Veludos Seguir história

besson Diêtra Besson

as gárgulas da catedral, iluminavam no campanário o cemitério de corvos e morcegos onde Isabella e Diêtra se deitavam.


Conto Para maiores de 18 apenas.

#341 #258 #243 #vamp #227 #dark #gotico
Conto
0
3.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Veludos

Isabella... Giro e giro no seu mundo e nos meu castelo ela gira e gira no meu.

É noite fantasmagórica e nós duas fomos visitar a Catedral que com suas gárgulas nos protegiam dos azares dos vivos apesar de sermos duas criaturas da noite, eu vampiro e ela bruxa.

Impressionava-me a beleza ímpar dela que cadavérica e pálida e esquálida, brilhava com seus cabelos ruivos nas noites da Catedral; lá tomávamos cálices do nosso sangue e no campanário, havia um cemitério de corvos e morcegos onde eu e ela nos deitávamos juntas.

Mas um dia tudo foi diferente, voltamos da rotina da madrugada e fomos para o meu castelo que no meu quarto quase cheio de anjos, era o lugar mais aprazível e sacramentado para nossos ossos e carnes comerem todo o calor que exalava de nossas peles.

Nessa madrugada então, uma surpresa: a Morte entrou suave pelas vidraças e com sua voz grave e baixa deu o seu Decreto santo: "as duas se amaram muito durante oitocentos séculos, agora é hora do Apocalipse visitar vocês".

E o céu se abriu em línguas de fogo que com destreza, pela Morte, nos cravou sua foice e tirou nossos espectros dos olhos da lua negra que só conseguiu com saudades, fazer um sepulcro para nossos veludos pretos e abençoados.

Hoje eu e Isabella estamos nas altas Trevas dançando ao som do órgão que nosso mundo agora tem e nossos veludos, esses, não existem mais, ficaram no sepulcro da lua negra rodando e rodando e rezando pela Via Crucis.






1 de Junho de 2019 às 19:55 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Diêtra Besson Julho 1971, escritora conhecida na editora virtual em que trabalha como Rumanesk, soturnos.com

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~