Begin Again Seguir história

devilwhore P. Miranda

Muitas vezes um amor não dá certo e passamos a ver tudo sobre ele de forma completamente pessimista, e isso estava acontecendo com Huang ZiTao nos últimos oito meses após o fim de seu relacionamento com Wu YiFan. Entretanto a vida nos prega muitas peças muitas vezes, nos momentos mais inesperados, temos a oportunidade de ver um sentimento começar de novo.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#love #yaoi #lgbt #songfic #fluffy #cute #exo #taohun
4
4843 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Wednesday


{ ❖ }

"I've been spending the last 8 months

Thinking all love ever does

Is break and burn and end

But on a Wednesday in a cafe

I watched it begin again"

- BEGIN AGAIN, Taylor Swift.

{ ❖ }


    Meus passos eram lentos pelo centro da grande capital sul-coreana, enquanto uma música do Prince tocava em meus fones de ouvido, a verdade é que eu não estava muito animado para fazer nada, só saíra de casa por convenção; caso não o fizesse acabaria ficando sem comer o dia inteiro.

Já faziam mais ou menos quatro anos que eu me mudara para Seul, foi também nessa época em que conheci meu ex-namorado, Wu YiFan. Ele é chinês assim como eu, nós dois estávamos estudando Teoria da Computação na Universidade de Seul. Me lembro que nos conhecemos na biblioteca, ele contou uma piada que me fez rir, mas eu acho que nunca consegui lhe arrancar muitos sorrisos.

   Estava frio, a neve caía lentamente sobre mim e eu sentia os pelos que rodeavam o capuz de meu casaco, que se encontravam levemente congelados, me tocarem o rosto e causarem uma sensação de queimar muito desconfortável. Ainda assim suspirei, aprofundando minhas mãos nos grande bolsos do casaco de flanela grosso que vestia.

   Passei ao lado de uma loja de jóias, não era grande somente uma pequena porta de madeira e uma vitrine simples, era um estabelecimento bem familiar, parei por alguns instantes, respirando bem fundo e encarando as alianças todas posicionadas no centro do espaço protegido pelo vidro. Foi nesta loja que compramos nossas alianças de namoro, eu mesmo escolhera os modelos, já que YiFan em geral não ligava muito para esse tipo de coisa. Não sei o que ele fez com o anel que lhe sobrou, mas o meu ainda estava guardado em um caixinha na terceira gaveta da minha cômoda.

   A neve continuava a cair e meus passos pareciam ainda mais lentos, como se tudo ao meu redor só estivesse esperando que eu passasse. Meus pensamentos ainda muito perdidos em tudo o que vivera com ele nos últimos meses, aliás, foram dois anos de namoro, antes de finalmente chegar em casa, uma sexta-feira bem chuvosa, e vê-lo com as coisas arrumadas, um uma face triste e um papel em mãos. Wu nunca teve coragem de me dizer adeus com palavras, ele apenas me deu a carta e se foi, deixando-me ali sozinho no meu da sala, chorando.

   Mas isso já foi há oito meses… e só serviu para me ensinar que o amor não serve para muito mais do que partir corações, queimar esperanças e acabar de uma hora para outra, deixando ambas as partes sozinhas e tristes.

   Um cachorro bem fofinho passou por mim com sua dona, ele até mesmo vestia-se com um casaquinho azul bebê. Nessa hora recordei a vez em que pensamos que seria legal ter um “filho” de quatro patas em casa, mas nunca realizamos, pois um mês depois YiFan já não estava mais lá.

   Finalmente me vi em frente ao pequeno café onde eu costumava comer o croissant que eu via como o melhor da cidade. A porta era de vidro, um lugar que sabia bem como misturar o clássico e o moderno, uma decoração primorosa. Finalmente segui até o balcão, a mesma mocinha sorridente de sempre me cumprimentou, pelo nome, perguntando se eu aceitaria “o de sempre”, sou seja: um café latte com marshmallows e um croissant recheado com queijo, tomate e especiarias.

   Balancei a cabeça de forma positiva, porém, por algum motivo naquela tarde, que se me lembro bem era uma quarta-feira de Dezembro, um belo pedaço de torta de limão se encontrava dentro do expositor de vidro ao qual eu geralmente não prestava tanta atenção. Era o último, com certeza. O que lhe parecia deixar ainda mais apetitoso.

   - Por favor, eu gostaria desse pedaço de tor… - Enquanto falava vi um menino parado ao meu lado, bem de frente para o doce, parecendo extremamente triste ao ouvir o que eu dizia, e olhar meu dedo apontando para a iguaria. - Você…? Quer esse pedaço? - Perguntei confuso com a reação do, belo, desconhecido.

   Ele tinha mais ou menos a minha altura, cabelos tingidos de loiro, um rosto bem desenhado com lábios fofo e um olhar levemente perdido, uma mistura de indiferença e tristeza, enquanto me observava falando.

     - Ah, não… Tudo bem, você estava na frente. - Ele disse parecendo bem cabisbaixo, ainda que sendo extremamente educado, falando formalmente e me encarando de baixo.

   - Sério, pode ficar… - Sorri para ele com simpatia, achando sua postura bem interessante. Naquele momento senti uma faísca, como se aqueles olhos de cão sem dono me tivessem capturado mais do que o normal.

   - Vamos fazer assim: eu compro o pedaço e a gente divide. O que acha? - A surpresa em seus olhos me deixou ainda um pouco mais impressionado com sua doçura, ele estava quase em choque com meu gesto, acabei sorrindo também. Não esperei que ele respondesse, apenas pedi a torta e logo paguei, enquanto a outra jovem que ali trabalhava ocupava-se de servir-nos.

   - Uhm… É… Obrigado. - Foi o que o garoto, de nome desconhecido até o momento, me disse enquanto caminhávamos até uma mesa no fundo do local. Sentando-se de frente para mim com um sorriso pequeno e tímido.

   - Ah, por nada, uhm… Qual o seu nome mesmo? - Perguntei de forma simpática, enquanto usava a pequena faca que nos fora dada para partir ao mesmo o pedaço de torta de limão.

   - SeHun, Oh SeHun. - Ele parecia ser tímido, mas estava feliz olhando para mim e eu devia parecer sentir o mesmo enquanto olhava para ele.

Não consegui esconder um sorriso enquanto falava e estendia minha mão para ele, entregando seu pedaço do doce, vendo-o sorrir como uma criança, acho que estava com vergonha ou algo assim, falei com a voz suave:

   - Meu nome é Tao, Huang ZiTao.

   E de repente tudo o que aconteceu entre eu e YiFan parecia ser apenas passado, ou como se nem sequer tivesse existido.

The End...

or The Begin Again.

7 de Julho de 2018 às 01:29 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

P. Miranda Uma autora dessas que ou escreve putaria insana, ou drama pra te fazer debulhar de chorar. De vez em quando junta os dois, só pra variar.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~