Rinjin Hentai Seguir história

lu-inoue1541002911 Lu Inoue

Meliodas sempre teve uma queda por sua linda vizinha Elizabeth. Certo dia, preocupado com o desaparecimento da moça, após o termino de uma festa na casa dela, o loiro atravessa a rua e vai procurá-la, encontrando a garota...


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#sexo #hentai #universoalternativo #vizinhos #festa #Melizabeth #Meliodas #Elizabeth #nanatsuNoTaizai
4
4578 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capitulo único








Notas do Autor

Já ouviram aquele ditado 
"Mente vazia, oficina do diabo" 
Pois é meus caros. 
Eu estava entediada, sem paciência para as brigas politicas do face, brigas racistas, feministas, homofóbicas, gordofobicas e todas essas complexidades mimizentas do mundo moderno. Sem saco para tirar zilhões de selfies fingindo que minha vida é melhor que a dos outros, ou pra ficar vendo foto de comida que o coleguinha vai comer no momento. 
Também não estava a fim de terminar minhas long Fics, o que deu? 
Deu nisso. 
Mas olhem pelo lado bom, eu podia ta matando, podia esta roubando, podia está usando drogas, mas estou aqui postando poutarias 
#oremos

Capítulo 1 - Capitulo Único

Era só mais uma sexta-feira comum, na vidinha comum de Meliodas. O garoto estava jogando em seu PC, online com colegas virtuais que ele não conhecia pessoalmente, seus pais tinham viajado para passar o fim de semana fora e o loiro tinha a casa toda para si, mas só seu quarto lhe interessava no momento.

    Já tinha comido uma pizza, estava satisfeito, além  de que estava se dando muito bem no jogo. Aproximadamente 9:30 da noite, um som foi ligado em uma altura exorbitante. Não que isso o incomodasse, pois tinha seus fones de ouvidos, mas o deixou curioso.

    Seguiu para a sala e olhou pela janela, descobrindo que sua vizinha da frente, Elizabeth estava fazendo uma festa. A verdade é que o garoto tinha um crush pela vizinha que era mais velha, alta com curvas acentuadas e belos cabelos longos e prateados, cuja franja tinha um charmoso e exótico corte escondendo um dos olhos.

    O garoto suspirou, óbvio que a vizinha nunca iria olhar para ele. Ficou observando os carros que chegavam lotando a rua, um mais estiloso e caro que o outro, sabia que em um desses carros estava o cara que deveria ser o tipo da albina, quem se daria bem com ela nessa festa.

    Meliodas bufou, fechou as cortinas e decidiu voltar a jogar. Muitas horas mais tarde ouviu a sirene da policia e curioso, correu para a janela novamente. Parece que algum vizinho se irritou com o som alto. Ele ficou olhando os policiais porem fim a festa e os convidados indo embora reclamando, mas não viu Elizabeth.

    Esperou até a última pessoa sair e notou que a casa ficou aberta e as luzes acesas, nada da albina aparecer limpando a bagunça, nem sequer trancando as portas, poderia parecer paranóia de viciado em videogame, mas aquilo estava muito estranho.

    Mesmo que não pudesse ter o tipo de atenção que queria da mais velha, Meliodas não podia negar que Elizabeth sempre foi educada, gentil e ótima vizinha, sendo assim ele sentiu que não podia deixar a albina assim com a casa toda aberta, talvez ela tivesse dormido e nem visto o fim da própria festa, talvez tivesse bebido demais. Seja como for, o loiro decidiu ir até lá e procurar por ela.

    Assim ele fez,  atravessou a rua e entrou na casa. Era uma mansão gigantesca, tinha um jardim enorme e bem cuidado, que no momentos estava todo sujo e desorganizado, aparentemente os empregados foram dispensados.

    Quando entrou na sala viu o caos em que o local se encontrava, peças de arte e decorações quebradas pelo chão, o luxuoso sofá estava sujo e rasgado.O loiro sacudiu a cabeça negativamente e seguiu a procura da vizinha.

— Elizabeth? Elizabeth? — chamando ele seguiu procurando por todo andar debaixo, mas não recebeu nenhuma resposta.

Sendo assim o loiro subiu para o andar de cima e gritou por Elizabeth algumas vezes mais, sabia que ela estava muito encrencada, pois seus amigos deixaram a casa toda devastada como se tivesse passado um furacão ali.

Depois de procurar no segundo andar, o rapaz estava quase desistindo e ligando para os pais dela, que sempre deixavam um número de emergência com seus pais, mas viu que tinha uma escada que levava para o terceiro andar e resolveu procurar por lá.

Quando chegou ficou surpreso, o local estava impecavel, nenhuma bagunça ou desordem, a enorme TV, estava ligada passando algum clipe musical, o ambiente era cheio de estofados e almofadas confortáveis, e ao centro uma hidro estava ligada e Elizabeth estava adormecida dentro da mesma.

Meliodas ficou com uma gotinha sobre a cabeça, a casa destruída e a garota dormindo com o corpo na água borbulhante e ombros a cabeça apoiados no beiral da banheira. Aquilo era perigoso! E se ela escorregasse e se afogasse.?

— Elizabeth? — chamou de uma certa distância, mas não obteve respostas então se aproximou.

Não pode deixar de notar que a garota usava um biquíni cortininha minúsculo e que uma das partes estava afastada para o lado, expondo seu mamilo rosado.O garoto já era pervertido e tinha vários devaneios com a vizinha, ao ver a cena seu membro latejou, vibrou e enrijeceu na hora, tão forte que ele o segurou e apertou por cima da bermuda.

— Ah droga! Agora não colega, colabora. — gemeu apertando seu pênis, tentando se acalmar.— Elizabeth, acorda, é perigoso dormir aí. — chamou mais uma vez, mas a garota nem se moveu, então ele se aproximou para tocá-la. — Acorda garota maluca!

Abaixou-se perto dela e a chamou, olhou mais uma vez para o seio exposto, sentiu tanta vontade de colocar em sua boca, morder, chupar, apertar… Não era hora pra pensar nisso, mas se a albina acordasse alí naquele momento e a peça estivesse assim, ela poderia pensar que foi ele. O melhor era consertar, não?

Com uma mão ele se apoiou no chão e a outra seguiu trêmula e hesitante até a cortininha do biquini da albina, quando alcançou sentiu as pontas de seus dedos roçando suavemente no mamilo, era só puxar aquele pedacinho de pano, mas… Estava tão quente, e seus dedos formigavam… Ele estendeu a palma e passou pelo bico que intumesce ao contato. Aquele atrito fez seu membro doer de tanta petrificação, cada pulsada era como se fosse cair, seu pubis estava ardendo como se pegasse fogo.

— Hm… Isso é tão errado! Me desculpa Elizabeth, não posso controlar! — Dito isso o loiro enterrou a mão com vontade, seus dedos afundaram na fartura daquele recheio e ele gemeu extasiado com a sensação, a outra mão usou para apertar seu pênis várias vezes com força. — Gostosa demais, que delicia de peitões maravilhosos!

— Hm… Isso é bom… — ela gemia prazerosamente e abriu os olhos lentamente, fazendo com que o garoto tirasse a mão e caísse sentado no chão. — Meliodas é você? —questionou sonolenta, o rosto corado.

— Eu sinto muito… Eu não queria… Eu só vim porque fiquei preocupado…

— Ah, tudo bem. Cadê o resto da galera? — perguntou se inclinando, de forma que o seio que estava semi descoberto saiu todo para fora do biquíni e se balançou de forma convidativa aos olhos do loiro.

— Foram embora, todos, não tem mais ninguém...— ele respondeu mordendo o lábio, salivando os seios alvos balançando em sua frente.

— Ah que pena, então somos só nós dois agora. Porque não entra aqui comigo, a água está quentinha  gostosa.

Ele travou com o convite, seu membro continuava pulsando, agora  não podia tocá-lo na frente dela. O que faria, era uma oportunidade única ficar na banheira com sua vizinha gostosa seminua, não tinha como recusar, mas estava com vergonha por estar tão excitado.

— Então? Não vai entrar? — ela fez uma voz infantil de mágoa.

— Eu vou, eu vou. — deu as costas para a albina e tirou as roupas ficando apenas de boxer branca, cuja a parte da frente já estava toda molhada pelos fluidos pré seminais, a glande rosada bem marcada e ele sentiu o olhar da mais velha.

Já estava alí e entrou de uma vez, se perguntando porque a albina ainda não tinha consertado o biquíni, será que não tinha percebido ou estava deixando de propósito?

Ele pulou na água e realmente estava quente e gostosa.

— Então, não tem mais ninguém? — a garota perguntou manhosa.

— Não.— ele respondeu tentando esconder seu estado.

— Por isso estava apertando meus peitos?

— Eu, so… Eu não ia apertar, seu biquíni estava fora do lugar e eu estava consertando.

— Ele ainda está fora do lugar...— ela deu um sorriso olhando para os próprios seios. — Porque não vem colocar no lugar?

Aquele convite o acertou como um tiro. Meliodas era novo, mas não era burro. Não perdeu oportunidade se lançou contra ela apertando o seio já exposto, a outra mão puxando a cordinha e arrancando a peça. Elizabeth gemeu jogando a cabeça para trás.

Meliodas estava possuído, apertando esfregando o rosto contra os seios da garota, seu membro ereto roçando contra o corpo dela a fazendo abir as pernas  na ansias de senti-lo entre elas. O corpo de Elizabeth vibrou e estremeceu completamente quando a boca faminta do loiro se afundou contra o farto recheio e engole o bico, a língua girando e os lábios sugando com vontade.

Aquilo parecia um sonho, ele estava mesmo de boca naqueles seios delicioso, chupando e apertando enquanto ela geme escandalosa. Ele não quis esperar para saber, se tivesse que acordar então queria aproveitar ao máximo. Sentiu quando a albina enlaçou as pernas em torno de seus quadris e seus sexos se roçaram, os braços da garota o envolveu e ela moveu a pelvis atritando mais seu pubis, o loiro sentiu seu corpo se descontrolando.

Já tinha sonhado com a albina várias vezes, nada nunca tão real, mas sabia que todas as vezes que tentava possuí-la o sonho chegava ao fim, tinha que fazer antes que fosse tarde. Sua boca abandonou o seio da moça e tomou seus lábios, ela gemeu em meio ao beijo, as línguas se encontraram sedentas e  a mão correu para sua felicidade afastando o biquíni a apalpando, enterrando seus dedos dentro dela sentindo-a internamente, precisava se enterrar naquelas paredes.

— Elizabeth, você é gostosa demais! — falou durante o beijo, mordendo o lábio da garota.

— Então me come, loirinho! Mas se você contar pra alguém, se seu pais ficarem sabendo disso, eu…— ela rebolava contra a mão dele apreciando os movimentos.

— Não vou contar, eu juro. — falou esbaforido, ofegante, ansioso para se enterrar fundo dentro dela.

— Então vem, me pega de jeito, atola bem fundo… — ela incentivou entre gemidos, louca pra ser penetrada.

Meliodas chiou entre os dentes e segurou seu membro o retirando da cueca, afastando o biquíni de Elizabeth para o lado e empurrando a glande contra a entrada a sentindo ser engolida completamente e seu pênis se enterrando todo contra a cavidade quente e  apertada que o esmagava. Ela gemeu demoradamente enquanto o recebia, as mãos puxando os fios loiros.

— Está dentro...— murmurou maravilhado, tonto de prazer, quase sem forças para reagir. — Até o talo, está todo dentro.

— Está...— Elizabeth gemeu e rebolou se deleitando, sentindo-se preenchida até o fundo. — Todo atoladinho, que delicia! Você é tão gostoso!

Meliodas estava em choque a cada rebolada que Elizabeth dava, sua glande batia fundo, seu pênis era escorregado pelas paredes. Não era um sonho, se era dessa vez não acabou na melhor parte, ele queria estocar com força e velocidade, mas aquela posição não o favorecia.Seu pênis estava todo engolido, gostoso, quentinho, apertado, mas ambos os sexos vibravam querendo um movimento mais brusco.

Ele estocou lentamente e ela gemeu manhosa, novamente Meliodas quase tirou seu pênis e voltou fundo e Elizabeth ajudou rebolando, aqueles movimentos, a água quentinha borbulhando, os beijos, os gemidos. Ele ficava indeciso entre beijá-la e  chupar e morder seus peitos, enquanto seu quadril girava e ia e vinha socando nela com mais intensidade.

Arrancou forças, não sabia dizer de onde, e puxou a albina pelo traseiro, sentando-se a borda da banheira, ela puxou uma almofada grande e se deitou abrindo as pernas para ele, que se colocou entre elas, puxando a parte debaixo do biquíni para fora do corpo dela, assim como se livrou de sua cueca.

Ele empurrou seu pênis contra a entrada de Elizabeth mais uma vez e enterrou com  força, ambos gemeram demoradamente com o atritar dos púbis e a fusão intensa. O loiro estava nas nuvens, tinha sua musa toda nua alí, tinha seu membro enterrado bem fundo naquele corpo que sempre desejou.

Elizabeth gemeu alto alucinada de prazer quando Meliodas caprichou nas estocadas, arremetendo com força e profundidade, não demorando a deixá-la tão encharcada que os ruídos se tornaram aquosos, deixando o loiro ainda com mais desejo, ele enfiava com força, impacto pressão, mais e mais pressão e ela gemia mais manhosa a cada arremetida que ganhava.

— Eu não consigo mais… — ele anunciou arremetendo com mais velocidade, seus olhos revirando de prazer.

— Meliodas você não pode gozar dentro...— avisou entre gemidos, fazer uma brincadeirinha com seu vizinho tudo bem, mas ficar grávida não estava nos seus planos.— Ah tira, por favor...— mas ela pedia de uma forma que o fazia enfiar mais e cada vez era mais gostoso. — Tira… — a vontade era gritar pra enfiar que estava demais.

— Eu não consigo… — ele queria tirar, mas não conseguia, seus quadris continuavam se movendo, sua glande queria mais se atritar com força contra o núcleo dela.

— Meliodas você precisa tirar.. — ela pediu, mas também estava louca, nunca tinha sentido nada igual, precisava sair mais seu corpo começou a convulsionar em um horgasmo delicioso. — Ah não, não tira, enfia mais, com mais força… Oh céus, estou gozando demais… enfia com força!

Ao ouvir isso o loiro cravou as unhas nas coxas grossas e brancas da albina, rangeu os dentes de prazer e arremeteu com força e velocidade total, cada estocada mais quente e escorregadia, mais deliciosa, molhada, ele sentiu quando o núcleo feminino se convulsionou e espremeu seu pênis com força, aquilo foi o limite, duas estocadas profundas e ele se derramou furiosamente dentro dela. Os gemidos foram altos e em sincronia.

A albina o apertou forte entre suas pernas, ele sufocou-se entre os seios fartos, gemendo contra a pele branca e macia, as mãos da garota quase arrancaram os fios loiros.

O silêncio pairou enquanto tudo se acalmava, as respirações se regularizando.

— Me desculpe Elizabeth, não consegui sair. Eu tentei, mas estava gostoso demais e…

— Tudo bem, amanhã eu compro pílula do dia seguinte. — respondeu ofegante. — Foi gostoso mesmo.— ele saiu de dentro dela, os fluidos misturados escorreram pelas coxas da  albina — Quero fazer de novo. — ela sorriu e o girou ficando por cima dele, começando a distribuir beijos pelo pescoço do loiro, descendo por todo o corpo.

Ele estava exausto com o primeiro orgasmo que teve em uma relação de verdade, a princípio ficou com medo de não suprir as expectativas, mas se deixou curtir a boca de sua musa brincando pelo seu corpo e quando se deu conta seu membro já estava ereto novamente, mas também Elizabeth passando a lingua em toda área púbica sugando seus testículos, lambendo a bolsa testicular e abocanhando seu membro em um oral maravilhoso, não tinha como não reagir.

Quando decidiu sair de casa pra ajudar sua vizinha jamais pensou que acabaria assim, ambos nus sobre o carpete, ela ali sugando seu membro tão deliciosamente, lhe arrancando gemidos, quase o fazendo ter outro orgasmo.

Mas não era o que Elizabeth queria, ela se colocou sobre o quadril do loiro, se alto penetrando enquanto gemia, começando uma deliciosa cavalgada, ele se deliciou comas sensações enquanto a albina descia e subia no seu membro, rebolando na base, caprichando nos movimentos.

Meliodas se apoiou as cotovelos para ter uma visão melhor, ficando ainda mais excitado, cada sentada que a albina dava em seu membro o fazia vibrar, aqueles seios enormes, redondos batendo quase na cara dele o fez salivar, ele segurou nas costas dela e abocanhou um com ânsia, enquanto ela continuava quicando e rebolando, gemendo alucinada, ele gemendo com a boca cheia, a mão apertando e dando tapas na bunda dela.

Quem se importava se a casa estava toda aberta, se os pais da garota poderiam chegar a qualquer momento, talvez aquela fosse a primeira e última vez deles, ninguém poderia saber, então eles se aproveitaram em todas as posições possíveis, enquanto seus corpos aguentaram, até o sol nascer...

 

Notas Finais

Espero que tenham gostado, me desculpem qualquer erro e é isso ai, beijos, obrigada por lerem.

29 de Dezembro de 2018 às 23:52 0 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Lu Inoue Animes, filmes, series e Fanfictions... Rock clássico, instrumental, pop e hip hop... Romance, hot, terror, suspense e magia... Isso é um pouco de mim, desenhista, colecionadora de action figures, autora e leitora ativa, amiga divertida, leal e dedicada. O que você está esperando, sou tudo de bom, vem pro meu mundo

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~