Obstáculos Seguir história

sousadeweslley Weslley De Sousa

Vamos dizer que há luz do sol para todos. Mas, tanto quanto me lembro nós somos animais migratórios vivendo sob mudança de clima. Algum dia vamos prever os obstáculos, através da tempestade, através da nevasca. Eu não pude prever... e assim, acordei.


Drama Todo o público.

#conto #drama #sousadeweslley #weslleydesousa
Conto
0
3.5k VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Adeus, Katherine!

Acordei de manhã, coberta por meus panos que mais pareciam meus protetores de todos os pensamentos ruins contra mim ou que vinham de mim mesma, pensamentos sombrios, dolorosos e sangrentos. Acordei de manhã, tomando um banho de raios solares vindo da minha janela entreaberta cujo deixei para durante a noite passada, focar meu olhar para o céu e sua vastidão universal de estrelas que acompanhavam a lua e enfeitavam o mundo. Acordei de manhã, pronta para lutar contra os obstáculos da vida que estivessem prestes a me barrar em minha caminhada, que eram muitos no caso onde tais obstáculos não podem mais serem detidos com um simples salto por eles ou um sorriso falso que despiste todo o mau que eles tenham contra ti, por isso que para combatê-los eu desisti de fugir deles e os encarei, passando por cada um deles da melhor forma que eu conseguisse, obtendo suas experiências e esperando que minha alma se mantenha intacta com todas as informações sendo passadas a mim. Acordei de manhã, desconfortável com toda a minha situação que eu estava passando, toda a dor no peito que eu vinha sentindo, todo o stress que meu corpo vinha acumulando, todo o sentimento negativo que eu carregava dentro de mim, na vontade de poder ir para o banheiro do meu quarto no meio da manhã e vomitar tudo para fora, jogar tudo que me faz mal para o ralo do banheiro, lavar meu rosto, fazer minha maquiagem, arrumar-me para o trabalho e caminhar nas ruas de São Paulo sem qualquer preocupação, sem nenhuma dor no peito, sem nenhum stress no corpo, sem nenhum sentimento negativo que eu tenha carregado dentro de mim. Simplesmente sorrindo. Porém, acordei de manhã com um sentimento receoso, com um sentimento de culpa, com um sentimento de arrependimento.


Acordei pela tarde, coberta por flores brancas e maravilhosas, cheirosas e glamorosas de beleza indescritível, confortável e acompanhada de uma luz escura onde somente o toque de minhas mãos eram o suficiente para me imaginar em um belo campo de flores sem a necessidade de abrir meus olhos. Acordei pela tarde, sendo presenteada pelos raios solares da tarde que vinham da minha janela totalmente aberta, acompanhada da brisa do vento que batia nas cortinas pelo lado de dentro, víeis brancos e longos que traziam um toque de beleza a mais para minha visão daquele cenário artístico, enquanto meu corpo imóvel porém com um sorriso singelo continuava observando aquilo. Acordei pela tarde, na vontade de continuar a passar por meus obstáculos da vida que estivessem prestes a novamente tentar me barrar em minha caminhada ao sucesso, cujo continuavam sendo muitos onde tais obstáculos não podiam mais ser detidos com um simples salto entre eles ou um falso sorriso que despistasse todo o mau que eles tinham contra minha pessoa, por isso que decidia combatê-los de frente em vez de buscar pela fuga, encarando-os de frente e de cabeça erguida esperando que minha alma se mantivesse intacta com todas as informações e experiências que eu estivesse obtendo. Acordei pela tarde, desconfortável com toda a minha situação que eu se encontrava, deitada não mais sobre minha cama e sim sobre uma rua asfaltada. Não, pelo contrário, eu ainda não havia ido para a minha cama pois estava lutando contra os obstáculos da vida, rumo ao sucesso e aumento de vida e espírito pessoal, caminhando com vontade e uma expressão determinada e corajosa no rosto pelas ruas de São Paulo. Porém, acordei pela tarde coberta por um líquido azul, e se a cor era essa mesma, eu não saberia dizer. Minha visão era turva e meu corpo se encontrava leve, sentimentos não se encontravam mais comigo e eu mal sabia dizer quem eu era. Logo depois eu acordei pela tarde, com um sentimento receoso, com um sentimento de culpa, com um sentimento de arrependimento.


Acordei pela noite, chuvosa e trêmula acompanhada de muita tristeza e trovões e mais pareciam berros e gritos dos céus para mim, para familiares, para amigos, para colegas, para conhecidos ou para a luz que eu finalmente conseguia enxergar, a visão que eu sempre desejei ter. Acordei pela noite sendo presenteada pelo céu e sua vastidão universal de estrelas que acompanhavam a lua e enfeitavam o mundo com sua extravagância e beleza. Acordei pela noite, não sabendo se no fim do dia eu havia vencido os obstáculos, se eles conseguiram me barrar no caminho, se minha mente havia sido destruída, se meu corpo havia sido destruído. Acordei pela noite em uma cama dura, desconfortável e com lençóis ásperos brancos, vestindo roupas verde-água e com tubos presos em meus braços, uma leve tontura e falta de controle de minhas ações físicas. Acordei mais uma vez pela noite, abrindo meus olhos lentamente acompanhados de lágrimas… Não, na verdade não eram minhas porém eu sentia que elas eram minhas ou já pertenceram a mim. Eu não sabia mais ao certo. Enquanto eu dormia pela noite, duas pessoas sentavam-se ao meu lado lentamente, aconchegando-se ao meu lado para não acordar-me e passavam suas lisas e suaves mãos pelo meu rosto, enquanto cantavam algo para mim na despedida de lágrimas.


Brincamos de esconde-esconde em cachoeiras

Nós éramos mais novos, éramos mais jovens.


Brincamos de esconde-esconde em cachoeiras

Nós éramos mais novos, éramos mais jovens.


Brincamos de esconde-esconde em cachoeiras

Nós éramos mais novos, éramos mais jovens.


Brincamos de esconde-esconde em cachoeiras

Nós éramos mais novos, éramos mais jovens.


Algum dia vamos prever os obstáculos.

Através da tempestade, através da nevasca.


Enquanto a melodia era cantada, meu corpo imóvel e sem espírito se despedia das lágrimas com um sorriso sincero e amável enquanto minha mão era segurada pelas duas pessoas que me davam um sentimento de conforto, proteção e amor. Adeus…


Katherina.

26 de Maio de 2019 às 23:34 0 Denunciar Insira 119
Fim

Conheça o autor

Weslley De Sousa Fundador e Escritor na "Ambiguous Productions", além de também ser o fundador do "Sketch Podcast" e Editor, Revisor e Criador de Conteúdo no site "Anime Freak Show".

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~