Young Forever Seguir história

trivia_singularity Trivia Singularity

A juventude é o momento mais belo da vida, mas também é caracterizada por diversos conflitos internos e externos. É nesta fase que mudanças fisiológicas advêm, bem como escolhas que precisam ser tomadas para decidir futuro. Durante a adolescência, muitos jovens cometem loucuras por amor ou para fugirem da realidade avaliada como injusta, difícil e constantemente insuportável. No caso do amor, é comum largar tudo para dedicar-se à pessoa amada e isso é quase regra. Todavia, e quanto à amizade? Incide o mesmo quando cada púbere enxerga somente si e seus problemas? Jovens são capazes de atentarem loucuras em prol de seus amigos? Afinal, até onde você iria por suas verdadeiras amizades?


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#fic #fanfic #fanfiction #Long-Fic #irmãos #suicídio #depressão #drama #You-Never-Walk-Alone #Young-Forever #Trivia-Singularity #Singularity #Trivia #TriviaSingularity #kim-seokjin #kim-namjoon #jung-hoseok #seokjin #namjoon #hoseok #yoongi #min-yoongi #kim-taehyung #jeon-jungkook #park-jimin #park #jeon #Min #Jung #kim #jungkook #jimin #v #j-hope #suga #jin #rm #Beyond-The-Scene #bangtan-boys #bts
0
4373 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

We Are Bulletproof, Pt. 2

“Quê?


Dê-me isso!”.


*


O ônibus estava atrasado.


Dos dois meninos que aguardavam a condução escolar, apenas um eventualmente levantava a cabeça da tela do celular para olhar a movimentação quase nula da rua lívida. Suspirava, volvendo a encarar o vídeo de dança que o amigo mais novo, embora pouca coisa mais alto, assistia encantado.


- Posso fazer igual. – comentou, atraindo olhos negros e um sorriso desafiador. – Duvida?


- Depende. – vergou lábios. – Se não dançar sentindo-se a última bolacha do pacote, até acredito, Jiminnie.


- Até parece que sinto-me assim! – mostrou os braços ao arregaçar as mangas do uniforme, sorrindo provocativo. – Que tal, Kookie?


- Passo. – deu de ombros, tornando a assistir a dança, enquanto ajeitava as mochilas aos pés. – Acredito em você.


- Cruel—


Todos ficam nervosos!


- Ei, espere! – uma voz mais grossa gritou, tendo o dono passado correndo atrás do ônibus que voara pelo ponto. – Alguém pare essa coisa!


- Ah! – Jimin e Jungkook assustaram-se ao observarem Taehyung correr atrás da atrasada condução escolar. Entreolharam-se espantados e, atrapalhados, apanharam as mochilas e correram atrás do amigo que ignorara-os. – Espere! Não deixe-nos de novo não!


- Minha mãe me matará se eu perder aula novamente! – Jungkook correu mais rápido, passando na frente de Taehyung.


Mestre da última rodada.


O ônibus amarelo parou no semáforo, quase duas quadras à frente, abrindo a porta dianteira. Jungkook diminuiu gradativamente a corrida e, arfando pouco, sorriu ao motorista nada amigável com estudantes de ensino médio. Antes de entrar, todavia, fora atropelado por Taehyung e Jimin, que não diminuíram a velocidade da mesma maneira, derrubando-o no chão.


- Ai! – debatiam-se para ver quem levantava primeiro. – Saiam de cima!


- Saia você! – Taehyung entrou primeiro, engolindo o riso quando fora fuzilado pelo motorista. Ajeitou a bolsa, olhando para trás e vendo que Jimin entrara em segundo, levando um tapa de Jungkook, ambos também fuzilados pelo condutor, que quase derrubou-os quando acelerou subitamente. – Calma aí...


Somos à prova de balas.


- Credo... – Jimin riu, alargando o sorriso quando, dentre os poucos estudantes, discerniu Jin e Hoseok sentados ao lado e Namjoon logo atrás. – E aí!


- Atrasaram novamente? – suspirou Jin, vendo Taehyung sentando-se ao lado de Namjoon e devolvendo o DVD que pegara emprestado, enquanto Jimin e Jungkook repartiam o assento ao lado, formando uma rodinha no corredor. – Que horas estão acordando?


- Horário normal. – o mais novo, Jungkook, replicou. – Foi o motorista que atrasou.


- Não. – Hoseok apontou à Namjoon atrás. – Foi o Representante Escolar.


- Não sou representante, cara. – suspirou. – Os professores querem que eu assuma a posição de noticiário do colégio.


- Por causa de suas brilhantes notas. – sorriu Taehyung. – Aí vira a noite lendo coisas que precisa falar no estúdio, não é? – riu gostosamente. – Pena que ninguém presta atenção.


- Verdade, é só um monte de falatório sem sentido. – apoiou Jimin, batendo nas mãos de Taehyung. – Durma: ganhará mais e o motorista para de deixar Kookie e eu para trás.


- Se eu pudesse. – torceu lábios, espreguiçando-se. – Enfim, por que corria atrás também, Tae?


- Acompanhei minha irmã à escola dela, aí perdi. – apoiou os braços no banco da frente, brincando com os fios curtos de Jin e relando no aparelho auditivo dele. – Jiminnie e Kookie estavam dormindo no ponto, brincando com o celular.


- Mentira! Estávamos decorando mentalmente uma coreografia! – retrucou Jungkook. – Hobi disse para fazermos isso!


Meu nome é Jungkook, minha escala é nacional.


Fico a noite toda na sala de prática, dançando e cantando, ao invés de ir à escola.


- Não jogue a culpa em mim! Temos de ensaiar ao festival, mas nunca disse para fazerem isso no ponto! – franziu o cenho brincalhão. – Mãe, estão acusando-me!


- Parem de acusar o irmãozinho. – suspirou Jin, fazendo-os gargalharem. – É bom que estejam preparando algo ao festival, mas não esqueçam-se das responsabilidades.


- Não quero ouvir isso plena segunda-feira de manhã. – bocejou Namjoon. – Passei meu final de semana preenchendo formulários e revendo tudo que falarei nas semanas que antecedem o maldito festival. É um saco.


- Faça como nós: vadie mais, estude menos—


- Pegue recuperação e fique mais tempo na escola. – reprovou Jin, ajeitando o aparelho auditivo e fazendo Jimin rir nervoso. – Suas notas estão péssimas, não?


- Não passam-me cola. – fez biquinho. – Lógico.


Enquanto vocês festejavam, desisti de dormir pelos meus sonhos.


- Ali! Olhem ali! – apontou Hoseok quando o ônibus parou, fingindo espanto e os amigos seguiram-no, avocando atenção dos outros poucos estudantes.  – Um espécime raro!


- Chama-se “turista de sala de aula”! Li num livro! – abismou-se Namjoon, enquanto o garoto cansado e irritado com as mãos nos bolsos do agasalho, que não fazia parte do uniforme, ignorava-os e sentava-se ao fundo. – Alguém registre esse momento!


- Ah, olhou para cá! – entrou Taehyung na brincadeira, auferindo o dedo do meio do garoto. – Pele branca como açúcar, mas falta-lhe doçura!


- Calem a boca. – rosnou roucamente. – Não dormi esse final de semana.


Passo a noite toda segurando uma caneta: fecho os olhos só após o sol nascer.


- De novo? – Jungkook preocupou-se. – Acontece algo, Yoongi?


- Além de insônia, nada. – bufou. – Quem foi o maldito que atrasou? Estava fritando no ponto até agora, achando que essa maldição passaria no horário normal!


Todos apontaram Namjoon, que sorriu amarelo, evidenciando as covinhas nas bochechas e tentando não fitar Yoongi ao fundo para não morrer.


- Sabe como é: ser Representante Escolar exige—


- Não disse que não é “representante”, espertão? – provocou Taehyung ao lado, auferindo alguns tapas que fizeram-lhe gargalhar gostosamente, contagiando-os. – Enfim... – acalmou-se, ainda segurando as mãos de Namjoon para impedi-lo de bater. – Esqueci o que falaria.


- Quando não esquece? – virou-se Jin e, mesmo a contragosto, Taehyung concordou. – Agora que o pai de vocês chegou... – apontou Yoongi no fundo, que movia o boné para esconder o rosto, deitando-se no banco. – Comportem-se.


- Porque “papai” é realmente muito comportado. – todos fitaram Yoongi quase adormecer desleixado com o comentário de Hoseok. – Realmente exemplar.


Riram, tornando a conversar no caminho à escola. Eram grandes amigos e conheceram-se concomitantemente, criando fortes vínculos a ponto de ninguém separá-los. Eram um círculo fechado e reduzido, então ninguém, além deles, conhecia-os.


A verdade é que sequer eles conheciam-se totalmente.


Por isso viviam juntos.


O ônibus freou quando gargalharam altivamente, fazendo-os ir para frente bruscamente: Jin e Hoseok seguraram-se, Namjoon conseguiu impedir que Taehyung batesse a cabeça no banco, enquanto Jimin e Jungkook – antes sentados de lado – caíram no vão dos assentos. Yoongi rolara, também caindo. Todos riram, menos o “pai”, que levantou-se irado, quase insultando o motorista se não fosse Namjoon tapando sua boca.


Meu limite rompeu-se em normas duplas e muitas suposições, mas tive sorte e fui contratado por uma empresa.


- Acalme-se. – pediu sério, apontando a janela. – Chegamos, ok?


- Que seja. – ajeitou as roupas e o boné, sendo medido pelo “líder” da gangue, que, apesar de eventualmente destruidor, era amável e nada agressivo. – Que foi?


- Vão repreender-te se entrar com o uniforme bagunçado desse jeito e... – olhou-o direito. – Cadê sua mochila?


- O que acham que faço na escola? – Yoongi indagou incrédulo. – Estudo?


- É. – assentiram em uníssono com obviedade. Já estavam em pé e com mochilas nos ombros.


- Crianças... – suspirou rouco, erguendo o dedo com total razão. – Componho e durmo. Notas que se f—


O motorista acelerou bruscamente para assustá-los, quase derrubando-os um sobre o outro e arrancando insulto involuntário dos lábios de Yoongi. Passaram rapidamente, descendo do ônibus ao serem fuzilados pelo condutor. Hoseok sorriu gentil antes de sair.


- Tenha um bom dia. – quase caiu com mais uma acelerada brusca, agarrando-se na manga de Yoongi, mais protetor dentre os amigos. – Credo.


- Esse cara está sempre mal-humorado. – comentou Jungkook quando o ônibus partiu.


- Se nem eu aturo adolescentes e sou um, imagine ele que precisa aturá-los todo dia enchendo saco? – Yoongi deu de ombros.


A todos aqueles que são chamados de rappers por não poderem cantar: o título de rapper é extravagante para você.


- Pelo menos não insultamo-lo à toa. – Taehyung torceu lábios.


- Já deu, vamos entrar antes que atrasemo-nos. – Jin suspirou, arregalando os olhos quando ouviu o sino tocar, anunciando início das aulas. – Ah!


- Ferrou! – gritou Jungkook, correndo primeiro por ser mais novo e um ano anterior aos demais.


- Temos que correr novamente? – reclamou Jimin, puxando Taehyung, que puxou Namjoon, que puxou Jin, que puxou Hoseok que não conseguiu puxar Yoongi quando um professor parou-o para dá-lo sermão sobre o uniforme.


Menearam correndo e, mesmo irritado, Yoongi acenou de volta num “até mais tarde”.


*


Onde quer que eu vá, em tudo o que faço: mostrarei como minha espada é afiada a todos aqueles que olharam-me com desprezo.


Era muito falatório e nenhuma atenção.


A voz masculina vinda dos autofalantes era bela e melódica, conquanto não houvesse um único aluno que atentava-se aos comunicados relacionados ao colégio. Era trabalho que o melhor aluno, Kim Namjoon, pegou para si, ganhando horas extras e enriquecendo sua grade curricular para ajudar no futuro quando ingressasse em qualquer ótima universidade.


Mas, ainda assim, era um saco.


Ei, grite!


Desligou o microfone e suspirou, sabendo que sequer conversara com paredes. Ajustou seus aparelhos e levantou-se, saindo do pequeno estúdio e trancando a porta, guardando a chave com chaveiro de ursinho azul no bolso do uniforme, caminhando com as mãos adentro. Eventualmente mexia nos fios quase raspados da nuca loura, dirigindo-se ao pátio perto da quadra de Educação Física, sabendo que pelo menos Jungkook estaria lá.


Atletas ficavam em locais atléticos, afinal.


Viu quaisquer estudantes correndo, contudo, não foram eles que fizera-o sorrir e evidenciar covinhas: eram Hoseok e Yoongi sentados debaixo da árvore, bem na sombra, e Jin conversando em pé. Pelo modo como riam feito bobos, o assunto devia ser banal. Conforme Namjoon beirava-se, o trio sempre atrasado – Jimin, Taehyung e Jungkook – chegava rindo tanto quanto os debaixo da árvore, enfim reunindo os sete membros do grupo mais problemático e desconhecido do colégio.


Ou quase isso.


- Ah, Moni! – brincou Hoseok. – Falando novamente?


- É hora das notícias, não estavam ouvindo? – negaram. – Francamente...


- Você tem um microfone: use-o. – sugeriu Yoongi, bocejando e cruzando os braços, conchegando-se melhor na árvore. – Faça rap com as notícias e verá como prestarão atenção.


Atire uma pedra em mim se já fez tanto quanto eu.


Vamos firmemente: sem medo!


- Por mim faria, mas para quê? – deu de ombros. – Não quero ser suspenso igual você foi, hã... Quantas vezes? Três?


- Quatro, mas na última levei o infeliz do professor para vala comigo. – sorriu vitorioso, fechando olhos. – Enfim, já levei muito sermão por causa do uniforme hoje, então deixem-me dormir.


- Disse que tem problemas com insônia, não? – Taehyung riu, apontando Jimin. – Se tivesse ficado na aula de História, teria resolvido, igual aconteceu com Jiminnie.


- Até sonhei. – riram com o comentário de Jimin, que parecia arrancar o rosto fora, tamanho sono. – E apanhei de jornal.


- Não acredito que perdi essa! – rezingou Hoseok e Jin riu, porquanto ambos e mais Namjoon e Yoongi eram da mesma sala, enquanto Jimin e Taehyung eram de outra, todos da mesma série. Apenas Jungkook era um ano mais novo. – Não mandou-te sair?


- Se mandou, não entendi: era muito sono para pensar. – Jimin sentou-se no chão, sendo cumprimentado por Yoongi, que aprovou o ato. – Farão algo no fim de semana?


- Temos de ensaiar. – sentou-se Jungkook. – Esqueceu?


- Esqueci. – sorriu doce, virando-se. – Sugeriria sairmos, mas deixe quieto.


- O festival exige muito, mas contará nota a quem participar. – comentou Jin, percebendo que era exatamente por isso que Hoseok, Jimin e Jungkook apresentar-se-iam com dança. – Farão algo, Moni e Tae?


- Já ganho horas, então não. – fitou Taehyung ao lado, ainda em pé como si. – Mas ajudarei Tae a escrever um poema para publicar na sala de Literatura.


- Ué? – estranhou Hoseok. – Por que não faz sozinho e canta, Tae? Sua voz é linda.


É assim que cantamos.


- Vergonha. – riu, mexendo nos cabelos. – E Mon prometeu ajudar-me, porque estou com pouco tempo para estudar.


Os olhares ficaram estranhos a Taehyung, que sorriu e deixou que permanecesse daquela maneira. Namjoon fitou-o de esguelha, percebendo uma pequena lesão no ombro, perto do pescoço, que Taehyung escondeu com o uniforme quando percebeu que ele encarava.


Veja meu perfil: ainda não há nada lá.


- Fará algo, Yoon? – o de pele pálida negou, ainda de olhos fechados e cobrindo o rosto com o boné, quase adormecido. – Perderá chance de nota fácil? – assentiu e Taehyung piscou confuso. – Por quê? Poderia fazer rap


Continuo sendo aprendiz e rapper, cara: não sei nada ainda.


- Passo. – quase gemeu de cansaço.


- Conta presença também. – complementou Jimin, cutucando-o. – Vai, cara.


- Passo. – frisou.


- Os professores pararão de pegar no seu pé se fizer algo no festival. – a alocução de Jungkook fez Yoongi retirar o boné do rosto por alguns segundos, cobrindo-o novamente. – Então?


Pensei muito sobre isso, mas agora não preciso de nada.


- Passo. – suspiraram.


- Gosta de fotografia, não? – sorriu Jin. – Farei uma exposição, então pretendo sair num fim de semana para fotografar. Por que não pega sua câmera e vem comigo? Não precisará esforçar-se muito e ainda ganhará presença, nota e menos amolação. – sugeriu Jin, cutucando Yoongi e fazendo-o suspirar. – Vai, é tão legal quando saímos juntos!


- Se eu for, pararão de amolar-me? – assentiram. – Tá.


Você continua entre amador e eu estou entre os melhores: espero que apodreça assim.


- Aleluia! – agradeceu Namjoon. – Jinnie faz milagres. – riu, voltando o olhar disfarçado à marca que Taehyung escondia. – Enfim... – desviou a visão a todos. – Quando passar o festival, que tal sairmos?


- Legal, mas não posso voltar tarde. – Taehyung coçou a nuca.


- Também não, senão minha mãe surta. – Hoseok gesticulou um colapso, arrancando altivas risadas. Apenas Namjoon incomodou-se com o comentário de ambos, mantendo sorriso. – E vocês?


- Verei com minha mãe. – Jungkook ergueu a mão.


- Também, mas meus pais deixam. – sorriu Jimin.


- Eu posso. – Jin redarguiu tranquilo. – Yoon?


- Qualquer dia e hora estou livre, o que não significa que estarei disposto quando resolverem sair. – brincou, vendo-os rir. – Mon?


- Verei o melhor a todos. – sorriu. – Meus pais moram noutra cidade, então para mim é fácil: qualquer dia dá.


Rap Monster, meu nome: posso pegar qualquer batida como um monstro.


Faço jus à minha alcunha, caras, venham aqui! Deem uma olhada: agora sou uma estrela.


- Então estamos de acordo. – Jin cruzou os braços. – Qualquer lugar com comida seria uma boa!


- Apoio! – Taehyung ergueu a mão, rindo. – Lanche com batata!


- Não tem nada mais saudável? – rezingou Jimin entre risos.


- Tem, mas não é gostoso. – Jungkook fê-los rir.


O sino tocou novamente, indicando fim do intervalo. Yoongi começou suspirando e terminou gritando de raiva, sendo puxado por Hoseok e Jin para levantar-se e assistir uma aula pelo menos. Jungkook ergueu-se num salto, já aquecendo-se para correr à sala e trocar-se, pois tinha Educação Física. Jimin seguiu o trio que não fazia parte de sua sala, enquanto Namjoon segurava o antebraço de Taehyung, que atenuou lentamente o sorriso ao ver a expressão séria do mais velho.


- Que foi? – piscou ingênuo, estranhando a preocupação súbita estampada no rosto de Namjoon. – Também não quer lanche?


- Está bem, Tae? – Taehyung sorriu e assentiu. – Mesmo? Ele não—


- Ele nunca mudará, mas também não nos matará. – soltou-se delicadamente. – Como disse: posso ir desde que não volte tarde. Se seguir regras, sofro menos.


- Sabe que, não importa o que acontecer, estou aqui para ajudar-te, não? – viu-o sorrir deprimido, assentindo. – Não está machucado novamente, está?


- Não conte aos outros. – pediu seriamente, afastando-se ao murmurar. – Só quero ser normal ou, no mínimo, parecer.


Namjoon ficou parado, observando as costas de Taehyung afastarem-se. O olhar preocupado transluzia o coração pesado e repleto de preocupações, as quais preferia guardar para si. Se ele era assim, que direito tinha de obrigar Taehyung a comentar sobre sua intimidade? Ou mesmo Hoseok, Jimin e Yoongi? Baixou o olhar, refletindo em como ainda eram jovens demais para ter tantas dores.


Suprir tantas emoções em sorrisos.


- Quantos risos de hoje foram verdadeiros, galera? – fechou pálpebras, refletindo sozinho como sempre fazia.


*


Veteranos que orgulhavam-se do hip-hop disseram-me que seria impossível, mas olhe para mim: consegui o ‘impossível’.


- Jinnie! – gritou Jungkook no corredor. Era fim das aulas e ele correra para devolver o celular que emprestara, já que os pais desgostavam de presenteá-lo com tecnologias. – Aqui! Obrigado!


- Ah, não precisa mais? – estranhou, vendo-o sorrir e negar. – Diga-me: como aprende danças tão complexas vendo-as somente algumas vezes?


- Boa pergunta. – riu, movendo envergonhado nos cabelos curtos. – Não sei, mas queria que fosse fácil assim na hora de aprender matemática. – observou as mãos de Jin, estranhando a quantidade de livros. – Lerá tudo isso?


- Preciso esforçar-me.


- Não acha melhor descansar? Sempre está estudando ou cuidando de nós.


- Sou mais velho, então preciso dar bom exemplo. Além disso, cuido-me: não precisa preocupar-se comigo. – pousou a mão no ombro de Jungkook. – Você, sendo mais novo, tem de cuidar-se mais e não seguir os exemplos dos outros, ok? Não vagabundeie por aí.


- Certo. – riu Jungkook, acenando quando teve o ombro solto. – Amanhã chegarei cedo para ensaiar com Hobi e Jiminnie, então vá assistir-nos.


- Combinado. – acenou fofo. – Até amanhã, Kookie.


Porque sempre havia um amanhã, querendo eles ou não.


*


“Eu sou possível”.

5 de Dezembro de 2018 às 21:49 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo No More Dream

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 21 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!