Meus Dias Sem Você Seguir história

way_borges229 Way Borges

A saudade ardia e queimava como ferro em brasa, às vezes sentia se afogar em um mar de lembranças e dor. A vida havia lhe tirado o seu grande amor e nada calava o silêncio da solidão. Estava tentando seguir em frente, mesmo que cada dia sem a presença da única pessoa que lhe fez sentir feliz fosse extremamente difícil. #Thorki (+13) (Capítulo Único) ALERTA: Menção a tentativa de suicídio.


Fanfiction Filmes Impróprio para crianças menores de 13 anos. © Os personagens não me pertencem, porém a história é inteirinha minha. Capa editada por mim - créditos da imagem ao(s) autor(es).

#romance #drama #thor #tristeza #loki #dor #thorki
Conto
1
2199 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Notas do Autor

Oiê gente linda do meu coração, como vocês estão?

Estou trazendo minha primeira one Thorki, espero que gostem e sejam gentis comigo.

ALERTA: a historia faz menção a tentativa de suicídio, se isso é gatilho para você, por favor, tenha cuidado na leitura.


****


Loki entrou em seu apartamento e suspirou olhando para o ambiente escuro, vazio e silencioso. Encontrar seu lar assim doía, significava que ele não estava mais ali fazendo a bagunça que tanto o irritava. Olhou para o quadro a sua esquerda onde continha uma simples frase que o motivava todos os dias:

É isso que ele iria querer?”.

Era piegas, até mesmo brega, mas foi à única maneira que encontrou de seguir em frente.

A pergunta ecoava na mente de Loki enquanto ele caminhava para o quarto, estava muito cansado e precisava de um banho relaxante, o dia foi incrivelmente quente, nem o ar-condicionado estava ajudando, também precisava jantar, não comeu nada o dia todo, não entendia como não desmaiou. Saiu do banheiro vestindo o seu típico roupão verde musgo, olhou a fotografia no criado mudo, era um momento feliz dele com Thor em um passeio pelo píer de Santa Mônica. Sentou-se na cama com o porta-retratos em mãos e deixou sua mente levá-lo de volta para aquele momento, sorriu melancólico por saber que nunca mais iria criar lembranças como aquelas como o seu loiro acéfalo.

Fazia dois anos que Thor morreu ao ser atingido por uma bala perdida, desde então sua vida não tinha mais brilho, mas ele estava tentando seguir em frente, mesmo que cada dia sem a presença da única pessoa que lhe fez sentir feliz fosse extremamente difícil.

Infelizmente não poderia dizer que não houve uma tentativa de suicídio.

Loki tentou tirar a sua vida duas semanas depois que Thor partiu para sempre, a sua sorte foi que sua irmã mais nova, Sif, decidiu visitá-lo nesse dia e o encontrou inconsciente no sofá com um frasco de comprimidos vazio na mão. Desesperada, Sif ligou para a emergência, a ambulância chegou rápido, Loki foi salvo por pouco.

Tinha que admitir que foi uma atitude estúpida, mas não tinha mais nenhum motivo para viver, estava destroçado, a única coisa que sentia era dor, até o simples ato de respirar doía. Tudo lembrava aquele bobão alegre, sentia tanta falta do sorriso estúpido, da voz grave como um trovão, do seu cheiro de limões frescos, da expressão idiota que Thor fazia sempre que ficava feliz, dos olhos azuis tempestuosos, os cabelos loiros desalinhados, da barba por fazer. Estava impossível continuar, não tinha forças para mais nada, não conseguia mais suportar a ausência daquele que tanto amou, não havia sentido para viver em um mundo onde Thor não existia, estava cansado de tudo, só queria que parasse de doer.

Não tinha dúvidas que iria tentar de novo, se não fosse Sif o questionando aos gritos se era isso que Thor iria querer?! O conhecia muito bem para saber que ele gostaria que vivesse sua vida ao invés de acabar com ela por causa dele.

Depois que saiu do hospital, sua irmã o obrigou a procurar ajuda psicológica, no início achou que não adiantaria em nada e isso o deixou muito relutante, mas agora conseguia ver os benefícios que a ajuda profissional trouxe para a sua vida. Não pensa mais em se matar, mesmo que alguns dias a saudade seja insuportável ao ponto de lhe tirar todo o ar de seus pulmões. Agora convive com uma luta constante contra a depressão e as crises de pânico, porém está aprendendo a lidar com seus sentimentos insalubres e está tentando viver seus dias sem o Thor da melhor forma possível.

Loki passou os dedos finos na foto e sorriu triste, ainda doía muito, mas estava começando a aprender como lidar com todos aqueles sentimentos ruins, suspirou audivelmente enquanto segurava as lágrimas.

– Ei loiro bobalhão. O dia foi chato, o calor foi insuportável, você iria adorar já que estava perfeito para um mergulho no mar. E o trabalho foi bem cansativo, mas a nossa produtora de eventos está crescendo mais do que esperado para esse ano, a Asgard vai para ás cabeças – avisou sorrindo sem humor. – Eu consegui o contrato para promover aquele show de calouros no píer. Enfrentei mais um dia sem você. Ainda dói chegar em casa e não te encontrar cozinhando, usando aquele avental cheio de pequenos raios que sempre achei ridículo. O engraçado é que às vezes não sinto nada, é com se eu estivesse anestesiado, mas de repente a dor volta, porém estou conseguindo levantar todos os dias. A Jane sempre me lembra de que tenho que comer, hoje ela não foi trabalhar por causa de uma crise alérgica, por isso não almocei ou lanchei. A Sif me ligou para contar como foi o ultrassom, o bebê é um menino, o Balder está quase explodindo de felicidade o sonho dele era ter um filho homem. Ela disse que vai chamá-lo de Thor, é muita falta de imaginação, não acha? Eu só queria dizer que te odeio. Mentira! Eu te amo mais do que tudo, sei que também me ama, afinal, sou irresistível – Loki quis soar brincalhão, entretanto a sua voz estava morta como a felicidade em seu coração.

Devolveu o porta-retratos para o criado mudo se sentindo um estúpido por falar com uma imagem, mas é assim que ainda se sente perto de Thor, de certa forma aliviava um pouco a falta que o loiro bobalhão fazia em sua vida. A saudade ardia e queimava como ferro em brasa, às vezes parecia que iria sufocar em um mar de dor.

Arrastou-se para a cozinha, precisava comer alguma coisa antes que passasse mal, Sif ligaria daqui a pouco para saber se ele estava bem e se comeu algo durante o dia, Loki não sabia mentir para ela e não poderia irritar a sua irmã agora que ela está grávida. Deveria ser o contrário, ele como irmão mais velho deveria estar cuidando dela, era vergonhoso admitir, mas não estava conseguindo cuidar nem de si mesmo. Também não queria incomodar seus pais, mesmo que, desde que tentou o suicídio, a relação com eles tenha melhorado consideravelmente.

O que quase perder um filho para a morte não faz?

No caso de Loki, conseguiu fazer com que Laufey e Farbauti aceitassem a orientação sexual do filho mais velho. Há males que vem para o bem, nunca imaginou que veria o seu orgulhoso pai com medo refletido em seus olhos, muito menos imaginou que ouviria Sif contar que a sua mãe, que é a criatura mais paciente do mundo, ficou irritada com Deus e o mundo e brigou com os médicos para ter notícias do filho.

Ainda bem que no período que esteve distante dos pais pode contar com seus sogros, Frigga e Odin, eles foram um suporte para a nova vida que ele e Thor iriam construir juntos. Ambos o ajudam mesmo depois da morte do filho, por que os três dividem e sentem a mesma dor.

Terminou de comer ouvindo o som irritante do toque do celular ecoar pelas paredes do apartamento, foi em busca do aparelho já imaginando quem seria lhe ligando àquela hora da noite, no display a foto de Sif brilhando confirmou suas suspeitas, mesmo achando um exagero da irmã lhe ligar todos os dias, ele atendeu sorrindo e fazendo uma piada qualquer apenas para ouvi-la resmungar irritada. Conversaram por cerca de uma hora, falaram sobre tudo e sobre nada, ouvir a voz de Sif era bom, acalmava um pouco o turbilhão de emoções em seu peito.

O celular tocou novamente minutos depois que terminou de conversar com a irmã, era Frigga lhe convidando para passar o final de semana com ela. Claro que não poderia recusar, o amor que nutre por sua sogra é tão grande quanto o que sentia por Farbauti. Sua mãe morre de ciúmes, mas Frigga é importante demais para si, até o velho Odin tem uma importância significativa em sua vida, mesmo que constantemente brigassem e trocassem farpas, sempre achou que ele era um homem melhor que o seu pai, mas isso ninguém precisava saber.

Caminhou lentamente para o quarto assim que terminou de combinar com Frigga como seria o final de semana deles, se aconchegou na cama sorrindo, lembrando-se dos resmungos injuriados de Odin quando a sua sogra o chamou de velho ranzinza. Seus olhos foram para o criado mudo ao seu lado, tocou os lábios com as pontas dos dedos depois os levou para o rosto de Thor que estava congelado na foto do porta-retratos.

– Boa noite, bobalhão – sussurrou em seguida apagou o abajur depois deixou o sono acalentar seu coração fazendo um pedido silencioso para que Thor o encontrasse em seus sonhos.


****


Notas Finais

O que acharam? Deixem suas opiniões e seu votinho <3

Quero agradecer aLaah_suckowpela capa e aJehUchihaapela betagem da historia.

Bjus xuxu

29 de Maio de 2019 às 16:26 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Way Borges Nome: Waynne Borges Idade: aí depende da ocasião Sou um universo em constante expansão, sempre aprendendo coisas novas e aberta a novas experiências. Tímida no primeiro contato, mas depois o difícil vai ser me fazer parar de falar. Sou gentil, atenciosa e educada com todos e espero a mesma cortesia, entretanto, isso não significa que eu não saiba ser grossa quando necessário. Adoro chocolate, séries, filmes e desenhos. Cachorros e gatos sãos meu ponto fraco, fico toda derretida.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~