I Really Didn't Know Seguir história

abo-dream Projeto Abo Dream

Chanyeol estava preocupado demais em conseguir manter a aldeia da qual ele foi obrigado a se tornar o alfa comandante, isso fez com que se afastasse do marido e os filhos, levando o casamento quase ao fim.


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #yaoi #fluffy #chanbaek #exo #mpreg #abo #projeto #abo-dream #abo_drean #casamento-em-crise
Conto
3
3685 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único - intimidade


I REALLY DIDN'T KNOW
POR _Avallon


“Eu sempre te observei à distância

Porque você se parecia com meu amor

Eu pensei que você se sentia da mesma forma

Embora você estivesse olhando para outro lugar

Como o vento, como a poeira

Eu não posso te alcançar, eu não posso te ver”

Chanyeol era o alfa chefe da matilha.

Aquilo não era o que tinha imaginado para si.

Quando era adolescente, achava que assim que fizesse seus dezoito anos e não tivesse mais que dar satisfações, conseguiria colocar uma mochila nas costas e simplesmente ir embora daquele lugar. Ele não era muito do tipo sociável.

Era estranho ser o dono de um lugar como aquele, era estranho saber que as pessoas dependiam de si, contavam com sua ajuda para que seus ômegas tivessem uma vida de qualidade, era estranho pensar em como chegou até aquele momento.

Em casa tinha três filhas e um marido, duas delas eram alfas, o que significava que uma delas também deveria cuidar da matilha como ele fazia depois que seu pai faleceu. Mas e se ela não quisesse? E se ela tivesse sonhos que envolvessem ficar longe o bastante dali? O “E se?” às vezes o preocupava, pois não gostaria de obrigar suas filhas a cuidar daquele lugar e ser a “rainha” daquelas pessoas como ele era.

— Senhor Park, está mais do que na hora do senhor descansar, pode ficar tranquilo, eu cuido das finanças.

— Eu odeio cobrar impostos, Kyungsoo.

— Mas como manteriamos isso impostos, alfa? Não tem como.

— Eu estou tentando descobrir. Quando eu conseguir, não cobraremos mais.

— Ajudarei você nisso, mas agora vá para casa, por favor. — Kyungsoo também era um alfa, um tão rigido quanto Chanyeol, era estranho vê-lo implorar daquela forma.

— O que há de errado em ficar aqui?

— Me desculpa, senhor, mas o Jongin conversou com o Baekhyun ontem e ele… está triste… você fica distante. Não queria que chegasse tarde mais uma vez e alimentasse essa sensação que ele tem que o senhor…

— Tenho um caso com alguém?

— Que o senhor não o ama mais depois das crianças.

— Que besteira isso, claro que o amo. — suspirou.

— Então porque não vai pra casa dizer isso a ele? Eu conheço o Baekhyun desde que éramos pequenos, ele é realmente sensível e, apesar de somente meu marido ter conversado com ele, eu imagino o tanto de coisas que podem estar passando dentro daquela cabecinha, como marido você deveria imaginar também e não deixar que ele as alimente.

— Está me dizendo como eu devo cuidar do meu marido?

— Desculpe, senhor. Só estou dando um conselho. — Kyungsoo saiu da sala e pegou suas coisas, indo para casa.

Diferente de Chanyeol, o Do preferia fazer trabalho em casa do que deixar seu ômega sozinho até tarde.

O problema do Park era não querer nada daquilo. No início, quando casou com Baekhyun, foi um tanto forçado pelos pais, gostava do baixinho, mas sempre pensou que sairia daquele lugar, não tinha planos de ter uma família e construir mais uma geração que tomasse conta da matilha.

Acabou por pegar seu casaco e desligar as luzes do escritório, caminhando lentamente em direção a sua casa.

Assim que entrou, viu que as luzes estavam quase todas apagadas, com excessão da cozinha, passou rapidamente pelo quarto, vendo que o marido estava dormindo na cama de casal com as três filhas, claramente não havia espaço para si ali.

Fechou a porta com cuidado e foi para a cozinha, vendo que o jantar estava sobre o fogão, ainda um tanto quente.

— Eu fiz comida só para você, fiz o mais tarde que eu pude, para que não estivesse fria quando chegasse. — Baekhyun murmurou, entrando na cozinha de mansinho.

— Não precisava ter se preocupado tanto.

— A-achei que fosse gostar disso… — disse um tanto sem jeito — As meninas pegaram no sono na cama e não queria ter que acordá-las, se você puder deixar elas comigo.

— Tudo bem, não tem problema. — a cada palavra que o alfa dizia, Baekhyun sentia sua garganta criar um bolo maior.

As atitudes de seu alfa estavam deixando quase claro que ele já não queria mais aquele casamento.

— Tudo bem. Eu estou pensando em levar as meninas para sair amanhã, fazer algo divertido, eu posso? — perguntou, tentando conseguir o mínimo de atenção do marido, que servia seu jantar.

— Claro, o que vocês vão fazer amanhã? Por que amanhã? Elas tem aula.

— Porque amanhã é aniversário da Myunghee, Chanyeol, por isso vamos comemorar amanhã. — disse ainda mais entristecido — Tudo bem você não querer nosso casamento, eu sei que você nunca quis, mas ela é sua filha. Não as quer também?

Chanyeol parou de comer e finalmente olhou seu ômega nos olhos, vendo que estes estavam cheio de lágrimas.

— Baekhyun, desculpa. Eu estou cansado, eu amo vocês. — suspirou e levantou da cadeira, abraçando o corpo do seu ômega, acariciando as costas dele.

— Eu queria que isso fosse verdade, mas faz muito tempo que você já cansou da nossa família.

— Não diga besteiras. Eu só não quero que elas sejam obrigadas a fazer esse trabalho como eu fui, eu penso nelas todos os dias.

— Não quer que elas carreguem o mesmo fardo que você? Que elas sejam obrigadas a casar com alguém que não amam?

Chanyeol suspirou e beijou os lábios do seu ômega, o pegando no colo e colocando sobre a mesa. Nunca foi bom com palavras, mas sabia que aquela era uma forma de Baekhyun entender que o amava.

Baekhyun abraçou o corpo do marido com certa força, estava com saudade dele, mas sabia que não poderia ceder tão facilmente.

— Não adianta você… sumir de casa, esquecer o aniversário das nossas filhas e depois querer transar comigo como se as coisas fossem simples e isso fosse resolver tudo.

— Por que não podem ser simples?

— Porque eu estou com você há dez anos, eu cansei de ter só sexo.

— Mas nunca foi só isso, Baekhyun, eu gostava de você, mas como meu namorado você tinha consciência de que essa nunca foi a vida que eu desejei ter, eu te chamei para fugir comigo, mas você não quis.

— Como você esperava viver lá fora sem uma matilha? Esperava viver com os humanos? E se três anos depois eu tivesse ganhado nossa primeira filha, como aconteceu, como a gente ia sustentar ela? Entende porque eu não fugi com você? Eu penso no manhã e esperava que com trinta anos você já tivesse parado de pensar feito um adolescente, porra, essa é a nossa vida, você precisa entender o que nós somos Chanyeol, somos diferentes de outros.

— Eu sei disso e eu parei de pensar daquela forma, agora eu penso nelas, se elas não quiserem ficar aqui, eu não quero prender elas nesse lugar, não é um lugar bom.

— Só você vê isso. Só você acha ruim ter uma família no lugar em que mora, nossa matilha é maravilhosa, mas a cada palavra que você diz, eu sinto que a culpa é nossa, das nossas filhas, que prendemos você aqui e estragamos a sua vida perfeita.

— É claro que não, só acho que as coisas poderiam ter sido diferentes para nós dois. — disse tentando beijar os lábios do marido de novo, mas Baekhyun abaixou a cabeça.

— Eu queria que tivesse um jeito fácil de dizer isso, eu queria que você não pensasse isso da gente, mas…

— Você não está pensando em ir embora, né?

— Não, Chanyeol, eu to esperando um bebê, outro bebê. — disse triste, sentindo as lágrimas escorrer por sua face, mais do que nunca tinha certeza que o marido não estava interessado em ter uma família, ainda mais uma daquele tamanho.

— Isso aconteceu no último cio? — perguntou e o ômega apenas concordou com a cabeça, chorando ainda mais — Não chora, por favor, não chora. — disse dando vários beijinhos pelo rosto do ômega — Eu prometo ficar mais em casa, eu vou ajudar você com as meninas, eu amo vocês, Baekhyun.

— Eu estraguei a sua vida, alfa, eu não queria isso.

— Baekhyun, olha bem pra mim. — disse fazendo o ômega o olhar — Eu te amo, eu só não sou bom com demonstrações, eu sei o tanto de merda que eu falo, mas eu amo a minha família, entendeu bem? Eu quero esse bebê também, a gente vai amar ele, assim como amamos nossas três meninas, fica calmo, amor, para de chorar.

— Sabia que o dia que a gente se conheceu não foi um acidente? — perguntou fungando, tendo as bochechas rosadas acariciadas por Chanyeol.

— Como assim?

— Na escola, eu sempre fui apaixonado por você, esbarrei em você de propósito, queria que conseguisse me notar também, mas eu meio que forcei tudo desde o início.

— Eu vou trabalhar menos e vou voltar a cuidar de você, antes que desenterre mais alguma coisa e pense que eu não o amo. — disse debochado, voltando a segurar as coxas do marido e acariciar ali — Agora nós podemos fazer?

— Pode. — disse ainda fungando, beijando os lábios do marido e o abraçando ele ainda mais, suspirando quando os beijos passaram por seu pescoço.

(...)

Apesar da promessa que fez, Chanyeol levantou cedo na manhã seguinte e foi para seu trabalho, encontrando Kyungsoo lá assim que chegou.

— Desculpe por ontem, quando tentou me falar sobre o Baekhyun, você estava certo, não queria ser grosso com você.

— Tudo bem, eu sei o quanto trabalhar aqui te deixa cansado, mas é importante pensar em seu ômega, deve ser difícil para ele, ainda mais com quatro filhos. — chegou a fazer uma careta, tinha um pequeno em casa e já era complicado.

— Você já sabia?

— Ele contour para o Jongin, já faz um tempo…

— Um tempo? — Kyungsoo desviou o olhar, sabia que alguma coisa não estava certa naquela conversa. — Hoje é aniversário da minha filha mais velha, eu vou apenas pegar algumas coisas que eu vou ver em casa e ficar em eles hoje.

— Ah, isso é bom, aproveite bastante.

— Vou. Acho que vou passar na padaria e levar um bolo para casa.

E foi exatamente isso que o alfa fez, saindo da “prefeitura”, passou na padaria de conhecidos de sua família e comprou um lindo bolo, confeitado exclusivamente para si naquela manhã.

Entrou em sua casa e viu Baekhyun, um tanto sonolento, fazer o café da manhã das três filhas, Myunghee, a mais velha, Myungsoo, a do meio e Sooyoung a mais nova.

— Bom dia, minhas lindas. — disse o alfa, dando um beijo em cada uma das meninas e colocando o bolo no centro da mesa — Sem querer ofender o papai, hoje nosso café da manhã vai ser diferente, feliz aniversário minha linda. — disse sorrindo, bagunçando os cabelos de Myunghee.

— Eba, eu achei que fosse ter bolo só mais tarde. — a aniversariante comemorou animada quando a primeira fatia foi servida para si e logo depois para as irmãs menores.

— Eu achei que tivesse ido trabalhar. — Baekhyun sussurrou quando Chanyeol lhe entregou um pedaço do bolo.

— Passei no trabalho, mas eu prometi que ia ficar mais em casa com você e as crianças, além disso, queria que o dia da Myunghee começasse divertido. — sorriu e ganhou um beijo de seu ômega — Baekhyun, eu realmente não sabia que você se sentia daquela forma, me desculpe pelos meus dias ausente. — abraçou o corpo do marido.

— Você fez as pazes com o papai? — perguntou ao ver os pais se abraçando.

— Ninguém brigou filha, está tudo bem.

— A gente achou que você tivesse brigado com o papai, já que nunca está em casa.

— A gente quase nem vê você. — completou Myungsoo

— Eu sei que errei, mas hoje vou ficar o dia todo em casa para curtir o aniversário da sua irmã e não vou mais trabalhar tanto, para que a gente possa ficar juntos. — disse, ficando de joelhos em frente a filha e acariciando as bochechas dela.

— Gosto assim. — disse a menor, sorrindo e abraçando o pai.

(...)

Chanyeol levou as meninas até a cidade grande, onde ficavam apenas os puramente humanos, para que elas pudesse ter um dia realmente divertido em um parque, comendo sorvete e brincando até cansar nos brinquedos incríveis que existiam fora da pequena praça que ficava no centro da aldeia em que viviam.

As meninas entraram em uma montanha russa em que o carrinho tinha um formato de centopeia, deixando-as animadas a cada volta que o brinquedo dava.

— Você está grávido de quanto tempo? O Kyungsoo disse que faz um tempo que você contou para o Jongin. — perguntou, abraçando o corpo do marido, enquanto o olhavam as três filhas no brinquedo.

— Semana que vem vai fazer quatro meses.

— Já? Eu nem notei que você estava com barriga.

— Quer dizer que você transou comigo e nem olhou para mim? — Baekhyun apenas olhou para baixo, não queria mostrar o quanto estava decepcionado com a desatenção do marido e a ausência constante dele.

— Desculpa, amor, achei que fosse sua barriguinha normal, não parecia que era uma barriguinha de gravidez.

— Ótimo, além de tudo eu sou gordo. Obrigado, Chanyeol, isso só melhora. — Baekhyun afastou-se do marido e pegou as filhas na saída do brinquedo, começando a ir com elas em direção ao carro para que fosse para casa.

O alfa nem se atreveu a falar mais nada, sabia que havia feito a coisa errada.

(...)

— Papai, a Gayon vai fazer uma festa do pijama, eu posso ir? — perguntou Myunghee, levantando os bracinhos para que Chanyeol a pegasse no colo.

— Você acha que a mãe dela deixa você levar suas irmãs?

— Claro, pai, você é o alfa, pode tudo. — disse rindo e escondeu o rosto no pescoço do pai.

— Não é bem assim, mas então pode sim, mas não é para sair de lá e eu vou buscar vocês amanhã. Tudo bem, mas a tia vem buscar a gente pra festinha, você liga pra ela dizendo que a gente vai?

— Ligo sim. — deu um beijo na testa da filha e a colocou no chão.

Talvez ter uma noite a sós com Baekhyun fosse ajudar, já que no último mês, desde que foram ao parque de diversões, mal estava conseguindo conversar com seu ômega.

Chanyeol aproveitou que Baekhyun havia ido fazer compras e ligou para ele, pedindo que comprasse o jantar em um restaurante que os dois amavam, dando-lhe mais tempo para preparar as coisas dentro de casa.

Preparou os pratos que receberia o jantar trazido pelo marido e ajudou as meninas a fazer as mochilas, conversando com a mãe de Gayon antes dela levar as meninas.

Chanyeol tomou um banho e desligou as luzes da casa, acendendo algumas velas e esperando o marido chegar.

— Ué, ficamos sem luz? Precisamos arrumar o fusivel? As outras casas têm luz. — comentou andando até a cozinha, sem notar que Chanyeol havia preparado algo, mesmo que simples.

— As meninas foram para uma festa do pijama, eu pedi para você comprar o jantar para dar tempo de preparar algo especial para nós. Eu quero cuidar do meu amorzinho hoje. — disse o alfa, abraçando Baekhyun por trás e dando beijos no pescoço dele.

— Cuidar de mim?

— Sim, hoje vamos jantar, você vai tomar um banho e eu vou lavar a louça e depois vou massagear os seus pés e encher você de beijos.

Baekhyun sorriu e virou para o marido, vendo que Chanyeol realmente falava sério, por isso beijou os lábios do seu alfa, sendo retribuído e tendo a cintura acariciada pelas mãos grandes.

Chanyeol fez questão de servir o jantar e fazer o marido sentar em seu colo, alimentando o menor, fazendo carinho na pele quentinha que ele tinha e beijando as bochechas rosadas vez ou outra.

Diferente do seu alfa, o Byun sempre quis aquela vida, nunca imaginou que sua casa seria tão cheia de filhos, mas ainda assim, ele queria ser um pai de família, cuidar da casa e sair no fim de semana para falar de como estão os filhos na escola e como é estar casado com um marido maravilhoso.

Durante bons anos Chanyeol foi o marido que Baekhyun enchia a boca para falar, ele comandava a aldeia melhor do que qualquer alfa em anos, ele nunca foi de se importar com classificações e milhares de vezes construiu moradias para ômegas ou alfas que casavam com outros da mesma classificação e por isso eram banidos das aldeias vizinhas.

Ele tinha orgulho do marido, do anel que tinha em seu dedo. Mas com o tempo o ódio do Park pelo seu trabalho acabava fazendo-o trabalhar dia e noite, como se procurasse uma solução para sair daquilo enquanto se afundava mais e mais.

Nunca foram de brigar ou discutir o que estava incomodando-os, então não havia como saber. O casamento foi ficando frio, até o momento em que a única intimidade que tinham era em seus cios.

— Agora que vocês estão bem alimentados, eu quero você tome um banho bem gostoso que eu vou limpar tudo aqui e vou cuidar de você.

— Pode deixar, alfa. — Baekhyun sorriu e levantou do colo do marido, indo para o quarto, onde a roupa que ele deveria usar já estava separada.

Não demorou muito e Chanyeol já estava na porta do banheiro, vendo o ômega se banhar.

— Para, Chan, não me olha com essa cara.

— Não estou olhando com cara, nenhuma bebê, eu só… estou admirando como você é lindo.

— Você me olha como um lobo mal, quer me devorar que eu sei. — disse manhoso e logo riu.

— Ah, você tem razão, eu sempre quero devorar você. — disse rindo e pegou uma toalha, ajudando o Byun a sair do banho e secando o corpo menor que o seu — Você é tão lindo, eu quero muito que você vista aquele moletom quentinho e fique aconchegado, mas eu também quero te beijar inteiro. O que eu devo fazer? — Chanyeol sorriu ao terminar de secar o corpo de Baekhyun e o ver suspirar.

O Byun chegou bem perto do corpo do alfa, selando os lábios dele lentamente para logo depois pronunciar:

— Deve massagear meus pés como prometeu.

O Park sorriu e beijou os lábios do marido, o levando para a cama e beijando mais e mais, ainda que depois de tudo isso tivesse parado para massagear os pés cansados de quem estava carregando mais um bebê, para logo em seguida voltar com os beijos, começando dos pés do marido, apenas para fazê-lo rir.

Mesmo no momento em que chegaram a se amar naquela noite, aquilo não era de fato o importante, não era o que estavam buscando e sim a intimidade que haviam perdido pelo meio do caminho.

Chanyeol amava seu ômega e tinha certeza que era melhor a cada dia por ele, a falta de diálogo os levam a um momento em que tudo parecia difícil demais, distante demais, mas. Naquela noite, assim como muitas outras, redescobriu o motivo do sorriso de seu marido ser o que salvava seus dias de qualquer mal.

8 de Abril de 2019 às 22:42 1 Denunciar Insira 120
Fim

Conheça o autor

Projeto Abo Dream Olá, Dreammers! Nós somos o ABO_DREAM. Um projeto de fanfics do boy group EXO. Nossas fanfics são apenas do gênero ABO, hybrid e wolf. Atualmente nossa equipe tem 12 escritores dedicados a crescer o número de fanfics nesse tema que foi deixado de lado por um longo período. Nós temos conta também no Spirit: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/abo_dream E no Wattpad: https://www.wattpad.com/user/ABO_Dream Nós também aceitamos plots: https://goo.gl/BNdVH5 Bjoos ^.~

Comentar algo

Publique!
tooons oo tooons oo
Tão linda 🥰😍🥰😍. Chanbaek è tão perfeito em ABO então em se fala😍😍💓. Parabéns ficou linda eu amei 🥰💕😍
13 de Maio de 2019 às 23:44
~