Why did you let me die? Seguir história

kamysouza Kamy Souza

Quando a espada alma queimou o mal de seu irmão, não restou muito mais para trás, mas apenas aquele fragmento, parado a sua frente, como um garotinho magoado, a perseguia desde aquele dia. ♛ História também postada no Nyah! Fanfiction e Wattpad com o mesmo nome de usuário


Fanfiction Todo o público.

#incesto #one-shot #clastian #jace-herondale #jace #jonathan #jonathan-morgenstern #clary #clary-fray #fanfic #os-instrumentos-mortais #the-mortal-instruments
Conto
1
4.9mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

- Clary… - o nome deixou seus lábios em um suspiro. - Por que você me deixou morrer?


Os braços caídos ao lado do corpo tinham os pulsos abertos, o sangue jorrando de suas veias tingindo a pele pálida de vermelho escarlate. Os olhos verdes esmeraldas a encaravam transbordando, lágrimas escorrendo pelas bochechas finas, os lábios ainda entreabertos sussurravam seu nome cada vez mais distante.


Um calafrio percorreu seu corpo enquanto encarava Jonathan naquele espaço negro, nunca imaginou que ele poderia ser uma chama de luz em meio a escuridão, mas ali, ele era, os cabelos prateados formando um halo em volta de seu rosto desconsolado. Clary sentia a perda com todo o seu ser, e não poder alcançá-lo agora, presa ao seu próprio corpo, aumentava sua própria angústia.


Quando a espada alma queimou o mal de seu irmão, não restou muito mais para trás, mas apenas aquele fragmento, parado a sua frente, como um garotinho magoado, a perseguia desde aquele dia.


- Eu queria ter encontrado outro jeito. - se pegou deixando as palavras escaparem, seus olhos marejando sem se desviarem. - Eu sinto muito!


Ela revivia a perda como se fosse pela primeira vez. Aquilo nunca mudava. O sentimento que esmagava seu peito, nunca a deixava. E despertou aos prantos, a face e o travesseiro que ampara a cabeça ruiva, úmidos, a respiração ofegante, e tremores ainda perpassando sua coluna.


Olhou em volta encontrando seu lado vazio. Sua agitação noturna sem dúvidas havia acordado Jace, como vinha acontecendo vezes a fio, não importando as tentativas de impedir que o irmão invadisse seus sonhos.


A medida que o estupor foi passando, ela foi capaz de notar a melodia distante e melancólica de um piano, jogou as pernas para fora da cama e se levantou, abraçando o corpo para se proteger do tempo frio enquanto caminhava em direção ao som.


Jace estava debruçado, concentrado, sobre o piano, o cabelo dourado tampando parte de sua face, os dedos correndo pelo teclado habilidosamente, o tronco exposto com dezenas de runas delineadas em seu peito, costas e braços.


Clary permaneceu por alguns instantes o encarando pela fresta da sala, apenas o observando em um momento de paz. Eles não vinham tendo muitos ultimamente, não quando ele, assim como ela, havia acabado tão danificados naquela última batalha. De modos diferentes, mas talvez, até mesmo análogos, por motivos tão semelhantes.


Ele a percebeu antes que ela pudesse deixar seu esconderijo, seu suspiro chegando até os ouvidos nephilim treinados. Seu rosto se ergueu em sua direção, mostrando a face bonita e angular. Sua boca estreita não esboçou sorriso, ou fez menção de se mover para trocar algumas palavras, ele apenas a encarou como a mesma o fazia antes de caminhar em sua direção.


- Eu acordei você? - Clary perguntou em tom baixo enquanto se aproximava.


Ele deu de ombros, desviando os olhos para o piano a frente e as próprias mãos antes de voltar a encará-la.


- O mesmo pesadelo? - questionou. A sala contava com apenas uma iluminação fraca, e pelas janelas do Instituto, a luz vinda da lua não clareavam o ambiente, deixando seus olhos dourados ainda mais escuros do que já haviam se tornado.


Ela também se sentou no banco, a centímetros de distancia de seu corpo, meneando a cabeça em confirmação, o cabelo cor-de-fogo caindo por sobre os ombros e emoldurando o rosto delicado, as mãos unidas sobre as pernas.


- Será que um dia tudo vai voltar ao normal?


- Quando é que a gente foi normal, Clary? - seu característico tom sarcástico reapareceu por um momento, um sorriso felino trazendo luz para seu rosto.


Clary se aproximou um pouco mais, até seus quadris se encostarem, sentindo o calor emanar de sua pele, e se esticou para deitar a cabeça em seu ombro, enquanto Jace retomava a melodia triste e a voz de seu sonho voltava a ecoar em sua cabeça: Por que você me deixou morrer? Não que ela precisasse ser relembrada disso, Clary jamais se perdoaria por tê-lo deixado partir. Por tê-lo perdido antes mesmo de ganhá-lo.

25 de Maio de 2018 às 19:10 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~