Um coração em dois Seguir história

isoft ISOFT

[KAISOO] Kim Jongin tinha total consciência de sua má fama pelo colegial, mas não importava nenhum pouco. Contanto que pudesse correr o mais rápido possível para ver seu baixinho favorito: Do Kyungsoo.


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#gay #fluffy #colegial #exo #kaisoo #sookai
1
3.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Quando Jongin saiu correndo um único pensamento rondava sua cabeça avoada: ver Do Kyungsoo.

Com o coração acelerado, os cabelos voando ao vento e a mochila dando solavancos para trás, continuou correndo afim de chegar a tempo para aula, para que pudesse sobreviver até o intervalo e finalmente puder estar na companhia de seu baixinho favorito. Há algum tempo os encontros vinham acontecendo, e Jongin apenas desejava que seu coração não batesse tão forte a ponto de Do Kyungsoo pudesse ouvi-lo, porque não saberia lidar com isso.

Jongin sabia que não possuía a melhor fama no colégio e embora tenha que concordar às vezes de que deveria dar um tempo a toda aquela chama da juventude, ele jamais conseguiria, ainda mais agora quando possuía uma fonte infinita — ou nem tanto — para continuar a sorrir todas as manhãs quando acordar. Motivo esse que possuía nome e ninguém jamais suspeitaria que o garoto encrenqueiro do colégio estava apaixonado por alguém tão oposto de si. Jongin não possuía nenhum receio em falar sobre sua sexualidade,se pudesse diria para e por toda a cidade que gostava de Do Kyungsoo. O único problema era que possuía medo de como o próprio poderia reagir diante de uma situação tão exposta como aquela.

Todos do colégio acreditavam que no instante que o sinal tocava e Jongin corria em plenos pulmões para o pátio, era para conseguir algum tipo de briga, pular o muro ou ir arranjar confusão lá fora. Crença essa em que todos estavam enganados. Era mais do que óbvio que os estudantes e professores apenas tinham interesse em Jongin para espalhar boatos e meias verdadespelos cantos, o que não incomodava-o em nada, contanto, que pudesse permanecer ao lado de Do Kyungsoo no gramado durante os intervalos ouvindo-o cantarolar alguma canção antiga, ou ouvir seus pensamentos feito um gravador.

Nenhum dos dois sabe exatamente quando começaram a ter aquele tipo de relação, no entanto, sabiam que ela dificilmente teria um fim, pois era rotina, a não ser, claro, quando aulas terminassem e eles fossem ingressar na faculdade, entretanto, para isso, ainda faltava em média de dois anos — mal haviam acabado de chegar no colegial.

O loiro suava frio de ansiedade encarando o relógio em seu pulso. Alguns colegas já haviam notado sua pequena euforia com o horário. Dez segundos e o sinal tocaria. Dez segundos que pareciam dez anos e quando finalmente aquele som infernizante tocou, Jongin simplesmente correu em disparada pela porta indo pelos corredores até o pátio antes mesmo de qualquer outro estudante conseguir estar lá. Foi tão veloz que pareceu voar, como se os pés não tocassem o chão.

Ao chegar no local suspirou cansado, contudo, com o peito disparado de felicidade. Apoiou as costas no tronco da árvore e logo o ser de fios vermelhos deitou a cabeça sobre suas coxas, automaticamente suas mãos foram de encontro a cabeleira ruiva. O coração jovem batucou no peito e logo suas bochechas ficaram rosadas. Jongin era sensível demais com qualquer coisa relacionada à Do Kyungsoo.

Era sempre assim.

Ficavam na companhia um do outro raramente falando alguma coisa, em compensação os corpos falavam silenciosamente. Principalmente o de Jongin que não sabia se controlar. As mãos tremiam para tocar no baixinho, as pernas ficavam bambas em pensar nele ali. Qualquer mínima coisa que Do Kyungsoo fizesse era um enorme impacto no coração inocente e juvenil de Jongin.

— Não sei como os outros ainda pensam que você é todo "bad boy". — Kyungsoo falou quebrando o silêncio, olhando para a copa da árvore que lhes dava sombra e fazendo as aspas com os dedos. — Se te conhecessem melhor certamente mudariam suas opiniões — acrescentou juntando as mãos sobre a barriga. Jongin desejou entrelaçá-las e nunca mais soltá-las; eram pequenas e encaixavam-se perfeitamente nas suas.

— Mas o que você pensava de mim? Antes de... sermos amigos? — Jongin sentiu o coração apertar em falar a última palavra mordendo a língua para não acabar entregando que eles poderiam ser muito mais do que aquilo. Desejava que fossem muito além disso, a ponto de não ter vergonha de demonstrarem carinho além da presença um do outro sem ter que receber os olhares curiosos e críticos.

— Bom... — Kyungsoo pensou muito antes de falar, tanto que seu cenho franziu e limpou a garganta antes de prosseguir. — Eu sabia que você não era esse "bad boy" coisa nenhuma, até porque você não tem jeito de quem bate em nerds ou entra em brigas com gangsters. Apenas se veste de uma forma desleixada e vive se machucando pelos cantos. A única coisa rebelde que você já fez na vida foi jogar aquela bola de futebol na minha cara e ficar loiro.

— Foi mal por isso. — seu rosto esquentou ainda mais, reação que levou Kyungsoo a rir, exibindo um de seus melhores sorrisos. Jongin ganhou seu dia ao tê-lo direcionado para si; era uma de suas coisas favoritas.

— Posso te contar uma coisa louca? — Kyungsoo virou-se e apoiou o queixo em uma das mãos. Jongin assentiu deitando-se no gramado de frente para o ruivo. — Sonhei com você.

Kyungsoo não era do tipo de falar coisas românticas e aquela simples frase fez o coração do loiro acelerar, fez seu corpo arrepiar-se de uma forma única.

— Mas sabe o que foi mais estranho ainda? Eu gostei. No meu sonho, estávamos abraçados debaixo desta árvore, mas estávamos diferente, acho que tínhamos terminado os estudos. Mas agora mudando um pouco do assunto, você... — interrompeu suas palavras para aconchegar-se em Jongin que ainda estava em choque diante da ação do garoto. — ...Acha que daríamos certo? — olharam-se nos olhos. — Assim, eu sei que o sinto por você não é apenas amizade e eu sei que você sente o mesmo, até porque notei o jeito como você cuida de mim, nem mesmo minha própria mãe é desse jeito. Ou sei lá — sentou-se —, também posso estar apenas fantasiando e você seja hétero.

Jongin sentou-se e encarou o rosto do outro; sem hesitar, colocou suas mãos nas laterais da face de Kyungsoo.

— Eu não sou gay. Eu sou Kyungsoosexual, acredite. Me sinto ou pouco idiota por ter deixado meus sentimentos serem tão óbvios assim mas só o fato de você correspondê-los já faz desta falha uma coisa boa. — ao terminar de falar foi como se milhões de rochas saíssem de suas costas. — Será que.... eu posso beijar você?

Jongin aproximou-se lentamente e uniu seus lábios ao do mais velho pouco importando-se se alguém poderia vê-los — se bem que ninguém para aquela parte do pátio mesmo —, no entanto, fora um selo rápido já que estava relutante do modo como Kyungsoo reagiria ao ato. Seu coração não poderia estar mais dançante que naquele momento.

— Quer ser meu namorado? — Jongin não precisou de respostas ao ter no segundo seguinte os lábios avermelhados e macios de Kyungsoo sobre os seus enquanto sentia os dedos do mesmo fazer um carinho gostoso em suas mãos. Jongin e Kyungsoo estava com o coração acelerado de tanta felicidade.

Ouviram algumas risadas e assobios e separam-se um pouco não deixando de ter as mãos unidas. Procuram quem estava fazendo esses sons e encontram seus amigos escondidos detrás de uma árvore um pouco distante espiando-os.

— Eu disse que eles estavam se pegando!

20 de Dezembro de 2018 às 21:04 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

ISOFT 80年代的情人 ♡

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~