente em obras. Então, o que Jongin iria querer ali afinal? Quando passou pela porta e andou um pouco dentre as prateleiras, descobriu o significado dos sorrisos e suposições de SeHun. Jongin estava ali. Mas, não estava estudando coisíssima nenhuma. Ele estava é fodendo um garoto ali, no meio da ala abandonada da biblioteca.


Cobriu a boca com a mão, observando o que se desenrolava ali diante de seus olhos esbugalhados. Havia um garoto, um pouco menor que o próprio primo, inclinado em uma pequena mesa de estudos, enquanto o primo o estocava por trás. Jongin não estava nu, pelo que KyungSoo pode ver, só abrira o zíper da calça, enquanto que o outro cara tinha as calças arriadas até o meio das pernas. O menino menor gemia baixinho enquanto Jongin tinha os olhos fechados e suava nas têmporas.

KyungSoo estava chocado com a cena, e ainda mais chocado por saber que Jongin estava muito mais bonito do que se lembrava. "Maldito galã" era como o chamava na época em que se afastaram, e estava muito chocado de saber que o primo de ouro na verdade tinha uns gostos diferentes dos que dizia ter em frente à família. Tirou uma foto e antes que se visse animadinho demais com o que via, decidiu pôr em prática a ideia interessante que surgira em sua mente, e usar a mentira do primo de que era hétero contra ele.


Saiu das sombras, batendo palmas e vendo o espanto do primo ao ser flagrado. Jongin se afastou do garoto, virando-se de costas, fechando o zíper e arrumando as roupas, enquanto o garoto se arrumava como podia, diante dos olhos enormes do menor, que faiscavam maldade.


- Ora, ora, ora... O que temos aqui? - disse, tentando não corar pelo que vira. Manteve a postura firme, enquanto Jongin enfim o fitava, com uma expressão assustada no rosto.


- Kai... O que faremos? - O garoto disse, olhando para Jongin que fitava o menor curioso e preocupado ao mesmo tempo. Ele certamente não lhe reconhecia, visto que mudara bastante desde sua infância ao lado do primo.


- Kai? É assim que o chamam fora de casa, Kim Jongin?


O primo pareceu reconhecer seu rosto finalmente, pois se aproximou e sussurrou:
- KyungSoo?

O baixinho sorriu para o primo que estancou na mesma hora. Aquilo não podia estar acontecendo. Depois de tantos anos o priminho irritante parecia ter voltado para lhe atormentar. Mas, o que era realmente impressionante era que KyungSoo estava mudado, muito mudado. Ele não tinha mais aquelas espinhas na cara nem o cabelo estilo tigela. Agora o primo parecia mais encorpado e infinitamente mais atraente. Usava uma camiseta que parecia ser de banda e tinha calças rasgadas nos joelhos. O cabelo estava arrumado em um belo topete e o rosto estava menos rechonchudo do que na última vez que o viu. Mesmo tendo crescido um pouco, KyungSoo ainda era baixinho, mas não deixava de ser ameaçador.


O garoto que anteriormente estava debruçado sobre a mesa apanhou sua bolsa e foi saindo, esbarrando em KyungSoo e se desculpando antes de sair dali correndo, deixando assim só os primos dentro da ala B.


Vendo que o primo não fazia menção de falar, KyungSoo começou, com a mão no queixo e um sorriso zombeteiro nos lábios em formato de coração:


- Mas, quem diria que encontraríamos em uma situação dessas, hein Kai...


O primo enfim acordara do choque, se endireitando e o olhando feio antes de tornar:


- O que quer aqui? Como me achou?


- O caso aqui não é esse, não é primo? Estou bem impressionado de te ver numa situação dessas, logo você que é o exemplo da família.


Kai estreitou os olhos. Tinha sido descoberto e um sentimento muito ruim de que o primo lhe puniria por isso se apossou de si.


- Isso não é da sua conta.


- Talvez esteja certo, mas com certeza é da conta da tia, que grita aos quatro ventos o quanto seu filho prodígio logo lhe trará uma bela nora para perpetuar o legado da família. Seria horrível que ela descobrisse que seu garotinho gosta de outros garotinhos, não é mesmo?


Kai bufou, frustrado. Não sabia o porquê de seu primo estar ali e nem porque o estava ameaçando, e só queria descobrir como o encontrara ali. Sempre foi muito discreto em suas escapadas e estava surpreso que ninguém menos que o primo o surpreendesse ali. O que fazer para calar a boca do garoto irritante?


- Diga o que quer de uma vez... - sibilou, pondo uma mão na cintura.


- Sabe, eu achava que eu era um bom mentiroso, mas olha Kai, você está mesmo de parabéns. Merecia um oscar! - sorriu ladino.


- Chega! Fala logo o que quer!

KyungSoo sorriu vitorioso.


- Deve estar sabendo da viagem de formatura que planejei com outros dois amigos...


Kai sentou- se na pequena mesa de estudos, fitando o outro com visível carranca.


- E o que eu tenho com isso?


- Bem... Minha mãe quer que eu tenha alguém maior de idade e de confiança ao meu lado quando eu for.


Kai gargalhou, visivelmente irritado com a ameaça velada do primo.


- E você acha que vai me ameaçar a ir a essa viagem contigo? Nem morto!


KyungSoo sorriu. Sempre foi bom em fingir que tinha tudo sob controle e felizmente Kai não sabia disso.


- Acho. Apesar de agora saber que não é tão de confiança assim, claro.


- Só pode estar de brincadeira... Não vou fazer parte disso...


KyungSoo se aproximou e o mais alto pôde ter a visão do olhar ameaçador que ele lhe lançou.


- Você é quem sabe. O interesse de manter seu segredo escondido de nossa família é todo seu.


- Você acha mesmo que pode me ameaçar, garoto? Você nem possui provas...

KyungSoo pigarreou, tirando o celular do bolso com um sorriso de orelha a orelha, mostrando a foto em que Jongin aparecia transando com o garoto. A boca de Jongin abriu num "O" enquanto ele suava frio. Seu primo sempre fora muito ardiloso e pelo jeito, não mudara nada.


- Não me ofenda, Kim Jongin. Minhas habilidades só se desenvolveram com o tempo.


Kai soltou um longo suspiro, enfim se deixando derrotar pela ameaça do primo.


- Você vai pagar por isso, tampinha maldito... - falou, antes de sair dali. Estava muito encrencado, bem sabia, mas não iria deixar barato para o primo.



***


Pela primeira vez em muito tempo, KyungSoo estava animado para fazer parte daquele jantar em família. Sua mãe estava radiante por ter sido informada pelo filho que Jongin havia concordado em acompanhar seu filho na viagem que ele faria com os outros dois amigos. Os garotos fariam um grande tour pelas províncias mais afastadas, já que desejavam visitar alguns locais históricos como os grandes templos e por fim iriam pra Jeju aproveitar as praias. Ela achou muito estranho que Jongin aceitasse tão facilmente, visto que os meninos não se falavam a tempos, mas viu esta como uma oportunidade para que os meninos se tornassem bons amigos novamente, já que KyungSoo não tinha nenhum irmão com quem conversar. O comportamento rebelde dele, na opinião dela, era falta de um irmão mais velho para aconselha-lo. Talvez KyungSoo se tornasse mais normal e menos irritadiço com Jongin por perto. Ele era um bom exemplo aos olhos dela.


Quando todos chegaram, KyungSoo quase gargalhou ao ver a expressão descontente do primo ao vê-lo. Se aproximou dele e sussurrou em seu ouvido:


- Ora, mostre-se mais animado, Kai. Temos que fingir que somos amiguinhos. O outro apenas ignorou o que o primo mais novo dissera, sentando-se à mesa.


O jantar transcorreu bem até que a mãe de KyungSoo disse:


- Fiquei surpresa que você aceitou acompanhar o Soo nessa viagem Jongin, estou muito aliviada.


Kai sorriu e respondeu:


- Fico feliz de poder ajudar, tia. KyungSoo me pediu e como eu poderia negar, quando ele olha com aqueles olhos de cachorro pidão?


KyungSoo pisou no pé do primo, que mostrou um sorriso de lado para ele. Estavam se provocando.


- Bom saber que estão se dando bem, rapazes... - o pai de Kyung começou. - E como vai a faculdade?


- Bem, tio, está tudo bem... - Kai começou, mas foi cortado por Kyung que disse sorrindo travesso:


- Ouvi dizer que Jongin estuda muito, pai.

Foi a vez de Jongin pisar no pé do outro, que deu de ombros ao ouvir o elogio que o pai direcionou ao primo. Seu desejo era desmascarar o primo para ver a cara de decepção dos presentes, para que parassem de lhe encher o saco, mas a viagem era mais importante para si. Contaria a verdade quando voltassem, era assim que planejara afinal. Iria matar dois coelhos com uma só cajadada. Iria ter a viagem dos sonhos ao lado dos melhores amigos, além de ter o gostinho de ter o primo humilhado em frente à família. Enfim, seria o fim dos infinitos "por que você não é como o Jongin, filho?".


- Tenho certeza de que muitas garotas se enfileiram para serem dignas de serem suas namoradas, não é Jongin? – a mãe de KyungSoo observou, vendo o sorriso amarelo do sobrinho direcionado a si. KyungSoo estava se divertindo muito. - KyungSoo nunca traz uma namorada. Vivo lhe dizendo que esse visual roqueiro não atrai as garotas hoje em dia, mas ele não se importa... - suspirou cansada, fitando o filho que cutucava a comida com o garfo, revirando os olhos.


- Bem, tia... - Jongin começou, mas Kyung o interrompeu novamente, dizendo:


- Ah, mamãe... Não sabe o quanto as meninas amam o Jongin. Me pergunto como, com tantas pretendentes, ele não escolhe nenhuma pra apresentar pra gente.


Kai estava prestes a explodir de raiva. Ele odiava sentir-se acuado e odiava em dobro que fosse o primo ao fazê-lo sentir-se assim. Mas, de alguma forma que não sabia explicar, esse jeito todo destemido do primo o mantinha alerta, atento a cada movimento dele, o que o levava a notar coisas que nunca notara antes em relação ao primo, principalmente o quanto ele ficava belo com aquelas roupas pretas ou o quão inteligente parecia ser quando falava daquela forma. Era excitante conhecer aquele lado do garoto, já que quando eram crianças uma coisa que o irritava nele era o quanto ele era quieto. Quase não falava e só o seguia por todo lado.


- Ainda não achei a garota certa... - Kai disse entredentes. - Mas, KyungSoo está muito mais bonito do que eu me lembrava uns anos atrás. Cadê as namoradas, priminho?


KyungSoo estreitou os olhos. Mesmo que Kai se mostrasse constantemente assustado com suas atitudes, ele parecia confiante em alfineta-lo em relação à isso. Estava cauteloso, qual era o plano de Jongin, afinal?


- Não faço tanto sucesso quanto você, primo. - disse simplesmente.


- Pois devia... - O outro tornou, sorvendo do refresco tranquilamente. KyungSoo tentou não se abalar com isso, simplesmente ignorando o primo e mudando de assunto.



***

KyungSoo procurava pelos plugs certos para ligar o aparelho de vídeo game. Tinham subido para seu quarto, após trocarem algumas farpas, enquanto os adultos conversavam e agora estavam livres das máscaras.


Kai sentou-se na cama olhando ao redor. O primo possuía muitos pôsteres de bandas de rock além de uma guitarra no canto, e vários bonecos de ação em algumas prateleiras.


- Não sabia que você era nerd... - falou, impressionado.


- Não sou como você que só mantém a pose. Eu incorporo...


Kai riu dessa descrição do primo. Havia se esquecido de seu humor ácido. KyungSoo não parara de sorrir desde que ele chegara e estava confuso.


- Por que está tão feliz?


- Por que pela primeira vez, eu estou no comando e não você... - falou calmamente.


Jongin arqueou a sobrancelha.


- E o que te faz pensar que tem o controle sobre mim?


- Ora, sejamos sinceros... Eu peguei o senhor perfeito na mentira. Te tenho nas mãos...


KyungSoo não sentiu o primo aproximar-se por trás de si e se sobressaltou ao sentir a respiração dele em sua nuca.


- Não pense que detém o controle sobre mim. Eu gosto de controlar tudo...


Por um momento, KyungSoo tremeu com suas palavras, se afastando o mais rápido que pôde, corado e confuso. Kai viu o efeito que causou e sorriu.


- Dessa vez não vai ser como quer, senhor Kim. Se não me acompanhar na viagem exponho seu segredo.


- Eu já disse que iria. Mas, não é por que estou sendo forçado que não posso me divertir nessa viagem, não acha? - Kai estava perigosamente perto e KyungSoo se viu temporariamente sem ar, quando o primo tirou os cabelos cor de chocolate dos olhos.

Estava jogando consigo.


- Faça o que quiser, desde que isso não me envolva.


O meio sorriso nos lábios de Kai não deixou dúvidas de que se divertiria nessa viagem, afinal.



***


ChanYeol e BaekHyun esperavam pelo amigo e seu primo na estação de trem. Fazia duas semanas que haviam se formado e finalmente estavam prontos para a viagem pela qual pouparam tanto dinheiro.


- Ei... - Baek falou, chegando mais perto de ChanYeol, que carregava algumas malas. - Não conte ao Soo o que aconteceu, ok?


- E por que não? - o garoto mais alto falou, pondo as malas no chão e ajeitando o boné sobre os cabelos pretos.


- Não estou pronto pra compartilhar essas coisas com ele. Você prometeu guardar segredo então cumpra a promessa.


ChanYeol bufou.


- E o que que tem de errado em contar, Baek? Somos melhores amigos, e não é como se o que fizemos fosse pecado. A gente se gosta faz tempo... Eu não acho que termos trans... - Baek tampou sua boca, já que KyungSoo e Jongin acabavam de chegar.


- Oi meninos... Você deve ser o voluntário... - Baek disse, disfarçando mesmo que o rubro cobrisse seu rosto por inteiro.


Kai pôs a mala no chão, arrumando o sobretudo que usava antes de apertar a mão de Baek, dizendo com um sorriso:


- Se por voluntário, você quer dizer "chantageado pelo seu amigo para estar aqui", sim, eu sou o voluntário... Jongin, prazer.


Baek riu e apresentou ChanYeol que apertou a mão do primo de Kyung.


- Sei que não queria estar aqui, mas sei lá, valeu. É muito importante para o Soo. Ele quer muito fotografar os templos. Ele tem o sonho de ser fotógrafo.


Jongin olhou para trás, vendo o primo fotografando com sua câmera que trazia pendurada no pescoço, algumas crianças que corriam pra lá e pra cá alegremente, junto com suas mães. Seus olhos chegavam a brilhar.

Quanto mais ele conhecia de KyungSoo, mais interessado ele ficava.



***

Do lado de fora do trem, a lua minguante era acompanhada de algumas estrelas grandes e brilhantes, enquanto algumas nuvens pequenas davam um tom todo especial ao céu estrelado. KyungSoo olhava pela janela animado, enquanto seus amigos dormiam calmamente num banco de frente a si. Kai lia um livro da faculdade enquanto ele planejava por onde passariam no dia seguinte. Estavam sentados lado a lado e ele se manteve quieto, decidido a não atrapalhar o primo em sua leitura silenciosa.

Após um suspiro de Kai, ele fechou o livro encontrando o olhar de Kyung sobre ele. Seu coração acelerou um pouco com aquilo, mas resolveu ignorar a sensação.


- O que tanto olha? Eu sei que sou lindo...


- E eu sei que é deveras convencido. - tornou o baixinho, encostando-se à janela.


- É sério. Fala, o que é?


- É que... Você fica aí estudando algo que seus pais querem... Mente sobre si mesmo... Por que isso? Não consigo compreender.


Jongin pensou um pouco, cruzando os braços em frente ao corpo.


- Por que é mais fácil.


KyungSoo arqueou a sobrancelha.


- Como assim, mais fácil?


- Eu prefiro mentir do que entrar em conflitos. Enquanto eu fizer o que eles querem viverei em paz. Depois que eu cursar o que querem, poderei fazer o que eu realmente quero.


- Dançar... - KyungSoo completou.


- Como sabe? - Jongin perguntou de olhos arregalados. KyungSoo deu de ombros e o fitou ao responder:


- Você sempre amou dançar, mesmo quando éramos crianças... Só deduzi. Você parecia feliz fazendo isso.

Kai assentiu para si mesmo.


- Sim. Também poderei fazer da minha vida sexual o que quiser... - Jongin olhou o primo de esguelha, sentindo-o tencionar-se ao seu lado. KyungSoo estava corado. Kai achou-o fofo, e então lembrou-se de sua vingança, sorrindo maliciosamente.


- Aquele cara é seu namorado? - KyungSoo disse curioso.


- Não. Aquele cara foi só uma fodinha. Não curto relacionamentos...


KyungSoo assentiu para si mesmo, pensativo.


- Você parece bem interessado nisso... Quer que eu te conte mais algumas coisinhas? - direcionou seu sorriso cafajeste ao primo, que instintivamente se afastou, envergonhado.


- Não precisa. Só queria reunir mais algumas informações para o caso de precisar.


Kai riu, não acreditando na cara de pau daquele garoto. Estava gostando cada vez mais daquele jeito dele.


***
KyungSoo acordou bem disposto, espantando-se por estar dormindo com a cabeça apoiada no ombro do primo, e ficou ainda mais surpreso com o instinto de aspirar o perfume que desprendia de seu pescoço bronzeado. Se afastou dele envergonhado, ouvindo- o dizer que não havia problema e que gostara muito da noite dos dois juntos. KyungSoo apenas lhe mostrara o dedo e assim deixaram o trem.


Os próximos dias foram preenchidos por templos e locais históricos por onde os meninos passaram, e KyungSoo fotografando os amigos em situações e poses engraçadas.


KyungSoo estava surpreso com a naturalidade com a qual conseguia fotografar o primo, enquanto ele não estava prestando atenção. Jongin era mesmo muito bonito, em sua opinião. Talvez fossem os lábios cheios, ou o corpo alto e torneado. Talvez fosse o queixo anguloso, ou os olhos pequenos e felinos, ou os cabelos cor chocolate.

Mesmo que pego de surpresa, KyungSoo não conseguiu encontrar nenhuma foto em que ele ficasse feio e isso o deixou frustrado.


Apesar de ter sido forçado, o Kim sentiu-se muito feliz de ter ido. Conheceu pontos turísticos e restaurantes com variedades de comidas deliciosas que sempre quis provar. Além disso, descobrira que tinha mais coisas em comum com o primo do que imaginara. E Baek e o grandão, como passara a chamar ChanYeol, eram pessoas engraçadas e interessantes. Se divertiram muito juntos e logo a hora de irem para Jeju chegou. Achou engraçado que teve de segurar a mão de KyungSoo durante a viagem de avião, já que o primo tinha medo de altura. Riu a viagem toda.


- Nem. Uma. Palavra. Kim. Jongin. - KyungSoo sibilou cerrando os olhos na hora do pouso.

E Jongin continuou rindo.



***

- Como assim, Baek? Eu não vou dividir o quarto com ele... - apontou para Jongin.


- Fica mais barato, Soo... - Baek sorriu amarelo para a recepcionista do hotel. A hospedagem estava mais cara do que previra e tais medidas tiveram de ser tomadas.


- Mas, por que com ele? Não posso dividir com um de vocês?


ChanYeol desviou o olhar, o que não escapou a Jongin.


- Por mim tudo bem, desde que ele não me mate durante o sono. - disse Kai num rompante, pegando a chave do quarto da mão de Baek e arrastando seu primo consigo.


- Ei, o que está fazendo? Não vou dividir a porra do quarto contigo...

Kai suspirou, se aproveitando de como estavam para segurar a cintura fina de KyungSoo, que lhe deu um tapinha na mão, se desvencilhando.


- Não sabia que você era tão retardado assim... Será que não se tocou de que seus amigos estão se pegando? Claro que eles vão dormir juntos.


KyungSoo estava chocado. Parou no meio do corredor, tendo que ser empurrado pelo moreno.


- Você acha mesmo?


- Claro. Devem estar se divertindo. Os únicos sem nenhuma diversão aqui somos nós... - Kai sussurrou na orelha do primo, e viu seus pelos dos braços e nuca se eriçarem com uma expressão divertida no rosto.

KyungSoo entrou no quarto, vendo a grande cama de casal e depois virando-se para o maior, com o dedo levantado apontando pra ele, ao dizer:


- Nem pense em nenhuma gracinha, senão eu ligo agora mesmo para seus pais.

Jongin deu de ombros, prometendo que não faria nenhuma gracinha. Não que ele realmente fosse cumprir a promessa. O plano mesmo era seduzir o primo e recuperar a tal foto e então nunca mais permitir que ele se aproximasse de si.


Porém, por alguma razão desconhecida até então, Jongin sentia o coração apertar só de pensar em enganar KyungSoo. "Deve ser a proximidade, é só. Vou me vingar e tudo voltará a ser como antes" - pensava ele, mas sinceramente, a viagem estava sendo tão ruim assim? Só se lembrava de estar se divertindo desde que embarcara naquela viagem. A verdade é que estava confuso.


Os garotos passaram a tarde na praia, desfrutando da água refrescante e cristalina, naquele dia não tão quente, mas ideal para um banho de sol e mar. Enquanto Jongin e seus amigos brincavam na água, KyungSoo observava as fotos na tela de sua câmera, tomado pela alegria ao ver as fotos que tirara durante aqueles dias, feliz por ter terminado uma fase de sua vida e estar prestes a começar uma completamente nova. Ao ver as fotos de Jongin, e tendo o conhecido melhor, ele podia perceber que era um homem esforçado e pacífico. Okay, ele ainda era estupidamente lindo e malicioso, mas Kyung estava certo de que não o odiava mais tanto assim. Sentia algo por ele que não sabia classificar. Não era gratidão, pois o forçara a estar ali, então o que poderia ser? Não fazia ideia. Começou a sentir um medo alastrar-se por si. Um medo que já conheceu bem muito tempo atrás.

Se secou com a toalha e decidiu retornar ao hotel que ficava ali em frente à praia. Pôs-se a andar de um lado para o outro no quarto indo até a sacada do quarto e deitando-se na espreguiçadeira que havia ali, até que a noite caiu, e ele decidiu voltar para o quarto, já que estava na sacada há algum tempo.


Se assustou ao ver Jongin em pé o observando na porta da sacada.

- O que faz aí? - perguntou.


- Só estava pensando. - KyungSoo disse a verdade, vendo nos olhos do primo algo que não soube decifrar. Levantou-se e tentou passar pelo primo, mas ele o segurara pelo pulso, fazendo-o parar.


- É uma linda noite, não?


KyungSoo concordou.


- Não se sente inclinado a dançar como quando éramos crianças? - Kai tinha um sorriso divertido nos lábios. Não esperou a resposta do menor, enlaçando a cintura fina do outro, enquanto girava com ele junto a si. KyungSoo que estava sem camisa, estremeceu ao toque dos dígitos do outro em si. Segurou nos ombros nus de Jongin, que como ele usava apenas uma bermuda e seguiu seus passos, mesmo que ambos não tivessem uma música para seguir.

Em certo ponto, sentiu o rosto de Jongin na curvatura de seu pescoço, inspirando ali e se arrepiou todo.


- O que está fazendo, Jongin? - sussurrou, sem parar de dançar.


Jongin deu de ombros, fitando profundamente seus olhos enquanto sorria travesso.


- Estou me divertindo... Você também devia...


- Eu? Com você?


Kai assentiu. KyungSoo riu incrédulo. Não era do tipo tímido, mas admitiu a si mesmo que estava surpreso com a investida do primo.


- E se eu não quiser me divertir? - esbanjou um pequeno sorriso nos lábios.


- Eu sei que quer. Sei o jeito que me olha. Deve estar ao menos curioso.

Kyung meneou negativamente a cabeça com um sorrisinho nos lábios.


- Bobo você que acha que eu não sei como funciona. - e lhe beijou. Um beijo que pegou o universitário desprevenido, mas não lhe impediu de abrir os lábios para que o beijo tivesse profundidade. As línguas se acariciando, enquanto as ágeis mãos de Kai corriam pelo corpo pálido de KyungSoo. Quando se separaram em busca de ar, Kai olhou surpreso para o rapaz que sorria cafajeste.

- Você não é o único com gostos diferentes, meu caro.


Ambos riram, até que Kai beijou o baixinho novamente, desta vez no pescoço. Beijou cada pequena pintinha que encontrou pelo pescoço, clavícula e peito do menor, logo sentando-se à beira da cama de casal com ele no colo, enquanto ora se beijavam, ora se admiravam. KyungSoo embrenhou seus dedos nos cabelos de Kai, enquanto ele lambia sua orelha e desabotoava a bermuda que ele usava.

Jongin estava muito surpreso pelas atitudes do baixinho. Ele não era nada do que ele imaginava no bom sentido. Quando ambos estavam só de boxer, se surpreendeu ao ter a sua abaixada e receber o melhor oral de sua vida, enquanto aqueles olhos brincalhões o observam, não querendo perder nenhuma de suas reações. A sensação de ter seus dedos passeando entre os cabelos negros e macios do primo enquanto ele o chupava num vai e vem lento e gostoso era indescritível. Estava no céu. Quando se sentiu no limite, o puxou para a cama gentilmente antes de lhe beijar de novo, distribuindo chupões pela pele extremamente pálida. KyungSoo arranhava seu corpo e colocou a camisinha em seu membro teso após tirar a boxer preta que usava.

Beijaram-se novamente enquanto Jongin o invadia lentamente, sentindo o interior úmido e apertado o acolher, simplesmente extasiado pela beleza de seu primo abaixo de si. Ele sorria enquanto Jongin o estocava e beijava cada parte da pele de Jongin que podia alcançar. As mãos se encontraram entre os lençóis, entrelaçando-se enquanto Jongin aumentava a velocidade e força dos movimentos. Naquele momento, pouco se importavam se eram primos ou se havia qualquer vingança envolvida. Ambos nunca haviam se sentido assim com ninguém com quem tivessem dormido, e continuaram movendo-se enquanto os suspiros e gemidos deleitosos se espalhavam pelo quarto.

Quando sentiu que acertara a próstata alheia, Jongin investiu ali com força, vendo os olhos do primo se revirarem devido ao prazer por trás das pálpebras, enquanto ele ofegava. Massageou seu membro e aumentou a velocidade das investidas, até que o sentiu tremer por inteiro, antes de alcançar o ápice e o seguiu em seu prazer, gozando forte ao sentir-se ser comprimido dentro do outro. Caíram cansados na cama, completamente extasiados pelo que fizeram, se beijando e acariciando como queriam há tanto tempo, se livrando da camisinha e se aconchegando entre os lençóis brancos da cama. Aquela sensação maravilhosa de aconchego se fazia presente em ambos os corações e não queriam que isso acabasse. Ficaram fitando o teto em completo silêncio, até que KyungSoo falou:


- Eu gostava de você...

Kai estendeu o braço, e o menor repousou a cabeça nele, enquanto explicava:


- Quando começamos a crescer... Eu gostava de você. Mas, te odiava por ser tão perfeito. Todos te amavam, e eu estava super apaixonado por você, mas sabia que nunca iríamos ficar juntos. Por isso e por que você era tudo que eu nunca seria eu me afastei. Nunca admiti pra ninguém, mas sempre tive um crush em você... - riu, envergonhado. - Mas, não se engane. Eu te odiava de verdade, muito... Nunca achei que gostasse de garotos. Que irônico.

- Eu não acho... - Kai disse, fazendo desenhos imaginários na pele do peito de KyungSoo. - Só era a época errada. As coisas acontecem quando devem acontecer.

KyungSoo riu, beijando o queixo alheio. Jongin o abraçou, beijando o corpo do outro, recomeçando mais uma rodada, logo se sentando no colo do menor, que beijou ambos os mamilos caramelos, vendo Kai gemer sôfrego, enquanto ambos endureciam novamente.


KyungSoo deslizou a camisinha desta vez em seu membro, beijando o pescoço alheio, antes de sentir Jongin sentando-se sobre seu membro, cerrando os olhos lentamente. Logo estavam mais uma vez perdidos um no outro, desfrutando daquele momento de luxúria e sentimento, que desejavam nunca ter fim.



***

KyungSoo acordou, vendo com a visão periférica que Jongin mexia em seu celular. Seu meio sorriso foi característico.


- Não está aí... - falou. - Eu sabia que você queria a foto, mas ela nunca esteve aí. Quando você cumpriu sua promessa e entrou naquele trem eu a excluí. Não se preocupe, não há outras.

Não era tão ingênuo para não perceber o que o outro tramara. Só entrou no jogo, pois realmente sentira que estava gostando dele novamente, percebera isso no momento lá na praia e queria tirar a prova.


- Não se preocupe com a foto... Ninguém vai saber, está livre para... - foi interrompido por um beijo.


Jongin mostrou o celular e nele, uma foto de KyungSoo adormecido nos braços do moreno, enquanto ele acariciava seu rosto.


- O que é isso?


- Não ligo pra foto da biblioteca. Na verdade, eu deixei de me importar com ela há muito tempo. Já nem me importo que descubram, pois agora vale a pena...


KyungSoo o fitou confuso. Alguns raios de sol entravam pelas persianas, iluminando o rosto de Kai, que parecia radiante.


- O que quer dizer?


Jongin lhe mostrou a foto mais uma vez, sorrindo ao dizer:


- Agora temos um segredo... Um só nosso. E você precisa me ajudar a guardar...

KyungSoo sorriu.


- É isso mesmo que você quer?


- Pelo menos até que eu me forme e possamos ficar juntos mais livremente. Estou quase terminando o último ano.


KyungSoo assentiu, se aconchegando mais ao corpo do outro.


- Devíamos sair pra apreciar o dia na praia... - o menor disse, levantando-se, mas teve o corpo puxado de volta para a cama, sentiu seu corpo ser envolvido pelos braços e pernas de Jongin.


- Não... Vamos passar o dia aqui, vamos tomar um banho e depois ver um filme.


A ideia pareceu boa a KyungSoo, que correu para o banheiro, enquanto Kai o perseguia rindo. Aquela viagem estava só começando e junto com ela, toda uma nova fase na vida daqueles dois primos e de seus amigos.


***

Todos elogiavam a culinária da senhora Do, enquanto ela os servia sorridente.


- É com muito orgulho que vamos celebrar sua conquista, KyungSoo... - a mãe de Jongin dissera, bagunçando os cabelos do sobrinho enquanto ele corava.


Jongin estava a seu lado, e deu um tapinha no ombro do primo.


- Eu sabia que o Soo conseguiria passar para fotografia. Ele é um gênio, afinal.


- Quem diria, hein filho. Mamãe está orgulhosa de você. - beijou os cabelos do filho.
- Chega! Estou ficando envergonhado, caramba... - falou, enfiando uma boa quantia de comida na boca, pra disfarçar o nervosismo.

ChanYeol e Baek estavam sentados à mesa, e sorriam para o amigo. Ele finalmente estava estudando para realizar seu sonho, e os três estavam na mesma faculdade. Os amigos de KyungSoo já haviam assumido o compromisso e se preparavam pra morar juntos, sem que ninguém além de Jongin e seu amigo soubessem. KyungSoo ia morar na faculdade, de preferência bem perto do dormitório do primo.

Kyung enfim sentia que seus pais estavam orgulhosos de si, e continuou sorrindo, até que sentiu dedos ligeiros passeando por sua coxa. Era Jongin lhe provocando mais uma vez. Virou um passatempo do maior provocar seu namorado quando estavam em família, já que ninguém sabia que entre eles existia mais do que simples amor fraterno. KyungSoo estapeou a mão do primo por baixo da mesa, e o sorriso safado nos lábios do moreno só aumentou.


Após muita provocação e tortura, seus amigos decidiram ir embora e deixaram só os familiares ali. Enfim, Kyung se pôs de pé e disse:


- Vamos jogar lá pra cima, Jongin?


Kai sorriu mais que depressa e respondeu, já se pondo de pé:


- Será um prazer priminho. Mãe, me avise quando for hora de ir ok?


Sua mãe assentiu e os dois subiram as escadas, se agarrando antes mesmo de chegarem ao quarto de KyungSoo, batendo a porta atrás deles, ao que KyungSoo disse, jogando o namorado na cama:


- É sério, vai pagar por me provocar...


- Você disse que eu era tão bom que merecia um Oscar, certo? - Jongin sorriu safado.


KyungSoo gargalhou antes de subir em seu colo e sussurrar em seu ouvido:


- Eu tenho algo melhor pra você... Quer? - Jongin assentiu, beijando os lábios carnudos do outro.


No andar de baixo os pais de ambos conversavam alegremente:


- Nossa, esses dois não se desgrudam mais... São tão amigos, parecem até irmãos. - a mãe de Jongin disse.


- Queria saber o que têm de tão interessante lá encima para que fiquem trancados o tempo todo naquele quarto. Jogando vídeo game? - o pai de KyungSoo disse rindo.
- Devem estar lendo revistas de mulheres peladas, TaeJin... - o pai de Kai interviu.

Todos riram.


- Ah, a juventude. Às vezes gostaria de perguntar a eles o que se passa naquelas cabecinhas de vento. - a mãe de Jongin falou, servindo o café nas xícaras.


- Eles mentiriam, tenho certeza. - o pai de Jongin falou, se apoiando no cunhado.


- Não creio nisso. Nossos filhinhos jamais mentiriam pra nós... - a mãe de KyungSoo falou, recebendo um aceno positivo de todos os presentes enquanto ainda sorriam.


Mal sabiam eles o que se desenrolava no andar de cima, e assim a noite se passou alegremente, até que ficasse tarde demais e os meninos se despedissem com um beijo, antes que seus pais os chamassem para descer. Os tios foram embora, levando com eles seu primo. KyungSoo subiu para seu quarto, após dizer boa noite aos pais.


- Ah, como eu adoro essas reuniões de família... - disse KyungSoo, apoiado no batente da janela, observando o céu estrelado, como sempre fazia quando se via inquieto.


Apagou as luzes e foi dormir.




******This will be our little secret ******

14 de Junho de 2019 às 18:23 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Sarah M Apenas uma pessoa que ama as palavras e o poder que elas possuem. KPOP, ROCK, ANIME, DORAMA, GAMES, POETRY, HORROR MOVIES, ENGLISH, KIDS EXO - KAISOO "I would prefer not to" - Bartleby the scrivener (Herman Melville)

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~