michelle-finholdt1536026645 Mitty Finholdt

"Ah, sim... Se All Might era o seu sol, isso com certeza tornava Kacchan sua Lua. Deslumbrante, brilhante, lindo e poderoso independente de suas formas. Poderia olhar para ele durante horas e apenas se admirar mais e mais. Kacchan era seu herói próximo e familiar e, ele torcia: alcançável. "Sim... Kacchan era a sua Lua." [#DesafioKatsuDeku2]


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#desafiokatsudeku2 #katsudeku #bakudeku #my-hero-academia
0
4.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Izuku e Katsuki

— S-se eu fosse descrever Mirio, eu o chamaria de “meu Sol”. Ele nunca desiste e sempre tem um sorriso no rosto. Sem dúvidas ele vai se tornar um herói incrível que brilha como o Sol!

Izuku arregalou os olhos com palavras tão fervorosas saindo da boca de seu senpai mais tímido e recluso. O mais novo estava de passagem quando viu o veterano Amajiki à distância, conversando com Kirishima. Izuku aproveitou então para perguntar como estava Togata-senpai, quando ouviu exatamente o que o tímido veterano disse.

— Uau, senpai! Isso é tão másculo! — exclamou Kirishima, animado.

“Realmente é”, Izuku pensou para si mesmo. Uma descrição bem devota também, que ressoou na cabeça de Izuku pelo resto do dia, sem parar.

“Como o Sol”.

Togata-senpai realmente era incrível.

À noite, em sua cama, Izuku olhava para o teto do quarto, ainda sem conseguir dormir; sua mente correndo a mil.

Parando para pensar, se Izuku tivesse que seguir essa mesma analogia de Amajiki, All Might sem dúvidas seria o seu Sol. Sua inspiração que salvava a todos com um sorriso, difícil de olhar e inalcançável, sagrado e intocável.

O olhar de Izuku seguiu do teto para a janela, com as cortinas abertas. A Lua cheia alaranjada brilhava. A lua de sangue.

Ah, sim... Se All Might era o seu sol, isso com certeza tornava Kacchan sua Lua. Deslumbrante, brilhante, lindo e poderoso independente de suas formas. Poderia olhar para ele durante horas e apenas se admirar mais e mais. Kacchan era seu herói próximo e familiar e, ele torcia: alcançável.

Izuku nunca teve dúvidas de que Kacchan se tornaria um herói grandioso. Talvez não tão ideal como All Might, porém ele seria um herói incrível também.

Sim... Kacchan era a sua Lua.


PLUS ULTRA


Tornou-se um hábito, por assim dizer.

Desde que Izuku comparou o amigo de infância com a Lua, ele não conseguia mais parar de fazer analogias.

“Kacchan quando está sério e calmo é tão gracioso como a Lua.”

“Às vezes quando Kacchan olha diretamente para mim, é como se eu estivesse encarando duas luas de sangue.”

— Deku-kun! — chamou Uraraka uma noite, no salão comunal dos dormitórios. — Olha a Lua! Ela está tão perto e bonita, não acha?

Izuku se aproximou para olhar o astro, que brilhava ainda mais intensamente nessa noite sem estrelas; no entanto, ao se aproximar, Izuku acabou notando familiares cabelos loiros espetados que passavam por ali. Encantado, o garoto não conseguiu desviar o olhar.

— Sim... A Lua com certeza é incrível. — Ele murmurou.

E se Izuku notou as orelhas de Kacchan se mexendo, nada comentou.


PLUS ULTRA


Izuku era cada vez mais pego encarando uma janela durante a noite, o olhar perdido e um leve sorriso no rosto. Era estranho, para dizer o mínimo. Desconcertante. Izuku sabia que estava fazendo os colegas estranharem mas não conseguia se obrigar a importar-se.

Era uma coisa muito hipnotizante, essa Lua. Uma vez que se olhava pra ela, Izuku não conseguia mais parar. Definitivamente, a Lua lhe trazia sentimentos semelhantes a um certo alguém...

Por falar em Kacchan, ele era outro que andava meio estranho.

Estava estranhamente na dele, no entanto era mais que óbvio que estava inquieto.

— Umm, Kacchan? — chamou Izuku, depois da aula, alguns dias depois. — Está tudo bem contigo?

Kacchan o olhou frustrado, como se quisesse agarrar o esverdeado e sacudir sem parar.

— Tá tudo ótimo, porra! Maravilhoso!

— A-ah! Bem, que bom então! É que você anda meio estran-

— Eu?! Eu que ando estranho? — Kacchan fazia uma cara de tão puro ultraje que em qualquer outro momento Izuku teria rido.

— Bem... Sim? Haha...

— Deku. — Kacchan começou, porém devia ter mudado de ideia, já que simplesmente suspirou e balançou a cabeça em negação. — Você é um idiota.

Izuku não tinha um argumento contra isso, então apenas sorriu nervosamente. Devia ter sido a reação certa, pois Kacchan começou a esfregar o rosto com uma das mãos, exasperado, mas com um leve sorriso nos lábios.

— Que seja então, porra. Vamos treinar hoje a noite sem usar os dons ou você vai acovardar?

— Cai dentro, Kacchan!! — Izuku replicou, entusiasmado.


PLUS ULTRA


Deku era um idiota. Não havia outra explicação.

Como esse lunático podia continuar praticamente furar a nuca de Katsuki de tanto o encarar e ninguém mais reparar que esse comportamento não era o modo “stalker normal” dele?

Isso seria bem menos problemático se o próprio tivesse notado que estava estranho. Como alguém poderia ser tão observador e tão sem noção ao mesmo tempo?

Tudo isso seria bem menos perturbador se Katsuki não tivesse notado que Deku tomou gosto por desenhar um céu estrelado acompanhado de uma lua enorme sem parar.

Bizarro.

Então aqui estavam Katsuki e Deku, apenas treinando sem usar os dons para melhorar o combate corpo-a-corpo, à noite do lado de fora dos dormitórios. Ainda não era a hora de recolher, então ambos estavam tranquilos. Aizawa permitia que os alunos fizessem o que quisessem até as 22h desde que ninguém precisasse ir para a Recovery Girl mais tarde.

— Kacchan, você está mais rápido pra desviar dos meus chutes!

— Obrigado por constatar o óbvio, Deku desgraçado.

Eles não costumavam falar muito durante a luta, deixando para dar todos os feedbacks quando um subjugava o outro. Não era uma competição, é claro (totalmente era), mas sem querer se gabar (ah, queria sim) Katsuki estava na frente com 9x3.

Naquela noite, no entanto, Deku parecia mais do que empenhado em jogar Katsuki no chão e- Espera, isso soava extremamente errado.

Deku se aproveitou do momento de hesitação de Katsuki e agarrou um de seus braços, forçando o membro contra as costas do garoto explosivo, efetivamente imobilizando-o ao jogá-lo de cara no chão e prendendo-o com as pernas.

“Inferno... Se essa luta não fosse sem-dom eu explodiria esse arrombado daqui até a Lua.”

— Nee, Kacchan, acho que dessa vez eu ganhei! — comentou Deku, animado.

— Sai de cima de uma vez, porra! — reclamou Katsuki, emburrado.

— Ah, desculpa! — Deku se atrapalhou um pouco, embaraçado, e rapidamente se levantou.

— Não peça desculpas por algo tão idiota, Deku! — ralhou, exasperado, enquanto se levantava.

— Desc- uh.

Katsuki revirou os olhos e começou a bater nas roupas, para se livrar da sujeira. Ugh, ele com certeza não poderia usar essa calça de novo tão cedo.

— Deku, aconteceu alguma coisa com o tal All For One? — Katsuki perguntou quietamente.

— Eh? N-não que eu saiba. Bem, eu tive um sonho estranho sobre ele e o primeiro usuário do One For All mas-

— Quê?! Porra, e você não me contou?!

— Ué, e devia? — Deku parecia honestamente confuso, o vagabundo.

— Óbvio, né, seu imbecil! Cacete, você esqueceu de tudo que o All Might disse ou só é idiota mesmo?

— Não! É que, bem, não achei que você iria se interessar? Enfim, eu tive esse sonho estranho e parece que eu destruí o meu quarto enquanto dormia, mas tirando isso nada de relevante aconteceu.

— Pra mim esse sonho parece relevante pra caralho, porra! Que merda, por que não me contou logo?

— Eu, bem... Kacchan tem sua própria vida, então não pensei que-

— Estúpido. Você realmente teve morte cerebral quando pequeno e só sai andando por aí balbuciando porcaria, porra, Deku!

— Dá pra parar? — Deku começou a ficar irritado. Ótimo, assim eles ficariam quites.

Katsuki nem sabia dizer porque estava tão furioso, apenas que um sentimento horrível de exclusão começou a se rastejar por seu sistema e que não gostava nada disso.

— Escuta só, otário. Eu disse que as coisas iam ser diferentes e não estava falando isso da boca pra fora. Você não vai ficar só falando com o All Might, entendeu? Eu tô aqui!

Deku piscou, um olhar que beirava a reverência em seus olhos verdes enquanto encarava Katsuki.

— Nossa, Kacchan. Você realmente é incrível.

— Haaah?! De onde veio isso?! — Esse maldito Deku falando essas coisas do nada! Será que ele não entendia que esses comentários deixavam Katsuki todo estranho por dentro?

Deku balançou a cabeça, contemplativo.

— De sempre, suponho. Kacchan é muito incrível mesmo. É como se você fosse a minha Lua.

— Sua o quê? — Havia tantas coisas erradas naquela sentença que Katsuki não sabia nem por qual começar.

Será que daria pro sangue dele descer do rosto e voltar à circulação normal ou estava difícil?

— Minha Lua... Hah. Isso deve soar estranho, haha. É só que eu estava pensando que Kacchan é tão magnífico quanto a Lua...

Aparentemente estava difícil.

Maldito Deku.

— Você... Seu... D-dá pra parar com a palhaçada! Eu sei que sou incrível, beleza? Não precisa ficar me relembrando. — Mas certamente não machucaria o ego.

— Desculp-

— E outra, esse papo de Lua... Se eu sou a sua Lua, então você é a minha estrela em um céu estrelado! Eu sou incrível sozinho, mas contigo eu posso ser muito mais, compreendeu? Te deixo ser meu sidekick.

Deku arregalou os olhos, emocionado, então sorriu sarcástico.

— E quem disse que você não será o meu sidekick?

— O-hoo... Que bolas pra falar tamanha difamação. Amanhã eu vou acabar com a sua raça, Deku!

— Não se eu acabar com a sua primeiro, Kacchan!

9 de Novembro de 2018 às 00:35 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Mitty Finholdt Eu só me importo com a DC e BNHA, é isso.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~