Éclair Seguir história

pcyooda Park Yooda

Baekhyun amava cozinhar. Muito mesmo. Ele adorava o cheiro dos temperos, as texturas de açúcar e, até mesmo, o desafio de fazer uma boa massa folhada. Kyungsoo odiava erros. Pra ele, ou a pessoa estava em perfeita sintonia com a arte de cozinhar, mantendo a perfeita elegância nos movimentos, calculando com destreza cada partícula de ingrediente na gramatura certa e checando a temperatura perfeita de cocção; ou, a pessoa deveria dar o fora de sua cozinha.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#kpop #serene #luchen #xiuyeol #culinarist #cooking #pastrychef #sliceoflife #baeksoo #exo
25
5.1mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Clafoutis

A fachada do restaurante Dyo’s era amigável e convidativa. Cores alegres com o nome em neon vermelho, como um design vintage modernizado que parecia ter saído de um filme remake dos anos 60.

Baekhyun se sentiu bem só de olhar, ansioso para entrar dentro do futuro restaurante que queria tanto trabalhar.

Ainda tinha uma placa pendurada, dizendo: “Vagas abertas”; e uma pequena fila de jovens cozinheiros à porta esperando sua vez de entrar para a entrevista.

Baekhyun estava nervoso. Nunca havia feito uma entrevista de emprego antes, sendo sempre contratado por indicações ou em negócios familiares. Então não tinha tanta experiência no processo de seleção.

Dyo’s era um restaurante 4.5 estrelas na cidade. Tinha uma certa importância cultural e influência no centro urbano (ele mesmo já havia ido ali várias vezes com seu colega de quarto, Oh Sehun), mas o lugar não era o que você chamaria de chique muito menos tinha cara de um restaurante caro. Porém, acredite: tudo ali podia variar.

Para o preço de uma comida de rua até para uma refeição que valesse uma mesa de jantar no castelo da rainha. Era tudo muito diferente e requintado. As pessoas diziam que o Dyo’s era o lugar ideal para você, porque não fazia distinção de classe e servia qualquer tipo de prato que você poderia imaginar.

O ambiente era tão único, que não cabia a rótulos de aparência chique ou despojado. Era apenas… o Dyo’s. Com suas luzes de efeito que trocavam conforme o dia, e as louças de boa qualidade que lhe faria ter medo de quebrá-las.

De alguma forma o contraste do lugar o fazia aconchegante, querido e visitável. Quem ia ao Dyo’s sempre acabava voltando. Até porque os garçons também eram muito simpáticos (e bem bonitos na opinião de Baekhyun).

Então, tinha mais de um motivo para que Baekhyun desejasse tanto conseguir fazer parte daquele restaurante tão único e exclusivo na cidade. Porém, com outro objetivo: ser um chef confeiteiro.

Ele havia acabado de sair da faculdade de gastronomia, com especialização em confeitaria (principalmente a francesa). Tinha passado um tempo na França, aprendendo técnicas e decorando mais nomes técnicos do que se poderia dizer.

E agora estava ali. Esperando para finalmente exercer tudo que aprendera.

A fila parecia enorme. Diversos candidatos diferentes, provavelmente com especialidades diferentes e melhores que as dele. Baekhyun sabia que o mercado gastronômico não era fácil. As pessoas se atacavam por uma vaga num restaurante de influência como aquele.

Então, dar o seu melhor, podia não ser o suficiente.

A porta se abriu, e os candidatos começaram a entrar no restaurante. Um por um, seguindo para a cozinha principal, e tomando posições.

Ela era enorme. E muito bonita. Era o sonho de qualquer culinarista que se preze. Todos os mais diversos utensílios pendurados, bancadas de mármore, fornos de todos os formatos e panelas de diferentes tipos de metais.

Ele estava feliz só de estar perto daquilo tudo, mal podia imaginar o que teria na despensa.

Estava tão admirado com o que via, que não percebeu que o Chef, dono do restaurante, já estava presente na cozinha. De braços cruzados, um baixinho quase careca olhava sério para todos presentes na sala. Ele tinha uma expressão de botar medo em qualquer um. Seu olhar era bem penetrante, e Byun começou a repensar se deveria se animar tanto para trabalhar lado a lado do pequeno.

“Olá todos. Meu nome é Do Kyungsoo, sou o Chef do Dyo’s.” Sua voz era extremamente grossa, o que surpreendeu o confeiteiro. Kyungsoo fez uma reverência, que logo foi correspondida por todos. Alguns, mais tarde que outros.

Pelo visto não era só Baekhyun que estava nervoso.

“Bom, primeiramente, devo avisá-los que a entrevista será prática. Já tenho seus currículos, e sei da formação de cada um de vocês. Então, saibam que, se estão aqui, é porque são candidatos ao nível desse restaurante.”

Todos estavam completamente quietos, prestando atenção no Chef. Byun não ousou dizer uma palavra. Começou a se sentir num misto de alegria e intimidação com relação ao pequeno, o que não era uma boa coisa.

“Para essa prova, irei pedir uma especialidade de cada um de vocês. Se disponham de minha despensa como quiserem. Aqueles que não passarem, terão que assinar um termo de consentimento. Nós mantemos nossos segredos de preparação no restaurante e espero que entendam isso.” Kyungsoo disse, sério, e olhando para cada um dos candidatos. Baekhyun pensou que se levasse uma bronca daquele pequeno chef, provavelmente choraria no banheiro durante um mês inteiro. “Há vários ingredientes secretos na dispensa que uso em meus pratos mais famosos, e espero que continuem assim. Secretos. Dito isso, peço que me sigam.”

Segredos.

Byun não entendia o que isso queria dizer, mas estava ansioso. Não era muito bom em guardar segredos, mas o faria se necessitasse.

Seguiu o chef até o que ele julgou ser uma despensa, pois parecia mais um quarto de alimentos. Estava tudo devidamente em seu lugar, uma organização impecável e a refrigeração certa para a preservação de todos os alimentos.

“Bem, aqui é a despensa. Sintam-se à vontade para usar qual for o ingrediente que acharem necessário. Espero ver o melhor de vocês hoje. Assim que escolherem o que for preparar, me avisem, e eu tentarei guiá-los com os utensílios e o que for necessário. Assim que todo mundo tiver o que precisa, darei a vocês 2h para me fazerem o melhor prato de sua especialidade. Deixo-os com Sooyoung agora.” Assim que terminou seu monólogo, o baixinho saiu da sala.

Baekhyun estava começando a ficar nervoso. Antes, quando tinha alguma prova na faculdade, treinava em casa cozinhando para Sehun, seu roomate desde… bem, desde sempre.

Sehun, apesar de ter o estômago de um dragão, tinha um bom senso crítico quando o assunto era comida. Então sempre ajudava o amigo a aprimorar alguma coisa aqui ou ali quando se tratava de sabores. Principalmente os pratos salgados, no qual Baekhyun nunca teve muita facilidade de preparar.

Estava agora vasculhando a despensa do restaurante com muito afinco, marcando todos os detalhes.

Muitos dos outros competidores estavam se matando para controlar os ingredientes mais caros. Besteira, na sua opinião. De nada valia ter ingredientes caros, se não soubesse como combiná-los. E muitos deles, era perceptível que não sabiam. Estavam pegando qualquer tipo de ingrediente caro, apenas para prová-lo.

Baek balançou a cabeça em negação, e seguiu para o lado das frutas.

Entendia que oportunidades assim não surgiam todo dia na sua porta, mas era preferível se esforçar no prato, e obter um sabor equilibrado, do que se afobar com qualquer coisa. E por isso, resolveu fazer uma de suas especialidades: um belo e suave Clafoutis de blueberry. Era rápido, prático e ficava uma delícia quente ou frio... tudo o que precisava.

Logo começou a pegar os ingredientes para a massa e a calda de açúcar, quando percebeu: só um tipo de açúcar disponível. E não era do qual ele necessitava.

Baekhyun começou a entrar em desespero. E se a receita desse errado? Para apresentar um prato simples, precisava apresentá-lo com perfeição, nenhum erro seria tolerado. Sabia que o açúcar mudava a consistência da massa, ficaria diferente. Deveria seguir com seu plano original? Não tinha muito tempo.

Resolveu ser criativo.

Daria um jeito da receita dar certo, combinando outros ingredientes que proporcionasse a mesma textura do Clafoutis original. Sim, iria conseguir.

Logo que todos saíram da despensa, percebeu que só restava ele ali ainda. Sooyoung o olhava como se quisesse o apressar. Pegou mais um ou dois ingredientes antes de sair de lá para pegar seu lugar na cozinha.


🍴

“Bom, todos aqui já pegaram seus ingredientes?” Todos balançaram a cabeça, positivamente. Ninguém iria ousar causar problemas com o baixinho careca da voz grossa.

O chef parecia ser capaz de matar alguém com aqueles grandes olhos bravos e as mãos largas. Deveria ser um bom confeiteiro também, pensou Baekhyun. Que droga, aquele baixinho provavelmente faria um Mil folhas de olhos fechados, sabia que ele era experiente, e isso só o deixava mais nervoso.

“Ótimo. Vamos seguir então. Vou encaminhar um a um com o material, e essa será a última coisa que farei antes de voltar para provar seus pratos. Espero que entendam e respeite isso, e não me perguntem nada relacionado à receita. Estou aqui apenas para julgar seus pratos e direcioná-los na minha cozinha.”

Baekhyun engoliu seco.

O que seria isso? Algum tipo de Master Chef coreano? Ele estava ficando preocupado.

“Como podem ver, há diversas panelas pelos ares, e algumas estão debaixo da bancada. Se houver algum utensílio que tiverem que usar, e estiver em posse de outro, sugiro que dividam o tempo de uso.”

Oh não. Baekhyun não tinha pensado na possibilidade de não conseguir manusear todos os utensílios que precisava para fazer a receita. Se alguém resolvesse ser sacana com ele, seria o fim.

O que aquele baixinho tinha na cabeça, afinal? Era claro que alguém ali iria sabotar. Era uma vaga no maior restaurante da cidade, estava valendo tudo.

O confeiteiro fechou o olhar.

Não estava gostando nada disso. Ele sentia que poderia ser trapaceado a todo momento, e que não iria poder reclamar se acontecesse.

Se posicionou na bancada que havia colocado suas coisas, e começou a separar as coisas que iriam ser usadas: a fava de baunilha, farinha, ovos, e, claro, as blueberries frescas e maduras. No ponto certo.

Baekhyun sorriu.

Talvez a receita desse certo, no fim.

Pegou as blueberries com intuito de lavá-las, mas, será que precisava? Iria perder tempo. Além disso, a pia estava cheia de pessoas usando, ou melhor dizendo, disputando para quem iria ocupar o lugar.

Resolveu seguir a receita.

Pegou a forma que ia usar para colocar seu prato, e untou com a manteiga sem sal que havia na dispensa. Começou a pegar as frutas, quando o próprio Dyo parou do seu lado, com os braços cruzados.

Baekhyun não entendeu o que ele estava fazendo ali.

“Hum… vai fazer um Clafoutis?” Estava lhe perguntando? Por que? Ele mesmo tinha dito que não iria falar com ninguém sobre as receitas.

Baekhyun engoliu seco.

Era simples demais.

Droga. Ele sabia disso. Mas era sua especialidade, seu melhor prato. O careca ainda esperava por uma resposta, pois ergueu a sobrancelha para o jovem cozinheiro.

“Aah… uh, sim chef.”

“E porque acha que pode simplesmente jogar as frutas na travessa, sem lavá-las?” Perguntou, com aquela voz grossa intimidadora.

Se Baekhyun não tivesse experiência com ordens gritadas em sua mente (graças ao chef Gerard, a quem cozinhou na França), ele estaria tremendo. O chef Dyo era uma pessoa muito intimidante, e seus olhos só pioravam o que o grau da sua voz poderia fazer. Tinha um olhar penetrante e afiado, deveria ser bem casca grossa.

“Eu… Ér..."

“Vá lavá-las, Sr. Byun. Não servimos comida sem higiene nesse restaurante.” Ele analisou os ingredientes de Baekhyun antes de este sair da bancada para lavar as frutas; parando por mais tempo no açúcar “errado” que o cozinheiro havia escolhido. Dyo deu um pequeno sorriso antes de seguir adiante com a inspeção.

Baekhyun agora estava na fila da pia na qual ele iria ter que esperar cinco séculos para poder usar, já que haviam 6 pessoas na sua frente. Estava odiando aquele baixinho e ainda nem trabalhavam juntos. Não se surpreendeu ao perceber que o chef nem ao menos olhou para o prato dos outros competidores, saindo da cozinha como se não tivesse nada a se fazer por ali.

Aquilo deixou Baekhyun com raiva.

Quem ele pensava que era? Só iria implicar com Baekhyun? Estava tentando sabotar seu tempo? Queria acabar com seu prato? Mas que metido!

Byun estava carrancudo com suas pequenas frutas na mão, e não percebeu quando a fila já começou a andar, fazendo alguém cortar a sua frente.

“Hey! Vai pra trás, cheguei aqui primeiro.”

A muralha que havia entrado na sua frente, virou pra trás com um sorriso sarcástico:

“Achado não é roubado.”

“O que?”

“Achado não é roubado. Está surdo, pequeno?” Ele se aproximou de Baekhyun, e o pequeno pode perceber que a suposta muralha era bem bonita. O que significava que deveria ser bem arrogante. Ele fechou a cara.

“Não! Muito menos sem perna.” Com isso, Baekhyun ergueu seu joelho e arrumou toda a força para pisar no pé do cozinheiro.

“Aaah! Meu pé! Seu anão de jardim!” O cozinheiro agora estava com um olhar mortal para o pequeno e, assim que o mais alto se curvou para agredir Baekhyun, Kyungsoo segurou seus braços, o impedindo.

“Você! Qual seu nome?”

“Wu Yifan”

“Bem senhor Wu, vou pedir que se retire imediatamente do meu restaurante. Não toleramos brigas ou violência nessa cozinha.”

O cozinheiro sorriu de lado para o pequeno chef, que ainda estava se colocando entre Byun e ele, com um olhar mortal.

“Você pode pensar que é melhor do que os outros por causa desse restaurantezinho, ou um punhado de papel assinado, mas vou lhe avisar: você não é nada. E eu não preciso disso.” Wu tirou o avental, o deixando na bancada já se dirigindo para saída, mas não antes de virar para falar com todos.

“Boa sorte em suas entrada ao inferno. Vocês vão precisar para lidar com esse tirano aí.” E saiu porta a fora.

Baekhyun suspirou, estava tão nervoso com a situação que não percebeu que estava tremendo. Por que tudo estava dando tão errado com ele? Provavelmente já teria se passado uns bons 10 minutos com aquela cena toda. Estava ficando sem tempo.

Sentiu um movimento brusco em suas mãos, como se tivesse sido roubado de supetão.

E tinha.

Dyo estava com as suas blueberries na mão, lavando-as com todo o cuidado.

Baekhyun ficou chocado, boquiaberto no sentido literal da palavra.

O que foi isso?

Quando o chef retornou com sua frutas, encaixando-as em seu braço, ainda estava na mesma posição que antes, tão chocado que não conseguia se mover.

“Aqui estão. Agora, volte ao trabalho. Todos estão na sua frente, então terá que ser criativo para poupar o tempo. Cozinha também é criatividade.” Com uma batidinha em seu ombro, o chef se foi, seguindo para a frente do restaurante com seus assistentes.

E o cozinheiro ainda não podia acreditar no que havia acabado de acontecer.

🍴

O tempo tinha sido apertado. Um pouco corrido, e ele quase, quase havia torrado seu Claufotis por não saber lidar com aquele forno dos infernos. Se fosse trabalhar ali, ele mesmo trocaria aqueles fornos. Provavelmente tinha inveja do ambiente de trabalho, querendo se parecer mais o possível com o inferno de tão quente que eram. 180 graus era o novo 250, para ele.

Mas Byun conseguiu se virar.

Fez o prato, e ainda conseguiu decorar lindamente com alguns blueberries que haviam sobrado. Estava digno para uma foto no instagram, que o garoto rapidamente conseguiu tirar antes da degustação começar.

Eles deviam carregar seus pratos até a bancada, e mostrar para alguns jurados de confiança do chef. E também o próprio satanás de jardim iria prová-los. Não estava nem um pouco nervoso, imaginem só.

Todos estavam levando seus pratos para fora da cozinha, enquanto o Sooyoung os esperava na porta. A moça sorriu para Baekhyun quando ele passou com seu prato decorado, coisa que os outros não haviam feito. Mas ninguém havia feito um prato simples, por outro lado. E era por isso que Byun achava que devia caprichar bem mais. Se por algum motivo o chef achasse algum erro, poderia compensar um pouco com a decoração.

Pelo menos foi o que ele achou.

Havia uma fila de pessoas na bancada. Cinco delas, para ser mais exato. Alguns mais velhos, outros da idade de Byun, e o próprio Dyo por trás da bancada de braços cruzados e um olhar avaliador. Um por um, os participantes foram deixando seus pratos na bancada em frente aos supostos jurados, e se organizando em uma fila atrás deles. Baekhyun foi o último.

Com um suspiro, seguiu com o prato até a bancada o deixando com cuidado para que não escorregasse, já que estava tremendo muito. Assim que o prato tocou o balcão, olhou para o chef, que parecia curioso olhando para o seu prato. Kyungsoo Olhou para ele, e ergueu uma sobrancelha, como se não esperasse toda a decoração que havia feito. Baekhyun apenas engoliu seco, e seguiu para a fila.

Era meio óbvio que iria decorar o prato, certo? Era confeiteiro. Teria exagerado? Será que errou em fazer isso? Bem, agora não adiantava muito, pois o prato já estava feito.

“Vejo que todos conseguiram terminar a tempo, e isso é bom. Uns, mais do que outros.” E nisso, ele olhou para Baekhyun, com uma expressão divertida. “Reuni aqui hoje algumas das pessoas em que mais confio para julgamentos. Não vou ser unilateral na decisão, pois não seria justo julgá-los pelo meu gosto pessoall."

O confeiteiro estava admirado. Duvidava muito que em outros restaurantes tivessem tamanha coerência com a escolha de um novo empregado. Sim, não era justo julgar a comida de alguém com seu gosto pessoal. As vezes as flagrâncias e temperos as vezes não conversam. Mas, Dyo pelo jeito, parecia entender isso perfeitamente.

“Dessa maneira, serei o último a provar os pratos de vocês. E, como são em um número muito grande, pedi que os degustadores elaborassem um top 10 dos pratos que lhe agradaram mais. Sendo assim, deixarei que a matemática decida por vocês. Alguma objeção?"

Na verdade, era um jeito bem justo de se decidir. Pois se alguém não gostasse de um tipo de prato, poderia ser que outros o amassem, então teria uma média boa de quão bom o seu prato estava. Baekhyun estava cada vez mais impressionado com a ética de Do Kyungsoo. Percebeu que talvez poderia imaginar porque o restaurante era tão famoso.

Ninguém havia reclamado também, então o chef apenas balançou a cabeça em concordância.

“Ótimo. Senhores, por favor, sirvam-se."

Um por um, cada um dos convidados começaram a provar os pratos que estavam em suas frentes. Poucos deles demonstravam alguma expressão, mas um em peculiar parecia estar se divertindo muito. Ele era alto, e tira orelhas tão peculiares, que ficavam bem engraçadas pra fora do boné que usava. Provavelmente teria a idade de Baekhyun. Cada vez que ele comia algum dos pratos, fazia uma cara de puro prazer. Como se estivesse provando a comida dos deuses.

Quando chegou no prato de Baekhyun, o pequeno ficou nervoso. O rapaz desengonçado, deixou cair uma ou duas vezes a mordida que havia pegado, mas na terceira vez, ele havia até mesmo parado.

“Waaaaahhhhhh! O que é isto?” disse em voz alta, em tom surpreso.

“O que foi Chanyeol? Algum problema?” era Do Kyungsoo quem havia se pronunciado, com certa impaciência.

“Acho que você pode dizer isso melhor do que eu, chef.” Byun sentiu o tom de ironia do mais alto no fim da frase, e também percebeu que o chef não havia gostado nada.

Chanyeol dessa vez deu uma mordida para Kyungsoo experimentar, e este ficou em silêncio por algum tempo enquanto a degustava. Olhou para Baekhyun, que nessa altura do campeonato, já estava quase infartando de ansiedade. Se tivesse errado em algo, se mataria; queria muito a vaga no restaurante.

“E então?” Chanyeol perguntou para o outro, com expectativa. Kyungsoo, que ainda encarava o cozinheiro, desviou seu olhar para encarar o rapaz na sua frente.

“Então o que? Volte para o seu lugar.” disse impaciente. Chanyeol bufou, murmurando algo que Baekhyun pensou ser “maldito casca grossa”, antes de se sentar onde estava anteriormente.

Assim que a degustação acabou, todos se acomodaram em seus lugares, esperando a vez de Kyungsoo. O chefe não fez nenhuma expressão ao provar cada um dos pratos, e bebeu um pouco de água depois de cada um, para lavar o sabor da boca. Era agoniante de se olhar, pois ele parecia não sentir absolutamente nada.

Provou o prato de Byun de novo, dessa vez o encarando novamente. O pequeno confeiteiro começou a ficar nervoso, e queria chorar ali mesmo. Não deveria ter usado outro tipo de açúcar. Sabia que estava ferrado. Era o fim.

“Muito bem. Como viram, não houve nenhum tipo de interrupção por minha parte. Pedirei que meus convidados se organizem agora para a votação. Por favor, senhores.”

E assim aconteceu. Cada um dos jurados escreveram freneticamente no papel, alguns demorando mais que outros. Dentro de 15 minutos já estava tudo pronto, e o chef já estava recolhendo os papéis de cada um dos participantes.

“Obrigado.” ele disse ao acabar. “Novamente, espero que estejam cientes que não alterei nenhum resultado que se sairá daqui. Dito isso, vou informá-los por telefone ou e-mail quando tiver os resultados prontos. Até lá, estão dispensados. Agradeço a participação de vocês.” Kyungsoo fez uma reverência antes de sair, e voltar para dentro da cozinha.

A maioria dos convidados já estavam saindo, e Baekhyun achou que já podia ver o céu brilhando e lhe chamando.

Estava morto, cansado e ansioso. Não saberia o que impressão havia causado nos dois rapazes, mas esperava que fosse algo bom. Já não tinha mais opção. Precisava daquela vaga como quem precisa de um transplante a beira da morte.

Suas economias já estavam acabando, e mesmo dividindo o quarto com Sehun, não achava que poderiam durar mais muito tempo sem um emprego. Deixar o aluguel por conta do amigo não era uma opção.

Nunca pensou que chegaria um momento em que sua vida dependia de um pote de açúcar, porque ele tinha certeza que era esse o ingrediente que havia causado toda a diferença.

27 de Junho de 2018 às 23:13 2 Denunciar Insira 5
Leia o próximo capítulo Parfait

Comentar algo

Publique!
ㅤㅤally ㅤㅤㅤ ㅤㅤally ㅤㅤㅤ
Que história maravilhosa, meus amigos.
28 de Junho de 2018 às 09:43

  • Park Yooda Park Yooda
    Aaaaaa Obrigada por vir aqui comentar<3 Fico feliz que você tenha gostado!! 28 de Junho de 2018 às 10:29
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 25 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!