Sobre bolinhos e nós dois Seguir história

exostorm Nathália Prado

Baekhyun e Sehun eram melhores amigos, desde que se entendiam por gente. Ambos muito diferentes um do outro, mas mesmo assim acabavam se completando.


Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#fluffy #exo #sehun #baekhyun
Conto
0
4795 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Dois garotos conversando.

Baekhyun é o que muitos chamam de manhoso.

O garoto loiro, tem essa característica peculiar de abraçar os amigos ou ser muito amoroso. Até poderiam chamá-lo de grudento, mas ele só gostava de dar e receber carinho.

Ele sempre foi assim com Sehun, seu melhor amigo desde que se entendia por gente. Geralmente, se você visse um deles na rua, provavelmente veria o outro junto, eles não se separavam.

Sehun, é um garoto alto e alguns meses mais velho que Baekhyun, mas ainda por serem da mesma sala do 2º ano, são bem próximos.

Os planos de um sempre incluíam o outro e vice versa, era uma amizade mútua de sentimentos e sensações.

Baekhyun por ser um garoto manhoso, acabava ganhando tudo o que queria, ainda mais se fosse de Sehun. Desde discussões, apostas e competições entre si, o garoto manhoso conseguia ganhar e só bastava fazer um olhar para o amigo, que Sehun não era capaz de lhe dizer não.

Naquela tarde ensolarada, não foi diferente. Baekhyun dormiria na casa de Sehun naquele fim de semana e não podiam estar mais agitados por isso. Já tinham preparado os filmes para assistirem e agora só faltavam as guloseimas. Ali estavam em desacordo.

- Sehun, eu quero doce.

- Podemos comer uma torta, Baekhyun.

Sehun preferia salgado. Baekhyun o doce. E de alguma forma, aqueles dois ainda sim se completavam.

- Vamos apostar.

Pediu Sehun, Baekhyun já prevendo que perderia, deixou um biquinho transparecer nos lábios. Sehun riu.

-Você faz isso só para que eu perca.

Reclamou Baekhyun, sentando-se à mesa da cozinha de Sehun, emburrado. Por sorte, o amigo já havia se acostumado com a manhosidade e birra de Baekhyun e já não se importava mais.

Apesar de muitas vezes ceder a ele, Sehun tentava lhe mostrar que nem sempre todo mundo iria fazer o que ele queria e que Baekhyun deveria começar a lidar com isso. Mas enquanto lidasse com Sehun, o garoto iria fazer manha sim.

- Você sabia que seu biquinho é muito fofo?

Questionou Sehun, Baekhyun franziu o cenho, desfazendo o bico dos lábios, mas mesmo assim ficando com uma cara fofa e emburrada.

- Não é fofo. Não sou fofo, Sehun.

Reclamou Baekhyun, fingindo ignorar o amigo, que apenas se divertia com a situação.

- É sim. Apenas admita e eu faço seu bolinho.

- Kyungdan? - Os olhos de Baekhyun até brilharem com a menção ao bolinho doce. Sehun concordou. - Faria mesmo?

- Claro.

- Tá bom. - Sehun esperou pacientemente, até que Baekhyun voltou a falar. - Eu admito, mas eu não sou fofo com todo mundo, só com você, Hun.

Respondeu, as bochechas ficando rosadas, fazendo Baekhyun olhar para outro canto. O coração de Sehun palpitou de uma forma estranha àquela fala do amigo e também sua reação envergonhada. Talvez, Sehun tenha gostado do fato de Baekhyun ser apenas fofo com ele.

- Vem! - Exclamou o mais velho, estendendo a mão para o outro. - Vou te ensinar a fazer doces.

Convidou Sehun e no mesmo minuto Baekhyun aceitou e segurou sua mão. Ambos seguiram para a cozinha, silenciosamente apreciando o calor que os dedos sentiam por estarem juntos, a formigação que subia pelos braços dos garotos e fazia os rostos esquentarem. Apreciando aquela sensação estranha e diferente, que mexia com eles sem que ao menos percebessem.

Sehun é um ótimo cozinheiro. Afinal, a mãe tem um restaurante e passa muito tempo por lá, então o garoto apenas aprendeu o que deveria para sobreviver sozinho e por gosto, aprendeu mais da culinária.

Sabia fazer um pouco de tudo, desde comidas simples até salgados e doces mais elaborados. Sehun sempre foi criativo e gostava de usar sua imaginação com as receitas, muitas vezes misturando ingredientes e criando algo novo. Sua cobaia de testes sempre era Baekhyun. O garoto sempre apoiava o amigo a conhecer mais da culinária e se encontrar nesse meio, quem sabe ele não seguisse carreira?

Então, sempre que Sehun pedia, Baekhyun o ajudava ou apenas ia o ver cozinhar, incentivando-o. Experimentava todos os pratos que Sehun criava e via o garoto os aperfeiçoando a longo do tempo.

Baekhyun não era um garoto prendado como Sehun, mal sabia fazer arroz sem queimar. Mas mesmo assim, era esforçado e aprendia rápido. Então, era um bom ajudante para Sehun.

Baekhyun é apenas bom em ser inteligente, o que já era de grande valor. Era o garoto que sempre tirava notas altas e enquanto todos estavam chorando após uma prova, ele conseguia até rir. Seu talento era para Matemática, entendia os cálculos como ninguém e por isso, ajudava os colegas de turma. Inclusive Sehun, que tinha horror a matéria e aos números; o máximo que ele fazia era 2 2.

O mais velho era bom mesmo em Português e História, ótimo para guardar datas - o que muitas vezes acabava com Baekhyun, quando esquecia alguma data importante deles. Sehun é bom com as palavras, sempre sabia o que falar em uma situação delicada e seu vocabulário amplo, fazia-o soar inteligente, o que ele era na verdade.

Baekhyun se encantava toda vez que Sehun mostrava sua inteligência, poderia ser em uma apresentação de seminário na escola ou apenas palavras de incentivo para algum colega de turma, mas ainda assim era fascinante. Até bonito. Sehun tinha um bom coração e isso todo mundo conseguia notar, após alguns minutos com o garoto.

Baekhyun cresceu com ele, então sabia bem disso. Sabe o quanto o amigo é amoroso e complacente; Sehun é uma pessoa boa que com certeza fazia qualquer um se apaixonar.

Para Sehun era o mesmo. Via em Baekhyun potencial para ser grande e conquistar qualquer desejo que quisesse. Via no amigo mais novo uma paixão por tudo aquilo que fazia e mesmo que este não notasse, colocava um pouquinho de si em cada coisa, deixava amor em todo canto. E acima de tudo, Baekhyun deixava amor em Sehun.

Vinte minutos tinham se passado, desde que os dois começaram a fazer o bolinho doce. Sehun é habilidoso com as mãos e não demorava tanto para fazer o bolinho e rechea-lo com mel e açúcar. Já Baekhyun se enrolava todo no balcão. Conseguia fazer bem a massa e até não era um total desastre com os corantes, mas suas massas acabam sendo finas demais ou pequenas demais e era impossível colocar recheio dentro delas, o que fazia o garoto bufar diversas vezes e ouvir uma risada de Sehun, que trabalhava na pia.

- Hun, não tá dando certo!

Exclamou Baekhyun, querendo chorar por tudo estar dando errado. A massa rosa em seus dedos o incomodava e nem o sorriso largo de Sehun o fez desmanchar a cara emburrada.

- Calma, vamos tentar de novo.

Falou Sehun, com toda a paciência que Deus tinha lhe dado. Algumas vezes Baekhyun se perguntava se o amigo não era um anjo, porque ele era calmo demais e sempre entendia o lado das pessoas, por isso sempre evitava brigas e discussões. Odiava isso na verdade.

Baekhyun queria fazer algo certo. Disse a si mesmo que aquele bolinho ficaria perfeito e gostoso. Se empenharia para que ficasse. Sehun ficou do seu lado enquanto ele apertava a massa e adicionava o corante. Com a ajuda do amigo, Baekhyun descobriu seu erro: colocava farinha demais e água de menos e isso deixava a massa seca e quebradiça, além de fazê-la secar em seus dedos.

- Eu disse que daria certo, amor.

Comentou Sehun, se vangloriando de suas falas anteriores. Baekhyun até responderia algo, se não estivesse tão balançado pelo apelido. Sehun nunca havido o chamado de amor, na verdade nunca havia chamado ninguém assim.

- Eu sou seu amor, Hun?

Questionou Baekhyun, não conseguindo esquecer aquela palavra saindo da boca do amigo. Sehun sorriu, recheando as massas de Baekhyun, só quando as finalizou que responde.

- Claro que sim. - Aproximou-se do amigo e beijou-lhe a bochecha. Os segundos que demorou-se ali fizeram Baekhyun querer sentir mais de seus lábios. - Você é só meu amor.

Com um Baekhyun perdido em seus pensamentos, Sehun agiu normalmente, colocando os bolinhos na panela para que cozinhasse. Demoraria cerca de seis minutos e nesse tempo ele se virou para encarar o amigo, que ainda não tinha se mexido. Baekhyun era tão fofo, que Sehun queria cuidar dele e não deixar que nada de ruim lhe acontecesse, nunca.

Quando percebeu que estava sendo encarado, Baekhyun sorriu. Estava com vergonha, óbvio. Mas a sensação gostosa que sentia no estômago o impedia de corar, porque afinal, se Baekhyun estava assim, provavelmente Sehun também estava.

Eram amigos sim e era isso que os permitia se conhecer por inteiro, Então, ambos sabiam o que cada coisa significava no outro. Sabiam o porquê de risinhos sem sentido, reações tímidas e os olhares invadiam à cozinha naquela tarde e tudo estava relacionado com o coração.

Mais alguns minutos se passaram em silêncio e logo Sehun tirou os bolinhos da panela, os deixando descansar em uma tigela em cima da mesa.

Cada um dos garotos sentou-se em uma cadeira, de frente para o outro. E só bastou mais um sorriso e alguns dedos se encontrando ‘sem querer’ em cima da mesa, para que os garotos entendessem que naquele fim de semana, descobriram mais sobre eles mesmos e seus sentimentos, do que jamais tinham descoberto.


2 de Julho de 2018 às 20:22 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Nathália Prado — Melhor escrever para si mesmo e não ter público, do que escrever para o público e não ter a si mesmo. - Cyril Connolly

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas