Da Cabeça aos Pés Seguir história

tsukinofih Fih Tsukino

Konoha. A cidade, nem sempre tão pacata, está prestes a ter os seus segredos revelados, abalando o sono dos membros das famílias fundadoras. Os Otsutsuki, os Senju, os Uchiha, os Hyuuga e os Uzumaki. Todos eles ligados pelo fio do destino, esticado por movimentos sombrios, tornando o futuro incerto, diante da ganância e o rancor de alguns. A sujeira capaz de respingar até mesmo nas famílias secundárias, mudando caráter, criando verdades, vivendo em mentiras, transformando realidades. Um ciclo vicioso que será quebrado pela nova geração, responsável por desvendar a caixa de pandora tão bem guardada à sete chaves, tendo como combustível O AMOR E A AMIZADE. E não qualquer amor, mas um adormecido por quatro longos anos de Uzumaki Naruto e Hyuuga Hinata.


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#Romance #Suspense #Amor #Naruto #Policial #Hentai #Uzumaki Naruto #Hinata #Amizade #Naruhina #Universo Alternativo #College #Conexão Naruhina #Hyuuga Hinata ##FNH ###Naruto #Fanfics Naruto #Aomesmotempo #Conexãonaruhina #Europa #Faculdade #Fanfics Naruhina #Fanficsnaruhina #Fanficsnaruto #Head Over Feet #Hinanaru #Konoha #Medo Bobo #Paixão #Universidade ###FNH
7
7117 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Terças-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

[Arco 1] - Reencontro

— Cara, como eu odeio lugar lotado! - reservada como era, seria inimaginável vê-la no meio de tanta gente. Estava ali pelas amigas.

— Eu só queria uma bebida. Em momento algum mencionei encarar uma guerra para isso, céus! - ansioso como era, aquele mar de gente era um verdadeiro desafio. Sentia-se um cavaleiro medieval, prestes a encarar um exército sozinho, mas sem sua armadura, sua espada ou cavalo.

— É muita gente! Esse roçar de corpos me agonia, poxa. - bufava. Estava deveras contrariada.

— Cara, dá para dar uma licencinha? Eu só quero chegar até o bar. - pediu gentilmente a um rapaz parado à sua frente. Queria, na verdade, xingá-lo quando percebeu que propositalmente a pessoa o atrapalhou mais ainda.

— Ei, não me empurra assim! Não existe mais gente educada nesse mundo? - sua calma peculiar estava esvaindo.

— Puta que pariu, presta atenção por onde anda! - falaram em uníssono ao se chocarem contra algo. Mas antes que a menina pudesse cair, o rapaz mesmo irritado agarrou-a pela cintura, evitando um acidente ainda maior.

— Você... - os olhos perolados estavam arregalados com a visão à sua frente.

—... não pode ser! - as safiras brilharam ao ver quem praticamente atropelara.

Mal puderam perceber que todos os olhares estavam direcionados agora aos dois. Instintivamente, quando percebeu quem tinha aos braços, o moço loiro, alto e dos olhos azuis na cor do mar, envolveu ainda mais a cintura da moça. Involuntariamente, ela aproximou seus rostos, fazendo com que suas respirações se misturassem.

— N-Naruto... -kun!

— H-Hi-Hinata!

Pelo menos, um minuto se passou com um fitando os olhos do outro. Era como se estivessem em um profundo transe. De fora, quem assistia a cena, poderia jurar que se tratava de um casal apaixonado. Mas, não era isso mesmo?

Aquela áurea profunda, romântica e tensa, foi quebrada por um esbarrão dado por um terceiro. O moço logo tratou de soltar a garota dos olhos de pérolas.

— Aaah, nossa! Não achei que fosse te ver por aqui. Quando chegou? - a voz saíra esganiçada e bem mais alta do que gostaria. A face estava bem corada e a mão esquerda foi levada atrás da cabeça, coçando levemente os fios dourados e abrindo um sorriso sem graça.

— Éééé... também não esperava revê-lo aqui! Cheguei hoje pela manhã, bem cedinho... Tenten me falou sobre o festival. Já tinha combinado com as meninas, então vim com elas... - respondeu desviando o olhar e sentindo as bochechas corarem. Aquele sorriso lhe aquecia o coração e, a seu ver, era irresistível.

— Aaah... eu... bem... É muito bom te rever! - sorriu ainda mais abertamente, com brilho no olhar. Fez questão de guardar cada traço daquele rosto, mesmo sem saber o direito o porquê.

Há quatro anos, aquela menina partiu de Konoha e nunca mais se viram. Hyuuga Hinata, primogênita de uma das famílias mais ricas da cidade, viajou para o exterior a fim de fazer um intercâmbio cultural. Escolheu o Reino Unido para praticar o inglês e cursar a high school. Acabara cursando o primeiro ano de faculdade por lá mesmo. A experiência, na visão de seu pai, Hyuuga Hiashi, seria perfeita para o futuro que desenhara para ela. Empresário implacável no mundo dos negócios, considerado impiedoso com os seus rivais, ele almejava passar todo o seu império para sua filha mais velha.

Embora não tivesse tanta certeza sobre o futuro que queria trilhar, a jovem não poderia negá-lo um pedido. Não ao pai amoroso que, mesmo que tivesse muito trabalho a fazer, nunca negou atenção e presença a ela e sua irmã mais nova, Hyuuga Hanabi. As duas perderam a mãe, logo após o nascimento da caçula, xodó da casa. De quebra, criou o sobrinho, Hyuuga Neji, após a morte de seu pai, Hyuuga Hizashi, irmão gêmeo do patriarca.

Ao olhar de Naruto, ela estava ainda mais linda do que se lembrava. Cresceu alguns centímetros, os cabelos, antes curtos, estavam compridos na altura da cintura, tão brilhosos quanto antes. Os olhos incomuns, ainda transpareciam pureza, entretanto estavam mais decididos e confiantes. O tom de voz doce continuava sem os traços de gagueira ou nervosismo. A timidez parecia não ser mais um problema. Sentiu o ar faltar, por isso suspirou profundamente.

— Achei que você fosse se despedir de mim aquele dia... - encarou as safiras como se procurasse a resposta que procurava.

— Ah... aquele dia. Bom, eu tive uns problemas no trabalho e acabei chegando muito atrasado... Desculpe-me, Hinata! - ele sabia que não estava sendo sincero. Nem com ela, muito menos consigo próprio.

No dia em que Hyuuga Hinata, sua maior amiga de infância, junto a Haruno Sakura e Uchiha Sasuke, partira para o intercâmbio, Naruto fez de um tudo para sair mais cedo do estágio. Já tinha combinado tudo com o seu chefe há, pelo menos, uma semana.

Não entendia bem o porquê, mas tinha tomado o cuidado de estar bem apresentável, usado o perfume favorito, com um odor amadeirado; escrito uma carta a próprio punho, o que era inacreditável; e separado um pendrive com coletâneas de músicas que sabia que a azulada gostava, algumas delas fazia parte das listas que colocavam quando estavam juntos, outras eram músicas que inevitavelmente o faziam pensar nela.

Eles eram amigos desde que podia se lembrar. Não eram daqueles inseparáveis, unha e carne, mas era daquelas amizades que não precisava de muitas palavras. Naruto e Hinata tinham uma ligação especial que era percebida por todos aos seus redores, mas, talvez, não por eles mesmos. Um simples olhar era suficiente para que se entendessem. O loiro sabia que sempre podia contar com ela, nos melhores e piores momentos. O que mais gostava nela era a gentileza, a perspicácia, a confiança. Ela sempre tinha a palavra certa para os seus piores temores. Desde que a menina o ajudara em uma situação difícil, quando achou que perderia os pais, o Uzumaki decidiu que sempre estaria ali por ela também. Vê-la partir era como perder seu porto seguro.

Quando chegou ao aeroporto, sentiu suas pernas lhe traírem. Foi praticamente se arrastando para a plataforma de embarque da Hyuuga. Chegou bem antes do horário do voo, mas não teve coragem de se aproximar. Ficou ao longe a observando. Tentava entender a montanha russa de sentimentos que passava por si. Gastou a maior parte do tempo pensando no que dizer antes de abraça-la e dizer adeus. E era exatamente essa última palavra que não queria dizer.

As coisas pioraram quando viu Inuzuka Kiba se aproximando. Soubera que ele seguiria viagem para o mesmo país que a amiga. Não entendeu a raiva que sentiu ao ver os dois tão próximos e, aparentemente, animados e tão íntimos.

Perdeu-se por um momento em pensamentos ao ver a Hyuuga com as bochechas coradas e, então, lembrou-se do dia em que reparou que ela ficava assim, quando percebeu que gostava disso nela. "Ela fica tão linda corada. Quanto tempo eu vou ficar sem vê-la assim? Irei sentir falta disso, Hinata! Mas o que tá acontecendo comigo, droga!"

O que tá acontecendo, Uzumaki, é que você está perdendo a chance de se declarar para a garota mais legal que já conheceu! - esse era Uchiha Sasuke. O único em Konoha, depois de Hinata, que entendia o loiro só em olhá-lo. — Vai logo falar com ela, dobe!

Suspirou pesado e encostou-se à pilastra atrás de si apoiando os pés. Deu-se por derrotado.

Simplesmente não consigo ir até lá, teme - fechou os olhos com força. — Preciso de mais um tempo, tá bom?

Não é como se você tivesse todo o tempo do mundo, Naruto. Não demora o avião vai decolar e você vai se martirizar o resto dos dias por não ter ido falar com ela, até que se reencontrem de novo - dizia, ao reparar de longe que a Hyuuga parecia procurar alguém. — Eu te conheço bem. E sei que quem irá ouvir toda a sua ladainha sou eu. Se poupe. Me poupe. Poupe a Hinata e também a Sakura.

Seguiu com o andar arrastado de sempre, quando viu a menina de cabelos rosados se aproximar de onde estava Hinata. Haruno Sakura namorava alguns meses com Sasuke, sua paixão infantil.

Hinata abriu um enorme sorriso ao ver os amigos ali. Além deles, Shino e Ino também se encontravam. Mais cedo, encontrara Shikamaru e Temari, além de Chouji e Karui antes de vir para o aeroporto. Mas não deixou escapar um semblante triste. Mais uma vez olhou para os cantos procurando alguém.

— Eeer... Sasuke... ele não vem?

— Ah, Hinata... você sabe como o dobe é. Deve ter metido os pés pelas mãos na editora do Jiraiya e se atrasado. Mas, olha, tenho certeza que ele queria muito estar aqui!

— Ah...

Hina, não fique triste, está bem! Sabe que Naruto se bateria todo se soubesse que é motivo para te deixar triste. Vocês têm uma ligação tão bacana. Ele, de uma forma ou outra, que a gente não consegue explicar, mas talvez vocês entendam, sempre vai estar com você, não é mesmo?

Abriu um sorriso pequeno, mas os olhos brilharam. — Você está certa, Sakura! - "Naruto, me proteja de longe. Eu vou sentir sua falta!" - pensou enquanto levava as mãos em forma de oração contra o peito.

— Hinata, vamos, está na hora! - Neji chamou-a, despertando de sua quase prece. Foi quando viu sua irmã Hanabi se atirar chorando contra si. Sendo abraçada seguidamente por seu pai, seu primo e Tenten, namorada de Neji.

Antes de entrar no portão de embarque, olhou mais uma vez ao seu redor e pensou ao longe ter visto uma cabeleira loira de relance. Arqueou a sobrancelha em surpresa e sentiu um calor no coração. Mas logo entrou, sendo guiada por Kiba, que pegaria o mesmo voo.

Longe dali, Naruto havia se escondido novamente atrás da pilastra, quando encontrou os olhos perolados passando por si. — Desculpa, Hinata. Eu sou um covarde. Mas não posso suportar te dizer adeus. E eu nem sei o porquê de eu sentir o que estou sentindo. - dizia com os olhos marejados, levando uma mão ao peito, do lado do coração, apertando-o em agonia. Correu com toda pressa que tinha para o local onde poderia ver o avião decolar. Em silêncio, disse a si mesmo que cumprira todas as promessas que fez a amiga, quando saíram dias antes. "Devia ter entregado essas coisas para você aquele dia! Por favor, não me esqueça. E seja feliz, Hinata. Que você consiga a mudança que quer em si mesma. Eu seguirei daqui. Prometo que vou me esforçar para ser esse cara incrível que você jura de pés juntos que sou!"

Naruto acordou de seus pensamentos após um novo empurrão. O que pareceram vários minutos de lembranças em sua cabeça, na verdade, foram segundos e num impulso ele abraçou a morena bem forte, sentindo o cheiro de lavanda que emanava dos seus cabelos e o perfume natural de sua pele, que se a memória guardara bem, não mudou muito. Só que parecia tirar-lhe sensações ainda mais fortes de seu corpo. Estremeceu. Mas mesmo assim a levantou e girou no ar, sem se importar se esbarraria nas várias pessoas que transitavam por ali.

— Aaaaahh... Naruto-kuuun... - soltou um gritinho de surpresa em meio a gargalhadas. Aquela atitude era nostálgica.

— Bonequinha, eu senti muito a sua falta. Nem as eventuais mensagens no whatsapp ou os postais foram suficientes para sanar isso, sabe. Nesses quatro anos, tantas coisas aconteceram. Fiquei perdido por vezes. Seus conselhos seriam tão importantes... - a colocou no chão, encarando as pérolas, fazendo um afago em seu rosto.

— Ei, gigante! – riu. — É agora você realmente é gigante! - gargalhou constatando a diferença de altura entre os dois e vendo que o apelido carinhoso que dera ao amigo caia-lhe bem. — Também senti sua falta. Realmente, tiveram momentos que whatsapp não supria a falta que você fazia. Nem os e-mails. Queria ter-te contato tantas outras coisas... - fechou os olhos quando percebeu que não aguentaria mais a profundidade daqueles olhos, que estavam mais azuis e intensos do que se lembrava. Além disso, queria sentir aquele carinho que há muito não recebia.

— Eu também queria. Mas não queria ter atrapalhado sua jornada...

— Como se você atrapalhasse qualquer coisa... - sorriu minimamente. — Bom, vamos pegar uma bebida? Minha garganta está seca.

— Vamos.

Naruto pediu uma cerveja. Hinata preferiu um drink de saquê com frutas vermelhas e também uma água mineral. O loiro se surpreendeu quando a azulada provou sua bebida e protestou ao perceber que estava fraca demais. O que passou despercebido é que Hinata estava um pouco trêmula e levemente rubra. Com os anos fora, ela havia aprendido controlar alguns sentimentos que considerava sinal de fraqueza.

Uma das coisas que se permitiu, morando em outro país, outro continente, longe do pai, era ser livre. Fazer o que desse na telha, experimentar coisas que jamais experimentaria se continuasse em Konoha. Viajou, namorou, teve ficantes, se aventurou em casos de uma única noite, mas nunca perdeu sua essência. No fim, cumpriu a promessa feita a Naruto de sempre ser ela mesma, o que queria ser. Tornou-se assim mais forte, decidida, autoconfiante. Aos 19 anos, Hinata se tornara uma mulher linda e naturalmente sensual.

Já Naruto tornou-se mais responsável. Dedicou-se aos estudos, melhorou sua nota e chegou a se tornar um dos bons alunos da Academia Konoha, com notas equiparadas a Sasuke e Shikamaru. Também entrou para o time de basquete da escola, o que lhe rendeu fama entre as meninas. Mas nunca foi muito ligado a isso. Teve um namoro, mas não conseguiu levar adiante por motivos diversos, entre eles o fato de não sentir emoção. Teve ficantes, claro. E vários outros casinhos de uma noite. O problema é que Naruto não sabia "cortar" as garotas, muito menos entendê-las. Pelo menos, sabia que jamais mentira para elas. Sempre deixou claro o que realmente queria com cada uma. Só que nessa de sempre tratar bem e querer agradar, elas acabavam entendendo tudo errado. Ele tinha culpa? Não, mesmo. Aos 19 anos, Naurto se tornara um homem responsável, atraente, ainda mais confiante e uma unanimidade entre as mulheres. Ou seja, também cumprira sua promessa à amiga de ser sempre ele mesmo e nunca deixar sua essência morrer.

— Bebida forte?

— Ah, coisas da Europa! - sorriu e começaram a caminhar. Acabou encontrando os amigos.

— Yo, Dobe! Aí está você... Então, já se reencontraram! - e abriu um enorme sorriso, que não era de seu feitio.

— Hina, estávamos te procurando! Pelo visto, estava com Naruto, né? - gritou Sakura movendo as mãos no ar, acenando.

— Yo, Minna! Sim, eu e Naruto-kun acabamos nos encontrando, por acaso, quando íamos pegar bebidas - sorriu.

— Demoraram... - sugeriu Shikamaru com um sorriso de lado.

— Ah, estava muito cheio! Tanto que eu e Hinata, literalmente, nos trombamos por aí - Naruto coçou a cabeça ligeiramente, constrangido com a indireta do amigo.

— Sei...- Temari os analisava com as mãos no queixo e olhos semicerrados.

— Bom, acho que o show vai começar daqui a pouco. Poderíamos ir para perto do palco de apresentações?- tentou desconversar.

— Isso, vamos logo! - gritou uma animada Ino, puxando Sai pelo braço.

Naruto ficou parado observando os amigos se afastarem, pensando quanto o destino é brincalhão. “Reencontrei Hinata justamente em um festival em que todos os nossos amigos estão em casal. Ótimo, só que não!”, suspirou pesado.

Sentiu uma mão pousando em seu ombro com um tapinha. Olhou de lado. – Sabe o que tem que fazer, né, dobe?

— Sei. O que não sei é se devo, teme! No último ano perdemos o contato. Quer dizer, foi uma decisão minha...

— Naruto, essa dúvida nunca vai sair da sua cabeça! Pode ser confusão, pode. Mas pode não ser. Você tem que largar esse medo bobo...

— ... – a cara se contorcia em certa amargura.

— Nunca vai saber se não tentar, cara! 50% de dar errado você já tem. Os outros 50% de dar certo cabe a você...

Quando levantou a cabeça, Naruto exibia o sorriso de sempre, com o olhar intenso e decidido.

— Por que não?

10 de Março de 2018 às 03:06 2 Denunciar Insira 3
Leia o próximo capítulo Certezas

Comentar algo

Publique!
Cecilia Jarske Cecilia Jarske
AAAAA esse plot com o fandom lindo NaruHina chamou minha atenção! <3 Espero que Naruto deixe de ser um covarde, e declare-se logo à Hinatinha *-*
21 de Novembro de 2018 às 13:44

  • Fih Tsukino Fih Tsukino
    Olá, feliz que tenha gostado, Cecilia! :) 19 de Fevereiro de 2019 às 15:08
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 16 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!