Falsos Inimigos. Seguir história

saaimee Ana Carolina

Jami não tirou o sorriso do rosto enquanto lambia provocante as garras deixando escorrer seu veneno. Hughes agarrado a espada não se permitiu tremer em momento algum enquanto encarava o outro. Nenhum dos dois sabiam o que eram um para o outro e debaixo daquele céu cinza as visões pareciam mais nubladas do que deveriam.


Fanfiction Jogos Todo o público. © Os personagens desta estória pertencem a Otome Yuusha. Todos os direitos sobre eles são reservados a © LEVEL 5. Capa feita por mim com itens gratuitos tirados do site pngtree. Fonte utilizada: Coneria Script por Måns Grebäck.

#rpg #inimigos #bl #luta #shounen #shounenai #otoge #jogos #otoyuu #otome-yuusha #Jami-Hughes #JamiHughes
Conto
0
4730 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

A espada fina e delicada foi arrastada elegantemente no ar para o lado como um pincel riscando o ar antes de pousar cordialmente ao lado do mestre. O jovem que a segurava firmemente estava parado no meio do terreno úmido com uma postura ereta de tórax inflado e nariz empinado esbanjando todo seu orgulho sem receio. Sua respiração estava calma no possível diante da situação enquanto seus olhos fixados no oponente exalavam fúria.

Esse outro rapaz, diferente do orgulhoso, tinha um sorriso debochado e garras afiadas presas as mãos. Seu capuz roxo estava com as pontas rasgadas e manchas de lama de tanto ser arrastado pelo campo. Apesar de não conseguir ver os olhos por causa da máscara Hughes sabia que o oponente o cercava faminto.

— Hughes, por que não volta pro acampamento e chora? – Rindo, provocou alto e sarcástico vendo o canto do lábio do outro tremer ofendido. — Vai ser mais fácil assim.

Fechando os punhos com mais força ao redor do cabo ele permitiu que o sentimento ressentido dominasse seu corpo e tão rápido quanto seu estalo de língua, avançou.

Suas pernas adiantaram-se com velocidade e força em direção ao inimigo enquanto seu corpo inclinado para frente junto ao braço esquerdo dava equilíbrio para o impulso que a mão com a espada precisava.

Com um movimento rápido a lamina tomou a frente forçando o adversário a pular para trás. Mal deu tempo a ele em tomar espaço e novamente avançou, porém tão veloz quanto a espada a garra bloqueou o movimento em defesa.

— Calado! – O grito frustrado ecoou no campo vazio seguido da colisão dos metais.

Estavam frente a frente com os pés travados na terra macia e com as laminas se forçando uma contra a outra soltando sons agudos que se misturavam com suas respirações descoordenadas.

— Eu não vou voltar, Jami. – Falou entrecortado. Seu olhar sério e determinado encarava a máscara como se buscasse pelos olhos do oponente. Jami não conseguiu conter o largo sorriso ao ver a fúria naquela face de porcelana o deixando ainda mais frustrado.

— Tem certeza? – Com a espada ainda contra sua garra ele diminuiu a força no braço permitindo a aproximação lenta da lamina em seu rosto. Hughes não quis responder, apenas observou já imaginando qual seria o próximo passo. O silêncio e a insistência no olhar confirmou as dúvidas fazendo Jami sentir o calor dominar seu corpo. — Então não vou me segurar.

Com um impulso rápido o assassino esticou o braço com força afastando a lamina e forçando o corpo de Hughes a perder o equilíbrio dando um passo para trás. No susto seus olhos se desviaram para procurar apoio e quando retomou a posição não viu Jami onde deveria estar.

Ele tinha se preparado para isso, sabia que a cobra sorrateira agiria dessa forma, mas mesmo assim não conseguiu evitar. Assustado, se virou olhando todos os cantos do campo.

O céu dessa tarde estava nublado ajudando a ressaltar a escuridão. Mesmo sendo uma área larga cercada por árvores negras onde não havia nada além de lama no chão era fácil você se confundir com o que as sombras queriam.

Seus olhos enxergavam tão bem quanto suas orelhas de coelho podiam ouvir, porém estava com medo fazendo com que cada mínimo barulho e movimento de folhas o deixasse em alerta.

— Ja-Jami! – Gritou relutante ouvindo somente o uivo do vento o responder. Hughes sabia que ele ainda estava ali e isso também o enfurecia. — Você não tem orgulho? Vai fugir da luta?

Não podia deixar a guarda baixa já que estava lidando com um assassino experiente que não sentia nada além de prazer em matar. Ele sabia que um único vacilo poderia o levar ao fim e, conhecendo o rival, sabia também que esse fim seria rápido.

Enquanto gritava seus olhos vasculharam novamente o local quando avistaram, atrás de uma árvore, algo se mexer suavemente.

Sua primeira reação foi se colocar em posição de defesa hesitando seguir em frente, mas assim que seus olhos identificaram se tratar do capuz conhecido, não se segurou correndo em velocidade na direção. Dessa vez não ia falhar, estava preparado para o contra-ataque que viria.

Com um movimento firme seus pés cravaram no chão poucos centímetros antes de chegar no tronco dando espaço suficiente para aplicar o golpe com o braço esticado enquanto se apoiava nas pernas. Com um único movimento sua lamina brilhou atravessando perfeitamente o pano maltrapilho.

No mesmo momento seus olhos ansiosos se arregalaram em pânico ao ver o que fez. Não estava certo! Jami deveria ter atacado como ele tinha se preparado, mas ao invés disso foi ele quem acertou.

Antes de questionar qualquer coisa sentiu o coração acelerar dolorosamente e uma corrente fria dominar suas costas. Ele não conseguia se mover e seus lábios trêmulos pareciam temer a ideia do que aconteceria se chamasse pelo nome.

— Aqui.

Em meio ao desespero e a pressão que seus batimentos faziam em seu ouvido, a voz debochada surgiu bem próximo a ele seguida de um longo riso.

Sem ter tempo de se recuperar do choque Hughes se virou sendo recebido por uma cotovelada que por instinto conseguiu bloquear com antebraço livre. Contudo a colisão ainda o fez perder o equilíbrio facilitando a investida de Jami.

Antes que pudesse se estabilizar outros golpes – dessa vez com as garras – o prenderam dando espaço somente para fazer uma defesa mal preparada. Com os olhos colados nos movimentos, o coelho respirava rápido sentido ainda mais raiva por ter sido feito de bobo.

Direita, esquerda, direita... Era rápido, mas não difícil de seguir. A cada impulso seu corpo era empurrado para trás nos desvios até que um passo falho o fez escorregar caindo de costas contra a lama. O chão não era tão duro quanto deveria ser, mas ainda assim o fez gemer dolorosamente fechando um dos olhos por um momento.

Em um flash viu a garra mirrar sua cabeça e com esforço rolou para o lado desviando por pouco. Ele queria dizer algo, mas novamente o riso descontrolado e os ataques o forçava a ficar em constante movimento para se salvar.

A rolagem o fez sujar o corpo inteiro em manchas úmidas e graças a isso conseguiu abrir espaço e dar alguns minutos de distância entre eles para sua respiração se controlar.

Jami viu sua persistência em viver o fazendo rir enquanto o assistia ofegante se apoiar em um dos joelhos. Sabia que o coelho falava sério, mas ao mesmo tempo sabia que ele não teria coragem para enfrenta-lo apropriadamente.

Hughes nem precisou erguer a cabeça para saber que era ele o motivo da graça. Seu coração apertou e com um estalo de língua se levantou correndo em direção ao outro. Aos berros ele avançou com um golpe pesado que Jami, arrastando os pés na lama, desviou.

Hughes parou por alguns instantes tentando controlar seus sentimentos que agiam como um furacão em sua cabeça. Sem tirar os olhos do rosto animado do outro, que parado logo ao lado parecia debochar de sua fraqueza, avançou novamente levantando a espada em direção ao rosto inimigo. Com as duas garras entre colocadas Jami bloqueou o empurrando facilmente para trás.

— Você acha que eu não consigo? – Com o corpo jogado questionou antes de se virar novamente em uma nova tentativa de ataque. — Acha que depois disso tudo não vou te matar?

Instável foi bloqueado novamente. Empurrado novamente. E, dessa vez, caindo no chão.

Sua respiração estava totalmente descontrolada e dava para ouvir cada detalhe dela sem fazer esforço. Ainda sorrindo Jami o assistiu esperando que fosse se levantar. Ele até pensou em dizer algo, mas decidiu esperar.

Como previsto, o coelho se levantou e com o resto de energia que tinha se virou gritando com mais um golpe raivoso, porém sem força. Com uma garra Jami o parou assistindo sua expressão raivosa com olhos marejados o encarando de perto. O sorriso ainda estava no rosto da cobra, mas agora não parecia mais debochar.

Sua mão enfraqueceu permitindo que a espada escorregasse até cair no chão ao lado de seus pés. Seus ombros cansados se derrubaram junto a seus braços e, logo, as malditas lágrimas que estava segurando desde o início começaram a se revelar sem piedade.

Jami o observou fraquejar e com pouco ânimo abriu a boca, mas foi Hughes quem começou a falar.

— Eu tenho medo. – Com os rosto cheio de manchas cinzentas e pegajosas admitiu soluçando. — Eu não vou parar, eu tenho que fazer isso por todos eles, mas... não sei como...

O assassino não tinha o que dizer. Não entendia essa coisa de entrar em batalhas para buscar vingança ou ser herói, a única coisa que sabia era da diversão em lutar. Eles estavam tão próximos um do outro nesse momento e mesmo assim estavam a mundos de distância. Ver o outro se desesperando em lágrimas não estava em seu plano. Pelo menos não desse jeito.

Com um suspiro entediado Jami viu o outro abaixar a cabeça e se sentar no meio da lama. De tudo o que tinha acontecido até o momento aquilo foi a coisa mais estranha. Para um rapaz orgulhoso como Hughes se acomodar em um lugar como esse sem qualquer reclamação significava que ele tinha perdido a noção.

Coçando a nuca se afastou em direção ao tronco onde seu capuz furado estava caído ainda mais sujo do que antes. Sem cerimonias o pegou ouvindo o choro envergonhado do outro atrás afastando qualquer comentário que gostaria de fazer.

Com passos calmos voltou e com desdém jogou o pano sobre a cabeça do rapaz. Assustado Hughes levantou o rosto já achando estar sendo feito de piada de novo, mas quando seus olhos vermelhos encontram Jami ele se calou. O assassino o olhava de cima, porém não parecia ter qualquer intenção. Havia uma expressão calma no rosto dele que nem mesmo Hughes conseguia entender.

Com o nariz escorrendo abraçou os joelhos sentindo o pano o abraçar enquanto Jami se sentava ao seu lado olhando as árvores. No meio daquele silêncio mórbido somente as fungadas do coelho podiam ser ouvidas fazendo o assassino sorrir.

— Você parece criança.

— Cala a boca!

4 de Setembro de 2018 às 19:07 2 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Ana Carolina Mãe de 32 personagens originais e outros 32 adotados com muito carinho, fanfiqueira nas horas vagas e amante das palavras em período integral. Apaixonada demais e, por isso, sou tantas coisas que me perco tentando me explicar. Daí eu escrevo. ICON: TsukiAkii @ DeviantArt

Comentar algo

Publique!
Vany-chan 734 Vany-chan 734
Caramba!!! Eu to muito impressionada com a cena de luta! Normalmente vejo o pessoal reclamando de cenas assim por serem "complicadas" mas aqui você dominou tão bem que fez eu dar um suspiro satisfeita! Imaginei tudo certinho, cada momento e, nossa, a tensão entre eles!!! Tava esperando o momento que iriam se pegar hahahaha no fim, ele chorou mesmo, mas isso nao tira a beleza que foi ler esse confronto. Eu to muito grata!!!
5 de Setembro de 2018 às 19:41

  • Ana Carolina Ana Carolina
    aaaaa muito obrigada! ♡♡ Tô muito feliz de ler seu comentário! Eu tava super indecisa se a cena tinha ficado clara ou não e agora eu tô feliz :D Eu entendo a parte da dificuldade porque vivo me perdendo no meio do caminho, acho que é porque contém muita movimentação em pouco tempo e aí confunde um pouco. ...olha que eu até considerei essa parte da pegação ( ͡° ͜ʖ ͡°) mas acabei deixando para uma próxima oportunidade ( ͡° ͜ʖ ͡°) Muito obrigada de coração pelas palavras e por ter lido ♡♡+.゚(→ε←*)゚+.゚ 6 de Setembro de 2018 às 19:52
~