Ela Seguir história

cjujubis Cjujubis Cat

Você já se apaixonou quando criança? Já se encantou por um menino? E uma menina? Este garoto já se apaixonou, ou melhor, está apaixonado por uma linda garotinha de cabelos e olhos castanhos.


Romance Romance adulto jovem Impróprio para crianças menores de 13 anos.
0
3.2mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

| A psicóloga chata |

Nem tinha título. Era tudo branco como os pensamentos dela. "Ser ou não ser". Era isso que ela escrevia tanto. Escrevia dez vezes naquela mesma linha cabendo todas aquelas palavrinhas. Comigo seria diferente: teria gastado pelo menos 3 linhas, e olhe lá... Nem sabia o que esperava encontrar logo após desse ser-ou-não-blá-blá... Droga! Lá vinha outro! E mais outro... Não aguento colocar tantos pontos para descrever isto. Garotas tem essas manias de escrever o que sente em folhas que nunca serão mostradas á ninguém! Papel não tem audição. "Meu querido diário hoje eu encontrei meu amor e blá-blá". É sempre a mesma baboseira do que fez no dia. Fala o que fez no dia com a psicóloga.

- Bom dia! - disse Martha, uma psicóloga super chata que minha mãe pagou para me expressar melhor. Não necessito disso, é a minha mãe quem necessita!

- Que bom tem nisso?

- ... - ela começou a cruzar as pernas que estavam para direita e agora estão para esquerda.

- Bem... como foi o seu dia?

- Normal.

- Por que?

- Porque se fosse estranho eu falaria "foi estranho"! - já estava estressado por ter que passar por aquilo.

Nunca vi alguém falar "Amo psicólogos!". E se falou, estava mentindo. Eu prefiro aulas. Práticas, pra ser honesto. Matemática, Geografia e História! As piores matérias, em minha opinião. O que adianta ficar grudado a uma cadeira quando há um mundo lá fora a ser descoberto? Eu ainda tenho a esperança de ter aulas de campo. Não: minha psicóloga não perguntou as minhas matérias preferidas. Que seria natação!

- Sabe nadar? - perguntou Fred, já entrando na água. Eu estava na areia, fazendo um grande castelo de areia. Parecia mais uma caverna do que um castelo.

- Não... - eu só não sabia o que era aquilo no auge dos 12 anos. Era loucura: 12 anos morando perto da praia, e não saber nadar - ...sei! Como é isso?

- Ah, é só você mexer os braços e as pernas até ir á algum lugar!

Eu achava que era como correr. Fui tentar na água, passando ao lado dele, e só conseguia me afundar na água gelada e salgada. Respingos de água chegavam as minhas costas. Não sabia se era pelas ondas do mar bravo e independente, ou se era pela minha correria na tentativa de conseguir nadar. Quem disse pra ele que era desse jeito?

- Como foi a praia? - perguntou a psicóloga, na esperança de haver uma resposta "normal".

- Muito bom. Aprendi a nadar. Quase, na verdade.

- Mesmo? Parabéns! - Houve um silêncio constrangedor. A única coisa que ela perguntava era sobre meu dia. Minha mãe achava que eu precisava desabafar com alguma "amiga". Ela não era minha amiga. Tava mais para uma pessoa querendo ganhar seu salário com 1 pergunta por dia. Lembro-me, até hoje, do pior dia da minha vida:

- Filho! Desça aqui. Rapidinho.

Desci as escadas contando os degraus, como faço frequentemente.

- Mãe?

- Esta é Martha! Uma psicó...amiga de trabalho que vem nos visitar todos os dias! - ela deu ênfase ao "todos os dias" - Ela gosta de conversar, então vai ser bom tê-la como amiga.

- Mãe! Não tente me enganar! Eu sei ler. - ela já estava se fazendo de desentendida, como se dissesse "do que está falando?" - No crachá está escrito "Psicóloga Martha"! Poxa vida! Sou enganado até quando sou chamado de louco?

- Você não é louco, filho! Eu só estou te achando muito sozinho desde que sua amiguinha foi embora. - a psicóloga me olhou com cara de "esse menino já teve amigos?".

- Ela não foi embora... - olhei para o chão. Acabei recordando das brincadeiras da praia, de seus cabelos castanhos sendo jogados para lá e para cá, respingando gotículas de água. Ela amava o mar. Amava a areia dourada. Amava o sol ardente. E eu amava ela. Sua companhia, claro. Mas se ela não tivesse ido á Europa, talvez tivesse que repetir de ano e ficar na outra sala. Eu não a admiraria por 5 horas seguidas. Mas prefiro ficar 5 horas sem ela do que o resto da vida. Fui acordado após minha mãe botar a mão em meu ombro:

- Não foi.

27 de Maio de 2019 às 18:51 0 Denunciar Insira 0
Continua… Novo capítulo Todas as Segundas-feiras.

Conheça o autor

Cjujubis Cat Sou apenas uma escritora iniciante com a imensa vontade de crescer na escrita (e veterinária). Espero que todos gostem das histórias que eu escrever. Críticas (construtivas, por favor) são bem-vindas e aceitas.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas