Love on the Halloween Moon Seguir história

bielcastelli Biel Castelli

Iida sempre amou Izuku, verdade ele se lembrava do exato momento em que o corpo do amigo passou a lhe excitar e mexer com sua cabeça. Iida não queria ir a nenhuma festa, mas era a festa de Halloween da faculdade e apesar da resistência em não ir ele acabou sendo convidado por Izuku e não teve outra saída senão ir. Aquela noite prometia muito e ele estava pronto para finalmente dizer o que sentia pelo companheiro de quarto. Izuku também estava, Iida ainda não sabia, mas aquela noite prometia muita coisa... A Lua de Halloween é mágica....


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#halloween #iidadeku #comédia #fluffy #boku-no-hero-academy #iida #izuku
Conto
0
4.7mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Estava exausto, nunca pensei que a faculdade de Engenharia Civil exigiria tanto de mim. Suspirei alto ao fechar o livro, havia passado a tarde na biblioteca estudando e tudo que comi foram barras de cereais. Estava faminto, cansado e nada me faria mais feliz que um banho quente.

  

  Guardei o caderno com as anotações que eu tinha feito durante a tarde na mochila e levantei caminhando calmamente rumo a saída da biblioteca. Arrumei o óculos em meu rosto, liguei o celular vendo que já eram sete da noite e sorri ao imaginar que minha paixão já devia estar no nosso dormitório depois de mais um treino de vôlei.

  

  Izuku Midoriya, era o rapaz por quem se descobriu completamente apaixonado no terceiro ano de faculdade. O tinha conhecido no primeiro dia do curso, quando foi puxado pela sua amiga de infância Uraraka Ochako para se sentar com ela e o esverdeado. Fizeram amizade rapidamente, tinham tanto em comum que vibraram juntos quando souberam que iriam ficar no mesmo dormitório. Nossa amizade se tornou tão forte e apesar de não termos os mesmos gostos para certas coisas, eu acabei me apaixonando por ele assim que passamos a dividir o mesmo espaço. Levei um susto ao constatar isso, percebi que passava tempo demais admirando as pequenas sardas que tinha em sua bochecha, seu sorriso fácil e gentil.


  Lembro até hoje do dia que senti meu peito apertar e uma vontade enorme de puxar Izuku dos braços de Mirio Togata, mas porra o cara era só um garoto de academia que se achava por causa do seu físico. Não que eu seja magro, tenho um porte físico musculoso também, mas diferente de Mirio eu tenho cérebro. Caminhei por entre as ruas tranquilas da universidade e logo cheguei ao prédio onde ficava nosso apartamento. Entrei no dormitório notando que estava tudo silencioso.


  — Cheguei — saudei fechando a porta esperando uma resposta que não veio.


  Fui caminhando em direção ao meu quarto, mas travei em frente à porta do banheiro ao escutar o barulho da água caindo, virei minha cabeça lentamente notando que a porta estava entreaberta. Senti minha boca secar ao ver Izuku nu com o corpo cheio de espuma, ele estava de costas me dando uma bela visão daquela bunda grande e de suas coxas fartas. Balancei a cabeça e fui para o meu quarto, tranquei a porta e tirei a roupa me jogando na cama e começando a me tocar imaginando Midoriya cavalgando em cima de mim.


  — Droga   — resmunguei baixo ao ver o quão duro eu estava, aquilo acontecia quase sempre. Principalmente quando estava na sala assistindo algo na TV e Izuku chegava do seu treino com aquele short minúsculo colado ao corpo suado. Mordi forte o lábio ao gozar em meu abdômen.


  — Iida já chegou? —  escutei a voz do esverdeado atrás da porta.


  — Já sim — levantei rapidamente me enrolando na toalha de banho —  Estou indo tomar banho.


  — Tudo bem, só queria saber se posso pedir pizza pra gente?


  — Pode sim, estou morrendo de fome —  abri a porta do quarto o vendo enrolado em sua toalha, desci meus olhos por seu tronco desnudo e depois olhei para aqueles olhos verdes.


  — O que é isso no seu peito? — passou o dedo onde estava melado de porra.


  — Não é nada — falei desesperado.


  — Tava transando com quem? — sorriu  sacana.


  — Ninguém — sai dali indo para o banheiro.


  Tomei um banho quente rapidamente morrendo de vergonha ao lembrar dele cheirando os dedos melados com o meu gozo. Fui para o meu quarto, vesti uma roupa confortável e fui para a sala onde Izuku já estava com a pizza na mesinha e dois copos de refrigerante me esperando.  


  — Pedi pizza metade de frango e metade strogonoff — falou não desviando o olhar da TV enquanto eu me sentava ao seu lado.


  — Obrigado, eu estava mesmo morrendo de fome —  peguei um pedaço levando até a boca e fechando os olhos ao sentir o gosto daquela pizza maravilhosa de strogonoff inundar meu paladar.


  — Sobre aquilo que acabou de acontecer —  ele desviou o olhar para mim — Eu estava me masturbando, não transei com ninguém. Mesmo porque você saberia se tivesse outra pessoa no dormitório — confessei sorrindo sem jeito.


  — Ah, eu também estava — sorriu travesso.


  — Estudou para a prova de amanhã? — tentei mudar de assunto para afastar os pensamentos nada castos que vinham a minha mente.


  — Estudei um pouco com a Uraraka antes do treino e você?


  — Passei a tarde na biblioteca estudando.


  — Não sei como me chamam de nerd, sendo que você é um de carteirinha — riu deitando a cabeça em meu ombro.


  — Eu não sou nerd — arrumei o óculos e virei meu rosto para ele. Abaixei meu nariz e inalei disfarçadamente cheiro doce que tinha em seus cabelos por causa do shampoo de limão. Terminamos de comer e ficamos por mais algumas horas jogado no sofá, assistindo programas aleatórios.


  — Acho que vou dormir  — levantou se espreguiçando — Boa noite Iida — se virou para mim e beijou minha testa como de costume.


  — Boa noite — baguncei seus cabelos verdes antes de começar a levar os pratos para a cozinha. Depois de guardar as coisas fui para o meu quarto, deitei na minha cama e me deixei levar pelo cansaço.  


  O dia seguinte se passou arrastado e tenso ao mesmo tempo por causa da prova que tivemos logo na primeira aula. Depois de sermos liberados caminhei até o refeitório da faculdade com Uraraka ao meu lado se lamentando por achar que tinha ido mal.


  — Eu acho que fui bem — entreguei o dinheiro para a balconista e esperei ela me entregar um suco natural de laranja acompanhado com um sanduíche de pão integral.


  — Novidade seria você ir mal na prova né, Iida —  ela riu enquanto enchia a boca com seu salgado.


  — Cadê Izuku? — olhei para Uraraka que mexia no celular.


  — Eu vi o Mirio puxando ele assim que a gente saiu da sala.


  — Não gosto desse garoto — mordi um pedaço do sanduíche.


  — Vai se declarar quando para o Izu?


  — De onde você tirou essa ideia, Uraraka Ochako? — falei em um tom mais alto fazendo ela rir da minha cara.  


  — Iida você dá muito na cara, eu sei que o senhor está de quatro pelo Izu. Até acha que a gente não percebe, mas você demonstra demais.


  — Não conta pra ele.


  — Não preciso, ele já sabe e retribui. Só que o que você tem de inteligente também tem de lerdo para essas coisas.


Encarei Uraraka que balançava a cabeça em negação enquanto ria de mim.


  — Gente olha isso aqui — olhei para Izuku que gritou enquanto se aproximava da mesa onde nós estávamos.


  — Festa do dia da Bruxas amanhã — jogou um folheto em cima da mesa.


  — Como assim amanhã já? — se desesperou Uraraka — Preciso de uma fantasia.


  — Tô brincando —  começou a rir tendo uma bolinha de papel jogada em seu rosto — Vai ser sexta e nós vamos.


  — Onde? — perguntei olhando para o papel cheio de abóboras desenhadas.


  — Aqui na escola mesmo — puxou a cadeira se sentando pegando o salgado da Uraraka e o meu suco, começando a beber.


  — Como assim aqui?


  — Se lembra que a quadra está interditada a uma semana, então os professores, eu e Mirio que tivemos a ideia do local. Então nós iremos lá na quinta para decorarmos e ficará perfeito. — o esverdeado dizia tudo empolgado com a festa.


  — Como assim? Você não contou nada.— a amiga reclamou.


  — Era segredo né, meu amor  — piscou para ela — O diretor Eraser chamou eu, Mirio e mais umas três pessoas para começarmos a espalhar os panfletos.


  — Eu não vou  — ditei puxando meu copo de suco de sua mão.


  — Vai sim — encarei o olhar decidido em seu rosto.


  — Me dê motivos para ir — sorri.


  — O senhor anda muito anti-social esse período.


  — Não posso dar mole agora no penúltimo ano.


  — Eu e Uraraka não estamos dando mole também e ainda sim estamos tendo uma vida bem agitada.


  — Mas… — ainda reticente tentei argumentar, mas fui cortado por ele.


  — Mas nada, Iida. Hoje á tarde eu e você vamos procurar fantasias e não adianta falar que não vai — falou determinado.


  — Eu amarro e levo arrastado — exclamou Ochako — Poxa Iida, estamos com saudade de nossas noites de bebedeiras e confusões.


  — Tá bom, eu vou — revirei os olhos.


  — Então pegue suas coisas e vamos agora — se levantou me estendendo a mão.


  — Temos aula ainda.


  — O importante já foi feito que era a prova, por isso vamos agora antes que você desista de novo — me puxou sorrindo e se despediu da amiga — Até mais cara de bolacha — disse dando as costas para Uraraka.


  Passamos no dormitório para deixar nossos materiais e fomos para a frente da faculdade onde chamei um táxi que nos levou até o shopping.


  — Está pensando em ir com qual fantasia Izuku? — perguntei ao entrarmos na loja Fantasy Magic, estava lotada. Era a melhor de toda a cidade e com as fantasias mais diversas do mercado.


  — Mulher gato — riu — Já pensou eu usando uma roupa de látex? — balancei a cabeça negando — Olha quanta gente já tem aqui, imagina se a viéssemos apenas a tarde.


  — Hum — olhei em volta vendo meninas procurando fantasias “bonitas” — Vou ver se tem algo que me agrade.


  — Quer ajuda? — apertou minha mão fazendo meu coração acelerar.


  — Por enquanto não — não me contive em puxar sua mão e deixar um beijo nela.


  — Ahh é… então tá — se virou e saiu dali com o rosto vermelho.


  Caminhei pela loja toda procurando alguma fantasia e muitas eram apertadas demais ou as que eu gostava não tinham minha numeração. Senti meus olhos brilharem ao ver uma fantasia que parecia muito ser de Frankenstein no canto da loja, fui até lá em passos largos vendo que era mesmo a fantasia de um dos personagens que mais gostava do cinema.


  Peguei a fantasia que constituía em um casaco preto rasgado no fim, a calça da mesma forma e uma camiseta social branca com aparência de velha. Levei até a vendedora e perguntei se eu poderia experimentar, antes de entrar no provador olhei para Izuku que estava do outro lado da loja com uma fantasia de fantasma nas mãos. Fechei a cortina do provador e comecei a tirar minha roupa e vesti a fantasia, sorri ao ver que me caiu muito bem todas as peças.


  — Só gostei dessa — levei um susto quando Izuku entrou no provador vestido de fantasma.


  — Porra Izuku, privacidade não está no seu dicionário?


  — Desculpa, adorei a fantasia de Frankenstein — sorriu se aproximando.


  — Gostei da sua também — olhei para a sua fantasia notando que ela era diferente da que estava acostumado, o rosto do fantasma era um capuz deixando a face do esverdeado a mostra.


  — Já volto — saí do provador, voltando logo em seguida — Só falta isso pra complementar minha fantasia — ele pegou a espécie de tiara com dois parafusos grandes que era igual ao do personagem de minhas mãos e colocou em minha cabeça — Obrigado —  agradeci me virando para o espelho.


  — Ficou lindo, no dia da festa eu faço a maquiagem se você quiser — ele se ofereceu olhando para mim e sorrindo.


  — Eu quero — me virei, olhando em seus olhos.


  Levei minha mão até sua bochecha e comecei a fazer um carinho naquelas sardas que eu tanto amava. Me aproximei mais e coloquei minha outra mão em sua cintura, colando nossos corpos. Encostei meus lábios nos seus sentindo a maciez daquela boca, mordi seu lábio ao ter suas mãos em minha nuca puxando meu cabelo. Sentei no puff que tinha ali no provador e o puxei para o meu colo, suspirei quando ele sentou em cima do meu membro já excitado. Apertei sua bunda enquanto devorava aquela boca gostosa, nossas línguas quentes se tocando, quebrei o ósculo e desci meus lábios por seu pescoço onde mordi escutando seus gemidos baixinhos que faziam meu pau pulsar dentro da calça.


  — Chega — se afastou levantando de meu colo — Melhor parar se não eu vou ter que dar pra você aqui.


  — Vamos — saiu do provador.


  Sorri abobalhado ao tirar a fantasia e vestir minha roupa, arrumei tudo e sai do vestiário levando até o balcão onde Izuku já me esperava. Entreguei o dinheiro para mulher e o olhei para ele vendo que seu rosto estava vermelho como um pimentão.


  Você não imagina o quanto eu te amo Izuku.


[...]


  — Vamos Lida — gritei da sala — daqui a duas horas começa a festa e eu ainda não fiz essa maquiagem.


  — Desculpa — entrou na sala já pronto.


  — Senta aí no sofá e não se mexa —  mandei me sentando na cadeira de frente ao sofá.


  — Tá bom mamãe — sorriu, Lida estava mais solto depois do beijo que demos no provador, mesmo não tendo acontecido nada depois daquilo.


  Comecei a fazer a maquiagem enquanto aqueles olhos azuis não paravam de encarar os meus, a vontade de jogar aquela maquiagem de lado e simplesmente me atirar no colo daquele homem estava enorme, mas não podia fazer isso. Mesmo que Uraraka já tenha me falado que ele é apaixonado por mim eu fico inseguro, não é como se Uraraka fosse bem certa da cabeça e o beijo no provador foi maravilhoso, mas pode ter sido apenas tensão sexual entre amigo.


  — Você ainda tá ficando com o Mirio? — arregalei os olhos ao escutar aquela pergunta.


  — Mirio foi coisa de uma noite só. Por que da pergunta?


 — Sei lá, só queria perguntar.


  Sorri balançando a cabeça ao ver a cara emburrada dele.


  — Prontinho —  coloquei o óculos no rosto — Ficou lindo — peguei o espelho pequeno que tinha ali e entreguei para ele que sorria ao se olhar.


  — Uau, você é muito bom com isso.


  — Eu sei — sorri convencido — Vou ir me arrumar agora, me espera para irmos juntos?


  — Claro.


 Fui para o meu quarto e peguei meu celular colocando uma música qualquer enquanto mandava uma mensagem para Uraraka nos encontrar aqui. Tirei a roupa e coloquei uma calça marrom claro e a fantasia de fantasma ficando sem camisa por baixo para não morrer de calor e um tênis preto.


  — Vamos? — perguntei ao chegar à sala e ver Uraraka e Iida rindo.


  — Uau tá gatinho — riu quando notou minha presença ali.


  — Você está linda — Uraraka estava vestida de Bruxa sexy com a roupa toda roxa.


  — Onde está sua camisa? — perguntou levantando a fantasia.


  — Até parece que eu vou morrer de calor né meu amor — olhei para Lida que estava sério enquanto Uraraka ria.


  — Vamos.


  — Ele tá com ciúmes — sussurrou Uraraka em meu ouvido, balancei a cabeça em negação e a puxei pela mão.


  A noite estava linda, o céu com poucas nuvens deixando a lua cheia e as estrelas terem seu show de grandiosidade. Passamos por alguns alunos fantasiados indo em direção ao ginásio onde estava ocorrendo a festa. Entramos no ginásio onde o som estava a todo vapor e as pessoas dançavam aproveitando cada segundo daquilo ali. Olhei para Uraraka que entendeu que era hora de ir se atracar com Bakugou Katsuki e me deixar a sós com Lida.


  — Uau, isso ficou lindo — exclamou Uraraka impressionada olhando para a decoraçã, antes de ir saindo.


  — Parabéns pelo trabalho Izuku — ele bateu em meu ombro sorrindo.


  — Obrigado — sorri para os dois — vamos nos divertir muito agora — Vamos dançar? — olhei para ele já pegando em sua mão e levando para a pista


  — Estou a tanto sem dançar que acho que vou passar vergonha — apreciei sua risada gostosa.


  — Apenas se solte — falei em um tom mais alto começando a me movimentar no ritmo da música que tocava alto.


  Ri alto ao ver Iida tentar fazer alguns passos de danças desengonçado que acabava parecendo com a dancinha do robô.


  — Desde quando Uraraka se pega com aquele bostinha do Katsuki? — se aproximou sussurrando em meu ouvido.


  — Já tem um tempo — me virei vendo Uraraka agarrada ao loiro — Está com ciúmes? — perguntei vendo ele negar com a cabeça.


  Dançamos mais um pouco e fomos para a mesa onde eram servidas as bebidas alcoólicas que estavam liberadas naquela noite. Conversamos um pouco com Momo outra amiga nossa e seu namorado Shouto Todoroki. O ponto alto da noite foi quando eu e Iida voltamos para a pista de dança com a intenção de extravasar, mas nossos planos foram por água abaixo quando começou tocar Always Remember Us This Way da Lady Gaga.


  Ele me puxou pela cintura colando nossos corpos e começamos uma dança lenta, encostei meu rosto em seu peito sentindo seu coração tão acelerado quanto o meu. Só Deus sabe como eu era louco por esse homem que me conquistou aos poucos e hoje já era dono do meu coração.


  — Quer ir ver a lua? — sussurrei em seu ouvido.


  — Quero — ele confirmou esboçando um sorriso leve. Peguei em sua mão e comecei a caminhar em direção a saída.


  — Para onde vamos Izuku?


  — Que tal para o campo de futebol americano?


Caminhamos até lá em silêncio, minhas mãos suavam e meu coração parecia que ia saltar pela boca, era esse o momento certo de me declarar para lida. Nos sentamos quase no meio do campo, um do lado do outro com as mãos quase se tocando, os corações batendo descompassadamente. A vontade de se abrir estava grande, mas a de fingir que a lua estava mais interessante era maior nesse momento.


  — A lua está linda não é mesmo? — falei ainda encarando o céu.


  — Sim, está.


 Virei meu rosto para ele que me encarava já, senti meu rosto esquentar ao encarar ele.


  — Izuku... — vi o nervosismo em seu olhar e ele mordeu levemente os lábios.


  — Sim?


  — Eu preciso falar algo para você que escondo a muito tempo.


  — Eu também li — peguei em sua mão.


  — Tudo começou ano passado quando eu vi você se beijando com o Mirio, eu tive uma vontade enorme de ir até vocês e puxar você dos braços dele e depois daquele dia eu comecei a reparar em seus sorrisos. No quanto seus olhos transbordam sentimentos, na forma como tudo é mais bonito quando você está por perto e o quão perfeitas  suas sardas são, viraram minha constelação preferida. Eu te amo Izuku — ele levou as mãos em meu rosto acariciando minhas bochechas.


  — Sério isso lida?


  — Muito sério, eu nunca senti algo como o que sinto por você.


  — Eu também te amo, confesso que seu jeito certinho sempre me chamou atenção e isso me chamou mais atenção ainda depois que descobri que esse seu jeito é só dentro da sala —  levei minha mão em seus cabelos, os afagando de leve — Eu me apaixonei por você pelas coisas mais simples lida.


  Eu estava me sentindo perdido por não estar conseguindo falar tudo o que eu queria para ele nesse momento, logo eu que tanto falo. Em um impulso de coragem me sentei em seu colo e colei nossos lábios enquanto ele abraçava minha cintura.


  — Quer namorar comigo? — ele me abraçou mais forte — Vamos fazer esse amor que nos sentimos um pelo outro dar certo.


  — É claro que eu aceito — sorri enchendo seu rosto de beijos antes de sair de seu colo e voltar a me sentar do seu lado.


Encostei minha cabeça em seu ombro, peguei sua mão e olhei para ele que sorria para mim. Me virei encarando a lua cheia que estava linda, mas estar ao lado de lida e saber que ele me queria tornava tudo mais encantador como a noite de Halloween era.

13 de Novembro de 2018 às 22:08 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Biel Castelli "Escrever é uma maneira de viver outra vida. Muitas outras vidas." - Etgar Keret

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~