Predator Seguir história

mandy Mandy

"Na maior parte do tempo, Haiba Lev era nada mais que um gatinho dócil e um pouco desengonçado, tão doce que chegava a causar irritação. Mas não ali. Naquele momento, sob o chuveiro daquele vestiário, enquanto prensava o corpo de Morisuke Yaku contra a parede fria do chuveiro, Lev era um predador feroz. Incansável, implacável e, com certeza, selvagem."


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#smut #levyaku #pwp #lemon #haikyuu
Conto
8
4.9mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

No chuveiro do vestiário

Na maior parte do tempo, Haiba Lev era nada mais que um gatinho dócil e um pouco desengonçado, tão doce que chegava a causar irritação.

Mas não ali. Naquele momento, sob o chuveiro daquele vestiário, enquanto prensava o corpo de Morisuke Yaku contra a parede fria do chuveiro, Lev era um predador feroz. Incansável, implacável e, com certeza, selvagem.

—Você gosta quando eu te fodo assim, não é, senpai?—O tom de provocação sussurrado ao pé do ouvido era arrastado, do jeito que Yaku preferia, enquanto ele forçava seus quadris para meter mais fundo contra a próstata do moreno.

Por Deus, como era bom…

Liev...—A pronúncia errônea do nome pelos japoneses não mais o incomodava, na verdade, gostava disso. Especialmente quando saía sussurrada entre os lábios do Morisuke toda vez que o fodia. Aquilo estimulou ainda mais o meio russo, que puxou uma das pernas do menor pela parte de trás do joelho, expondo ainda mais os pontos que realmente lhe importavam: a entrada avermelhada pela fricção, arreganhada enquanto acolhia seu pau.

Yaku mordeu os lábios, não se opondo a nova posição e fazendo questão de expor o corpo ainda mais, da forma mais indecente que conseguia, enquanto a água fria escorria pelos corpos e parecia começar a ferver no segundo em que encontrava as epidermes.

O líbero arfou, apertando ainda mais a palma esquerda na superfície de apoio quando sua mão dominante desceu até o próprio pênis, apertando-o em busca de alívio. Sentia que poderia explodir a qualquer momento e Lev sabia disso, se aproveitava dessas sensações para estocar ainda mais fundo e fazer com que o mais velho gritasse.

O mestiço gostava daquilo, estar por cima, ditar aquele ritmo frenético e meter com força enquanto ouvia os gemidos de Yaku, era como música para os ouvidos apaixonados.

O Haiba nunca se preocupou em esconder os sentimentos, não ligava para isso, desde o instante em que se julgou apaixonado tratou de declarar em frente ao time inteiro. A voz meio animada e casual, como se aquilo não fosse grande coisas, atingiu em cheio Yaku que não soube onde enfiar a cara.

Lev foi rejeitado, mas toda Nekoma teve dúvidas quanto ao seu entendimento sobre aquilo, uma vez que agiu da mesma forma boba no dia seguinte, confiante de que conquistaria seu lugar no coração do mais velho. No início foi difícil, Yaku estava constrangido e na defensiva, mas com a ajuda de Kuroo e alguns momentos a sós, Lev finalmente conseguiu a oportunidade perfeita para usar seu charme.

E aquilo deu início a luxúria que acontecia ali, e na dispensa, e nas salas de aula vazias, ou qualquer lugar que eles julgassem minimamente confortável.

O Morisuke se rendeu no momento em que os lábios quentes tocaram os seus, não havia como fugir daquele predador felino e não mais fazia questão. Lev o irritou de todas as maneiras possíveis e imagináveis, constrangeu com suas palavras espalhafatosas, e, por incrível que pareça, foram exatamente aquelas ações absurdas que o fizeram achar graça no novato avoado.

E antes que percebesse, estava de quatro como um animal no cio, gemendo e implorando por mais, embebedado no próprio tesão enquanto era fodido sem piedade nenhuma. Não sabia onde Lev havia aprendido a guiar uma foda tão bem, mas agradecia a habilidade toda vez que a próstata era surrada e ele sentia os músculos traseiros esfolados.

Os braços finalmente cederam e escorregaram azulejo à baixo, não conseguia concentrar-se em mais nada senão o prazer e nem sequer tinha forças para segurar-se. Vendo aquilo, o Haiba separou os corpos, ouvindo uma breve reclamação de Yaku, antes de virá-lo para frente e erguê-lo como se não passasse mais que algumas gramas.

—Russo exibido...—O resmungar veio entre sorrisos, um sorriso de canto meio fechado que Lev simplesmente adorava.

—Não esqueça da metade japonesa.—O albino murmurou, beijando o pescoço úmido do parceiro, tinha cheiro de pinheiro e sexo. A melhor combinação do mundo, na opinião do jogador.

Yaku se agarrou aos músculos do Haiba da maneira que podia, apertando a carne entre os dedos enquanto puxava o corpo masculino ainda mais em sua direção. Os lábios alcançaram a clavícula e o pescoço, marcando aquelas regiões pela primeira vez desde que iniciaram aquela rotina proibida depois dos treinos. Yaku, aos poucos, se deixava levar pelos momentos, e o mestiço adorava cada vez que ele fazia algo novo.

—Mete outra vez...—O suspiro do Morisuke esquentou a pele marcada do outro e Lev não tardou a atender seu pedido, o pau deslizou até o fundo e o menor revirou os olhos com a satisfação de ser novamente preenchido.—Isso, desse jeito!

Yaku rebolou, sentindo seu interior contrair deliciosamente ao abrigar a ereção alheia, arqueando um pouco mais as costas ao aproveitar aquela sensação e dando a Lev a oportunidade de segurar seus mamilos entre os dentes, sugando-os devagar logo em seguida.

Droga, ele sabia como fazê-lo delirar.

Outro gemido, dessa vez mais arrastado e agudo, Lev sorriu quase vitorioso ao sentir o pênis de Yaku vibrar entre seus corpos.

—Você quer gozar, Yaku-san?—Um riso malicioso escapou dos lábios de Haiba. O moreno-caramelo mordeu os lábios quando foi suspenso devagar, os movimentos se tornaram tortuosamente lentos e ele sabia que Lev só o queria provocar.

—S...Sim...—Os olhos reviraram com força, a boca se abriu num gemido mudo, Lev saía por completo e tornava a entrar vagarosamente, abrindo um caminho delicioso em seu interior. Ele gostava daquela sensação, e a única coisa que podia torná-la melhor era sua posição preferida para ser tomado por Lev.—De quatro…

O albino arqueou as sobrancelhas com um riso maldoso, decidido a fazê-lo gemer como uma puta.

Yaku foi posto no chão, a água ainda caía em seus corpos, tentando desesperadamente amenizar a temperatura, e falhando, visto que os vidros que já eram espessos estavam bordados por uma neblina produzida apenas pelo calor dos corpos.

Mesmo com a temperatura baixa do líquido, sentiam que poderiam acabar entrando em combustão a qualquer momento.

O líbero se empinou ansioso pelo que viria, a água corrente no chão o fazia cócegas e a do chuveiro atrás de si lhe atingia a lombar. Lev se posicionou atrás de si, quando o pênis entrou, úmido pela água que caía entre eles, estava mais gelado do que antes e o mais velho gritou em completo êxtase.

O frio atingia seu interior quente com uma corrente elétrica poderosa que o tirava completamente a sanidade, em pouco tempo Yaku se viu com o rosto apoiado no chão enquanto era fodido sem dó nem piedade pelo novato que tanto o dava trabalho nos treinos, adorando gritar a plenos pulmões enquanto suplicava para que Lev metesse mais fundo.

Pela posição cômoda, o mestiço conseguiu alcançar o pênis do amado e o masturbou com mãos firmes, ele o apertava entre os dedos enquanto desacelerava o próprio ritmo. Fazia questão que Morisuke gozasse antes de si, ele era sua prioridade.

Liev…!—O grito reverberou pelo vestiário e fez tremer os vidros, em sua última estocada o mestiço foi o mais fundo possível e acertou em cheio o ponto desejado. Yaku tinha certeza de sentir a próstata latejar com o golpe enquanto lançava jatos e mais jatos de seu prazer em direção a água corrente do chão.

Lev tremeu em seguida, retirando-se com pressa para acabar gozando sobre as nádegas expostas. Seu único arrependimento era não tê-las estapeado como queria, mas tudo bem...se tudo corresse bem, logo estaria estapeado Yaku não só como seu amante escondido, mas como namorado.

O moreno suspirava sem forças no chão. Apoiou as palmas para tentar se levantar, mas os braços trêmulos o traíram e ele dependeu da ajuda do Haiba para se pôr, devidamente, de pé.

Quando Yaku finalmente alcançou seu objetivo, os olhos de Lev o encaravam com adoração.

—Pare de ficar me encarando assim, idiota.—Os olhos castanhos se desviaram, envergonhados, era terrivelmente desconfortável ser encarado depois de todas aquelas atitudes pervertidas.

Às vezes, Yaku se perguntava se Lev pensava mal dele por aquilo, mas não conseguia evitar ou se controlar quando estavam sozinhos.

As bochechas ganharam um tom rosado quando um sorriso amável tomou o rosto felino do Haiba. Na opinião de Lev, Yaku não conseguia ser nada senão adorável.

Então, ele se inclinou em direção ao senpai e beijou seus lábios devagar. Não era sempre que tinha aquela oportunidade, mesmo nos momentos carnais de dividiam o encostar de lábios era raro porque Yaku o considerava muito sentimental.

De certa forma, aquilo machucava o coração de Lev, era sentimental porque, de fato, haviam sentimentos. Pelo menos de sua parte.

Vez ou outra, Lev se questionava se aquele era o caminho certo a seguir. Yaku jamais o usaria, ele tinha certeza, mas era uma pessoa complicada e talvez tentar conquistá-lo daquela forma não fosse o correto. Havia agido por impulso da primeira vez e agora se tornara um vício, não conseguia parar.

Em seu íntimo, temia que aquele vício o arruinasse.

As línguas continuaram a se cruzar, e, daquela vez, Yaku não só deixou ser beijado como também tomou a iniciativa de puxar o Haiba pelo pescou e se aprofundar ainda mais. Uma surpresa positiva para o mestiço, que permitiu-se deixar as preocupações de lados e aproveitar mais o ósculo envolvente.

—Mais um...—O Morisuke mal deu tempo para que se separassem verdadeiramente, Lev perguntou a si mesmo se aquilo era um sonho ou o senpai ainda estava sendo levado pela excitação. De toda forma, não reclamou e teria o beijado de bom grado se não ouvissem uma batida um tanto brusca no vidro fosco.

—Ei, sei que estão se divertindo mas parem de gastar tanta água. E acabem logo isso, o zelador quer trancar o vestiário.—Ambos engoliram em seco quando a voz grossa de Kuroo atingiu seus tímpanos, e uma sensação de pânico assolou a coluna do pobre novato, que temia uma reação negativa de Yaku. E se ele se envergonhasse a ponto de nunca mais se aproximar?

—Certo, mais cinco minutos por favor.—A reação suave foi inesperada, e causou um sobressalto em Lev, que sorriu como criança ao perceber que o dono de seu afeto não estava se importando em ser flagrado consigo.

—Yaku-san…—Ali estava ela, a postura dócil e quase inocente do Haiba.

—Nem comece. Vamos tomar banho e colocar as roupas, rápido!—Mesmo que a ordem fosse firme, as bochechas de Morisuke estavam avermelhadas.

—Certo!—Lev, animado, catou o sabonete e passou a esfregar o corpo do moreno, ignorando as faces surpresas.

—Ei! É pra ir cada um pro seu chuveiro!

—Ah, não, Yaku-san! Assim está tão bom…!

—Ei, Liev!

Da porta do vestiário, Kuroo ouvia o diálogo animado com uma mão na testa, o rosto se movendo numa clara negativa.

—Deixe que eu tranco quando eles saírem.—O capitão avisou ao zelador com um sorriso mínimo, pensando que aquele “quando” poderia demorar muito a chegar.

Do lado de fora, sentou-se ao lado de Kenma, que se distraía com um jogo novo que havia comprado.

—Eles vão demorar, não é?—O moreno assentiu, suspirando.—Eu avisei.

—Eu sei, eu sei...mas é importante manter a chama acesa, não é? Eles precisam se entender de uma vez, essa tensão toda pode atrapalhar o time...—No fundo, torcia pelo casal por pura empatia.—Aliás, falando em manter a chama acesa…

Kenma não precisou olhar para a face sugestiva de Tetsurō para saber o que se passava em sua mente.

—Não.

—Não seja tão mau, Kenma...—Ele se inclinou para beijar as faces do levantador, que se esquivou imediatamente.—Droga de jogo...—Kuroo reclamou do aparelho que roubava a atenção do namorado.

—Vamos pra minha casa hoje.—A frase pôs fim a conversa no momento em que Kuroo lembrou-se que os pais de Kozume estavam viajando.

Logo-logo seria a vez dele se transformar num predador.

28 de Julho de 2018 às 01:52 3 Denunciar Insira 9
Fim

Conheça o autor

Mandy Filha do caos, adepta ao drama.

Comentar algo

Publique!
Machadorisos . Machadorisos .
Serasse KuroKen é shipp do milênio? Ohhhh sim, ele é! Menina fic ficou babadeira viu! A escrita ficou leve e sedusente, amei demais! E essa faceta do Lev? Hmmmm adoro Já tô imaginando a porrada de notificação chegando pra você rjwbsjanaj sorry maa não me controlo!
25 de Maio de 2019 às 01:59
Barry A. Barry A.
eu não shipava, mas agr shipo, inclusive amei essa interação final do kenma com o kuro, bem q vc podia fazer o deles ne? rsrsrsrs
28 de Julho de 2018 às 12:00

  • Mandy Mandy
    VEM PRO LADO LEVYAKU DA FORÇA! Tô feliz que trouxe alguém pra igrejinha LevYaku hahahaha, sobre KuroKen...serase eu resisto? Duvido, quem sabe não saia algo deles por aí XD 5 de Agosto de 2018 às 22:47
~