When We Were Young Seguir história

valdieblack Valdie Black

Han Solo relembra o momento que conheceu sua princesa e percebe o quanto eles mudaram. Uma fanfic de Universo Alternativo.


Fanfiction Filmes Para maiores de 18 apenas. © Star Wars não me pertence. Fanfic escrita sem fins lucrativos.

#han solo/leia organa #universo alternativo #romance #fanfiction #star wars
Conto
2
6254 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

When We Were Young

O bar não existia mais. “Bespin” foi muito famoso nos anos 80, estava sempre lotado de pessoas que vinham de todos os lugares. Turistas, a maioria. Eu achava muito barulhento, gostava mais dos bares pequenos, sem toda aquela badalação de “Bespin”. No entanto, vez ou outra ia lá por curiosidade ou porque estava desocupado no dia. Foi numa dessas vezes que nos conhecemos.


Leia chamou minha atenção de imediato. Quando ela entrou a primeira coisa que pensei foi que parecia alguém de realeza. Tinha o nariz empinado e olhava para todos nós como se fôssemos um monte poeira. Usava um vestido vermelho, os cabelos amarrados numa trança muito elaborada e parecia sozinha. Sorri. Seria muito divertido tirar aquela Alteza do seu trono. Divertido! Mal sabia eu...


- Olá, princesa. Tem alguém aqui? - perguntei, indicando a cadeira ao lado dela.


- Sim. - respondeu com a voz mais fria que gelo e sem olhar pra minha cara.


Não dei o braço a torcer.


- Vou sentar do outro lado então. - arrastei a cadeira para o lado esquerdo dela.


Leia virou o olhar novamente.


- O que uma mulher bonita como você faz sozinha num lugar como esse? - dei meu sorriso mais charmoso, mas ela ainda não olhava pra mim.


- Não estou sozinha.


- Não acredito. Nenhum homem em sã consciência deixaria uma beldade como você desprotegida aqui.


- Posso me proteger sem ajuda, obrigada.


- Estou começando a perceber isso.


Estalei os dedos.


- Lando! - chamei. - Traga mais duas cervejas, uma pra mim e outra pra minha amiga aqui.


Lando estava atendendo outras pessoas e me lançou um olhar irritado.


- Coloco isso na conta de quem dessa vez, Solo?


- Ei, que conversa é essa? Somos amigos, Lando! Onde está a sua lealdade?


Lando parou na minha frente.


- O chefe disse que se eu lhe der mais bebidas de graça ele vai descontar do meu salário.


Ia lhe responder algo muito grosseiro como “talvez se você não fosse tão ruim de jogo não teria perdido tanto dinheiro na nossa última aposta e estaria bem agora”. Mas Leia falou:


- Tudo bem, Lando. Fica por minha conta.


Lando não pareceu gostar daquilo, mas não contestou.


- Como quiser, senhorita Leia.


Fiquei boquiaberto, mas meu espanto não durou muito tempo porque eu sabia que Lando sempre cedia a um rabo de saia.


- Então... “Leia”, hein? - voltei. - Bonito nome. Bíblico, não é? Minha família também é religiosa. Minha mãe batia em mim religiosamente toda vez que eu faltava na escola.


- A Sra. Solo deve ter batido forte demais nessa sua cabeça... - alfinetou. Ainda não olhava pra mim mas eu sabia que estava conseguindo amansar a fera.


- ”Solo” era o nome de solteira dela, meu pai não ficou por tempo o suficiente pra lhe dar um nome de casada. - sorri. - Mas eu lhe daria um, princesa. “Sra. Leia Solo”, que tal?


- Não, obrigada.


Lando voltou com as bebidas.


- Se quiser um conselho, senhorita, fique longe desse homem. Conheço Han Solo muito bem e sei que não presta.


- Leia não lhe pediu conselhos, Lando! - falei irritado. Uma coisa era me provocar, outra coisa era estragar minhas jogadas.


- Tudo bem, Lando, conheço homens como ele. - disse Leia.


- Homens como eu, é? Como nós somos?


- Vi que você olhava para mim quando entrei. Como um caçador observa a caça. Você me vê como um pedaço de carne, um prêmio. Vai me usar e depois jogar fora. Você, Han Solo, é um canalha.


- Ei, espera um pouco... não estava pensando em você assim.


- Ah, é mesmo? - disse, sem acreditar.


- Sim, mesmo. Quando te vi pensei que você era a mulher mais arrogante que já existiu, fria e insensível. Também pensei que devia ser solitária e exigente consigo mesma. Achei que talvez eu pudesse animar sua noite, acender alguma chama. Quem sabe só por hoje você não passaria o tempo todo achando que deve ser perfeita para agradar todo mundo. Seria uma noite muito divertida para nós dois.


Leia olhou pra mim. Tinha olhos tão castanhos, grandes e melancólicos. Senti vontade de beijá-la mas não fiz isso.


- Desculpe, Leia, acabei me perdendo... papai tem que mandar colocarem algumas placas por aqui! - disse um jovem rapaz que surgiu do nada.


Levantei-me da cadeira imediatamente. A última coisa que eu queria era apanhar de um namorado ciumento.


- Pronta pra ir agora? - ele perguntou, sem me notar.


- Você pode ir, Luke, vou ficar conversando com o Han mais um pouco.


Foi aí que Luke olhou pra mim e depois pra Leia de novo.


- Entendo...


- Escutem, eu não... - comecei, estava crente de que ia receber uns socos.


- Vou só me despedir do Lando antes de ir. - ele disse, sem prestar atenção em mim.


Fiquei sem entender a cena. Leia riu de mim quando Luke foi embora. Era um som bonito, a risada dela.


- Luke é meu irmão!


Então eu compreendi e comecei a rir também. Leia e eu conversamos quase a noite toda. Ela me disse que o pai dela era um empresário muito poderoso, o dono de “Bespin” e tantos outros lugares. Luke era seu irmão gêmeo, a mãe dos dois tinha falecido ao dar a luz e por isso eles eram muito próximos. Leia revelou que ele era seu único amigo, a vida dela era muito cercada de bajuladores e pessoas mesquinhas. Luke era o único em que ela podia confiar.


Quanto mais ela falava, mais eu me apaixonava. Era tão esperta, talentosa, engraçada... por algum milagre consegui convencê-la a ir comigo para casa. Não era nada demais, um apartamento pequeno com um cachorro muito fedido chamado Chewbacca. Mas ela não se importou, e nós fizemos amor até os primeiros raios de sol atravessarem as janelas do quarto.


Na época pensei que seria só isso. O que diabos uma mulher rica dessas iria querer com um cara como eu? Mas ela ficou, irritando o pai e tantos outros. Felizmente... quer dizer... não, ok, é “felizmente” mesmo. Nunca gostei do homem. Felizmente ele morreu antes de nos casarmos.


Parei o carro na frente do prédio abandonado que outrora fora o bar mais frequentado da cidade. Como as coisas mudam! Sim, as coisas mudam bastante... lembrei-me do rosto de Leia quando lhe disse o que pensava dela. Ela mudou tanto, estava mais velha e cansada. Mas continuava forte e... linda.


Era quase meia-noite quando voltei pra casa. Fui até o quarto dos gêmeos, Jaina e Jacen, eles dormiam no beliche. Desejei boa noite mesmo sabendo que não seria ouvido e fechei a porta. Leia me viu, ela estava de camisola mas não parecia com sono.


- Você voltou. - disse, surpresa.


- Claro que voltei. Você pensou que não voltaria?


- Imaginei...


- Só fui esfriar a cabeça.


- Ok...


Não dissemos mais nada. Não era do nosso feitio pedir desculpas.


- Às vezes tenho medo de perder você. - ela confessou, tinha lágrimas nos olhos. A última vez que chorou foi quando os gêmeos nasceram, e foram lágrimas de alegria (ou assim espero).


- Ei... eu estou aqui. - dei-lhe um abraço. - Viu só?


- Han, tem outra coisa.


- O quê?


Ela me olhou nos olhos quando disse:


- Não te contei, mas... eu estou grávida. De novo.


Lembrei de quando ela me disse que estava grávida dos gêmeos. Foi mais ou menos assim, estávamos abraçados. Tudo era igual e diferente ao mesmo tempo.


- Isso é ótimo, princesa, agora posso formar minha banda.


Leia ergueu uma sobrancelha. Pensei que ia me chamar de canalha de novo, como chamara em 1981.


- ”Princesa”? Você não me chama assim desde...


- Fiquei pensando muito hoje e decidi que vou chamá-la assim todos os dias.


- Por isso que demorou tanto pra voltar pra casa, Han Solo? Você sabe que horas são?!


- Não estrague o momento.


   Eu não queria que aquele momento passasse como todos os outros passaram. Leia sorriu pra mim. Aquele mesmo sorriso de quando éramos jovens.

15 de Março de 2018 às 02:16 2 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Andre Tornado Andre Tornado
Oi Valdie! Adorei esta história! Foi tão bom reencontrá-la aqui. Muita nostalgia à mistura... Beijo!
15 de Março de 2018 às 09:47

  • Valdie Black Valdie Black
    Hehe eu não lembrava mais de certas coisas e pareceu que foi outra pessoa quem escreveu. Obrigada! =*** 15 de Março de 2018 às 10:32
~