Under You Seguir história

raylanny Raylanny Alves

Ao exigir saber o porquê do primo não querer tocá-lo de forma mais íntima, Itachi, acaba descobrindo que os desejos sexuais de Shisui não podem ser saciados de qualquer forma e se dispõe a descobrir as varias formas de se obter prazer através do BDSM.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas. © 2018 Os personagens não me pertencem, mas o enredo sim.

#one-shot #bdsm #lgbt #sexo #incesto #shonen-ai #slash #sadomasoquismo #lemon #naruto #shisui #shiita #itashi #homossexualidade #pwp #nudez #universo-alternativo #Yaoi-Gay #Itashisui #Itasui #Suiita #tachi
29
5629 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único



Notas: Essa história é dedicada a @karambola. Feliz aniversario, baby ♥ e obrigada @adliz-yashinishi1523539206 por me betar e ajuda, amo vocês ❤ 

__________________________________________________________


Itachi não sabia ao certo quando havia se apaixonado pelo primo mais velho, nem quando esse amor começou a ser correspondido, mas se lembrava muito bem da recusa do maior em admitir esse sentimento, mesmo depois de terem se beijado, tudo isso por medo do que todos iriam pensar deles, do que seus pais fariam e de como ele achava que Sasuke arrancaria sua cabeça e jogaria para os cães. Odiava lembrar como sentia ciúmes por vê-lo saindo com todas aquelas vadias, mesmo sabendo que era com ele que Shisui queria estar, mas, depois de tanto tempo tentando convencer o primo de que o que sentiam não era errado, Itachi finalmente havia conseguido fazê-lo se render e esquecer todo o medo. Estavam jantando juntos no apartamento de Shisui, fazia apenas um mês que estavam juntos oficialmente e apesar de ser um tempo relativamente escasso já era uma grande conquista depois de tudo que enfrentaram. Com isso, Itachi decidiu que já era hora de dar mais um passo no relacionamento, queria ter mais intimidade com o primo. Apesar de já terem feito algumas coisas nesse tempo juntos, nunca chegaram aos finalmentes, porque Shisui nunca se deixava ir longe demais. Itachi não sabia os motivos do maior para isso, afinal, não eram nada castos, muito menos virgens, mas, ele estava decidido a fazer o que fosse preciso para fazê-lo ceder e ir até o final desta vez.

—O que você quer fazer depois disso, Tachi? —disse roubando um beijo do menor ao servir a sobremesa.

“Dar pra você”, pensou Itachi.

—O que acha de assistirmos um filme?

—Por mim tudo bem — deu de ombros.

Terminaram de comer suas sobremesas e Itachi ajudou Shisui a tirar a mesa. Foram para a sala de TV e logo o maior se pôs a procurar um filme. Itachi desligou a luz e se jogou no sofá esperando o momento certo para colocar o seu plano em prática.

—Não quer me ajudar a escolher o filme? —perguntou Shisui o olhando meio emburrado por não ter achado nada que lhe agradasse ainda.

—Pode escolher o que quiser — Disse sabendo que no final não importava qual filme iriam assistir.

Shisui acabou optando por um filme de ação qualquer e logo se jogou ao lado de Itachi no sofá, puxando o menor para perto de si e dando play no filme. Itachi estava ansioso.

Assim que as letrinhas começaram a subir na tela ele soube que era à hora de agir. Olhou inocentemente para o primo e o puxou para um beijo casto que logo se tornou voraz. Itachi subiu no colo do maior sem quebrar o contato de suas bocas e tamborilou os dedos na barra de sua camiseta, logo deixando suas mãos passarem por debaixo do tecido, acariciando a lateral do corpo do primo lhe causando arrepios. Rebolou timidamente no colo  o fazendo gemer sobre os seus lábios. Itachi começou a subir a camiseta do mais velho e foi como se uma voz gritasse na cabeça de Shisui, lhe dizendo para pará-lo. Segurou a mão de Itachi em um movimento rápido e finalizou o beijo. O Uchiha maior ficou surpreso com o ato, mas já sabia exatamente o que Itachi pretendia fazer, sentia toda a determinação do menor em seus atos e custe o que custasse ele não iria parar até conseguir, não dessa vez.

—O que você está fazendo? — perguntou ainda ofegante pelo beijo.

—O que acha que estou fazendo?— retrucou irritado. Estava cansado de ver Shisui tentando manter autocontrole quando ele partia para um toque mais íntimo.

—Itachi... — suspirou — Eu não estou preparado para fazer isso ainda.

—Por quê? — soou magoado — Eu não sou nenhuma criancinha inocente Shisui, não precisa me tratar como se eu fosse de vidro.

—Eu sei que você não é nenhuma criança.

—É porque ainda acha que o que fazemos é errado? Ou é porque você prefere as vadias com quem saia?

—Não! Não é nada disso, pare de pensar asneiras, Itachi, eu amo você.

—Me diga o porquê! — esbravejou.

—Não é como se eu não quisesse, olhe pra nós, eu estou excitado só pelo fato de você estar sentado no meu colo e acredite nenhuma daquelas vadias jamais conseguiu isso — riu exasperado —Você não imagina o quanto eu quero ter você por completo, gemendo o meu nome enquanto te fodo, mas, eu não quero fazer isso de um jeito convencional Itachi.

Shisui tinha medo do que Itachi pensaria de si devido aos seus gostos peculiares, mesmo sabendo que o primo tem uma mente aberta para esse tipo de coisa. Havia decidido esperar até se sentir à vontade para falar sobre isso com o primo - e namorado-, mas sabia que não tinha mais como adiar isso.

—Eu sou sádico, Itachi — o menor apenas ficou calado, claramente chocado com a resposta — Vou entender perfeitamente se você quiser terminar.

—Desde quando? — perguntou atônito saindo rapidamente do colo do maior que se endireitou no sofá. Nunca passou pela sua cabeça que Shisui pudesse ser um praticante de BDSM.

—Desde os meus dezoito anos. Mais especificamente desde que eu me apaixonei por você.

—Você escondeu isso de mim por cinco anos.

—Eu não sabia como você iria reagir se soubesse, então decidi não contar, mas assim que começamos a namorar eu sabia que você teria que saber.

—E quando pretendia me contar? Já estamos namorando há um mês e você nem havia tocado em um assunto parecido.

—Eu não queria que você soubesse assim. Estava esperando o momento certo.

Apesar do choque inicial, Itachi, não achava que Shisui era algum tipo de psicopata por ser sádico. Não sabia muito sobre as práticas do BDSM, mas estava ciente de que é só uma das várias formas de buscar o prazer e testar sensações novas. Mesmo assim, estava chateado com ele por ter escondido algo de si.

—Isso não importa mais. Só me conte de uma vez tudo que preciso saber.

—Está bem. Tudo isso começou quando eu decidi frequentar um clube de BDSM, no início era apenas por curiosidade, uma forma de afastar todos os meus sentimentos por você, mas com o tempo aquilo começou a me fascinar, todas as sensações, a dor e o prazer em harmonia, era maravilhoso e, então eu descobri que tinha potencial para ser um dominador — Itachi escutava tudo atentamente enquanto mantinha sua expressão indiferente — E depois disso não demorou até que eu selasse o meu primeiro contrato.

—Quantas submissas você já teve? — Perguntou sentando-se ao lado do maior.

—Três, duas mulheres e um homem. Meus contratos tinham duração de apenas um ano e meio, no máximo.

—Quando o seu último contrato terminou?

—Há sete meses quando nos beijamos e você me fez perceber que ninguém além de você seria o suficiente para me saciar — disse encarando o menor pela primeira vez desde que começaram aquela discussão.

Itachi sentiu um arrepio percorrer sua espinha ao ouvir as palavras do primo. Nunca o havia visto falar daquele modo nem o olhar tão intensamente, ele não estava falando aquilo da boca pra fora.

—Então — pigarreou ao quebrar o contato visual que havia se estendido por tempo demais — Você ia me pedir para ser o seu submisso?

—Não sou ingênuo a ponto de achar que o filho de Fugako Uchiha seria meu submisso. Você exala dominância Itachi, sempre estive ciente de que ter você como submisso estava fora de questão.

—E o que vai fazer?— perguntou arqueando uma das sobrancelhas —Desistir do BDSM?

—Estou disposto a fazer isso se for preciso, por nós. — disse convicto.

Itachi não sabia o que pensar, ainda estava um pouco desnorteado pela descoberta.

—Por hora, eu não tenho nada a dizer sobre isso Shisui — falou se levantando do sofá — Estou indo para casa.

—Itachi — chamou, fazendo o menor parar antes de girar a maçaneta da porta — Aishiteru.

Não houve resposta. Itachi apenas saiu porta a fora, deixando Shisui sozinho com aquele sentimento de incerteza que insistia em esmagar seu coração, pois, sabia que tudo poderia estar acabado e agora não tinha mais como voltar atrás.

~×~

Já haviam se passado dois dias desde que Shisui revelou ser sádico e ainda não haviam se falado desde então. Itachi ainda não conseguia imaginar o namorado como tal e isso se tornou ainda mais concreto depois de ter passado boa parte de seu tempo livre pesquisando sobre práticas de BDSM e histórias reais de pessoas que vivem como submissos. Achou todo aquele mundo no mínimo peculiar, mas nada parecido com os relacionamentos abusivos dos livros de romance. Tinha virado a noite lendo um livro de Jay Wiseman que falava sobre SM e naquele exato momento estava lendo sobre os variados tipos de brinquedos sexuais usados por dominadores, nunca imaginou que faria isso em toda a sua existência, mas não importava quantas matérias mais lesse, já havia tomado sua decisão. Sabia que Shisui jamais ficaria totalmente satisfeito se deixasse o BDSM, mesmo o amando tanto e  isso seria ruim para o relacionamento que levaram anos para concretizar. Não custava nada tentar, estava disposto a barganhar com Shisui.

Pegou o celular na cabeceira da cama e viu que já se passava das cinco horas da tarde, faltava uma hora para Shisui chegar do trabalho e não achou que seria uma má ideia fazer uma visita surpresa para informá-lo de sua decisão, afinal, ele havia lhe dado as chaves do apartamento para ir lá quando quisesse. Tomou um banho rápido antes de sair e em menos de dez minutos já estava em frente ao apartamento do namorado. Abriu a porta sem muita cerimônia e adentrou o apartamento, deixando os sapatos na entrada, ascendeu as luzes da sala e da cozinha e decidiu subir para o escritório de Shisui, a procura do Notebook, o encontrando jogado sobre o pequeno sofá que havia ali. Ligou o aparelho e abril a pasta de arquivos fazendo uma breve busca pelo nome “Acordo” obtendo dois resultados para sua pesquisa. Um acordo para submissas e outro para submissos.  


Acordo vinculativo entre Dominador e Submisso.

Este documento, datado de ___/___/___  é um acordo ou contrato de serviço voluntário entre: ____________________________________ e Shisui Uchiha.

Este acordo é composto por 6 (seis) cláusulas principais, com várias sub cláusulas dentro delas, e substitui qualquer contrato anterior ou acordo.

O submisso, através da assinatura do presente contrato, começa a ter uma ligação irrevogavelmente ao seu Mestre, e as regras que são apresentadas no presente acordo.

1. Termos

O contrato é vinculativo para ambas as partes de ___/___/___ e é válido por tempo indeterminado.

2. Afirmações

Mestre:

Afirmo que sou livre para entrar neste contrato e que não há nenhuma razão legal de me impedir de assinar e aceitar os termos do contrato e todas as decisões de práticas e relação e consensual entre ambas as partes;

Afirmo que estou assinando este contrato de livre e espontânea vontade, sem pressão ou coerção de qualquer tipo;

Afirmo que eu entendo o significado e as implicações do contrato;

Afirmo que aceito explicitamente os termos de este contrato a ser aplicada na íntegra e em todos os tempos, para a duração total do contrato;

Compreendo e aceito que é meu papel de cuidar e proteger o meu submisso.

Submisso:

Afirmo que sou livre para entrar neste contrato e que não há nenhuma razão legal para me impedir de assinar e aceitar os termos do contrato e todas as decisões de práticas relacionadas é consensual entre ambas as partes, porém permito algumas pequenas mudanças sejam feitas fora deste contrato decidido pelo meu mestre no momento da prática de BDSM ou sexual;

Afirmo que estou assinando este contrato de livre e espontânea vontade, sem pressão ou coerção de qualquer tipo;

Afirmo que eu entendo o significado e as implicações do contrato;

Afirmo que aceito explicitamente os termos deste contrato a ser aplicado em todos os tempos, para a duração total do contrato;

Compreendo e aceito que é meu papel agradar e servir o meu Mestre, para seu prazer;

Eu entendo que eu não sou mais que um submisso para meu Mestre, e que meu Mestre pode tomar todas as decisões finais na minha vida, a menos que especificamente isto seja excluído do presente contrato.


Imprimiu duas cópias do documento e pegou uma para si, lendo atenciosamente cada detalhe. Não era muito diferente dos modelos que havia visto na internet, mas com certeza era muito mais bem feito, afinal, Shisui era um exímio advogado. Começou a imaginar todas as coisas que o mais velho já devia ter feito com as pessoas que aceitaram o acordo e aquela mesma pontada de ciúmes que ele sentia ao vê-lo saindo com outras pessoas surgiu em seu peito, mas seus pensamentos foram interrompidos ao ouvir um pigarro vindo da porta do escritório.

—O que está aprontando, Itachi? — pergunto encostado a porta com os braços cruzados — Você nunca veio sem avisar.

—Eu vim aqui porque eu tomei a minha decisão e bom, você precisa ser informado — disse fazendo o Uchiha maior engolir em seco — Eu quero negociar, Shisui.

—O que você quer dizer com isso? — arqueou uma das sobrancelhas em questionamento.

—Você disse que selava contratos com as suas submissas — levantou as folhas em sua mão — E certamente havia uma barganha antes, estou certo?

Shisui foi rapidamente até Itachi que entregou uma das cópias do acordo ao maior.

—Onde conseguiu isso? —Itachi apenas apontou para o Notebook ainda com o documento aberto, voltando-se novamente para a leitura do contrato — Itachi, eu não quero fazer um contrato com você. Eu sei que você não quer isso de verdade.

—Já disse que quero negociar— rosnou sem paciência para os achismos do maior — Agora sente-se.

Shisui suspirou em derrota, sabia que quando o menor colocava algo na cabeça ninguém conseguia fazê-lo mudar de ideia. Sentou-se na poltrona que ficava de frente para o sofá em que Itachi estava e apenas ficou em silêncio enquanto o menor continuava a analisar o acordo.

—Eu passei os últimos dois dias estudando ao máximo tudo sobre as práticas do BDSM — falou encarando Shisui — Esse contrato não é muito diferente dos que eu já vi…

—Porque está fazendo isso? — perguntou interrompendo o primo. Já esperava que Itachi não terminasse o relacionamento, mas estava surpreso por vê-lo querendo assinar um acordo de submissão.

—Porque desde o começo você estava disposto a mudar se fosse por nós, mas eu não posso te pedir para deixar o BDSM, não antes de experimentar. Seria injusto.

Shisui sorriu. Esse era o jeito de Itachi dizer que estava disposto a tentar algo novo só para agradá-lo, porque o amava acima de tudo – tirando Sasuke, é claro – e qualquer coisa.

—Está mesmo disposto a tentar?— perguntou ainda hesitante.

—Sim, estou! —respondeu firme.

—Ok — disse se levantando — Espere aqui, eu já volto.

Saiu do escritório sem dizer mais nada enquanto itachi apenas continuava encarando a porta. Em alguns minutos Shisui o chamou e eles seguiram até o final do corredor, parando em frente a porta de um dos quarto que logo foi aberta, acendeu a luz dando espaço para que o menor entrasse no cômodo de paredes negras e finalmente visse o seu interior.

Itachi estava abismado. Havia uma grande cama com dossel no centro, coberta por lençóis pretos, pequenos armários com gavetas em cada lado da cama, provavelmente guardando diversos brinquedos sexuais, chicotes, cordas e algemas espalhados em uma das paredes além de uma poltrona e um pequeno sofá em um dos cantos, que dava total visão do que acontecia na cama. A luz baixa dava certo ar erótico ao ambiente, também o deixando de certa forma intimidador.

—Podemos discutir o acordo agora, se você não tiver mudado de ideia é claro — Falou se sentando no pequeno sofá enquanto itachi ainda analisava cada mínimo detalhe do quarto.

—Está querendo me fazer desistir, Shisui Uchiha? — perguntou ao sentar-se ao lado do maior.

—Eu não estou querendo fazê-lo desistir — um meio sorriso brotou em seus lábios — Só quero que fique ciente do que vai enfrentar se assinar isso.

—Sabe que eu não vou desistir!

—O que você quer negociar, Tachi? — Perguntou ainda risonho. Estava começando a achar o empenho do namorado engraçado, pois achava que isso mudaria assim ele começasse a lhe dar ordens.

—Eu já analisei todo o acordo e quero discutir algumas cláusulas com você.

—Sim — falou o incentivando a continuar.

—Estou de acordo com a maioria das cláusulas do contrato, exceto a número três referente a rotina. Eu não vou deixar você controlar a minha vida, estou disposto a aceitar ser seu submisso apenas em âmbitos sexuais, não quero que interfira no meu dia a dia de maneira alguma.

3. Rotina

3.1. Durante a vigência do contrato, o submisso só vestirá a roupa que o Mestre tenha aprovado

3.2. O submisso ficará com os adornos que o Mestre exigir, em sua presença ou em qualquer outro momento que ele considere oportuno.

3.3. O submisso não pode sair para nada fora de sua rotina normal sem permissão prévia específica.

3.4. O submisso deve responder a todas as chamadas e mensagens dentro de 2 horas.

3.5. O submisso garantirá que dorme no mínimo oito horas diária quando não estiver com o Mestre.

3.6. O Submisso estará limpo e depilado em todo momento.

3.7. O submisso não beberá em excesso, não fumará, não tomará substâncias psicotrópicas, nem correrá riscos desnecessários.

3.8. O submisso sempre deve enviar mensagem de texto para seu mestre e se possível conversar com o mesmo.

3.9. O Submisso estará disponível às horas atribuídas e às horas adicionais, nos lugares que determine o Mestre.

 

—Eu já esperava por isso, estou de acordo — Disse riscando a cláusula 3 do contrato — Mais alguma coisa?

—Sim, cláusula 5.1, limites leves — Virou a página do contrato — Pratica de Pet play nem pensar e, o que seria especificamente torturas leves no pênis?

—Uso de anel peniano e práticas de CBT leves envolvendo cordas e vibradores — disse tranquilamente.

—Quero que coloque CBT em limites inviáveis.

—Não é tão ruim quanto parece, tachi, posso garantir.

—Limites inviáveis, Shisui!


5. Limites

5.1 Limites suaves: Práticas de BDSM como cordas, imobilização, algemas, coleiras, uso de brinquedos sexuais em geral, chicotes, dominação física e psicológica, voyeurismo, masturbação, bondage, spanking, pet play, velas, torturas leves nos mamilos, pênis e em outras partes do corpo, estará aberto a experimentar as variadas práticas de BDSM.

5.2 Limites inviáveis: Prática de pedofilia, zoofilia, Chuva dourada ou marrom ou scat (fezes), sangue, needles (agulhas), perfurações, cortes, branding, tatuagens, queimaduras, facas e armas de fogo, necrofilia, entre outras atividades não permitidas por lei.


— Está bem — sem mais discutir, Shisui, ajustou o contrato de acordo com as exigências de Itachi — Algo mais?

—É só isso.

—Não tem nenhuma objeção sobre a cláusula quatro?

—Não, mas não posso garantir que serei um submisso perfeito, afinal, sou um Uchiha.

—Então já podemos assinar?  — perguntou recebendo um  aceno positivo do mais novo que assinou os lugares necessários e passou a caneta para que ele fizesse o mesmo.

4. Funções

Mestre:

O Mestre deve priorizar em todo momento a saúde e a segurança do Submisso. O Mestre em nenhum momento exigirá, solicitará, permitirá nem pedirá ao Submisso que participe das atividades detalhadas no âmbito de Limites inviáveis ou em toda atividade que qualquer das duas partes considere insegura. O Mestre não permitirá nenhuma atividade que possa ferir gravemente o Submisso ou pôr em perigo sua vida.

4.2. O Mestre aceita o controle, o domínio e a disciplina do Submisso durante a vigência do contrato. O Mestre pode utilizar o corpo do Submisso em qualquer momento durante as horas atribuídas, ou em horas adicionais, da maneira que considere oportuno, no sexo ou em qualquer outro âmbito.

4.3. O Mestre oferecerá ao Submisso o treinamento e a orientação necessários para servir adequadamente ao Mestre.

4.4. O Mestre pode disciplinar o Submisso quanto for necessário para assegurar-se de que o Submisso entenda totalmente seu papel de submissão ao Dominante e para desalentar condutas inaceitáveis. O Mestre pode açoitar, surrar, dar chicotadas e castigar fisicamente o Submisso se o considerar oportuno por motivos de disciplina, por prazer ou por qualquer outra razão, que não está obrigado a expor.

4.5. No treinamento e na administração de disciplina, o Mestre garantirá que a disciplina e os instrumentos utilizados, sejam seguros, não os utilizará de maneira que provoquem danos sérios e em nenhum caso poderá transpassar os limites estabelecidos e detalhados neste contrato.

4.6. Em caso de enfermidade ou ferida, o Mestre cuidará do Submisso, vigiará sua saúde e sua segurança, e solicitará atenção médica quando o considerar necessário.

4.7. O Mestre cuidará de sua própria saúde e procurará atenção médica quando for necessário para evitar riscos.

4.8. O Mestre não emprestará seu Submisso a outro Dominador.

4.9. O Mestre poderá algemar ou atar o Submisso em todo momento durante as horas atribuídas ou em qualquer hora adicional por qualquer razão e por compridos períodos de tempo, emprestando a devida atenção à saúde e a segurança do Submisso.

Submisso:

4.10. O Submisso aceita o Mestre como seu dono e entende que agora é de sua propriedade e que está ao seu dispor.

4.11. O Submisso obedecerá às normas estabelecidas neste contrato.

4.12. O Submisso servirá ao Mestre em tudo aquilo que o mesmo considere oportuno e deve fazer todo o possível para agradá-lo em todo momento.

4.13. O Submisso tomará medidas necessárias para cuidar de sua saúde, solicitará ou procurará atenção médica quando a necessitar, e em todo momento manterá informado o Mestre de qualquer problema de saúde que possa surgir.

4.14. O Submisso aceitará sem questionar todas e cada uma das ações disciplinadoras que o Mestre considere necessárias, e em todo momento recordará seu papel e sua função ante o Mestre.

4.15. O Submisso não se tocará nem se proporcionará prazer sexual sem a permissão do Mestre.

15.16. O Submisso se submeterá a toda atividade sexual que o Mestre exigir, sem duvidar e sem discutir.

4.17. O Submisso aceitará açoites, surras, chicotadas ou qualquer outra disciplina que o mestre administrar, sem duvidar, perguntar nem queixar-se.

4.18. O Submisso não olhará diretamente nos olhos do Mestre exceto quando lhe ordenar. O Submisso deve abaixar os olhos, guardar silêncio e mostrar-se respeitosa na presença do Mestre.

4.19. O Submisso se comportará sempre com respeito para com o Mestre e só se dirigirá a ele como senhor, senhor Uchiha ou qualquer outro apelativo que lhe ordene o Mestre.

—Quando vou ter a minha primeira experiência?

—Como essa é a sua primeira vez no BDSM vou deixar que escolha o dia.

—Pode ser hoje?

—Que presa Tachi, não sabia que estava tão sedento assim — sorriu malicioso.

—Sou apaixonado por você desde os meus dezessete anos, até os meus vinte você nem ao menos me abraçava porque também gostava de mim, mas achava que não podia se render a esse sentimento, agora, já namoramos a um mês  e até dois dias atrás você insistia em manter o seu autocontrole, acha mesmo que eu vou esperar mais?

—Okay — riu nasalado — Vou só tomar um banho e começamos.

Shisui saiu do quarto deixando Itachi sozinho que logo começou a analisar melhor o ambiente, sua barriga se embrulhava em uma mistura de apreensão e ansiedade, pois finalmente iria conseguir ter o primo tocando seu corpo de forma mais íntima. Se permitiu sorrir bobamente e apenas ficou esperando que Shisui retornasse e finalmente o toma-se para si.

Em pouco mais de quinze minutos, Shisui, estava de volta ao quarto de jogos, usando uma calça moletom preta e nada mais que isso, exibindo o peitoral definido que Itachi havia visto apenas algumas vezes. Os cabelos ainda encharcados pelo banho e o cheiro amadeirado do perfume que o menor tanto gostava impregnava o ambiente, era impossível olhá-lo e não se perder em pensamentos.

—Venha aqui — Chamou, acordando Itachi de seus pensamentos e prontamente atendeu o pedido.

Shisui puxou Itachi para um beijo caloroso e o mais novo deixou que seus braços rodeassem o pescoço do primo. As línguas brigavam por dominância enquanto exploravam avidamente a boca alheia. Itachi intensificou ainda mais o beijo que trocavam e puxou de leve os cabelos curtos do primo, não se importando muito com as regras de submissão, pois, mesmo estando ali como submisso ele não iria entregar totalmente a dominância para o maior.

Shisui levou uma de suas mãos até os cabelos de Itachi, arrancando a pequena fita vermelha que eventualmente pendias os fios longos. Cessou o beijo por falta de ar e empurrou o menor até a cama, fazendo-o se sentar. Abriu preguiçosamente os quatro primeiros botões da camiseta social do menor e distribuiu pequenos chupões sobre o pescoço ainda livre de marcas. Itachi arranhava suas costas ainda exalando certa dominância sobre os toques que trocavam, até que o mais velho se afastou disposto a explicar como tudo iria se seguir a partir dali.

—Antes de começarmos quero esclarecer uma coisa — andou até a parede colocando luvas e pegando um chicote de hipismo junto a uma coleira preta com guia, logo voltando para a cama, ficando de pé em frente ao parceiro — Você deve ser totalmente sincero comigo, deve me pedir para parar quando achar necessário, use as palavras de segurança citadas no contrato para isso e, saiba que sempre pode dizer não! — acariciou de leve a bochecha de Itachi — Eu não irei fazer nada que você não queira mesmo você tendo assinado aquele contrato, entendeu? — Perguntou levantando o rosto do menor para olhá-lo nos olhos.

—Entendi.

—Nada irá mudar entre nós, quando sairmos por aquela porta ainda seremos um casal de namorados como qualquer outro e, lembre-se — encostou a testa na do menor — Eu amo você acima de qualquer coisa, e se, depois disso tudo você quiser que eu deixe o BDSM eu não irei pensar nem duas vezes.


6. Palavras de segurança

6.1. Será utilizada a palavra de segurança “Azul” para indicar ao Mestre que ele deve diminuir a intensidade da ação.

6.2. Será utilizada a palavra de segurança “Vermelho” para indicar ao Mestre que o Submisso já não pode tolerar mais exigências. Quando esta palavra for dita a ação do Mestre cessará totalmente, com efeito imediato.

 

Shisui colocou a coleira no pescoço do namorado, verificando com cuidado se não estava apertada demais e prendeu a guia.

Itachi estava claramente incomodado com o adereço, mas apenas permaneceu em silêncio decidindo seguir um pouco as regras.

—Tire a roupa e ajoelhe-se — ordenou, e hesitantemente o mais novo se livrou das roupas se ajoelhando aos pés do namorado de cabeça baixa — Quero que olhe pra mim — disse puxando de leve os cabelos do menor que murmurou em resposta — Sabe Tachi, belos rostos quase sempre escondem uma alma impura. Vamos fazer um teste.— Soou malicioso ao passar o chicote sobre a bochecha do mais novo — Fique de quatro — Itachi estava pronto para retrucar a ordem do maior, mas, foi interrompido antes mesmo de começar a falar — Dentro deste quarto eu sou o seu Mestre e se não me obedecer eu irei puni-lo, sabe disso. —  Shisui não iria pegar leve, faria Itachi entender que era ele quem iria mandar, que ele era o Mestre e que como seu submisso o menor deveria obedecê-lo.

Engolindo um pouco de seu orgulho, Itachi se pôs de quatro na cama. Se submeter estava sendo mais difícil do que achou que seria, estava totalmente exposto para Shisui naquela posição e isso o fazia se sentir vulnerável e isso era algo que Itachi não queria sentir.

Shisui foi até um dos pequenos armários que ficavam ao lado da cama pegando um bullet com controle remoto e bolinhas de lubrificante com sabor que estouram com o calor corporal, deixando ambos sobre a cama. Acariciou um dos lados das nádegas de Itachi e mordeu o outro fortemente, ouvindo um baixo murmúrio de dor vindo dele. Os dígitos marcavam sem piedade a pele branca e macia, afastando as nádegas até expor a entrada rosada e pulsante. Shisui parou um pouco para analisar a cena a sua frente, e sentiu seu pênis vibrar. Aproximou o rosto, lambendo delicadamente o pequeno anel fazendo o menor começar a se remexer, inquieto, gemendo baixinho. Levou dois dedos até a própria boca os lambuzando bem e os introduzindo um de cada vez, cuidadosamente.

Itachi o xingou mentalmente pelo ato repentino. Seu corpo já queimava em excitação enquanto seu pênis já desperto implorava por atenção entre suas pernas.

Shisui começou a movimentar os dedos em um vai e vem lento e ritmado, seguido por movimentos de tesoura, preparando Itachi brevemente. Pegou o Bullet ao lado de seus joelhos e o introduziu vagarosamente junto a três bolinhas de lubrificante, arrancando um gemido sôfrego do mais novo.

Era um objeto pequeno demais para ser um plug, mas não era algo que lhe parecia estranho, Itachi não sabia ao certo que tipo de brinquedo Shisui estava colocando em si, nem o que ele fazia, mas até o momento não parecia ser nada com que precisasse se preocupar.

O mais velho puxou a guia da coleira e Itachi ficou de joelhos à sua frente, com as costas coladas ao seu corpo. Viu que a ereção do mais novo já implorava por atenção e sorriu satisfeito com isso, mal haviam começado e seu amado já estava duro, implorando pelo seu toque.

—Mal começamos e você já está excitado, Tachi — disse sínico próximo a  orelha do menor, fazendo um arrepio percorrer a sua espinha.

—Como queria que eu estivesse? — falou indignado, recebendo uma palmada forte na bunda em repreensão.

—Você não tem permissão para falar a não ser que eu mande ou pergunte algo, entendeu?

—Sim.

—Sim o que, Itachi? — rosnou.

—Sim, Mestre — respondeu entre dentes.

—Bom garoto, se continuar assim talvez eu te deixe me chamar pelo nome — disse deixando que uma de suas mãos deslizasse pelo peitoral do amado até que chegasse próximo a sua virilha, Itachi gemeu em expectativa, mas o maior logo faz o caminho de volta sobre o seu peitoral até um de seus mamilo, apertando de leve, fazendo-o gemer baixo — Quero que você se toque para mim, mas você não deve gozar até que eu permita — Se afastou de Itachi e pegou o pequeno controle do bullet sobre a cama, foi até a poltrona posicionada em um lugar estratégico que dava total visão de tudo que Itachi faria e sentou-se despreocupadamente esperando o mais novo acatar o seu comando — Foi uma ordem, o que está esperando? —disse ligando o Bullet e aumentou sua intensidade em três níveis.

Itachi sentiu seu corpo fraquejar quando o pequeno objeto dentro de si começou a vibrar, trazendo uma onda de prazer que o fez ter que se apoiar nos braços para não cair totalmente na cama, ficando de quatro.

—S-Shisui — gemeu arrastado  — O que você colocou em mim?

—Você gostou, amor? — disse cínico, ignorando por um momento o fato de itachi ter falado sem permissão e tê lo chamado pelo nome — É um bullet, mas não qualquer bullet, este tem controle remoto e dez intensidades diferente. Apesar de ser bem pequeno ele pode ser bem torturante não acha? — perguntou aumentando ainda mais a intensidade do brinquedo.

Itachi respirou fundo tentando normalizar a respiração já descompassada e levou uma das mãos até o meio de suas nádegas encontrando a cordinha que facilitava a retirada do bullet, mas assim que fez menção de tirá-lo a voz de shisui ecoou no quarto o fazendo parar por um momento.

— Se continuar a ser tão irredutível e não me obedecer eu irei encerrar essa sessão e rasgar aquele contrato em mil pedacinhos — advertiu.

O mais novo evidentemente não queria isso, por isso desistiu de retirar o brinquedo, mas estava sendo demais para o seu “Orgulho Uchiha” acatar as ordens do maior sem revidar.

Depois de se recompor, sentou se encostado à cabeceira da cama e gemeu sôfrego ao sentir o bullet entrar ainda mais dentro de si, quase encostando em sua próstata. Estava de frente para a poltrona em que o mais velho permanecia sentado, mostrando-se sério e impaciente ao esperar que sua ordem fosse cumprida.

Sem mais delongas, Itachi levou uma das mãos até seu membro negligenciado até o momento e começou a estimulá-lo lentamente já que teria que esperar a ordem vinda do maior para que pudesse gozar. Sentiu duas das bolinhas de lubrificante estourarem dentro de si e um gemido alto escapou de seus lábios quando o bullet entrou ainda mais em seu reto, acertando em cheio o seu ponto mágico.

Deduzindo rapidamente o que havia acontecido, Shisui girou os dedos no botão do controle, aumentando a velocidade do brinquedo para o nível oito. Faria o namorado sofrer pela desobediência e iria puni-lo de uma forma dolorosamente prazerosa.

Itachi gemeu arrastado jogando a cabeça para trás, intensificando ainda mais o movimento em seu membro, o prazer já havia se tornado imensurável aquela altura do campeonato e o fato de Shisui ter ordenado que não gozasse sem a sua permissão só tornava aquilo ainda mais difícil e prazeroso.

Shisui observava maravilhado a cena que era seu namorado se tocando, totalmente perdido em meio ao prazer, não ousando desviar os olhos nem um segundo sequer. Seu membro já latejava dentro da calça e por um momento pensou em largar todo o seu plano de punir o menor para simplesmente fode-lo brutalmente, sem nenhuma cerimônia. Desejou que esse dia chegasse por tanto tempo, que nem ao menos sabia onde ainda encontrava sanidade para “jogar” com Itachi daquela forma.

—Aaahh! — gemeu em desespero por estar quase chegando ao ápice.

—Você quer permissão para gozar, Tachi? — perguntou recebendo um aceno positivo do menor — Implore! Talvez eu tenha piedade de você — disse aumentando a velocidade do bullet para o nível máximo.

Itachi se contorceu, agarrando fortemente as cobertas não suportando tanto prazer. Não conseguia raciocinar, seus ônix estavam perdidos, inebriados pelo deleite, a boca entreaberta tentando miseravelmente levar mais ar até os pulmões e não demorou até que se derramasse em seu próprio abdômen.

Shisui desligou o bullet e esperou até que o menor saísse de seu nirvana, indo até ele e puxando-o pela guia da coleiro para que ficasse de joelhos. Itachi sabia que havia desobedecido as ordens que lhe foram dadas e que isso traria consequências, mas ainda estava meio grogue por causa do orgasmo e sua mente ainda se encontrava perdida em sensações.

—Eu havia lhe dado uma ordem e você me desobedeceu... — disse passando o chicote no rosto do menor, descendo o objeto pelo pescoço e toda lateral de seu corpo, para enfim,  deferir um golpe em sua coxa, deixando o local vermelho e com um leve formigamento — De novo — repetiu o ato batendo ainda mais forte e de alguma forma aquilo havia excitado Itachi desta vez. Não havia sido uma dor surreal, pelo menos não fisicamente, e apesar de ter sido prazeroso, sentia o seu ego apiedar-se, pois, se manter submisso e aceitar ser humilhado não combinava nada com Itachi mesmo tudo aquilo sendo apenas uma cena, mesmo sabendo que poderia parar Shisui quando quisesse, mas, não iria desistir.

Shisui foi até a parede pegando um dos vários tipos de corda e voltou para onde itachi permanecia ajoelhado e em silêncio. Dobrou a corda pela metade e apertou  um loop colocando em um dos pulsos de Itachi.

—Feche as mãos — ordenou e assim Itachi o fez. Apertou o loop firmemente, e  amarrou as extremidades com um nó regular, passando por um dos pulsos do amado e repetindo o mesmo processo na outra mão, deixando suas mãos presas na frente de seu corpo — Esse é um dos seus castigos por usar demais as mãos sem a minha permissão.

Empurrou Itachi para que voltasse a deitar-se na cama e trilhou um caminho do seu abdômen até seus mamilos, Itachi gemeu quando a língua do maior começou a circundar o local obscenamente. Shisui agarrou com força as nádegas do primo fazendo uma trilha vermelha até sua coxa com as unhas, que mesmo cobertas pela luva de tecido não tão fino ainda conseguiam machucar. Ergueu as pernas do menor ficando entre elas e sentiu a ereção rígida de Itachi em seu abdômen, se permitindo gemer baixo em deleite por conseguir causar isso fazendo tão pouco. Sua calça já havia se tornado incomoda e tudo o que mais queria naquele momento era invadir Itachi sem a menor delicadeza, mas não faria isso ainda, estava disposto a fazer parceiro ceder, mas já havia percebido que se impor como fazia com todas as suas outras submissas não iria funcionar, então partiu para uma outra estratégia chamada “jogo sujo” e para isso teria que deixar um pouco de lado a sua postura de mestre. Rumou o pescoço do mais novo, mordendo e marcando a pele imaculada sem cuidado algum, fazendo Itachi grunhiu baixinho.

—Olhe como você me deixa, amor — sussurrou próximo a orelha do amado, esfregando sua ereção na do mais novo o fazendo perceber o quão duro estava — Isso é culpa sua.

O menor levou suas mãos despudoradamente até a barra da calça moletom de Shisui que se esquivou do toque e em um movimento rápido ergueu os braços do mais novo, os deixando a cima de sua cabeça para prender a parte remanescente da corda que amarrava seus braços em uma argola de forro que ficava acima da cabeceira, encarou Itachi com um sorriso psicopata nos lábios e deixou um selinho rápido em seus lábios.

—Se quer tanto me ter dentro de você, terá que implorar — Falou vendo Itachi fechar a cara logo em seguida — Pode falar.

—Você sabe que isso é demais para mim — disse irredutível — Já deixei que me torturaram com um vibrador, que me chicoteasse, amarrasse e encoleirasse, estou tentando ao máximo me manter submisso, deixando o meu ego ser ferido, mas tudo tem limite. Não me peça para implorar —bufou.

—Está bem — falou surpreendendo o menor — Então terei que cuidar disso sozinho.

Shisui saiu de cima de Itachi e se jogou na cama ao lado dele, tirando as luvas e libertando seu membro da calça que já o apertava. Circundou a glande com o polegar, espalhando o pré gozo que já se fazia presente e levou o dedo aos lábios, o chupando obscenamente e iniciando um vai e vem lento com a mão livre, enquanto Itachi apenas observava a cena, atônito com a falta de vergonha do primo. Seus olhos transbordavam luxúria por ver o maior ali, dando prazer a si mesmo enquanto seu corpo clamava pelo dele sem poder ao menos tocá-lo.

—Sabe, eu sempre penso em você quando estou me tocando, imagino o quanto você deve ser apertado e como você iria gemer alto se eu te fode-se… Aahhh — gemeu ao aumentar a velocidade de sua punheta — Ou que gosto você deveria ter. Tem ideia do quanto você é gostoso, Itachi? Te ver de quatro pra mim quase me fez gozar… Aahh… E os seus gemidos… Eles te deixam ainda mais fodivel que o normal.

Itachi estremeceu com as palavras do maior, Shisui estava começando a usar a maior arma que tinha contra si, as palavras. Sentiu suas bochechas formigarem e virou o rosto, pois sabia que naquele momento elas haviam adquirido um tom avermelhado e não queria que Shisui o visse corado. O maior nunca havia falado coisas assim.

—Como você pode ficar corado com algumas palavras depois de ter ficado de quatro para mim e gemer alto enquanto gozava?  — gargalhou puxando a corrente da coleira, para que Itachi voltasse a olhá-lo. Shisui jogou  a cabeça para trás gemendo arrastado. Itachi sentiu seu pênis pulsar entre suas pernas, enquanto tentava inutilmente se aliviar, mexendo as pernas disfarçadamente. Percebendo a inquietação do menor, Shisui levou uma das mãos até o membro alheio, iniciando uma punheta na mesma velocidade que a sua e não demorou muito até que o corpo de Itachi começasse a ter espasmos.

O menor viu o primo gozar, urrando alto de prazer enquanto derramava sua essência no próprio abdômen e isso foi o estopim para que o orgasmo viesse, mas antes que pudesse gozar, Shisui apertou a base de seu membro com força, impedindo a ejaculação de forma dolorosa.

—Aaahh…Porque fez isso? — esbravejou.

—Eu não disse que você poderia gozar — disse ofegante indo até o membro do menor e lambendo a pequena quantidade de sêmen que saia pela fenda de seu pênis ainda rígido — É tão bom quanto eu imaginei.

Aquilo havia sido a gota d'água que levou a baixo toda a sua linha de raciocínio lógico de Itachi.

—Aaahh… Está bem Shisui.

—Shisui? — questionou.

—Mestre… Que seja — Itachi já não se importava com as regras, ou o contrato, nem mesmo com o seu orgulho, não depois de Shisui lhe arrancar a última gota de sanidade. Ele só queria ter o maior dentro de si, o fodendo até cansar — Por favor.

—Por favor o que? — perguntou debochado.

—Por favor… Me foda, mestre. — sussurrou alto o suficiente para que o maior ouvisse. Nunca seria capaz de proferir aquilo em voz alta.

—Eu acho que não ouvi direito.

—Eu não vou repetir — disse entre dentes.

Retomando a postura de dominador, Shisui agarrou os cabelos de Itachi e os puxando com força para trás fazendo o menor grunhir de dor.

—Não seja tão rebelde comigo, você nem imagina o quanto eu posso te fazer implorar se eu quiser — as palavras ríspidas do maior fizeram Itachi estremecer —Eu estou pegando leve até demais, não me faça ter que puni-lo drasticamente para corrigir os seus deslizes. Agora seja uma boa cadela e me obedeça se quiser ser fodido.

Itachi estava confuso, seu corpo estava começando a gostar da forma como maior estava o tratando, era como se ele quase implorasse para que Shisui o tomasse de uma vez apenas pelas suas reações corporais, seu orgulho, todavia,  não concordava tanto assim com isso e ainda pestanejava em ceder aos caprichos do mais velho, mas no fundo sabia que acabaria se entregando a ele, fazendo quase tudo que ele pedisse.

—Você me entendeu? — perguntou puxando ainda mais o cabelo do primo.

—Sim, mestre.

Largou as madeixas do menor e soltou a corda da argola na parede. Se pôs de joelhos a frente do mais novo e ordenou que ele se sentasse.

—Agora limpe isso — Se referiu ao sêmen que já secava sobre sua barriga — Você causou, então é você que irá limpar.

Ainda com um pouco de receio, Itachi se curvou lambendo tudo com agilidade, olhando de relance para o membro de Shisui que já estava rígido novamente, tendo uma súbita vontade de chupa-lo.

—Você quer chupa-lo, não quer? — perguntou retoricamente fazendo Itachi desviar o olhar. Estava óbvio que o mais novo queria.

Pediu ao mais novo que estendesse os braços e assim ele o fez. Shishi desfez os nós de um dos pulsos, e voltou a prendê-lo, desta vez atrás das costas do parceiro. Saiu da cama se livrando da calça em algum lugar qualquer do quarto e voltou apenas com o controle do bullet, já esquecido pelo mais novo. Ligou o brinquedo no nível cinco logo de cara e pediu ao menor que o chupasse.

Itachi mal conseguia tocá-lo, mas a boca já salivava por ter o membro ereto do primo tão perto de si. Lambeu a glande vagarosamente e Shisui segurou o próprio membro para auxiliá-lo, já que o menor estava com as mãos presas.  Itachi começou a distribuir pequenos beijos molhados por todo o membro, arrancando um ofego baixo do primo, logo, voltando para a ponta, a fim de dar início ao oral, mas já sedento demais, Shisui agarrou seus cabelos e mirou seu pênis para dentro da cavidade molhada, começando a literalmente foder a boca do menor. Sentiu a vibração das cordas vocais de Itachi em seu membro, enquanto observava deleitoso o amado  quase engasgar-se ao ter seu membro dentro de sua cavidade bucal. O cabelo do parceiro estava ainda mais bagunçado que antes, com vários fios colados ao seu rosto pelo suor que já banhava ambos os corpos, o jeito como seus olho lacrimejavam e a forma como Itachi parecia estar adorando aquela situação acariciava ainda mais o libido de Shisui.

Já não aguentando mais, puxou Itachi pelos cabelos em um movimento rápido e o fez literalmente enfiar a cara nos lençóis, deixando-o de quatro para si. Puxou agilmente o bullet pela cordinha e o desligou manualmente, largando-o em um lugar qualquer da cama logo se posicionando atrás do menor. Roçou seu membro na entrada de Itachi e o mesmo gemeu, frustrado pela demora do primo em realizar aquilo que tanto almejava.

—Me sinto tentado a tortura-lo — disse alisando as nádegas de Itachi — Mas, chega de brincadeiras, amor.

Sem mais enrolação, enterrou-se sem dificuldade no interior do menor que o xingou desconexamente pela mistura de dor e prazer que lhe foi proporcionado. O lubrificante escorria por entre as pernas do menor, enquanto Shisui gemia em deleite, exibindo um sorriso sádico nos lábios. Itachi era apertado e sentir o corpo dele tentar expulsá-lo de dentro de si era a melhor sensação que Shisui já havia experimentado em toda a sua vida. Esperou alguns minutos para que o outro se acostuma-se com a invasão brusca e começou a se mover de forma lenta, porém forte, arrancando suspiros e gemidos de Itachi que já rebolava em seu pau, tentando de forma desajeitada aumentar a velocidade das investidas.

—Pra quem estava resistindo até minutos atrás você até que está se mostrando uma bela vadia, meu amor — disse fazendo a excitação do menor aumentar ainda mais.

O quadril de Shisui ondulava habilmente, fazendo com que a cabeça de seu pênis roçasse torturantemente a próstata do menor, que começou a gemer, numa deliciosa agonia. com isso, deixou suas investidas ainda mais lentas, se deleitando com a frustração do menor.

O Uchiha mais velho esforçava-se para manter a pose, mas o prazer desestabilizava todo seu corpo, ameaçando tomar o controle. Shisui forçou Itachi contra o colchão, fazendo-o empinar ainda mais o quadril. Segurou suas madeixas com força e o estocou sem piedade alguma, acertando em cheio o seu ponto sensível. As mãos do maior passaram por debaixo do corpo de Itachi indo até o seu pescoço, enquanto deixava uma forte mordida em seu ombro, arrancando um pouco de sangue do local. O menor apertava e esfregava as coxas numa tentativa inútil de buscar um pouco de alívio naquela situação, seu membro já implorava por qualquer mísero toque e vertia grossas e longas gotas de pré-gozo, molhando o colchão.

—Quero que você goze apenas com o prazer de ser fodido por mim — disse devasso ao morder o lóbulo da orelha de itachi.

Shisui apertou o pescoço do menor com um pouco de força que aumentou levemente a medida que se aproximavam do ápice. Ambos os corpos estavam suados e arrepiados, chocando-se com brutalidade, gemidos de ambas as partes ecoavam pelo quarto negro e Itachi já perdia o ar, gemendo arrastado quando sentiu espasmos se espalharem pelo seu corpo. Shisui apertou uma das nádegas de Itachi, deferindo um forte tapa na mesma logo em seguida o fazendo revirar os olhos ao jorrar sua essência fortemente sobre a cama, contraindo todos os músculos de sua entrada induzindo o parceiro a investir ainda mais violentamente e logo derramar-se em seu interior.  Shisui debruçou-se sobre o corpo cansado de Itachi que também se encontrava perdido em meio a sensação maravilhosa do pós orgasmo.

Não tiveram pressa em falar algo um para o outro, ou de ficar em uma posição mais confortável que aquela, apenas permaneceram ali, imóveis, normalizando suas respirações com pequenos sorrisos no rosto, mas logo Shisui saiu do interior de Itachi, desamarrando-o com preocupação.

—Você está bem?

—Estou — respondeu ao examinar os pulsos agora com marcas de corda.

—Tem certeza?

—Shisui, eu estou bem!

—Okay — disse puxando Itachi pela cintura e o beijando com ternura — Vamos tomar um banho.

Pegou Itachi no colo e saiu da cama seguindo para o banheiro que ficava ao lado do quarto no corredor.

—Eu sei andar, sabia? — ironizou ao revirando os olhos.

—Eu sei que sabe, mas duvido que você consiga se manter devidamente em pé depois de ter três orgarmos. Ainda tem sêmen e lubrificante escorrendo pela sua perna — disse fazendo Itachi esconder o rosto na curva de seu pescoço.

—Cale a boca — murmurou fazendo Shisui rir.

Chegando ao banheiro, Shisui deixou Itachi sentado sobre a tampa do vaso e ligou as torneiras da banheira. Pegou um pequeno elástico e um pente no armário perto da pia e foi até o amado, penteando seus cabelos bagunçados e o prendendo em um coque para não molhá-lo durante o banho. Desligou as torneiras conferindo se a água estava em uma temperatura agradável, e entrou chamando Itachi logo em seguida. O mais novo sentou entre suas pernas, encostando suas costas no tórax do primo que começou a acariciar seu peito delicadamente o fazendo relaxar.

—O que você achou? — perguntou receoso.

—Foi melhor do que eu achei que seria — Sorriu de canto ao se lembrar da noite que tiveram — Mas sabe, pode ficar ainda melhor.

Em um piscar de olhos Itachi já se encontrava sentado no colo de Shisui, devorando seus lábios com volúpia até que a falta de ar se fizesse presente.

—Prometeu ser meu submisso, já se esqueceu disso? — disse zombeteiro.

—Você disse que seria o meu mestre dentro daquele quarto, estamos no banheiro agora — respondeu rebolando no colo do maior — Aqui eu não sou mais o seu submisso.

—Muito inteligente da sua parte, meu amor — disse com um sorriso de canto, colocando as mãos sobre a cintura de Itachi ajudando-o a rebolar mais rápido — Sendo assim, acho que precisamos rever aquele contrato.

—Ou não...

E assim outro beijo libidinoso se iniciou, os fazendo mergulhar na pura luxúria pela segunda vez  - não a última - naquela noite, onde nenhum dos dois desejava que as roupas voltassem para seus corpos ou que suas bocas se desgrudassem.

__________________________________________________________

Notas Finais: BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo)

Cock and Ball Torture (CBT) é uma prática que induz o prazer a partir da dor extrema, localizada diretamente nos testículos, glande e pênis. Os praticantes usam diversas técnicas e aparatos, desde anéis apertados ao redor dos testículos, agulhas, cera quente, tapas, chutes e até choques elétricos para provocar dor e alcançar seus objetivos que culminam com o orgasmo.

Pet play é fetiche por se comportar como animal de estimação (Miar, latir...) Nessa prática BDSM, a pessoa submissa é transformada em animal de estimação e obedece um dominador.

3 de Maio de 2018 às 03:51 5 Denunciar Insira 7
Fim

Conheça o autor

Raylanny Alves Estudante de arquitetura, amante incondicional de Uchihas e fã de Star Wars, com funcionamento a base de Toddynho e música vinte e quatro horas por dia. Tenho 18 anos e me tornei escritora por ter uma imaginação fértil demais e precisar compartilhar isso com o mundo. Bem vindo ao lado Raylannystico da força 🌈

Comentar algo

Publique!
Xabel Mind Xabel Mind
Moi bo traballo, impresionante! Gracias por compartilo 👏❤️
6 de Fevereiro de 2019 às 16:54
Camy <3 Camy <3
Olá! Venho em nome da Equipe de Verificação, Ray. Neste primeiro momento, histórias PWP não estão sendo verificadas, por isso a sua história permanecerá como "História não verificada".
12 de Setembro de 2018 às 18:14

  • Raylanny Alves Raylanny Alves
    Eu fiquei sabendo disso só depois que já tinha comprado... 12 de Setembro de 2018 às 18:18
Marcela Jackson Marcela Jackson
Foi minha primeira fic sua! É kkk eu lembro como surtei. Mas foi por causa dela que nos conhecemos e que eu tive a chance de ser sua amiga e hj marida/beta. Felicidade define, mas oo que fic deliiciosaa. Eu sou mtoo apaixonada por toda a historia, pelo lemon e que lemon né. Parabéns amor por escrever, por seu talento e trabalho. Eu sei como vc se dedica e como surta sempre. Ja li essa incontáveis vezes mais me recuso a dizer porque vou deixar vc chutar! <3
17 de Agosto de 2018 às 11:02

  • Raylanny Alves Raylanny Alves
    PORQUE VC É UMA SAFADA KKKKKKKKKKK 17 de Agosto de 2018 às 14:52
~