Tudo que uma noite pode oferecer Seguir história

rafaelma90 Rafael Martins Augusto

Uma noite mais longa que o habitual e todas as aventuras possíveis dentro de um curto espaço de horas.


Aventura Impróprio para crianças menores de 13 anos.
9
3414 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Era só mais uma festa

Sai sem vontade nenhuma naquela noite. Preferia o conforto do meu quarto do que mais um evento e mais uma festa, mas tinha que ir. Era o meu ganha pão. Quando se tem 20 anos, tudo é motivo, tudo é maneiro. Mas naquela altura, já na casa dos 30, nem tanto. Acordar de ressaca já não era legal. Beijar por beijar já não era legal. E mesmo sem achar nada daquilo tão bacana assim, eu fui. O que lembro daquela saída foi a dificuldade em encontrar uma roupa que ficasse maneira. Quando eu as comprei, elas estavam ótimas. Experimentei, me olhei no espelho da loja e pensei comigo mesmo: é isso! Mas agora, no do meu quarto, não caíram tão bem. Como pode? Juro que não sei explicar. É como se tivessem dias em que elas estivessem de bom humor e dias em que estavam de mal humor.


No táxi, fui pensando em qual avaliação daria para aquele motorista. Será que ele ia me importunar com assuntos chatos? Será que ele ia pegar o caminho errado? Será que ia botar uma música entediante? Nada disso. O Seu João foi perfeito: não ficou puxando assunto, deixou a música baixinha e fez o melhor caminho possível. A temperatura do carro estava agradável e eu pensei que seria capaz até de tirar um cochilo, apesar de não ser o mais apropriado para alguém que estava indo tocar em uma festa até as 5h da manhã. Dei nota máxima e desci do carro recusando as moedas de troco. Que todos os taxistas sejam como o Seu João, pensei.


Da esquina, já dava para ver que havia fila no evento. Opa, bom sinal! A casa ficaria cheia. Por outro lado, mais gente vomitando, mais gente querendo pedir a sua música preferida para o DJ, no caso, eu - que já não tinha mais tanta paciência assim para os infinitos pedidos e listas de sugestões que chegavam para mim durante as festas, e mais gente se recusando a sair quando a casa ascendesse as luzes indicando o final do evento. Tentei focar no lado bom.


A festa começou, e eu estava pensando nela. Ela, a pessoa que eu sempre chamava e nunca ia. Estranho pensar que com 500 pessoas diferentes ali, naquele mesmo espaço, eu lembrasse justo da que não fazia a menor questão de estar presente, né?! Ironias da vida, ou do amor. Chame como quiser. Eu não sabia como chamar, e gostando ou não, também não sabia tirar ela da cabeça.


Sabe aquela saída mais fácil que sempre utilizamos para parar de pensar em alguém? Então. Foi depois de alguns copos virados com gosto de saudade que olhei para a pista e vi alguém que me chamou a atenção. Não sei definir ainda se era o jeito como ela dançava ou o fato de conhecer quase todas as músicas. Fui até ela e, para a minha surpresa, o papo fluiu. Depois de um pouco de conversa veio o beijo. Um bom beijo. As coisas foram esquentando e percebi que ela realmente tinha gostado. Mais do que eu, confesso. No meio da nossa pegação, veio o convite inusitado. Ela falou que queria mais. Acabamos entrando no banheiro feminino, e foi assim que eu transei a primeira vez em um evento. A cabine era apertada, mas ela exalava tesão. O pouco espaço fez a gente ficar bem colado. Não podíamos fazer barulho, estava quente, e eu ouvia pessoas entrando e saindo. Rindo e se arrumando. Conversando sobre o que acontecia na festa, sobre o carinha que estava puxando assunto ou a temperatura da cerveja. Percebi que outras pessoas também estavam ali sentindo falta de alguém. Nessa hora me concentrei no prazer que conseguia sentir ali, com ela. Mesmo com tudo o que estava acontecendo, era gostoso estar naquele banheiro. Sai suando absurdos, parecia que tinha dado um mergulho ou acabado de sair de um banho quente. Mas isso pouco me importava.


Aí, bum! Flash do fotografo na minha cara! Curioso né, porque a foto sairia depois cheia de cores e efeitos, toda trabalhada, dando a falsa sensação de que eu estava ali transbordando euforia e felicidade, o que não era verdade. Sempre pensava isso nas minhas fotos. Como eu estava naquele dia e o que estava pensando naquele momento. Fotos são registros bonitos, mas como sempre constatava, nem sempre tão fiéis.

8 de Maio de 2019 às 06:22 5 Denunciar Insira 121
Leia o próximo capítulo 20 reais

Comentar algo

Publique!
Raül Gay Pau Raül Gay Pau
Bravo, bravo.
22 de Maio de 2019 às 05:02
Raül Gay Pau Raül Gay Pau
Bravo, bravo.
22 de Maio de 2019 às 05:02
Raül Gay Pau Raül Gay Pau
Bravo, bravo.
22 de Maio de 2019 às 05:02
Raül Gay Pau Raül Gay Pau
Bravo, bravo.
22 de Maio de 2019 às 05:02
Raül Gay Pau Raül Gay Pau
Bravo, bravo.
22 de Maio de 2019 às 05:02
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!