Delicious Seguir história

tiatatu Tatu Albuquerque

"Quando a gente casa, a gente pensa em tudo, menos em sexo!" quando eu ouvia isso, eu ria, ria até minha barriga doer. Como eu, com 25 anos, recém casada, com uma vida sexual muito saudável e ativa, ia imaginar que depois de 10 anos ia deixar a chama do meu casamento se tornar uma leve brasa? Não ria de mim, você vai passar pelo mesmo! Contas, problemas, trabalho, filhos... Tudo isso foi se tornando prioridade enquanto nossa cama passou a ser usada apenas para dormir depois de um longo dia de trabalho. Eu tô cansada disso, eu preciso resgatar o fogo da paixão com o Naruto antes que nosso casamento acabe em divórcio, eu preciso relembrar o quanto uma manhã a dois pode ser deliciosa! [Desafio Dia do Sexo FNH 2017]


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#naruto #naruhina #fns #FNH #DiaDoSexoFNH
Conto
12
5339 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Manhã deliciosa

Hum... O dia tá maravilhoso, tão maravilhoso quanto esse loiro que tá aqui beijando meu pescoço.

— Bom dia… - bom dia não, depois da noite de ontem, esse dia é um ótimo dia! Já tem 10 anos que eu sou casada com o Naruto, não nego, só esses olhos azuis deles me deixam louca, mas sabe quando a chama apaga? Não adianta olhar e falar “usando eu casar vai ser diferente!”, nunca é diferente e eu vou te dizer o porquê.

“Dia a dia, contas, filhos... Parece que tudo é prioridade, menos a gente e, consequentemente, o sexo, fica por último! Quando a gente começou, tudo era fogo, éramos jovens, com 20 anos, nosso namoro foi bem... Uma loucura completa! Com 25 anos nós casamos, não tinha um dia em que não transássemos loucamente, pelo contrário. Naruto tinha uma planta da casa e ele ia marcando os cômodos da nossa casa pra saber se já tínhamos transado ali e, caso não, tratávamos de mudar isso, quando alguém me falava que o sexo esfriava com o casamento, eu ria descaradamente da cara da pessoa, porque, pra mim, aquilo seria impossível! Mas logo tudo começou a amornar, estávamos pagando nossa casa ainda, então precisávamos trabalhar muito, isso nos deixava tão cansados que a gente sempre dizia…

— Que tal se deixarmos pra outro dia? - foi aí que o outro dia se tornou dois dias, três, uma semana, até mesmo chegou a meses, pasme! Então vieram os filhos, gêmeos, isso complicou tudo e, por mais que eu ame Boruto e Himawari, não posso negar que eles complicaram muito a minha vida, entende? Trabalhamos ainda mais, tínhamos mais contas à pagar, quando chegávamos precisávamos cuidar da casa, dos filhos, um pouco de nossa saúde, e então o sexo foi cada vez menos presente nas nossas vidas, ficou restrito à datas especiais, como aniversários, nossos ou de nosso casamento, e não sabe como isso me tortura! Qual é? A gente tinha uma média de 3 relações ao dia e agora temos três relações ao ano, foi uma queda brusca não? Eu também me assustei, mas foi algo tão natural ao longo dos anos que eu não tinha notado isso até anteontem, conversando com as minhas amigas justamente sobre isso: a falta de sexo depois do casamento!

— Ah, gente, tenham novas ideias! Apimentem a relação de vocês… - foi o conselho da Tenten, a única viúva do grupo, já que o marido dela, meu primo Neji, faleceu em um acidente no ano passado. - Quando o Neji era vivo, a gente não deixava passar de um mês sem sexo, quando acontecia eu sempre fazia algo diferente pra esquentar as coisas, uma fantasia, uma bebida, um brinquedinho… Se a chama do casamento de vocês apagar, logo vocês vão acabar pedindo o divórcio. - na hora eu ri, mas, sabe, ela tinha razão. O sexo pode não ser tudo numa relação, mas com certeza é um dos pilares da relação. Ainda somos novos, 35 anos, mas temos a vida sexual mais parada que a dos meus sogros, que tem 60! Isso foi muito chocante pra mim e foi aí que eu decidi mudar isso. As crianças estão de férias, minha sogra adora ser babá deles, então eles vão passar uma semana na casa de campo deles, eu também convenci o Naruto a tirar uma folga no trabalho, assim como eu falei com a Sakura, a chefe do hospital onde eu sou enfermeira, e dei um atestado de “tesão entre a vida e a morte”, pra conseguir dois dias de folga e ela deu, já sabendo que eu ia seguir o conselho da nossa querida chocolate. Foi então que eu preparei tudo, fiz um jantar bem romântico, à luz de velas, com um bom vinho, um clima bem especial, me arrumei bastante, prendendo meus cabelos negro-azulados, hoje em dia na altura do ombro, em um coque do jeito que ele gosta, com duas mechas soltas emoldurando meu rosto, realcei meu olhar de pérola com bastante rímel, com um batom vermelho bem sedutor nos lábios, e então…

— Nossa, o que é isso? - ele sorriu malicioso assim que me viu, vindo me abraçar, por isso eu engoli a leve timidez que ainda me resta e dei espaço à mulher sedutora que ainda existe em mim, arranhando sua nuca e sussurrando em seu ouvido.

— Todos os seus desejos!”

Fechei os olhos, apreciando os toques dele nos meus pontos mais sensíveis, o jantar esfriou, sequer saiu das panelas, já que acabamos em cima da mesa, a incendiando com nosso tesão que já estava reprimido há quatro meses. Ontem ele me puxou pelos cabelos, me jogou na cama e beijou do meu pescoço aos meus pés, me seduzindo por completo, assim como eu fiz com ele, passeando com a minha língua e as minhas unhas pelo corpo dele, foi algo tão bom que eu faço questão de repetir agora de manhã. Ao lado da cama ainda tem um balde com gelo e um champagne que abrimos ontem, pra comemorar essa noite memorável, então eu peguei e nos servi, um gosto delicioso, como esse beijo com gosto de sedução que trocamos, a bebida ajuda a criar um clima ainda mais erótico e sedutor, tudo o que precisávamos em nossa relação.

— Você tá ainda mais gostosa que quando nos casamos, sabia? - ele sussurrou explorando meus corpo com o toque grosso de suas mãos, os anos nos trouxeram uma cumplicidade e experiência incríveis, conhecemos muito bem o corpo um do outro e isso torna tudo ainda mais prazeroso. Mordi seu pescoço, assoprando sua jugular, ouvindo seu gemido leve e rouco provocado pelo choque do meu hálito gélido do champagne em sua pele quente, em seus olhos eu vejo o mesmo fogo de quando éramos mais jovens, os anos fizeram bem a ele, o cabelo loiro começa a ter relances grisalhos e isso lhe dá um charme especial, assim como ele diz que gosta das celulites e estrias que o tempo me deu, assim como da malícia que ganhei em relação à nossa cama, que já treme e olha que ainda não passamos das carícias. Eu tive uma nova ideia e quando saí de seu colo para colocá-la em prática ele pareceu sair de um transe. - Amor, eu tinha que ir… - o beijei, ele não vai a lugar algum!

— Você tem que ficar aqui comigo, tem o dia inteiro de folga do trabalho, mas hoje você é o meu escravo! - mordi meu próprio lábio, voltando a sentar ainda mais sensualmente em seu colo, mostrando as algemas que tanto usei durante nossa lua de mel o vendo me encarar malicioso. Merda? Esse telefone tinha que tocar logo agora?

— Hina, é o Sasuke, eu preciso... - o calei com meu indicador, logo chupando seu dedo médio, o seduzindo.

— Só ignora! - ele pegou o telefone, abriu, tirou a bateria e jogou ela longe, rindo pra mim.

— Eu tenho algo melhor pra atender... - suas mãos passearam pelas minhas curvas, até chegarem e apertarem fortemente meu bumbum, enquanto seus lábios beijam meu pescoço, mas...

— É você que tá aqui pra me servir! - sussurrei em seu ouvido, sentindo o arrepio de sua pele, logo o prendendo na cama com as algemas. - Mas agora acho que eu posso me servir de você! - beijei seu pescoço, seu peitoral bem definido, afinal ele nunca descuidou da boa forma, assim como eu, foi aí que eu peguei um cubo de gelo do balde e então o passei por seu corpo, ouvindo seu urro enquanto eu rebolo, completamente nua, sobre seu membro pulsante. - Ora, já está assim?

— Não tem como resistir à uma gostosa como você, Hina! - ri de canto, adoro quando ele massageia meu ego, assim como ele gosta quando eu o massageio entre meus seios um tanto quanto fartos, o olhando sedutora antes de abocanhar seu membro. - H-Hinata… - ele gaguejou sentindo o gelado do ar que soltei sobre sua glande, eu sei o quanto ele é sensível aqui. - Puta que pariu, eu nunca pensei que depois de tanto tempo você ainda ia me dar tanto prazer sabia?

— Não me subestime! - tem tempo que não prático, mas consegui levá-lo até minha garganta, ouvindo quando ele reprimiu um grito mordendo o lábio, o que foi inútil, já que aumentei a sensação de prazer que ele tinha ao arranhar sua barriga e a lateral de suas coxas. - Eu posso te surpreender! - tinha tanto tempo que eu não me sentia tão desejada por ele que eu já tinha esquecido o quanto isso me é satisfatório, ver esses olhos me analisando enquanto eu ponho meus pés um em cada lado de seu corpo e me levanto, só pra ver esse olhar safado dele me olhando de baixo. Lhe dei meu pé esquerdo e ele o beijou, como se eu fosse uma rainha e ele meu súdito leal.

— Eu só queria poder tocar em você… - espertinho!

— Mas eu ainda nem comecei a brincadeira… - voltei a me sentar, agora na cara dele. - Eu não vou ter que pedir, vou? - perguntei maliciosa e então me agarrei à cabeceira da cama, sentindo as carícias da língua dele em mim, é impressionante como a experiência nos torna ainda melhores na troca de carinhos e de prazer. - Naruto… - não me aguentei, troquei as posições e então fizemos um bom meia nove, devolvendo um ao outro o prazer que nos proporcionávamos, sufocando nossos gemidos com o sexo um do outro. Logo eu o senti estremecer em meus lábios, por isso me preparei para receber tudo e então engoli, em retribuição ao orgasmos que ele me proporcionou momentos depois. Uh! Toquei o seu e voltei disposta a provocar e sentir sensações libidinosas que só os demônios mais ousados conhecem. O soltei das algemas e o deixei me beijar, me tocar, apertar, mas ainda assim quem manda sou eu, que nesse exato momento perdi a fala quando ele passou um cubo de gelo em meus mamilos, bebericando mais um pouco de champanhe e então deixando um rastro de saliva e chupões pelo meu corpo, desde o meu ouvido até minha virilha.

— Agora eu posso dar mais atenção aqui! - nossa, isso tá ainda melhor! Ele me agarrou pelas coxas e caprichou bastante no sexo oral, agora chupando na intensidade certa meu clitóris, enquanto eu me agarro aos seus cabelos e também aos lençóis. Isso tá delicioso, mas eu não vou ter fôlego pra penetração se continuar assim. Puxei ele pelos cabelos, olhando em seus olhos e ordenando.

— Me possua agora! - o beijei, sem nojos ou pudores, já não sou nenhuma menina, apenas sou uma mulher com seu lado mais selvagem despertado e sendo bem aproveitado por seu macho, que prontamente se posicionou entre minhas pernas, me fazendo sentar em seu colo e o enlaçar com elas, voltando a deitar por cima de mim e me penetrando de uma só vez, arrancando de mim um forte grito de prazer, enquanto eu arranco as pele de suas costas suadas com as unhas. - Eu só mereço isso? Acho que você pode caprichar mais! - provoquei e então ele deu o melhor de si. Nossos corpos suados e embriagados de prazer praticamente dançavam uma melodia inexistente, já que o únicos sons que haviam eram o dos carros que passam pela nossa rua e o do choque de nossos sexos, tal como nosso gemidos, sussurros e juras de amor, intensas como nosso prazer, nosso casamento, nossos desejos explorados ao máximo, sensações libidinosas e, segundo às más línguas, indecentes, mas as más línguas não me importam, a única língua que me interessa é essa que lambe minha pele, rodeia meus mamilos e me faz delirar.

— Deliciosa! - sim, deliciosa, eu me sinto deliciosa e o sinto assim também, ele é um homem maravilhoso, um verdadeiro macho alfa que roça sua barba mal feita em meu pescoço, me segura forte pelos cabelos, toca grosso em minhas costas, me dá leves tapas no traseiro, mas eu quero mais.

— Me prende, me usa! - e foi assim que ele me prendeu de quatro com as algemas, senti suas carícias em meu bumbum e eu, já louca de prazer, ordenei. - Bate! - ele sabe como eu gosto, por isso bateu forte onde eu sou mais sensível, me fazendo gemer rouca enquanto volta a me penetrar, me levando ao céu. Senti quando ele novamente se derramou, dessa vez dentro de mim, e isso me animou ainda mais, com ele acariciando meu clitóris para que eu gozasse assim como ele. Maravilhoso! Pensa que acabou? Longe disso! - Isso, bate mais! - me permiti senti-lo me dominar, me acariciar e, como quando éramos jovens, o que o satisfaz é me satisfazer, logo ele estava pronto e eu já sei o que ele quer!

— Não imagina a saudade que eu sinto de foder a sua bunda! - arrepiei com a forma sedutora que ele disse isso, logo me beijando com volúpia.

— Isso foi… Incrível, Hinata! - é, eu sei… Nos beijamos ainda mais, até que o relógio bateu 09:00, nossa, eu tô exausta demais!

— Agora você lava a louça! - disse após um último beijo e ele riu malicioso.

— Acho que tenho outra ideia! - ele me pegou no colo e levou pro banheiro, acho que não acendi uma chama, fui responsável por um verdadeiro incêndio e acho isso uma delícia! 

14 de Abril de 2018 às 23:40 2 Denunciar Insira 4
Fim

Conheça o autor

Tatu Albuquerque Mãe de Konohamaru, madrinha de Hanabi, adepta da Fé do Sagrado KonoHana. Você tem 5 minutos pra ouvir a palavra da minha igreja? Kaiten no cu e gritaria, kore!

Comentar algo

Publique!
Cecilia Jarske Cecilia Jarske
AAAAAA COMO NÃO AMAR ESSE CASAL CHEIO DE TESÃO E PUTARIA ASSIM?! Gente do céu, eu amo exatamente esse jeitinho desbocado e pervertido de Naruto. Hinata é uma mulher de sorte, não é mesmo?! xD E gostei mais ainda por você ter feito ela totalmente entregue e sem timidez, gosto de NH exatamente dessa forma: livres e safados! Afinal, quem não gosta de levar uns tapas e foder deliciosamente dessa maneira aí?! *q* HIHIHIHIHIHI Amei essa one, obrigada! Beijos :*
27 de Novembro de 2018 às 11:19
Fox Bella Fox Bella
OLHA ESSE CASAL! OLHA ESSE HOT! OLHA ESSA TATU! Minha querida enquanto eu lia eu rezava pra que ninguém fosse bisbilhotar oq eu fazia, GZUIS! Mds, todas as suas fics me tiram o fôlego Ju!
26 de Junho de 2018 às 19:35
~