A jornada romântica de Jyuto Iruma Seguir história

linest LiNest

Jyuto odeia Samatoki Aohitsugi. Não um tipo ativo de aversão que prejudica seu ponto de vista sobre a pessoa em si. E mesmo assim, de alguma forma, ele acaba se tornando seu namorado.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#fluffy #slash #jyuto-samatoki #samatoki-aohitsugi #jyuto-iruma #hypmic #hypnosis-mic
Conto
0
2763 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Idiots in Love

NOTAS INICIAIS


Ficlet para dias dos namorados com, mais uma vez, um rare ship meu.


Eu sou uma fodida, mesmo.


Avisos: uso de alcool e palavras de baixo calão constantemente, e não coloquei nada muito dramático nessa fic, mas tem mencões à violência porque a vida desses dois putos não é fácil.


Recomendo escutarem Mistakes Like This - Prelow e Weak - AJR que definem essa fic e como vejo a relação de Jyuto/Samatoki


Tenham uma boa leitura~♡


___________________________



Jyuto odeia Samatoki Aohitsugi. Não um tipo ativo de aversão que prejudica seu ponto de vista sobre a pessoa em si - esse tipo de coisa é reservada para pessoas como sua chefe na estação de polícia. Ela e Samatoki não tem nada em comum, graças a Deus por essa pequena misericórdia. Samatoki pode ser um monte de coisas, mas ele não gosta de humilhar os outros, especialmente aqueles mais fracos do que ele em algum sentido, como o bully da sua época de escola costumava fazer. Não é muito, mas ainda é alguma coisa.


Mas Samatoki ainda incorpora cada traço que Jyuto discretamente despreza - ele é arrogante e sua teimosia é como uma armadura que não quebra, não importa o quanto você bata nela com a razão, ele se intromete em assuntos de outras pessoas sob o pretexto de ajudá-los (na maioria das vezes, ele é sincero, e isso irrita Jyuto ainda mais). E, para coroar tudo, ele é um maldito idealista, mesmo que negue isso com todo afinco possível. O maldito idiota.


Jyuto não o odeia, talvez, mas ele certamente se ressente do homem mais novo, não conseguindo parar a sensação de irritação sob sua pele toda vez que Samatoki abre a boca e mente sobre não se importar:


Não se importar com os membros da quebrada The Dirty Dawg.


Não se importar com a opinião dos seus homens da Yakuza.


Não se importar com os sentimentos do Rio sobre a comida dele.


Não se importar se sua irmã vai ligar aquela noite ou não.


Não se importar se Jyuto fica ou vai embora do seu apartamento.


É aquele ressentimento implacável que impulsiona Jyuto quando ele empurra os quadris entre as pernas de Samatoki, apertando a pele obscenamente branca e macia, tão fácil de marcar com os seus dedos. Jyuto não faz idéia de quem é o quarto onde eles se enfiaram e apenas tem uma vaga lembrança de como eles chegaram aqui, definitivamente não é a primeira vez que eles fodem bêbados, e não será a última se depender de qualquer uma das partes envolvidas - coragem líquida é uma benção da qual eles não tem medo de tirar proveito - e Jesus, os lençóis devem estar nojentos com o cheiro de suor e álcool, e Jyuto zomba enquanto segura Samatoki pelos quadris e, com um impulso, enterra seu pau dentro dele, assistindo o homem de cabelos brancos se contorcer e ofegar, os lábios apertados, impedindo o grito que Jyuto sabe que ele quer dar sair da sua boca. Samatoki parece desesperado e arruinado pelo prazer quando Jyuto o fode com força, sem restrições, e quem imaginaria que o pirralho violento poderia ser tão dócil?


"Mais forte, filho da puta." Samatoki rosna, dentes à mostra. "Isso é tudo - porra - tudo o que você tem?"


Ele está realmente bêbado, Jyuto pensa enquanto entra e sai do rabo molhado e apertado sem piedade. Ele está bêbado, ambos estão, caso contrário Jyuto teria mantido a boca fechada quando ouviu Samatoki reclamar sobre o quão estúpido era o dia dos namorados e que os dois eram realmente perdedores por passarem aquela sexta bebendo como dois bois. O assunto poderia ter morrido ali, Jyuto poderia ter soltado um bufo de zombaria e Samatoki teria calado a boca, envergonhado com o repentino momento de carência, mas em um impulso movido pela irritação típica que ele sentia sempre que Samatoki falava, Jyuto respondeu sarcasticamente que ele próprio estava bem ali, seu idiota.


Eles ficaram em silêncio, ambos olhando um para o outro assustados.


"Mas que porra?" Samatoki grunhiu e pediu mais uma cerveja.


Uma hora depois, eles estavam transando.


Jyuto morde o pescoço de Samatoki e estremece quando o ouve gemer seu nome enquanto goza.


Ele ignora a forma como seu coração aperta com carinho e chega ao limite também.





Em algum momento durante a névoa da ressaca no dia seguinte, Jyuto pensa que a coisa toda deve ter sido uma alucinação bêbada. Ele não poderia ter perdido a cabeça tão completamente a ponto de insinuar que ele poderia ser o namorado de Samatoki Aohitsugi, de todas as pessoas. Jyuto quase se sente ofendido em seu próprio nome, porque ele tem um gosto melhor do que isso.


Ele quase consegue se convencer e até parar de surtar um pouco sobre a inesperada reviravolta de sua vida, quando se depara com Samatoki usando sua cafeteria favorita.


Samatoki pergunta se ele quer café também e faz uma careta, e para qualquer outra pessoa o yakuza pareceria normal, tipicamente rabugento, mas Jyuto nota o leve rosado no rosto fino. O colarinho da camisa de Samatoki está torto, uma marca vermelha visível na pele branca e leitosa. Jyuto tosse e se afasta rapidamente, resmungando que ele pode fazer seu próprio café. O "vai se foder, então" de Samatoki em resposta soando menos irritado do que o normal.


No banheiro, Jyuto fecha os olhos.


Ele está tão fodido.





Depois disso, nada muda de verdade.

Eles ainda brigam e Jyuto ainda se vê sendo babá de Samatoki quando o idiota acaba preso mais uma vez, mas não dá pra negar que as coisas são diferentes agora. Samatoki parece querer inconscientemente encontrar um terreno comum entre eles e não entende porque Jyuto está sendo tão teimoso, ignorando seus convites passivo-agressivos para eles saírem em um encontro.


Jyuto teme que, na maioria das vezes, ele não deseja falar não.





Até que eles perdem uma batalha para os Buster Bros, a rima de Ichiro pulsando no ar carregado entre ele e Samatoki.


"No fim, estou melhor sem você" foi a mensagem, e dói. Já havia se passado dois anos, mas, porra, ainda dói; mesmo que Samatoki finja que não se importa. E Jyuto nota isso, nota os punhos cerrados e a tensão na mandíbula do homem de cabelos brancos. Ele sabe, com uma certeza irritante, que Samatoki vai voltar com ele hoje, e espera que valha a pena a dor de cabeça de servir de estepe de um ex-delinquente juvenil.


Mas ao invés da rota óbvia de ação, eles não fodem. O que acontece em seguida é tudo, menos sexo casual.


Eles entram no apartamento de Jyuto, Samatoki tremendo de raiva. O yakuza atravessa o corredor com passos largos e pesados, abre a porta do quarto do moreno e entra, Jyuto logo atrás dele. Samatoki não diz uma palavra, elas ainda estão presas em sua garganta, estrangulando-o, mas ele senta na ponta da cama, longe dos livros e papéis espalhados pela maior parte do móvel. Se Jyuto se atrever a lhe oferecer qualquer tipo de pena...


Mas Jyuto não diz nada, nem mesmo para reclamar. Ele apenas atravessa o quarto e prontamente tira os livros e papeladas da cama, colocando tudo no chão. Então ele tira o terno agora sujo e um pouco rasgado, sem pressa, mas com eficiência, dobrando e colocando no armário, o que não é algo que ele normalmente tem o hábito de fazer.


Então ele fica lá, completamente nu, apenas olhando para Samatoki, e algo no peito de Jyuto suaviza com o olhar cansado no rosto do mais novo.


Jyuto se estica na cama em cima do edredom, seu corpo uma atração pálida na luz da noite. É fácil se concentrar apenas no toque das mãos calejadas na sua pele quando Samatoki começa a falar, a voz trêmula, hesitantes em serem pronunciadas no começo, com medo da vulnerabilidade da ação. Mas Jyuto se mexe levemente, posicionando o corpo melhor na cama, e o fôlego de Samatoki fica suspenso, o silêncio sufocante.


"Continue." Jyuto sussurra, olhos cinzentos presos nos vermelhos de Samatoki - e Jyuto reza para que nada do que ele sente sobre o momento transpareça em seu rosto. Ele assiste Samatoki respirar fundo, as palavras voltando a fluir livremente enquanto ele desce as mãos pelas laterais do corpo bem construído do policial, beijos sendo dados em seu peito. Jyuto está duro, mas ele não se toca, e Samatoki também não. Isso não é algo sexual. Nenhum deles tem vontade que seja.


É doloroso, reconfortante e estranhamente gentil o modo como ambos são tão abertos naquele momento, completamente indefesos e despojados de suas fachadas, mesmo que Samatoki mantenha todas as suas roupas e ninguém no mundo possa obrigar Jyuto a fazer nada contra sua vontade. Ele está ali, deixando Samatoki tocá-lo tão intimamente, porque ele quer.


Eles conversam durante a noite, e Samatoki adormece com a cabeça apoiada no ombro de Jyuto.





De manhã, Samatoki ainda é arrogante, o idiota que sempre finge não se importar, mas a pior coisa é que ele também é o namorado idiota de Jyuto. Porque no final, ele é um porto para Jyuto e Jyuto é, aparentemente, um porto para Samatoki. Jyuto não tem ideia de como ou quando isso aconteceu, mas ele não nega e nem quer.


Pela primeira vez, quando ele beija Samatoki, é doce, gentil e cuidadoso, como se Samatoki fosse uma coisa preciosa que precisa ser preservada e protegida. Jyuto ficaria envergonhado com todo o sentimentalismo, mas Samatoko está corando, uma careta que mal esconde o leve tremor nos lábios finos, um sorriso que não está pronto para ser dado. E Jyuto percebe que ele sabe, que Samatoki sabia o tempo todo, ou pelo menos suspeitava, mas estava com muito medo de acreditar também.


De alguma forma, o pânico que estava se construindo em seu peito diminui e Jyuto bufa divertido.





Há coisas menos agradáveis para lidar agora que eles decidiram que querem tentar. Jyuto e Samatoki ainda viviam em mundos separados, uma linha tênue entre corrupção e justiça, entre moralidade e dever. Jyuto tem seu trabalho para lidar, sua chefe enviando-lhe a conta para a limpeza a seco do carro dela por email, para o rancor do moreno - custa usar o Line? - e Samatoki tem Nemu para proteger, as mãos mais de uma vez sujas de sangue.


E pelo menos uma vez por mês, Jyuto teria que ser babá de Samatoki quando o idiota fosse preso outra vez, como sempre.


Então é tudo igual, de certa forma, mas também não é.


Ele ainda briga muito com Samatoki, mas ambos ouvem agora, a menos que Jyuto esteja com vontade de fazer sexo realmente raivoso. Samatoki está confortável com isso surpreendentemente com mais frequência do que Jyuto esperava - Samatoki é secretamente um cara carinhoso na cama - e então, no dia seguinte das suas brigas e reconciliações fervorosas, eles recebem um olhar irritado da vizinha de Jyuto e uma carta pedindo esclarecimentos por causa da pilha de reclamações enviadas a síndica. Eles não dão a mínima e ninguém tem coragem de se meter com o namorado de um yakuza.


Um ano passa. É dia dos namorados de novo, e Jyuto pisca e pensa: Oh, esse é o maior tempo que já fiquei com alguém.


Em seguida, ele envolve o braço em torno da cintura de Samatoki e o beija, o gosto de sake e cigarro e da própria boca do mais novo um peso inebriante na língua do policial.


Samatoki não diz nada, mas a maneira como ele molda seu corpo no de Jyuto e retribui o beijo com a mesma fome que a do moreno significa que sim, ele provavelmente entende o sentimento. Jyuto o beija pelo que parecem horas, e santo Deus ou seja lá qual divindade regente do universo, isso é o resto de suas vidas agora e Jyuto não está entrando em pânico. Como diabos isso aconteceu?


Samatoki geme contra ele em seu sofá caro demais e Jyuto sorri.


Na manhã seguinte, os dois juntos abraçados na cama parece tão certo e perfeito que Jyuto deixa de tentar fingir não querer esse relacionamento.


____________________________


NOTAS FINAIS


Ok, o que vcs acharam? Curtiram esse meu fluffy desses dois personagens que obviamente não são fluffy material? É dia dos namorados gente, dá um desconto vai.


E além de SamaJyuto fluffy, eu tmb to aqui pra distribuir Top!Jyuto porque JYUTO SEME É TUDO OK? E não deu pra escrever de outra forma, todo o clima pedindo pro meu coelho mal-humorado ser o ativo kkkkkkk


E deuses demorou demais pra que eu escrevesse algo desses dois e saiu isso aqui... Não sei se estou exatamente satisfeita, mas já é um começo (agora só terminar a fic de quase 10k e com muito mais angst deles que tá nos docs até agora)


Anyway, espero que tenham gostado dessa fofura toda lol não esqueçam que comentários e criticas construtivas são sempre bem vindos ♡


See ya~


13 de Junho de 2019 às 00:22 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

LiNest Meu nome é Aline, também conhecida como Linest e eu estou realmente feliz por poder compartilhar meu trabalho com tanta gente agora!!! Você só precisa saber 3 fatos sobre mim: Amo Angst. Sou Nerd. Sou Army.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~