Moonlight Seguir história

sr.-artie Sr. Artie

Yeon Joo e Kang Chul vivem seus dias em completa harmonia e alegria depois de tudo que ocorreu em W.


Fanfiction Seriados/Doramas/Novelas Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Kang-Chul #Oh-Yeon-Joo #w--two-worlds #coreia-do-sul #dorama #fluffy #romance
Conto
2
4.9mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único: Moonlight

Notas da História 

Os personagens de W: Two Worlds, não me pertencem, mas o enredo da história é de autoria minha. 

Capa pela Fellurian

História betada pela Rebel Princess (Nyah - Liga dos Betas) 

História baseada na música Moonlight da Ariana Grande 

História postada no Nyah, SocialSpirit e Watpad


Notas Inciais do Capítulo

Finalmente eu estou postando essa fanfic, mds. Ela está escrita desde o começo de maio, quando eu assisti o dorama. Demorei para postar porque eu precisava que a Rebel assistisse o dorama para 1) se apaixonar pelo Lee Jong Suk e 2) para betar a história. 

Espero que gostem! 


Moonlight

By: Sr. Artie

Capítulo Único


Os últimos meses da minha vida pareciam terem saído de um drama, ou melhor, de uma Webtoon. Apesar da piada, eu constantemente me pego pensando sobre os acontecimentos passados e percebo que mantenho em mim o medo de que aqueles dias atribulados voltem.

Em momentos exatamente iguais a esse, com você me abraçando, enquanto apreciamos o pôr-do-sol, é que meu receio mais me aterroriza. Sempre me pergunto se essas últimas semanas não foram um sonho, se eu ainda estou presa no mundo de W e toda minha felicidade ainda é capaz de ruir. Conviver com uma incerteza tão grande dentro de si faz seu corpo submergir em ansiedade e apreensão.

Estou tão perdida em meus pensamentos, aconchegada em seu abraço, que só quando o ouço chamar minha atenção é que percebo o quão distraída estou. Sua voz está salpicada com tons de alegria devido ao nosso presente e todas as minhas resignações e pavores somem, como se você fosse meu herói, mesmo que inconscientemente, assustando os vilões malvados que me assustam.

— Você sabia que… — assim que seu timbre chega aos meus ouvidos, viro minha cabeça em sua direção, sou tão atraída por tudo que implica você. — eu sou três anos mais velho que você?

Sua pergunta é tão aleatória e incoerente com aquele momento nosso que eu não soube o que te dizer. Repetidamente, você fala que o contexto importa, então por que fazer uma questão desse tipo de forma súbita? Vejo um sorriso de canto seu e sei que você percebeu minha dúvidas.

— Você deve me tratar como um Oppa. Eu passei mais de três anos difíceis. Ok, Yeon Joo?

Então descubro tudo após ouvir suas últimas sentenças. De alguma maneira, você captou meu medo, embora eu estivesse enclausurada com ele dentro de mim, você conseguiu me alcançar e essa é uma das razões porque te amo: por me entender, mesmo que eu não diga uma palavra.

— Puxa — respondo sorrindo.

Como se aquele fosse seu objetivo o tempo todo, te vejo sorrir para mim, aquele sorriso que me fez cair de amor por você, que ainda me faz cair de amor. Deve existir algo de sagrado nesse mundo, com certeza existe, mas minha concepção de sacro é você: puro, virtuoso e bem-aventurado.

Kang Chul, você não faz a mínima ideia, quem sabe um dia eu te conte, mas meu pai não foi seu criador, eu que te idealizei. Listei cada característica sua num papel quando era apenas uma garotinha, imaginando o namorado perfeito para mim. Acredito que aquela menina ficaria feliz em saber que o sonho dela se tornou realidade.

Contudo, em tal intensidade, lembro de que você foi moldado de uma fantasia minha, mais rápido recordo da minha apreensão, dos meus medos. O sorriso que eu ostento, aos poucos, morre.

— Isso… — começo. — realmente acabou?

— Sim — sua resposta é firme e rápida, me dando segurança.

Apesar da sua confiança, eu ainda temo. Por essa razão, eu te pergunto mais uma vez.

— Realmente acabou, certo?

O seu olhar se prende ao meu, você confirma com um aceno de cabeça e diz:

— Realmente terminou.

Você leva seus dedos longos até a minha bochecha, acariciando-a. Depois prende a sua mão na minha nuca, puxando minha cabeça ao encontro do seu peito, enquanto baixava um pouco o seu rosto para conseguir beijar a minha testa. O gesto foi simples, mas o modo como me sinto segura não acho que possa ser descrito, então eu apenas fecho meus olhos e me permito me sentir salva.

Quando seus lábios deixam de tocar minha pele e sinto sua mão arrumando os fios do meu cabelo que cobriam o meu rosto, eu me permito olhá-lo. Kang Chul, alguém já te disse o quão belo você é? Não apenas sua beleza física, mas sobre a aura que emana de ti? Ao seu lado, esse é o lugar que eu necessito estar sempre, porque as coisas ao seu entorno são sempre mais bonitas. Você dá cores ao mundo e essa é outra razão pela qual te amo também.

Mais uma vez naquela tarde, fecho meus olhos enquanto encosto minha cabeça em seu ombro. Seu braço me envolve e sinto sua mão roçar delicadamente sobre o tecido da minha roupa. “Você está segura”, mentalizei. Pergunto-me se você também fechou seus olhos e se permitiu desfrutar dessa sensação de paz.

Seu ombro se mexe em um convite mudo para eu saia dali. Retiro minha cabeça e saio do seu abraço e te observo, questionando sua atitude. Você nota que estou incerta sobre sua ação, mas você sorri e isso me acalma.

Sua mão alcança a curva do meu pescoço novamente durante esse entardecer, ao passo que seu rosto se aproxima do meu. Sinto quando seus lábios tocam os meus — um contato singelo e doce — e eu me desfaço, me derreto como gelo no calor do seu toque, meu coração falha uma batida.

Você se afasta de mim quando o ar te falta, me deixando desejosa por mais. Mantenho meu olhar travado no seu peito, não conseguindo te olhar. Não creio que seja normal o fato de eu ainda me sentir tímida em ocasiões como esta, porém isso só acontece, acredito, porque continuamente eu continuo me apaixonando por você. Todo dia você me proporciona uma nova experiência no que diz respeito a estar num relacionamento e apenas me vejo perdida e sem graça diante de sua devoção.

Por alguns minutos, permaneço parada, ainda sem olhá-lo, apenas apreciando a calma desse momento. Vejo você se levantar e busco seu rosto. Outra vez, você sorri para mim e estende a mão.

— Vamos para casa? Fizemos apenas nove coisas de casais hoje e eu te prometi que faremos dez a cada dia até o livro acabar.

Eu nada digo, aceito sua mão e me levanto do banco que passamos o entardecer. Em silêncio, caminhamos para nossa moradia; num passo a passo vagaroso e despreocupado, enquanto a lua-cheia erguia-se no céu noturno, imponente, banhando o mundo com seu luar, nos banhando.

Logo depois que você retornou de W, você e eu nos mudamos para a casa de meu pai. Sempre que lembro dele meu coração se entristece um pouco. Ele permanece preso na Webtoon e vive sozinho, embora eu sei que, apesar de tudo, ele está feliz por ter me dado a chance de viver o meu amor com você, Kang Chul.

Em nosso andejar lento e tardio, completamente oposto ao modo como nos apaixonamos um pelo outro, chegamos em casa. Você diz que faria o jantar e eu não me oponho. Desde que leu todos os volumes de W, recobrando as memórias perdidas, você insiste em cozinhar para mim, para compensar o dia em que me prometeu que faria o jantar e não conseguiu cozinhar nada além de ramém. A primeira vez que você cozinhou para mim foi no apartamento de Yoon Soo Hee, sem saber da promessa feita, somente porque você é bondoso o suficiente para alimentar uma ladra faminta.

A comida fica pronta e eu me sento à mesa para desfrutá-la com você. Sem que alguma palavra escape por nossas bocas, comemos quietos. Eu termino a refeição primeiro e te espero acabar, só depois me levanto e sigo em direção à pia, com intenção de lavar a louça suja. Prestativo, você surge ao meu lado com um pano na mão para secar a louça recém limpa. Questiono-me como um CEO extremamente rico como você acostumou-se tão rápido com a vida de um homem simples de classe média.

— O que você acha de vermos um filme juntos? - Sua pergunta me tira de meus pensamentos.

— Aqueles de romance meloso que o casal fica junto no final?

Você não me responde verbalmente, um acenar positivo é sua resposta, acompanhado de um sorriso. Eu me apresso para terminar a tarefa doméstica, animada com a atividade em conjunto que faremos em seguida.

Assim que você guarda o último prato no armário, eu te puxo pelo braço e saio apressada da cozinha, indo para sala. Sento você no sofá, me pondo ao seu lado. Usando o controle remoto, passo alguns canais até encontrar um filme de romance, eu deixo escapar um riso infantil por estarmos fazendo aquilo e você parece se divertir com isso.

Após alguns minutos que o longa-metragem está passando na tela da televisão, você se deita sobre o sofá e pede para que eu coloque a minha cabeça no seu ombro, aceito seu pedido sem demora. Permanecemos ali, estáticos, vendo a história se desenrolar, ao passo em que suspiro incontáveis vezes por causa da química única do casal.

Sua mão encontra meu cabelo e se entretém mexendo nele, ora ou outra seus dedos descem pelas minhas costas, sutilmente, e desenham círculos, logo retornando aos meus fios. Você repete as mesmas ações várias vezes e eu de repente me desligo do filme, me tornando consciente apenas da sua presença ao meu lado. Levanto meu olhar, tentando fitá-lo e te encontro me observando. Cada toque, cada olhar, Kang Chul, me faz querer te dar meu coração, embora você saiba que ele já é seu.

Tomo sua mão nas minhas e beijo com sutileza as pontas dos seus dedos, enquanto desejo que esse momento entre nós nunca acabe, congele no tempo, para que possamos perdurar desse jeito por toda a eternidade. Os seus lábios roçam na pele quente do meu pescoço, eu tremo e me desmancho, suscetível a cada mísero gesto seu.

Quando paro para pensar em você e em tudo que você impele, eu não encontro outra coisa para te comparar se não ao luar, o mesmo brilho que nos banhou hoje enquanto voltávamos para casa. Não existe nada nesse mundo que se compare a luz da lua, ao seu charme e ao seu toque de romance. Igualmente, não há nada que se assemelhe você.

Kang Chul, você é um mandão, sempre querendo que as coisas sejam do seu jeito. Os acontecimentos inacreditáveis que sucederam-se em W tem origem na sua gigantesca força de vontade. Você é inarredável quando possui um objetivo, nada pode caminhar para fora do que você preconizou, até mesmo as predefinições que a Webtoon implicava foram quebradas porque, no fim, não eram as suas predefinições.

Por mais que seja da sua essência comandar, quando diz respeito a mim, você é doce como uma bala, me enchendo de mimos e fazendo me sentir única. Amar você me fazer querer dançar como um jovem que acabou de descobrir o amor. Precisamente, por esses motivos que você é tão homem, meu homem.

O luar cintilou em nossa noite e o brilho que provém de você iluminou na minha vida. Fique do jeito que é, porque eu estou me apaixonando por você a cada novo dia que se consome no tempo de vida terrestre e simplesmente não consigo parar, estou fadada a amá-lo.

— Eu nunca soube — digo, tomando sua atenção para mim. — que você poderia ter o luar e

m suas mãos até que eu te abracei. Kang Chul, você é meu luar.

Pego de surpresa pelas minhas palavras, você sorri e eu me apaixono um pouco mais. Sabendo exatamente o que faz, você me abraça bem forte e sussurra ao pé do meu ouvido:

— Oh, Yeon Joo, você é meu luar também.

22 de Junho de 2018 às 22:03 1 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
iVitória Gabriella iVitória Gabriella
Ameiii quero muito mais
8 de Agosto de 2019 às 16:16
~