Mémoire 12.5 Seguir história

linest LiNest

Essa é uma das memórias de Vanitas não narradas no livro de Noé Archiviste. Ou a continuação que ninguém pediu da mémoire 12. (Fanfic escrita para o Desafio Hora da Música Disney)


Fanfiction Anime/Mangá Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#vanoé #Vanitas-no-Carte #Vanitas-no-Shuki #O-amor-dói-e-eu-adoro-retratar-essa-dor #alguém-abraça-o-Noé-pls #Noé-Archiviste-Vanitas #Noé-Archiviste #Vanitas #inkdisney
Conto
1
5106 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Memórias perdidas

*Notas Iniciais*


Um aviso IMPORTANTE: essa fic é ambientada em uma cena no capítulo 12 do mangá Vanitas no Carte e vai ter spoilers, então recomendo ler o mangá antes para não ficar boiando. É um ótimo mangá!


Agradecimentos totais à minha beta, Amanda, que sempre me dá ótimas dicas e torna meus textos muito melhores.


Música usada: So Close de Encatada


Eu escrevi a fic principalmente baseada na versão em inglês, mas "Si près et pourtant si loin" é da versão francesa, então recomendo ouvir as duas para maior imersão.


Espero que gostem (*⌒∇⌒*)


★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★


   É estranho como certas coisas que nos é dito durante nossa vida não parecem importantes até muito tempo depois que as escutamos, não conseguindo compreender sua completa magnitude até termos certas experiências para comparação.

   “Si près et pourtant si loin, meu querido Noé, é a frase que usamos para representar um sonho possível, mas nunca alcançável.” lembrei de meu professor dizer para uma versão muito pequena de mim em uma das nossas pausas nos estudos para o chá da tarde. Na época tudo o que ele dizia soou quase como uma tentativa de conforto, o vazio que a morte de Louis havia deixado ainda muito recente, mas hoje me questiono se não era outra piada para ele.

   Mas acredito que ‘tão perto e ainda tão longe’ é uma boa forma de descrever como me senti aquela noite.

   Eu realmente não o entendo, foi o que pensei naquela época enquanto Vanitas esteve em meus braços, a música calma do piano ao fundo e casais ao nosso redor. Naquele momento tal verdade soou devastadoramente cruel, mas não existia qualquer possibilidade de o alcançar. Talvez nunca realmente houvesse, porém prefiro acreditar no contrário para o bem do meu próprio egoísmo.

  “Você sempre tem as perguntas mais estranhas, Noé.” ele zombou mais uma vez quando voltamos a valsar após meu anterior passo desajeitado, com um sorriso entretido diante da minha sinceridade ingênua. Outrora tal atitude poderia ter me exasperado, mas a memória ainda vivida de sua expressão quando, em resignação, dissera não ter qualquer interesse em alguém que pudesse se apaixonar por ele me conteve. A vontade de contrariar suas irritantes observações havia sido substituída com o desejo de poder o confortar, mas eu era jovem e orgulhoso e, como tal, não poderia deixá-lo ver o efeito que tinha sobre mim.

   “E você sempre tem as respostas mais enigmáticas, Vanitas.” disse, o tom da minha voz em falsa repreensão.

   “Você diz isso como se fosse algo ruim, meu caro.”

 "Com você, diante das experiências passadas, geralmente o é.”

   "Então o que seria melhor? Sinceridade? Você honestamente não deve esperar isso de mim, Noé.” Vanitas diz em tom de brincadeira, mas eu sei que essas palavras são um aviso. Como sempre, eu nunca fui bom em ouvi-lo.

  “Eu ainda gostaria que você pudesse o ser, Vanitas. Ao menos comigo.” confesso sem realmente pensar no que digo, percebendo imediatamente meu erro ao mesmo tempo em que ele parece absorver o que acabo de dizer. O pânico naqueles poucos segundos em que nos encaramos foi avassalador e eu queria poder engolir cada palavra daquela sentença, mas uma coisa que aprendi era que não havia como apagar ou fugir dos seus erros, então continuei firme e não tentei desviar o foco dos seus frios olhos azuis que me estudavam. Mais um erro dentre tantos outros.

   Antecipei a sua raiva fria, o ar entre nós suspenso com o peso de um dia inteiro de estranhas e indesejadas revelações, mas então sua expressão suavizou e Vanitas pareceu muito cansado para alguém tão jovem. Eu realizei com arrependimento que era o único culpado por isso daquela vez.

  “Não seja tolo, Noé. Eu espero mais do que isso de ti.”

   “Noé, você é um completo tolo”, lembrei-me de Dominique dizer mais cedo, um toque carinhoso em minha bochecha e dentes gentis em meu pescoço, uma promessa de me ajudar a esquecer, por algumas horas, Vanitas e todos os problemas que acompanhavam seu nome, mas diferente de Dominique e se carinho, tal palavra soa como um desalento na voz de Vanitas, uma rejeição clara e direta, como esperado de sua parte. Nunca honesto a não ser quando está se distanciando daqueles ao seu redor, sempre eficiente em seu esforço em manter todos longe dele.

  Não sendo necessário dizer mais nada, dançamos em silêncio contemplativo. A dor que havia sentido durante todo aquele dia ainda estava ligeiramente presente em meu peito, embora não fosse como o grito de desespero que senti quando soube que havia permitido Jeanne beber o teu sangue. Era algo mais entorpecido, resignado, então eu quase esquecia da sua existência enquanto sentia o calor da mão dele na minha e o cheiro do seu sangue tão perto. O acompanhamento dos violinistas então começou, a música chegando ao seu ápice.


   A valsa estava perto do seu fim e sem aviso, com um aperto firme em minha cintura, Vanitas me conduziu em um giro completo pelo salão. Eu o encarei surpreso, tentando acompanhar seus passos e pronto para questionar com confusão a abrupta mudança de ritmo, mas então ele sorriu para mim, diversão brilhando em seus olhos e foi como se tudo desaparecesse deixando apenas eu, Vanitas e a música que tocava apenas para nós dois em um mar de branco ilusório. Até hoje me pergunto se foi uma atitude proposital ou se mesmo ele nunca planejou tal desenvolvimento. Vanitas, sempre infantilmente cruel, não é mesmo? Mas naquele momento a única coisa que importava era a sincronização perfeita de nossos corpo.


  Egoisticamente desejei que a música nunca acabasse, que eu pudesse tê-lo pela eternidade.Foi quando o som dos violinos diminuiu, o piano voltando a ditar a melodia que, aos poucos, conduziu nossos passos até pararem. A música chegou ao seu anunciado fim e, com ela, Vanitas se afastou de mim, sua mão que soltou a minha apenas deixando para trás o resquício de calor humano que rapidamente morria. Eu o assisti se inclinar em reverência como todos ao nosso redor, em reflexo o imitei e quando voltei a olhar para o homem na minha frente encontro novamente a máscara do desinteresse que Vanitas sempre foi tão bom em usar.


   “Você mentiu.” digo tentando soar calmo, mas o tremor em minha voz me denuncia. “Você pode dançar perfeitamente bem.”


  “Eu nunca disse que não poderia.” ele disse com casualidade, um sorriso condescendente. O “você deveria saber melhor do que confiar em mim, Noé” permanecendo não dito entre nós.


   Com um último aceno, Vanitas se vira e por um instante, um único instante, eu contemplei o impulso de segurar seu braço - o desejo de mantê-lo perto e o impedir de se afastar tão tentadores quanto o de experimentar o seu sangue, mas hesitei e o momento passou como um piscar de olhos, nada restando além de o observar se afastar de mim.


  Esse foi apenas outro erro entre os milhares mais que estariam por vir.


★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★━━━★

*Notas Finais*


OLHAI A ESTRÉIA DE VANOÉ NESSE SITE LINDO! ADORO DIVULGAR MEU OTP! E vamos ter um minuto de silêncio pro pé na bunda que o Noé levou, EU NÃO SEI PORQUÊ FIZ ISSO COM MEU FILHO! ALGUÉM ABRAÇA MEU BB! Mas sinceramente não tive outra opção, não com So Close como tema D: prometo que no futuro tento fazer um fluffy de vanoé (não que a Jun-sensei colabore pra isso né, mas vou tentar)


Foi uma surpresa eu escrever vanoé para esse desafio, na verdade, porque já faz um tempo desde que pensei neles, mas então escutei So Close e imediatamente lembrei do baile no final do cap 12 e tudo se encaixou! É uma música que resume perfeitamente a relação desses dois idiotas e eu tentei transmitir isso nessa fic, não sei se fui feliz, acho que exagerei no uso de metaforas (sorry) mas hey ao menos consegui fazer o Vanitas ser um babaca, isso já é um avanço. Eu amo meu filho atrofiado emocionalmente, mas eu só quis dar um soco nele enquanto escrevia. Não sou uma fã de POVs em 1° pessoa tmb, mas como quis fazer essa fic uma continuação da cena no baile então não tive escolha, até me surpreendeu como foi facil escrever com o POV do Noé. Uma curiosidade: a fic originalmente foi escrita como uma carta de Noé para Vanitas, mas o uso exagerado de "você" me incomodou e ai eu reescrevi como Noé relatando o que aconteceu no baile. O quê acharam? Pra mim ficou melhor desse jeito.


Enfim, essa foi uma tentativa de escrever um extra de VnC para confortar meu coração de shipper, mas no fim o tiro saiu pela culatra e agora tudo dói, mas ninguém começa a ler algo da Jun Mochizuki se já não quer sofrer, fato! Só espero que tenham gostado da fic tanto quanto eu gostei de escrever ela.


Comentários e criticas construtivas são sempre bem vindos~


See ya~

9 de Junho de 2018 às 17:31 4 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

LiNest Meu nome é Aline, também conhecida como Linest e eu estou realmente feliz por poder compartilhar meu trabalho com tanta gente agora!!! Você só precisa saber 3 fatos sobre mim: Amo Angst. Sou Nerd. Sou Army.

Comentar algo

Publique!
Vany-chan 734 Vany-chan 734
Finalmente uma fic com final mais triste! HAHAAHAH Mano, eu realmente to numa vibe de angst e eu tava esperando muito pra alguem ser rejeitado, minnhanossasenhora. Bom, "So Close", nem precisei ouvir a música pra captar o feeling da fanfic, e devo dizer que foi otimo! Ressalto dois momentos que isso ficou evidente: enquanto dançavam e ele sentia as mãos ali, querendo o outro perto e sentindo o cheiro de sangue E quando ele quase puxa o braço do Vanitas. So close... so close.
1 de Julho de 2018 às 17:57

  • LiNest LiNest
    Bom, não era como se desse para dar um final feliz com essa música ou com esse ship, então só foi puro angst do começo ao fim kkkkkkkk sim, eu tentei ao máximo mesclar a música na fic e passar essa vibe de "inalcançavel" e de "tarde demais" da letra, fico feliz que isso seja transmitido mesmo sem o acompanhamento da música embora ajude escutar ela, e confesso que vc citou duas das minhas partes favoritas enquanto escrevia a fic kkkkkk e sim, so close... ai ai. Muito obrigada por comentar, see ya~♡ 5 de Julho de 2018 às 02:47
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá! Nossa, que história intensa! Achei tão triste a rejeição do Noé, coitadinho, ele merecia mais. Não conheço o mangá, então não tem como saber do contexto ou da canonicidade dos personagens, mas deu pra entender pelo texto e pelas notas também que a relação entre eles é meio complicada. Só uma coisa, você usa muito os advérbios de modo, os terminados em -mente. Percebi principalmente no parágrafo “Egoisticamente desejei...” até mais ou menos uns dois parágrafos depois dele; isso pode deixar a leitura "com rimas" e acaba ficando incômodo,diminuindo a fluidez; dá pra fazer algumas substituições aqui e ali e isso vai melhorar a fluidez do texto ;) Fora isso você usou bem a música, relacionando ela com os sentimentos do Noé e a rejeição do Vanitas. A parte da dança ficou muito incrível, porque sua escrita tem um ritmo tão gostoso que era como se estivéssemos bailando com eles. Você conseguiu passar as emoções muito bem e toda a tensão. Era como se os leitores começassem a segurar a respiração no primeiro parágrafo para só soltá-la no final da história. Parabéns mesmo e obrigada por participar do Inkdisney <3
23 de Junho de 2018 às 11:08

  • LiNest LiNest
    Sim, me dói machucar o Noé, mas bem não é como se o final deles fosse ser feliz no final, então infelizmente é como as coisas são e recomendo muito ler VnC, o mangá é ótimo. Muito obrigada pelo conselho, eu mal noto esse detalhe já que meu estilo é meio "poético" mesmo, mas eu sempre exagero quando a fic se passa em um tempo passado, então obrigada por apontar esse detalhe, assim que tiver um tempinho darei uma revisada e ficarei mais atenta pra tomar cuidado com esse vicio em futuras fics. E fico tão feliz de ter conseguido passar o sentimento da música, eu tentei recriar a cena de Encatada nessa fic tmb então dei meu melhor na cena da dança, então to muito feliz de saber que ela fez o seu trabalho. Obrigada por fazer um desafio tão incrivel e por comentar, see ya~♡ 29 de Junho de 2018 às 13:38
~