Parascavedecatriafobia Seguir história

willians-matos1529176010 Willians Matos

Um marinheiro nos conta o porque de ter tanto medo de uma sexta-feira 13.


Conto Todo o público.

#crônica #sexta-feira-13
Conto
2
4895 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Parascavedecatriafobia

Por o navio no mar na sexta-feira 13 é um perigo. Eu não coloco não! De jeito maneira nem de jeito nenhum! Certa feita uma cartomante muito da bonita me chamou na sua tendinha colorida, pensei até que fosse modo dela pedir carinho, mas era pra me jogar umas cartas que me diriam o futuro. Virou uma carta sinistra com desenho de uma caveira pisando num tanto de cabeça decepada! Carta de número 13, que ela chamou de morte. Saí correndo de lá sem nem pedir, e se saí! Com ela ainda querendo que eu pagasse, pode?! Que vou morrer eu sei, não precisa me tirar carta. Em sexta-feira 13 também não se entra em igreja, o próprio padre aqui da vila mantém a porta fechada e se recolhe na casa de algum parente. Conta ele que nessa data os espíritos dos antigos cavaleiros Templários, acusados de heresia em 13 de outubro de 1307, queimados com a licença do Papa Clemente V, saem revoltados do inferno querendo vingança contra todo povo de Cristo. Conheci numa outra feita um marinheiro inglês que também se acabrunhava quando o assunto era sexta-feira 13. Contou pra mim que por causa também do povo de Cristo que muito se espalhava tempo atrás, diminuindo a fama de uns deuses pagões, uma tal de Frigga, deusa da beleza e do sexo, muito da irritada, de sexta passou a reunir-se com 12 bruxas, e ficam até hoje as 13 maldizendo e maltratando a boa gente de Cristo. E o próprio Cristo, convém dizer, na sexta-feira 13 deve ficar chateado, pois foi numa sexta da paixão em que o pobre morreu no madeiro, bem depois da Santa Ceia com seus 12 apóstolos.


Pois enfim, por o navio no mar na sexta-feira 13 é realmente um perigo, as sereias parecem estar mais sedentas por homens de boina do que numa quinta ou segunda. Isso é muito bom, porque beijo de sereia é coisa muito admirada, doce feito batida de coco. Mas sou contador de histórias, e depois de um beijo desses, um homem fica incapaz de contar qualquer coisa.

13 de Julho de 2018 às 18:55 2 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Karimy Karimy
Gente, eu estou simplesmente encantada. Seu conto me fez ter vontade de chorar, juro. É muito raro encontrar uma coisa tão gostosa como essa. A narrativa tem ritmo é envolvente, do começo ao fim leva e tira o leitor do lugar comum, o mesclando com mitos e talvezes, mas o que mais me atraiu em tudo isso foi a regionalidade. É muito difícil uma pessoa conseguir usar a linguagem por aproximação de forma tão delicada e ao mesmo tempo conseguir passar verdade nelas. Inclusive, me lembrei de um senhor que falava bem parecido com seu narrador, o ritmo da história também permite imaginar o tom da fala dele, o que é muito massa. Há bastante tempo não lia esse "palavrão" do título e nunca conheci ninguém que tenha fobia de sexta-feira 13, mas acredito que deve existir um bocado por aí. No mais, só aconselharia mesmo uma revisão por conta de advérbios deslocados e não marcados por vírgula, o "por" inicial por "pôr" enfim, no mais, está uma delícia de conto"
18 de Agosto de 2018 às 12:41
CC C Clark Carbonera
Essas doces superstições...muito bom o conto, parabéns :)
13 de Julho de 2018 às 16:20
~

Histórias relacionadas