Menino do interior Seguir história

taeliminado apenas uma

Jeon Jeongguk, um menino do interior infelizmente teve que deixar sua fazendinha quando seu avô faleceu, tendo que morar com seus pais. E a partir daí teria que descobrir como é ter uma vida na cidade.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#yoonseok #taejin #kookmin #bts #jikook
5
4.7mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Sextas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Emoções de uma nova vida

Jeongguk encarava todos aqueles homens pegando suas coisas e as colocando naquele grande caminhão. Ele iria para a Cidade, um lugar que ele só ia duas ou três vezes por ano. O menino abaixou a cabeça e suspirou secando suas lágrimas com a manga de sua blusa, seu avô falava que "macho não chora", então Jeongguk não iria o decepcionar.

O falecimento de seu avô foi uma bomba para ele, Jeongguk cresceu com ele, já que seus pais o maltaravam. Jeongguk era um menino do interior, parecia burro e idiota, mas era considerado um gênio para todos as pessoas que trabalhavam na fazenda. Jeongguk sabia ler, escrever e fazer contas difíceis de matemática. Mas nenhuma dessas coisas o impediria de ser levado para a tão temida casa de seus pais.

- Ei garoto, todas as suas coisas já estão aqui, pode entrar no carro, vamos ir embora. - Disse um homem vestindo um terno que parecia realmente caro. Jeongguk fungou e se levantou da rede onde costumava a ouvir as histórias de seu avô, caminhou junto ao homem até o carro e não olhou para trás. Ele não queria sentir a tristeza de deixar para trás o melhor lugar de toda a sua vida.

O menino ficou cabisbaixo durante todo o percurso, sentia o olhar do homem pelo retrovisor, mas não ligou. Ele só queria estar nos braços de seu avô enquanto comia um milho cozido ou uma boa sopa quentinha. Suspirou. Jeon realmente sentia falta de tudo, até mesmo daquela cabra chata que vivia comendo suas roupas. Mas Jeon não via tudo pelo lado ruim! Pelo menos poderia ter amigos novos, conhecer mais a cidade, e se divertir. Talvez ele pudesse tem uma boa vida na cidade.

(…)

- Woah! Que casa enorme… Isso tudo é muito grande! - Disse Jeongguk deslumbrado com a mansão. Ele só havia ido a casa de seus pais uma vez, fazia muitos anos, mal se lembrava de como ela era enorme. Um senhor trazia suas malas, e Jeon se sentiu incomodado. Aquele senhor velhinho carregando tudo aquilo não era algo humano de se fazer. Jeon se aproximou, sorriu e então pegou suas malas das mãos do idoso. - Eu te ajudo com isso, não leve todo esse peso. - O senhor olhou Jeon com um sentimento novo em seu peito, ele era o primeiro daquela família que realmente era gentil com alguém.

Entrou na casa e novamente seus olhos brilharam, era muito luxo para um lugar só, ficava surpreso com todas aquelas coisas de cristal e prata, sem contar o ouro! Jeon ficou tão encantado, que não reparou na mulher que o encarava com certo desgosto. Ele engoliu a seco e tomou sua postura.

- Você é mesmo um garotinho mal caráter. Chega em casa e nem comprimenta sua mãe. Deveria ter te deixado naquele pedaço de terra maltrapilha. - A mulher era rude, suas palavras machucavam Jeon. Aquele pedaço de terra foi onde ele foi feliz. Coisa que a Mãe dele não queria que ele fosse. - Ande, cadê aquele velho que eu ordei que trouxesse suas malas? Velho ingrato, irei demiti-lo.

- Ei! Eu pedi para que ele deixasse com que eu levasse as malas, ele está numa fase onde não pode carregar isso, sabia? - Sua mãe o olhou com aquele olhar de nojo, como se a compaixão do garoto fosse algo surreal em sua vida. Ela suspirou, revirou os olhos e então olhou para suas unhas com certo deboche. Jeon encarou aquela cena confuso, deu de ombros e então começou a subir as escadas. - ALIÁS, ONDE É O MEU QUARTO? - Gritou fazendo com que sua mãe desse um pulo de susto.

- É o último a esquerda. Guarde suas coisas e venha para a sala de jantar, iremos lhe falar algumas coisas. - Jeon ficou curioso em relação ao jantar. Mas ficava em dúvida se estava curioso em saber o que a Mãe lhe falaria ou em que comida eles teriam na mesa.

Jeon ficou em seu quarto, revidou tudo, pulou na cama e se divertiu sozinho, como uma criança boba. Jeongguk tinha uma alma admirável, mesmo com aquela situação precária, ele continuava com aquele belo sorriso no rosto.

(…)

Jeon desceu as escadas e deu algumas voltas até achar a sala de jantar, sorriu ao ver toda aquela comida, claro, para os empregados também. Jeon se sentou em uma das cadeiras, ninguém presente ali disse algo, apenas encarou o jeito folgado do garoto. De repente, sua mãe limpou a garganta e então chamou a atenção de Jeon para si.

- Primeiramente, Jeongguk. Você definitivamente não irá usar botinas, chapéus de palha e nem essas blusas bregas dentro e fora de casa. Segundo, se alguém perguntar sobre você... Seu nome é Jeon Jeongguk, filho de Jeon SunHee que estudou fora durante um bom tempo. Tente disfarçar esse teu sotaque caipira, ninguém merece. E mais uma coisa, do portão pra dentro, você segue minhas regras. Sem barulho, sem andar para cômodos desnecessários, sem atrapalhar os empregados, sem atrasos, sem conversa fiada, sem incomodar nada e ninguém. Você só deve comer, tomar banho e dormir. Claro, esqueci de mencionar… Você irá para um dos melhores colégios de Seul, com uma educação de alta classe. Seu uniforme já está arrumado, seus materiais também. Suas aulas começam semana que vem, se prepare pois amanhã a empregada, SooYoung, irá te acompanhar até o shopping e ira te ajudar na escola de roupas. Ela quem irá decidir o que você deve ou não vestir. Se eu ver alguma peça de roupa maltrapilha, ela será demitida. E não, seu pai não está aqui, por enquanto somos nós dois e os empregados. - A mulher sorriu após terminar de falar. Era um sorriso assustador aos olhos de Jeongguk. - Bom, aproveite a comida, filho.

Naquele instante, ele ficou em dúvida se deveria encher a cara com aquela comida gostosa que lhe fazia "lamber os beiço". Ou então tentar fixar aquela mensagem em sua cabeça. Ele estava se sentindo um robô, mas pelo menos amanhã poderia conhecer a cidade, mesmo que acompanhado pela empregada. Ele estava ansioso.

Mal sabia a quantidade de coisas que iriam acontecer.

27 de Junho de 2018 às 00:56 0 Denunciar Insira 0
Continua… Novo capítulo Todas as Sextas-feiras.

Conheça o autor

apenas uma Apenas uma pessoa que quer escrever.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~