E quem é a Mulher Maravilha? Seguir história

dimple doctor Jin

E desde então, em minha cidade um burburinho se iniciou, nenhuma mulher ou menina queria ser tratada como inferior. As que abriram seus olhos para a desigualdade de gênero deram espaço e voz aos sonhos do passado, tentam quebrar o ciclo de inferiorização.


Auto Ajuda Todo o público. © Todos os direitos reservados

#Feminismo #Dia da Mulher #Womens Day #Igualdade de gênero
Conto
2
6726 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Por que deveria ser utópico?

 Queria ser tão forte, bonita e corajosa quanto Diana, mas não me sentia capaz de ser como ela. Me perguntei o que fazia da Mulher Maravilha uma heroína tão especial para as meninas e, como um clarão, notei diferenciais nela que quase não se viam na TV.

 Não haviam tantas personagens femininas nos desenhos que demonstram tantas características marcantes, há poucas heroínas e a Mulher Maravilha é tida como um símbolo de representatividade. Ela era o diferencial, mostrava o que muitas queriam ser em contrapartida aos discursos que sempre ouviam dos adultos.

 Como o contraponto nos discursos dos pais, Diana trazia sonhos e idealizações para os corações de muitas meninas que, por tanto ouvirem o que os outros dizem, acreditavam que ser uma Mulher Maravilha era utopia. Cresciam repetindo as frases cruéis para suas pequenas Diana’s sem perceber que o sonho não estava tão distante.

 Certa vez, Uma das mães que sempre recebiam uma rosa pintada no dia da mulher se questionou porque neste dia tudo era tratado de forma tão estranha, a sociedade agia como se não obrigasse as esposas a fazerem o que os maridos queriam, desistir do que gostavam para cuidar da família.


Afinal, o que é ser mulher?


O que é ser mãe?


O que é ser esposa?


O que é ser humano?


 E depois de tanto matutar foi percebendo em meio as nuances desse dia que as obrigações que sempre lhe caiam aos ombros não eram tão obrigações assim. Que ser Diana não era utópico, na verdade é tão real que em todas as mulheres e meninas existem um pouquinho de si, Mulher Maravilha não era apenas uma mulher forte, bela e corajosa que luta contra a desigualdade.

 Seu peito se encheu de esperança e seus olhos voltaram a brilhar, disse então para todas as mulheres que conhecia:


"Todas somos Diana e juntas devemos buscar nossa liberdade dessa algema de machismo e repressão!"


 E desde então, em minha cidade um burburinho se iniciou, nenhuma mulher ou menina queria ser tratada como inferior. As que abriram seus olhos para a desigualdade de gênero deram espaço e voz aos sonhos do passado, tentam quebrar o ciclo de inferiorização.

 Hoje então, sempre dizemos umas as outras:


"Você é uma mulher maravilhosa, não permita que tirem de si sua coragem, força e beleza por meio de opiniões e padrões irrelevantes. Arregaça as mangas e lute pelo que é certo!"



8 de Março de 2018 às 18:17 2 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

doctor Jin Fantasmando enquanto posto minhas histórias.

Comentar algo

Publique!
Karimy Karimy
Gostei muito, é motivador e forte. Você soube usar as palavras para transmitir o que as mulheres, ainda hoje, lutam para alcançar, mostrando que a Mulher Maravilha pode estar dentro de cada uma de nós. Está de parabéns por essa história!
28 de Março de 2018 às 20:18

  • doctor Jin doctor Jin
    Muito obrigada! Ao meu ver é uma luta diária contra as ideias da sociedade e as que estão impregnadas no nosso subconsciente de tanto tempo vivendo nessa bolha. Quando percebemos o quanto somos incentivadas a nos menosprezar parece que o mundo se torna um lugar totalmente diferente, os detalhes de cada palavra ou ato minimo revelam ter um machismo por trás nunca antes enxergado por nós. E se torna uma luta diária quando percebemos que nós tratamos umas as outras da mesma forma, criticando mulheres que não se restringem diante dessa supremacia. Não sei se ficou perceptível, mas também queria mostrar que a irmandade também é importante para enfrentar tanta imposição, somos a Diana uma da outra, salvando nossas irmãs do próprio machismo, do cara que assedia no ônibus, de algum estranho que tenta agarrar na rua ou festa e fingimos conhecer a garota pra tirar ela do perigo. A gente não precisa ser um grande super herói para salvar os outros ou realizar grandes atos heroicos, as vezes questionar um comentário ou revidar uma frase abusiva já muda muita coisa. Estou muito feliz mesmo por ter lido minha história, obrigada novamente! Espero que tenha um bom dia! 30 de Março de 2018 às 08:25
~