Mas cê' tá bravo? Seguir história

mochyeoll Lucas Matheus

Tudo que Chanyeol queria saber, era o porque de Baekhyun estar o ignorando.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#chanbaek #exo #baekyeol #baekhyun #chanyeol
Conto
12
5506 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Mas porquê?

O dia tinha amanhecido muito calmo no dormitório e eu ainda não tinha me levantado por questões de preguiça mesmo, mas além disso uma coisa estava encucando minha cabeça; Baekhyun estava me ignorando na maior cara de pau desde que o EXO Planet #4 – The EℓyXiOn Tour havia terminado e isso sem motivo nenhum, aparentemente. Mas o bom disso, — se é que eu posso denominar assim — é que o manager nos deu esse final de semana e a próxima semana de folga, por nossos excelentes serviços prestados a empresa.

Até chorei quando recebi a notícia do Hyung.

Claro que nenhum dos meninos quiseram ficar enfurnados em casa, já basta ter que viver enfurnado em um estúdio em época de comeback, imagina ficar enfurnado quando se tem uma brechinha, — no caso uma brechona — na agenda pessoal e grupal que temos? Óbvio que cada um foi para um destino diferente, ou era para ser assim, já que a maioria saiu em casal, tirando os trouxas, a.k.a eu e o Baekhyun.

Motivo?

A imparcialidade de Byun Baekhyun em não ter uma conversa civilizada comigo. Sério cara! Logo comigo, que só falto me desdobrar em mil por ele. Mas tudo bem, eu ainda descobriria o porque desse iceberg todo comigo... Mas voltando ao assunto, o sábado só tinha amanhecido naquela calmaria toda por dois motivos e um deles era para ser o meu preferido, mas já que o Baek não colabora, fazer o que?

Motivo um: Jongdae, Jongin, Junmyeon, Kyungsoo, Minseok, Sehun e Yixing, haviam saído na sexta-feira a noite, restando apenas, eu e a Elsa no dormitório. Nem preciso dizer o quão entediante minha sexta-feira foi, ainda mais por ter sido trocado pela companhia do Voldemort-dentes-de-porcelana, a.k.a a ex-namoradinha falsa do Baek.

Taeyeon nunca me desceu, imagina quando eu soube que “eles estavam namorando”, porque todo mundo sabe que isso foi mais falso do que uma moeda de trinta centavos, nem preciso dizer o que comecei a pensar dela.

Motivo dois: Eu estou no meu quarto-estúdio, deitado de pernas para o ar enquanto penso numa maneira de descobri o porque do gelo que estou levando e o Baek tá lá na sala, morgando no sofá, enquanto assiste a um filme qualquer na TV. Isso não é motivo para o silêncio, mas já conta como ajuda, já que não estamos nos falando.

Quem me dera ter saído para algum lugar, ver pessoas, interagir com a natureza mesmo que sozinho ou até mesmo ir na mercearia ali da esquina, ver os preços absurdos e não olhar para uma parede horrorosa – me lembre de mandar decorar meu quarto – e sem graça como o meu humor agora, sorte dos Hyung que viajaram e aproveitaram a folga antes de voltarem para gravarmos o full álbum. Até bate uma bad de ter que me enfurnar em um estúdio novamente, o bom é que eu não tenho muitas linhas... Agora imagina aí: Se eu já não tenho muitas linhas, imagina o Sehun? Coitado, eu queria poder doar algumas linhas do meu rap, mas, se eu doar, eu vou viram um Oh Sehun da vida... Nada contra a quem não canta nas músicas, mas… forças Sehun, um dia seu debut solo sai para você esfregar na cara do haters seu talento.

E falando no bendito, Sehun aproveitou os dias de folgas para ir visitar um certo Chinês de pele pálida e rosto angelical, coisa que não me surpreende muito, porque o Sehun é uma cadela imprevisível e quando eu digo imprevisível, é porque é imprevisível mesmo. Mas não tiro sua credibilidade, desde que Luhan abandonou o barco chamado EXO, os dois mal têm tempo de se encontrarem e se não me engano, faz mais de meses que eles não se viam ao vivo e a cores, tamanha era a agenda dos dois. Sempre que o mais novo tinha um tempinho em sua agenda pessoal, o ruivo estava atarefado e visse é versa.

Mas como Deus é justo, – Oh se é – aquele final de semana tinha caído como uma luva na agenda dos dois, assim poderiam comemorar o aniversario do Vivi – sim, porque onde o Sehun vai o Vivi tem que estar junto. Nunca vi um cachorro ser tratado melhor do que um ser humano – e matar a saudade de vários meses de pensamentos impuros de um sobre o corpo do outro. Sei disso porque o Sehun vive me contando dos sonhos molhados com o Luhan, então não poderia ficar mais horrorizado com a descrição, imagina meu terapeuta.

Sorry dr. Kyungsoo, mas alguém tem que me escutar, esse é seu trabalho, não reclame.

Já a "mamis" e o "papis" 2 – porque o Yifan é um vagabundo desertor da família tradicional coreana™ – acharam melhor comemorar o aniversario de namoro na ilha de Jeju, – nem eu sabia que era aniversario de namoro dos dois – bem longe de toda a mídia sensacionalista e de toda a modernidade e tecnologia que rondava as ruas de Seul, papo de gente velha como o Jun, o Min e o Lu. Segundo Yixing, ele queria comemorar em um lugar bem calmo e paradisíaco, é nada melhor do que a ilha de Jeju, sendo que ela não estava no item de número um em sua lista, pois os dois queriam visitar as ruínas da antiga Roma, mas como a folga era curta, não daria para aproveitar muito do local. Quem sabe em um futuro próximo?

Soo aproveito para ir visitar os pais em Taebaek, na província de Gangwon, – sim, porque eu sou um intelectual geográfico – onde estava tendo o aniversario de setenta e nove anos da sua vózinha materna e Jongie havia ido consigo, mas não poderia ficar por muito tempo, já que no domingo ele precisaria viajar para a China, pois havia sido convidado a participar de um CF individual para uma marca de cosméticos para pele. Quando se é um rostinho lindo, meia frase basta. Claro que Kyungsoo fez manha para o moreno não ir, – já podemos imaginar o Kyungsoo tentando ser fofo e parecendo querer matar alguém – mas nada Jongie poderia fazer, uma vez que a viagem beneficiaria os dois.

Ter uma renda extra para o cofrinho dos dois pombinhos, que almejam viajar para Paris e se casarem lá, por ser um local legalizado a ter casamento de pessoas do mesmo sexo, era uma ótima ideia. Queria ser um casalzinho assim com o Baek, mas nas condições que estamos, a única coisas que seriamos seriam viúvos um do outro... Pesado, mas verdadeiro.

Minseok aproveitou o tempo que tinha para ir visitar pela primeira vez as terras que o fansite dele haviam o presenteado, assim o denominando lorde do local e claro que Jongdae não poderia perde a oportunidade de tirar fotos na propriedade – isso se chama interesse – que seria sua também no dia que se casassem e juntassem os trapos. Quem sabe criar os filhos lá? Nada era impossível paras os Kim's, uma vez que eles haviam feito uma promessa de ficarem juntos e blá, blá, blá...

Ainda me pergunto porque as piromaníacas não compraram terras no meu nome, porque até o Baek tem um pedaço de terra para chamar de seu e eu aqui, chupando dedo, jogado na minha cama, a única que me conforta por ser obrigação, porque se dependesse dela ela iria me deixar na mão como o Baek fez... entendam como quiser, pervertidas.

Voltando a história central, que é o meu problema com o gelo do Baek e o porquê disso esta acontecendo. Como já havia falado anteriormente, eu estava jogado no meu quarto e o Baek lá na sala, fazendo lá se sabe oque. Tudo bem, depois de procrastinar no meu ninho que chamo de cama, resolvi que ficar pensando no porque do puto do Baekhyun está me ignorando, não iria me ajudar em nada, então achei melhor extravasa minha inquietude no teclado, melhor dizendo em uma composição. Vai que eu crio um hit, sobre uma pessoa filha da puta dando gelo em outra que apenas queria carinho e amor? Imagina o prêmio de melhor música do ano no MMA? No MMA sim, porque o MAMA é uma roubalheira total… Ainda não acredito que roubaram o nosso Daesang de melhor artista do ano…

Eu 'tô tão neurótico, que eu to misturando as coisas, tamanha é a falta de carinho. Sabe quanto tempo eu não toco no corpo do Baekhyun? Já vai fazer sessenta dias. Dois meses. DOIS MESES QUE EU FICO SÓ NA VONTADE! Isso não é vida para alguém como eu, ainda me pergunto como ele aguenta dois meses de abstinência total… ou ele anda se encontrando com o Voldemort-dentadura-de-porcelana? Porque é a única explicação plausível, mesmo que ela não consiga o satisfazer como eu faço.

Isso pode ser considerado traição, né? Bom, não importa... Importa sim, mas agora não.

Antes de incorporar Mozart ou Beethoven, saí de mansinho do meu quarto, me espreitando pelas paredes sem fazer muito barulho, — coisa que não deu certo porque eu sou um estabanado de merda e acabei derrubando o vazo preferido do Min no chão, mas isso não importa muito pois meu objetivo estava a centímetros de mim, lindo como sempre.

Os cabelos bagunçados em um tom de rosa bem claro, a pele leitosa contrastando com o blusão negro que vestia, deixando-o maravilhoso como sempre, ainda mais o tendo usando essa peça e nada mais do que ela. Baekhyun é um grande ser fofo-filho-da-puta que me tem na palma da mão – eu sou um trouxa consciente – quando quer.

Chutei meu conducente por ser um trouxa com os quatro pneus arriados por ele, mas isso estava para mudar, se Deus me conceder essa graça, eu não iria ser mais trouxa por ele nunca mais, pois quem comeria na minha mão seria ele.

Voltei “silenciosamente”, mas antes, bati meu dedinho na quina da mesa, sentindo aquela dor fina no meu corpo, fui pulando de um pé só até meu quarto, piorando tudo quando eu escorreguei naquele tapete idiota e fui com a fuça no chão.

— Ai caralho! — Berrei quando minha testa bateu com tudo no piso gelado. Cara, minha testa tinha batido no chão com tamanha força, que derivou do atrito um barulho horrível de osso quebrando, não que eu já tenha ouvido um osso quebrando, mas podemos tirar algo parecido do som. — MOCHI! EU ACHO QUE TIVE UM TRAUMATISMO CRANIANO! — Gritei pelo Baekie, todo choroso, porque por mais que eu tivesse fazendo cena a queda tinha doido para um caralho.

Enquanto ele não vinha, eu me estiquei de bruços no chão, só faltava a poça de lágrimas ao meu redor para estar completo meu drama. Esperei, um, dois, três, quatro, cinco, SEIS HORAS! Mentira, seis minutos e nada dele aparecer. Será que ele estava procurando os curativos para me ajudar? Baekie é um ser muito fofo, sempre se preocupndo comigo e com meu bem estar...

Ten minutes Later…

Eu te odeio Baekhyun, seu puto desgraçado, filho do capiroto com uma bruxa do mal, sobrinho de um anão de jardim e uma formiga nanica e neto de um cotoco de lápis com um chaveiro! Eu só tinha pedido uma ajuda com meu ferimento e olha como acabou: Um idiota de quase dois metros, deitado em um chão, humilhado pelo namorado sádico, esperando a morte bater na porta. A cena mais trágica para se apreciar não acham?

— Você não vai vir? Então, eu vou te infernizar seu tampinha! — Me levantei do chão com um sorriso assustador, mesmo que eu não estivesse vendo eu sabia que estava assustador.

Com meu planinho de infernizar o Baek em mente, me dirigi até a sala, fazendo questão de fazer muinto barulho e ele olhar para trás com aquela típica cara de deboche, enquanto eu piscava meus olhos para estimular as lágrimas, que por sinal estavam me fazendo de trouxa, porque a única coisa que eu consegui foi ficar com os olhos vermelhos e doendo.

— Baekie. — O chamei com minha voz mais baixa, esperando que assim ele amolecesse essa rocha que ele chama de coração, mas pela trigésima vez no dia eu me fudi e como não obtive nenhuma palavra dele, me aproximei cauteloso, porque ninguém sabe se ele vai virar um ninja, dar um giro de sessenta graus e me dar um chute que me faça ir parar lá na China.

Vai por mim, isso não é drama meu, da última vez que o Baek me bateu eu quebrei o braço, mas o que o trouxa fez em vez de ficar com raiva dele? Isso mesmo, fui com ele para o Havaí.

— O que você quer? — Nenhum pouco grosso esse menino. Pelo menos tivemos um progresso, ele me chamou de menino e não de termos relacionados as minhas orelhas, minha altura e minhas pernas tortas.

— Bom dia para você também! — Sorri irônico e ele revirou os olhos. — Baekie, você poderia cuidar do meu ferimento? — Já que ele não falou nada e simplesmente voltou a olhar para a TV, perguntei o que eu queria e recebi o inevitável: O silêncio.

Sério, eu to muito confuso com tudo isso. Pelo que eu me lembre, eu nuca fiz nada que tenha magoado o Baekie ou o deixado fula da vida, ao contrário, eu sempre procurei ao máximo o satisfazer e ate amarrei o cadarço dele no show, oque fez as EXO-L enlouquecerem e fazer aqueles fan made no YouTube, reunido todas as nossas interações, fora a surpresa que eu fiz para ele depois que um dos nossos shows em Taipe havia terminado.

— Você tem mão, não tem? — Nem sei porque eu concordei. — Então, faça você mesmo. — Certo, eu poderia ter ido dormi sem essa, mas estamos falando de mim, então é meio previsível isso acontecer.

— Eu hein! Eu só queria que você cuidasse de mim, grosso! Nem sei porque eu continuo tentando te bajular, te agradar, se eu recebo várias patadas como agradecimento! Quer saber Baek, eu cansei disso! Quando você resolver querer falar comigo vai ser tarde, porque até lá, eu que não vou querer te falar. — Claro que eu tava fazendo drama, porque eu sou assim desde pequeno, não podia quebrar uma unha que para mim já era a morte avisando que estava chegando, de jegue, mas tava. — Vou espairecer. Preciso de ar puro e enquanto a você. — Apontei, fazendo minha melhor cara de bravo, mas não sortiu o efeito que eu queria, uma vez que ele me olhava com um sorrisinho de lado. — Pode ficar ai morgando com esse seu rancor e não venha atrás de mim... Baek eu já disse que vou… Não adianta me impedir...

— Tá bom Chanyeol, senta lá! Aproveita esse draminha todo e vai chorar as pitangas com o Kyungsoo. Aproveita e manda uma cartinha pra ele, otário! — Ok…… Wow! Essa me pegou desprevenido. Porque eu mandaria uma cartinha para ele se ele tem namorado e eu também? — Ainda não foi? Quer que eu te ensine a girar a maçaneta ou a destravar a trava? — Ele se levantou tão rápido do sofá que eu fiquei levemente assustado. Coisa pequena. — Ou você quer que eu te ensine a escrever uma carta? Babaca! — Novamente ele voltou a falar sobre isso, que para mim erra incabível.

Mas pior do que essas loucuras que ele tava falando, foi que do nada ele começou a soluçar, tipo, a soluçar mesmo, com direito a fungada de catarro e ombros tremendos. Tipo, ué, ele tava agorinha mesmo gritando comigo e do nada ele começa a chorar.

— Você é um idiota sabia? Eu não sei se você se faz de idiota ou se e um idiota, porque não é possível você ter feito isso comigo! — Baekhyun ergueu o rosto, me dando a visão de seus olhos vermelhinhos e me dando a certeza que realmente eu tinha feito merda. Mas o problema é que eu não sabia o motivo.

Juro de pé junto.

— Baekhyun se acalma. — Pedi ao tentar tocar sua bochecha, mas recebi uma mãozada tão forte que senti me ante-braço se quebrar no meio. E vocês aí achando que o Baekhyun e um ser frágil e dócil.

— Se acalma é o caralho. Você faz merda e eu que tenho que se acalmar? — Um friozinho cortou minha espinha. Sério, Baekhyun me fitava com um misto de repulsa e ódio que eu não soube como agir, o certo era ter abraçado ele e tals, mas cadê a coragem de se aproximar, temendo levar um murro ou um chute nos países baixos, mesmo tendo total convicção de que ele não seria tão baixo assim. — Serio Chanyeol! Você é o pior namorado que eu já tive. — Completou com a voz magoada, o que fez meu coração dar uma leve paradinha e se partiu em pedaços infinitos.

Serio, agora ele falando isso eu tava me sentido, literalmente, o pior namorado do mundo. Baekhyun nunca foi de guardar magoa de ninguém e muito menos falar palavras que ele sabia que magoariam. Sempre foi um cara legal, companheiro, sempre sorrindo para tudo e todos, mas naquele momento eu tinha despertado.

É, eu fiz merda.

— Baekhyun espera. — Pedi com a voz um pouco falha, quando vi o copo menor se afastar do meu e sentar novamente no sofá, agora com a TV fechada e um ar mórbido entre nos. Me sentei ao seu lado no sofá, fitando os meus pés e de algum jeito tentando me lembra do que eu havia esquecido. — Eu juro para você que eu realmente não me lembro de algo que eu tenha feito para te magoar desse jeito. Eu não me esqueci do nosso aniversario de cinco anos de namoro, porque eu fiz uma surpresa para você depois do show, não esqueci do dia em que nos conhecemos na primeira audição que fizemos e nem do seu aniversario, porque ele é no comecinho de maio e... 'Pera? Ainda estamos em abril, certo?

Crow sound…

— Ai meu Jeje amado! Me desculpa Baekie? Eu realmente me esqueci que seu aniversario foi no começo do mês! — Caralho, como eu pude me esquecer do aniversario dele? Já estamos no final do mês, sendo assim, duas semanas que ocorreu o aniversario dele. Agora eu me pergunto, como eu pude me esquecer? Ou melhor, como eu não vi a comemoração? — Baekie me perdoa por favor! Eu confundi as datas pensando que ainda estávamos em abril sendo que estamos em maio. — Expliquei, porque realmente eu tinha confundido os meses. Isso é que da ser um grupo muito ocupado, nem temos tempo para se situar no mundo real.

— Não acredito em você, porque você se lembrou do aniversario do Kyungsoo e ate escreveu uma carta pra ele, seu falso! — Baekhyun abraçou os joelhos e eu só pude pensar no quão fofo ele estava.

Sim, eu sou estranho em achar alguém fofo quando claramente ela está magoada por um erro meu. Mas para provar que eu estava falando a verdade e realmente tinha me esquecido, me levantei em um pulo e fui atrás do presente que eu daria em seu aniversario, porque comprei antecipadamente, mas como eu disse, eu apenas me confundi as datas.

— Espera só um minutinho. — Pedi, erguendo seu rosto e brevemente selando os seus lábios, vendo os dois riscos que eram seus olhos se transformarem em duas bolas de gudes brilhosas de cor âmbar.

Corri até meu quarto, escorreguei no tapete de novo, fiz uma abertura quase que zerada que ocasionou uma puta dor no meu brioco que só jesus vendo, quase esmago os meus dedos do pé ao derrubar o teclado no chão, quase fiquei cego com o dedo no olho, mas o importante eu tinha conseguido achar; O anel de compromisso que eu havia mandado fazer sobre encomenda para nos dois usarmos depois do “aniversario” dele.

Corri novamente até a sala e por um milagre de Deus, nada deu errado, me ajoelhei na frente do meu pequeno, esperando ele notar que eu estava de frente para ele, como não aconteceu como previ, pigarreei chamando sua atenção e não pude parar de sorrir ao ver seus olhos revessando da caixinha aberta na minha mão e meu rosto, fazendo um sorriso aparecer em seus lábios delineados.

— Então Baekhyun….. — Cocei minha nuca em vergonha. Quando eu ia me imaginar o pedido em casamento? — ……. Aceita se casar comigo? — Perguntei meio inseguro, procurando os olhos âmbar do rosado e vendo que ele estava mais lindo do que nunca.

— Chanyeol isso é sério? — Perguntou receoso e eu apenas me limitei a concorda. — Claro que eu aceito! — Baekhyun pulo em cima de mim, assim fazendo a caixinha cair da minha mão e nossos corpos rolarem pelo carpe da sala.

Eu estava tão feliz quanto ele. Eu sabia que a muito tempo ele vinha pensando em se casar comigo, mas a ideia só veio quando o Kyungsoo jogou as conversas que teve com ele no ventilador e me aconselhou a comprar as alianças se essa fosse a minha vontade também.

Pedi a ajuda de Zitao com o modelo da aliança, porque se tinha uma pessoa de bom gosto e que sabia do que o Baekie gostaria, essa pessoa era ele. Acabamos por escolher uma de cor prata, com um risco no meio cravejado de esmeraldas e no verso o nome de cada um, sendo o meu no dele é o dele no meu.

— Então você me perdoa por esse pequeno deslize? — Indaguei e como resposta, vários beijinhos foram dados por toda a extensão do meu rosto, como um claro sinal de que eu estava perdoado. — Você não sabe o quanto de saudades eu senti do seu beijo e principalmente de nós, assim, juntinhos. — Segredei ao pé do seu ouvido, o vendo se contrair por conta do arrepio.

— Então somos dois, benzinho. Porque eu também estava com saudades do seu corpo. Não poder te tocar estando a sentimentos de você foi um inferno na terra. — Baekhyun deu início a um aglomerado de beijos no meu pescoço, subindo pelo maxilar e parando nos meus lábios, os sugando com volúpia e selvageria.

Os lábios de Baekhyun, rapidamente se estabilizaram aos meus, dando início a um ósculo preciso e intenso. A quanto tempo eu não sentia a textura de seus lábios, o gosto de morango e principalmente a sensação de estar o beijando? Não era muinto tempo, mas para mim foi como a eternidade. A língua de Baekhyun travava uma briga com a minha, o domínio era a única coisa por quem lutavam tão sofregamente. Seu corpo se encontrava em cima do meu, uma perna de cada lado, enquanto ondulava atrás de mais contato.

Tudo estava indo tão rápido, que o membro de Baekhyun já se encontrava tocando meu tronco coberto, um claro sinal de que assim como eu, ele estava com saudades. O membro teso e gotejante, subia e descia pelo meu abdômen, me dando a sensação gostosa da fricção que eu tanto gosto.

Os beijos estavam se tornando mais longos, fazendo a respiração ser quase nula e a precisão de ar se fazer presente. Suas mãos ágeis desceram até a barra da minha blusa a subindo vagarosamente, dando a visão de meus mamilos enrijecidos e seus lábios salivares por Telos vistos. Baekhyun fez menção de sugar um dos meus, mas fui mais ágil e agarrei seu membro, o libertando do tecido negro. Ver o quão lindo o pau de Baekhyun era, fazia o meu próprio pulsar dentro da bermuda, as veias pulsando em minhas mãos, a cabecinha brilhar tamanha era a quantidade de pré goso, era de se fazer um ficar a beira da sanidade.

Grunhium em excitação, dando início a felação em seu membro teso, o vendo contrair por cima de mim, morde os lábios com brutalidade enquanto gemia lindamente meu nome.

— Y-Yeol...... Contínua....... Ah! — Baekhyun começou a dar reboladas mais forte, assim me auxiliando nos movimentos. — Chan-Chany, eu....... Eu........ — E em um espasmo eloquente, Baekhyun se desmanchou em minhas mãos, sujando meu abdômen parcialmente enquanto tombava para a frente, se agarrando ao meu corpo e um sinal de esgotamento. Mas quem disse que eu ainda estava satisfeito?

— Mo? — Chamei sua atenção. — Que tal irmos para o nosso quarto e termina o que começamos? Prometo ser carinhoso. — Dedilhei sua cintura, atrás do ponto que o fazia gargalhar.

— Agora não Chanyeol, eu acabei de gozar e você quer mais? — Desacreditado, Baekhyun ergueu a cabeça, revirando os olhos em seguida.

— Você tem que entender que....

Como a vida me odeia, antes de começarmos a nos beijar novamente, a porta da frente foi aberta, revelando um Jongie espantado com os olhos pulando das caixas e um Kyungsoo debochado achando aquilo a coisa mais normal do mundo.

Normal, ele vive se embrenhado com o Jongie no chão, então não tinha para que ele ficar espantado.

— Vocês sabem que o Junmyeon proibiu fazer sexo em cima do carpete, não sabem? E também sabem que se ele ver algum resíduo de esperma ele vai fazer vocês limparem com a língua, porque eu vou ter o prazer de entregar vocês dois. — Concordamos nos afastando, nos endireitando sobre o carpete e olhando para os dois a nossa frente.

— Nem vem...... Não era para vocês dois estarem no aniversario da sua avó, Kyungsoo? — Indaguei, tentado desfocar o assunto de sermos pegos no flagra pelos dois enxeridos.

— Era, mas a velha teve um piripaque na noite passada, e o melhor disso tudo foi o motivo....... Aí Kyungsoo! — Jongie acariciou a barriga.

— Eu já disse para você não chamar minha vó de velha! — Avisou ao lançar um olhar mortal e o moreno engolir em seco. —Vocês não tem ideia do quanto eu ri quando a mamãe me falou o motivo para a vovó não participar. — Kyungsoo deu uma pausa dramática, tentando segurar o riso que insistia em sair e Jongie apenas se jogou no sofá.

— Fala logo Kyung! — Baekhyun berrou sem paciência e Kyungsoo fechou a cara. — Desculpa lindo. — Sorriu amarelo, se escondendo atrás de mim.

— Perdi a vontade. Amor continua para mim. — Kyungsoo dócil como sempre, pediu para o moreno continuar.

— Ela passou mau depois de ter feito sexo com o avô do Soo, marido dela, ai já viu né. O aniversario foi cancelado e nos tivemos que voltar mais cedo. — Terminou e a sala explodiu em gargalhadas. Isso sim que é um motivo forte.

— Mas e vocês, porque estavam se atracando? Até ontem vocês estavam sem se falar e agora tão aí no bem bom. Como isso aconteceu? — Kyungsoo deitou a cabeça no ombro de Jongin, enquanto colocava os pés na mesinha de centro.

— Sobre isso. — Iníciou. — Não sei se você devem saber primeiro do que os outros....... Estava planejando contar quando todos estiverem aqui, é quando digo todos o Yifan também tá incluso........ — Baekhyun fez um suspense tão grande, que Jongie faltou pular do sofá e balançar o rosado no ar para ele liberar a bomba. Que fique bem claro que a bomba é do bem. — Eu e o Chanyeol agora somos oficialmente noivos! — Baekhyun berrou e os dois, atrapalha foda, arregalaram os olhos e abriram a boca em um o perfeito.

— O QUE?!! — Jongie berrou desacreditado. — Cara como isso foi acontecer?

— Não tem uma explicação lógica. Apenas senti e pedi. — Expliquei, sorrindo que nem um bobo alegre.

— Cara você é louco! — Jongie exasperou me dando um muro no ombro. — E aí, já pensou não quão chato o Baekie vai ser, monitorando seus passos e ficando com ciúmes da sua sombra?

— Aí meu caralho! Eu não tinha pensado nisso, mas nada que me faça despedi o pedido, porque acima de tudo, eu amo ele com todos os defeitos que possui. Porque, amar é aceitar o companheiro da forma que ele é naturalmente.

— Também te amo, orelhudo!

6 de Junho de 2018 às 22:45 1 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Lucas Matheus Lucas Matheus
6 de Junho de 2018 às 18:50
~