Mãe? Pra que? Seguir história

spidercristina Natalle Cristina

Meu pai é meu herói, meu pai é meu ídolo, meu pai é minha mãe e acima de tudo ele é meu pai Mãe? Pra que? Me viro bem sem uma.


Conto Todo o público. © Enredo e Personagens de minha autoria

#pai-mãe #tiposdepai
Conto
5
4783 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Eu e Meu Pai, Uma Família De Dois!

Notas Iniciais;

Historia escrita para o desafio ''Tipo de Pais''!

Tipo de pai: Pai/Mãe; Aquele que é pai e mãe ao mesmo tempo


Eu tenho uma família estranha.

Uma família de dois.

Eu e meu pai.

Ainda assim, uma família.

Alguns anos antes eu achava isso estranho.

Que tipo de pessoa não tem mãe? Todos os meus amiguinhos tinha, por que eu não?

Claro, isso eram perguntas que eu me fazia as oito anos de idade, birrenta e sem saber o quão sortuda era por tê-lo.

É certo de que hoje eu agradeço que o tenho comigo, mas…Eu nunca soube de verdade o porque de só sermos nós dois.

O pouco que eu sei, pouco este que eu colhi ao longo de anos ouvindo atrás da porta enquanto ele falava com amigos pelo telefone ou me fazendo de surda quando ele gritava as pro mundo o quanto odiava a minha mãe em dias em que seu humor não era dos melhores, é que a mulher que me colocou no mundo, me deixou com ele antes dos meus seis meses e então havia dando um…Um perdido, se assim posso dizer.

Mas eu tenho uma família.

Meu pai sempre foi meio mãe.

Por mais vergonhoso que seja, foi ele quem me ensinou a usar um absorvente e foi a ele a quem eu perguntei como era beijar um garoto, e acredite ou não ele me respondeu como se ele já tivesse beijado um exercido deles— Coisa a qual eu não duvido—, foi ele quem me deu a minha primeira camisinha, foi ele a quem eu contei anos depois da minha pergunta sobre meninos e beijos que eu possivelmente estava gostando de uma garota.

Meu pai me ensinou a fazer cokkies sem lactose porque Becca, a garota que eu gostava, era intolerante.

Foi meu pai quem abriu a porta as três da manhã com um avental rosa, me encarando reprovador por chegar tarde de uma festa.

Foi nesse dia que eu cheguei a uma conclusão; Não precisávamos de mais ninguém.

Claro, eu espero que um dia meu pai encontre a moça— Ou moço, nunca se sabe— que o fara feliz e pretendo um dia passar de apenas namoro com Becca, e então seriamos uma grande família.

Mas mesmo que tais coisas nunca acontecessem, não faria mal— Okay, talvez se Becca me rejeitar ou coisa do tipo eu vou chorar por dias, mas não importa, eu tenho meu pai.

As vezes alguns colegas me perguntavam o nome da minha mãe e eu dava o nome do meu pai, claro pra eles ou eu era louca ou só burra mesmo, mas sim eu respondia com o nome de um homem, do meu pai.

No dia das mães, eu ganhava olhares piedosos por mesmo sem ter uma, fazer um cartão, este destinado ao meu pai.

Meu pai é meu herói, meu pai é meu ídolo, meu pai é minha mãe e acima de tudo ele é meu pai

Mãe? Pra que?

Me viro bem sem uma.

18 de Agosto de 2018 às 22:28 8 Denunciar Insira 5
Fim

Conheça o autor

Natalle Cristina ''Quando temos ligação com uma arte mágica, como por exemplo a wicca, temos uma ligação direta com a natureza e isso nos permite ver além do que nossos olhos normais enxergam, e uma dessas coisas é a beleza além das aparências.'' John Campari

Comentar algo

Publique!
Karimy Karimy
1)"Pra que?" Em vez de "Pra quê?". "gritava as pro mundo" em vez de "gritava pro mundo". "um exercido deles" em vez de "um exército deles" (e "Coisa a qual" deve vir com início minúsculo; "Não precisávamos", depois de ponto e vírgula, deve vir em minúsculo). Falta de acento em "que o fara feliz" em vez de "que o fará"; "As vezes alguns colegas" em vez de "Às vezes". 2) Falta de ponto em "ele é meu pai" em vez de "ele é meu pai.". O parágrafo iniciado com "O pouco que eu sei" precisa de um pouco de atenção com a pontuação e a construção "me deixou com ele antes dos meus seis meses e então havia dando um... Um perdido" em vez de "me deixou com ele antes dos meus seis meses, e desde então vinha dando um... um perdido". 3)Falta de concordância em "todos os meus amiguinhos tinha" em vez de "todos os meus amiguinhos tinham"; "isso eram perguntas" em vez de "essas eram perguntas". Obs.: os apontamentos acima são exemplos; há mais o que ser revisado na história além deles. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, assim como ajudar-nos com a gramática e ortografia. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Adorei sua história, realmente acredito que existem muitos pais bons por aí, que, como o retratado por você, merecem todo o respeito do mundo. Criar um filho sozinho não deve ser fácil, principalmente quando, como sua personagem, há essa diferença de sexo, em que as explicações necessárias sobre as coisas da vida surgem, muitas das vezes, de forma constrangedora. Ficaria honrada em conhecer um pai assim! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
6 de Março de 2019 às 12:44

  • Karimy Karimy
    Opa! Minha apresentação ficou de fora, sinto muito: Olá! Escrevo a você por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A Verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se não quiser modificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através do Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada em revisão pelos seguintes apontamentos retirados dela. 6 de Março de 2019 às 12:46
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá, tudo bem? Como foi participar do desafio, se divertiu como eu? Leu muita coisa legal e descobriu novos autores? Que história mais fofa! Tipo e o assunto abordado aqui, meu Deus, é um pouco tenso. Acontece que o ser humano está prestes a falhar por qualquer motivo, não é mesmo? A única coisa triste aqui é que o pai nunca se abriu adequadamente para dizer o motivo de a mulher tê-los abandonado, acho que a honestidade é a chave para o sucesso de qualquer relação. O importante é que ela sempre reconheceu o amor de seu pai e tudo que ele fez para lhe criar e cara isto é mágico de mais, qual homem ensinaria uma filha a usar absorvente ou a beijar um cara? Mostra que ele não é aqueles país obsecados, louco para enfiar a mão na cara da primeira pessoa que olhar para ela, ponto pro paizão. Só notei alguns errinhos daqueles bobinhos que passam sem perceber, mas uma revisão já resolve, porém nada que comprometa a leitura. Que história incrível, gostei muito de ler e foi interessante sua forma de abordá-la! Parabéns por ter participado, está incrível! Bjoes 😘
4 de Setembro de 2018 às 00:30
Nathy Maki Nathy Maki
QUE HISTÓRIA MAIS LINDA! Primeiro eu peço perdão por ter lido umas 3 vezes e só agora ter vindo comentar. Quero agradecer imensamente por sua história ter me inspirado a escrver a minha, eu tava meio pra baixo e sem saber o que escrever, mas ler isso foi a luz que eu precisava! Obrigada ♡ Em terceiro lugar, que paizão esse viu, queria ter visto o desespero pra responder as perguntas :v Parabens por representar tão bem esses pais-mães que vivem diariamente pelo mundo. Ficou incrivel! Beijinhos ♡
23 de Agosto de 2018 às 14:26
Bárbara Vitória Bárbara Vitória
Menina sortuda da porr@ ter um paizão desses é show de bola, todo pai deveria ser assim, O Cara com o e c maiúsculos u.u
21 de Agosto de 2018 às 18:24
Ocarina Ocarina
Olá! Gostei muuuito da historia! Retrata muito bem a realidade de muitas famílias, que por um motivo ou outro, não tem o pai/mãe presente. Felizmente, nesse caso isso não é um problema, e o pai da história é na realidade ambos ao mesmo tempo, suprindo todas as necessidades de sua filha! Um amor <3
19 de Agosto de 2018 às 14:59
Ellie Blue Ellie Blue
Meus deuses que lindinha. Sua escrita é tão levinha e a personagem me fez sorrir. É ótimo quando a gente percebe que tem alguém do nosso lado, sabe? Dá aquela aquecida no coração. Eu amei essa relação pai-filha, a forma como ele age em relação a determinados assuntos. Fico imaginando como foi pra ele explicar como que se usa um absorvente, deve ter sido bem engraçado. De qualquer forma, a história é muito lindinha.
19 de Agosto de 2018 às 09:11
Corporação Masrani Corporação Masrani
Minha filha, sua história está emocionante e linda! Adorei seu modo de escrever.
18 de Agosto de 2018 às 21:24
~