Life Seguir história

witch2037 Anab

Isadora é uma adolescente comum de classe alta, que estuda, namora, sem grandes preocupações até a chegada de seu novo, atraente e autoritário professor de física... Bernardo teve toda a sua vida controlada por seus pais, sua carreira, seu casamento, até o dia em que decide largar tudo isso, mas será que conseguirá construir uma nova vida sem o dinheiro e influência deles? Luciana acaba de se mudar, sozinha, para a cidade grande com o sonho de se tornar compositora e descobrirá que essa mudança trará mais dificuldades do que imaginava... Gustavo acaba de entrar na faculdade pensando que teria um ano tranquilo depois de tanto esforço para conseguir, mas descobrirá que enquanto a sua vida profissional está caminhando, sua vida amorosa vai virar um inferno... Rebecca trabalha na empresa de seu pai, e sempre teve uma vida fácil, de festas, bebedeiras e muito sexo casual, mas será obrigada a ter mais responsabilidade no trabalho quando seu pai a deixa sobre as ordens do diretor sênior da empresa... São 5 histórias diferentes com 5 personagens diferentes tendo problemas da... bem... da vida! [História também está sendo postada no Wattpad]


Drama Para maiores de 18 apenas.

#romance #drama #adolescente #prostituição #professor #faculdade #adulto #escola #adúlterio #secretária
4
3873 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Isadora - Primeiras Impressões

Sentou-se na carteira da frente sentindo-se animada com o primeiro dia de aula, mas não porque gostava da escola e sim por finalmente estar no último ano. Já não aguentava mais aquela vida de estudante de ensino médio.

- Só mais um ano... – pensou antes de sentir seu celular vibrar dentro da mochila. “Boa sorte aí no inferno :p”, uma mensagem de Eduardo, seu namorado. Ele provavelmente só apareceria na escola na semana que vem, como fazia todos os anos e ela também se não tivesse decidido ser uma aluna um pouco melhor naquele último ano. Seu cabelo loiro-escuro estava preso num rabo de cavalo alto e usava uma maquiagem básica.


- Olha só quem apareceu no primeiro dia! – disse Larissa entrando na sala e sentando-se logo atrás dela. – Você não costumava vim pra escola só depois do carnaval? – perguntou zoando.

- Se eu pudesse escolher não viria pra escola nunca mais – disse virando-se para ela.

- Você já viu o novo professor de física? – perguntou aproximando-se dela, era mais baixa e mais gorda que Isadora. Seu cabelo ondulado era tingido de rosa.

- Novo professor de física? – perguntou sem entender. – O que aconteceu com a professora Paula?

- Ela se demitiu, chegou no dono da escola e falou que queria um aumento, fez o maior barraco – sussurrava. – Como é que você não ficou sabendo disso?

- Como é que eu vou ficar sabendo disso, Larissa?

- Enfim, o negócio é que parece que ele é novinho – disse com um sorriso malicioso.

- Novinho quanto? – perguntou sem interesse.

- Novinho menos de 30! – disse piscando pra ela.

- Isso não é novo.

- Claro que é!

- Não se você comparar com a nossa idade – rebateu.

- Mas é porque a gente que é nova demais – protestou. – E se eu não me engano a primeira aula vai ser dele – disse voltando com seu sorriso malicioso logo depois de escutar o sino tocar.


Passaram-se uns 10 minutos até ele entrar, era alto, tinha um cabelo castanho-claro, cacheado, num corte médio. Seus olhos eram verdes e estavam atrás de um óculos quadrado com uma armação fina apenas na parte de cima. Usava uma camisa preta, slim fit e uma calça jeans. Carregava apenas um livro de Física e um estojo preto.

- Meu Deus, o cara é um gato – sussurrou Larissa no ouvido de Isadora.

- Bom dia, meu nome é Henrique Andrade e eu vou ser o novo professor de física de vocês – disse enquanto colocava o livro e o estojo em cima de sua mesa.


- Muito gato – continuava sussurrando Larissa.

- Você quer parar? – sussurrou Isadora de volta, mas no fundo não podia discordar dela.


- Eu não sei como a antiga professora trabalhava, então já vou deixar claro o modo como trabalho – disse rapidamente enquanto pegava um pincel de dentro de seu estojo. – Eu escrevo bastante no quadro, mas vocês não são obrigados a copiar, porém eu aconselho que copiem – estava com o pincel na mão, mudando o olhar de um aluno para o outro. – E que não só copiem como também aprendam, porque senão aprenderem eu irei saber e eu não passo aluno que não sabe de nada – fez uma pausa encarando as feições assustadas que se formaram e prosseguiu. – Eu uso o livro de vocês apenas para passar exercícios que serão corrigidos, mas não valerão nota e nem visto, então, novamente, vocês não são obrigados a fazer os exercícios, mas eu os aconselho que os façam – pausa novamente. – Vocês serão avaliados por meio de provas tanto orais quanto escritas, trabalhos em grupos ou individuais, debates, testes surpresa e mais o que eu achar relevante. Alguém tem alguma dúvida? – ninguém respondeu. – Então, nós vamos começar com uma introdução à eletricidade.


- É sério que ele já vai entrar no conteúdo no primeiro dia? – sussurrou Isadora, desanimada, para Larissa. – Ele já não parece tão bonito assim.

- Pra mim ele pode continuar explicando o quanto quiser – sussurrou de volta.


– A eletricidade se comporta de maneira constante e previsível em muitas situações – falava enquanto começava a escrever no quadro branco. - Cientistas como Faraday, Ohm, Lenz e Kirchhof observaram e descreveram as características previsíveis da eletricidade e estabeleceram regras – virou-se para classe. – Você aí no fundo – chamou.

- Eu? – perguntou Lucas, tímido.

- Sim, fora da minha sala – disse calmamente virando-se de volta para o quadro. – Eu não falei antes, pois achei que era óbvio demais já que está no regulamento da escola, mas pelo visto... É proibido o uso de celular durante as minhas aulas a não ser que eu autorize – virou o rosto para observar Lucas saindo apressado da sala.



* * * * * *



Estava deitada em sua cama há mais de uma hora, não havia nem tirado o uniforme, estava exausta. Depois de expulsar Lucas, seu professor expulsou mais três alunos, encheu o quadro duas vezes e passou um trabalho em dupla para ser entregue e apresentado na próxima aula.

- Ele é doente... – sentiu seu celular vibrar na cama e pegou-o. Era uma mensagem de Larissa avisando que estava na porta de sua casa. – Já? – olhou para as horas no celular e viu que já eram 2h da tarde. Levantou-se para abrir o portão pra ela.


- Eu fui ao shopping, voltei pra casa, almocei, tomei banho, vim pra cá e você ainda está de uniforme? – perguntou em tom de crítica enquanto subiam as escadas em direção ao quarto de Isadora.

- Dá um tempo, eu tô cansada – respondeu desanimada. – Aquele professor maluco faltou matar a gente com tanto conteúdo, eu cheguei aqui com a cabeça doendo.

- Você reclama demais, Isa – disse rindo.

- Vai dizer que ele não é maluco? – perguntou entrando no quarto. – O cara passa um trabalho no primeiro dia de aula!

- Ah, e falando nisso... – pegou o celular que estava no bolso detrás de sua calça jeans. – Eu achei o perfil dele no Facebook!

- Tem as respostas desse trabalho gigantesco que ele passou lá? – perguntou irônica, sentando-se na cama.

- Não, mas tem umas fotos dele sem camisa – sentou-se ao seu lado mostrando as fotos pra ela.

- Ok, ok o cara é gostoso, mas e daí? – encarou Larissa. – Ele ainda continua sendo um filho da puta como professor, aposto que deve ser corno e fica descontando na gente...

- No Facebook fala que ele é solteiro, e que é formado em astronomia.

- Astronomia? Essa é nova...

- E ele tá fazendo até mestrado, o cara é bonito e inteligente, meu Deus do céu, hein! – começou a se abanar fazendo Isadora revirar os olhos.

- Dá pra se controlar?

- E eu consegui o número dele também – disse maliciosa.

- Você é o que? O Sherlock Holmes dos dias atuais? Como é que você conseguiu isso?

- Você esqueceu que meu pai é professor de lá também? – ainda olhava o perfil dele no celular.

- Você pediu o número pra ele? – arregalou os olhos sem acreditar.

- Não, idiota, você não sabe que os professores da escola têm um grupo no WhatsApp? – encarou-a impaciente.

- E como é que ia saber disso? – rebateu irritada.

- Onde você acha que eles se juntam pra falar mal da gente?

- Tá bom, mas e aí? O que você pretende fazer com o número dele? Mandar trote de madrugada?

- Melhor que isso – colocou o celular na cama. - E se a gente criasse uma conta fake?

- Como assim uma conta fake?

- No WhatsApp! – respondeu como se aquilo não fosse nada demais. – A gente finge ser uma mulher mais ou menos da idade dele, começa a puxar papo...

- Você ficou maluca? – levantou-se. – E se ele descobrir? Não dá pra ter duas contas de WhatsApp no mesmo celular, você pretende fazer o que? Mudar a sua foto de perfil para a de uma mulher mais velha?

- Claro que dá pra ter duas contas de WhatsApp no mesmo celular é só baixar um aplicativo que faz isso, mas o celular tem que ter dois chips – encarou-a com um sorriso.

- Ah não, nem vem me meter nas suas roubadas – respondeu fazendo que não com a cabeça.

- Qual é, Isa! – levantou-se também. – Pensa, essa é a sua chance de zoar o cara...

- Você só tá querendo fazer isso pra ver se consegue algum nudes dele, sua tarada – cruzou os braços encostando-se na sua mesa de estudo.

- Não só por causa disso, mas também porque vai ser engraçado – sorriu.

- Você tem certeza de que é seguro? – perguntou quase convencida.

- Você só precisa baixar um aplicativo que vai usar o seu outro número para criar uma outra conta no WhatsApp sem interferir na conta que já existe, é fácil! – disse animada já sabendo que a tinha convencido.


O quarto de Isadora tinha paredes em tons claros, uma cama box de casal com um jogo de cama florido, piso de madeira e haviam duas portas: uma que dava para o closet e a outra para seu banheiro pessoal. Uma mesa branca em formato L ocupava duas paredes do quarto, sendo a parte menor da mesa destinada as suas maquiagens, com um espelho retangular embutido na parede em frente e a parte maior destinada aos seus estudos, com um notebook em cima e vários papéis e canetas espalhadas ao lado do trabalho de física que havia demorado mais de 4h para ser feito.

- Anda logo, Isadora, meu pai vai chegar e você não vai ter mandado a mensagem ainda – disse irritada, sentada na cama ao lado dela. Criar a conta fake se mostrou a parte mais fácil, o que veio depois nem tanto assim. Demoraram mais de 1h para escolher um nome e uma foto. No final concordaram em nomeá-la Ana Júlia, escolheram uma foto de uma mulher que aparentava ter uns 25 anos, morena com um cabelo comprido e cacheado.

- Calma, Larissa! – respondeu nervosa. – A gente tem que pensar bem no que vai digitar.

- Caralho, mas a gente já não decidiu? – perguntou impaciente. – Você manda uma mensagem como se tivesse sido engano aí depois que ele responder você vai puxando papo.

- E se ele não quiser conversar?

- Olha pra foto do perfil, Isa – disse apontando para o celular. – Não tem como ele não querer conversar com uma mulher dessas.

- Nem todo cara é escravoceta, Larissa – respondeu. – Num sei não... acho que... Pega lá o nosso trabalho de física! – pediu para Larissa que ficou a encarando sem entender por algum tempo até ir pegar.

- Pra que você quer isso? – perguntou depois que a entregou o trabalho.

- Se a gente quer que o Henrique converse com ela, então nós precisamos de um assunto do interesse dele – disse enquanto folheava o trabalho. – Você viu o jeito que ele explica o conteúdo, ele não usa livro, nem nada, tira tudo da cabeça. Pra alguém chegar naquele nível tem que gostar muito do que faz.

- Ok, então qual é o seu plano? Mandar uma mensagem sobre as de Leis de Ohm pra ele? – perguntou.

- Quase isso... – respondeu com um meio sorriso. – Oi, Vinicius, você me perguntou sobre o físico Georg Simon Ohm, bem... – ditou para si mesma enquanto digitava no celular.

- Quem é Vinicius? – perguntou aproximando-se de Isadora para poder ler o que ela estava digitando.

- O cara para quem Ana Júlia queria mandar a mensagem – disse já terminando de digitar. – E então o que você acha?

- Não é meio arriscado falar com ele sobre o tema do nosso trabalho? – perguntou enquanto lia a mensagem.

- Eu passei a tarde inteira estudando essas malditas Leis de Ohm, essa é a única coisa que eu sei sobre física no momento.

- Ok... então é isso – disse enviando a mensagem e logo depois bloqueando o celular e colocando em cima da cama. – A gente não vai entrar no WhatsApp até ele responder, a Ana Júlia não pode parecer desesperada.

- Ok – concordou. E ficaram as duas em silêncio sentadas na cama com os olhos fixos no celular, até escutarem um som de notificação.

- É o meu – disse Larissa tirando o celular do bolso. – Droga, meu pai chegou.

6 de Março de 2019 às 13:18 2 Denunciar Insira 124
Leia o próximo capítulo Bernardo - A Nova Casa

Comentar algo

Publique!
Yuui C. Nowill Yuui C. Nowill
Devo dizer que fiquei muito interessada na ideia da Larissa, apesar de achar tudo super errado - quero dizer, elas darem em cima do professor delas, sendo que a Isa ainda tem namorado. Mas isso despertou demais minha atenção; fiquei realmente curiosa para saber como as outras coisas vão desenrolar e se vai surgir algo disso. Percebi que você vai trabalhar um capítulo para cada personagem, vou tentar ler aos poucos para não sobrecarregar de informações. No demais acho que é isso - ah, tem alguns termos e expressões que eu me senti levemente incomodada, acho que soaram ofensivos de certo modo? Talvez não fosse legal usar como adjetivos (por exemplo, o "gorda" para se referir à Larissa).
6 de Março de 2019 às 22:32

  • Anab Anab
    Olá, desculpe pela demora agora q eu fui ver o comentário. Acho q já dá pra perceber q a Larissa realmente n é uma boa influência kkkkk. E sobre o adjetivo "gorda", admito q eu pensei muito antes de escreve-lo, cheguei até a procurar sinônimos, mas ai eu pensei q seria meio hipócrita da minha parte tentar achar uma palavra mais "bonita" no sentido de: "ah ñ, mas ela ñ é gorda, ela é plus size, ela é cheinha, ela é fortinha, ela tem ossos largos... como se a palavra gorda fosse um xingamento sendo q ela não é. Ela é apenas um adjetivo que descreve uma característica física e foi com esse sentido q eu a usei. Sei la, eu achei q seria mais sincero da minha parte usar essa palavra ao invés de ficar "enfeitando", mas enfim obrigada pela crítica e espero q continue acompanhando a história ☺ 15 de Março de 2019 às 16:20
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 20 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!