Príncipe dos Lobos || jjk + pjm Seguir história

chimminiez chimminiez

A ira de um príncipe com seu lobo amaldiçoado estava prestes a manchar dois grandes reinos. Após anos exilado e ter visto a mãe praticamente morrer em seus braços pela mentira e covardia de um rei desprezível, Jeon Jungkook estava preparado para voltar e tomar o reino que era seu por direito. Do outro lado havia um simples ômega dentre os milhares daquele lugar, mas que diferente destes estava determinado a tornar-se algo maior e ter seu lugar merecido no reino aonde trabalha. Admirado pela história de um antigo livro, Park Jimin atraiu-se pela grande floresta proibida e encontrou lá o príncipe exilado, do qual lhe ensinaria não só habilidades, como também um prazer extremo que os pecados e as mãos fortes do alfa eram capaz de lhe proporcionar.


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#pjm #jjk #Jungkook!Alfa #Jimin!ômega #jungkook ativo #Jimin passivo #Kookmin #park jimin #jikook #Jeon Jungkook #kpop #bts #lgbt
20
7.1mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Há muito tempo atrás, houve um rei bondoso, que protegia todos em seu bando. Era um rei corajoso e destemido.


Jeon Sang-uk, um ótimo rei… Mas não por muito tempo.


Haviam dois reinos e um em especial, o reino de Paloadins, onde habitava sua amada, Suzzy. Eram amantes da paixão, o amor proibido dos dois esquentava os lençóis e a cama dentro de uma cabana, esta que foi feita pelo alfa na floresta que dividia os dois reinos. O casal encontrava-se às escondidas e até mesmo passavam o cio juntos. Estavam tão apaixonados, que o alfa marcou o pescoço perfeitamente liso e delicado da mulher, esta que estava preste a se casar. Não que o alfa também não estivesse.


Foi a partir daí que a guerra se iniciou.


Não que ambos — de Paloadins e Paleodius — tivessem uma rivalidade, eles viviam em harmonia já que ninguém de reinos alheios entravam em suas terras, mas passaram ter quando decidiram fugir. Não fugir somente por amor, mas sim de seus deveres.


O rei Chi-ang havia dado a mão de sua filha a um príncipe de outro reino distante, esse que precisava de laços para ajudar seu próprio reino a se reerguer. O que o pobre rei não sabia, era que sua amada filha já não estava em seu reino, mesmo que faltasse um mês para o casamento. A mulher estava imensamente feliz com o alfa ao seu lado, e claro, o homem estava com sorriso bobo nos lábios enquanto acariciava a barriga de cinco meses da ômega, meses que foram muito bem escondidos pelos vestido de várias camadas.


O casamento foi adiantado. O pai da ômega não sabia o que fazer, apesar de ter uma filha mais nova,Yoora, ele não poderia quebrar o acordo; foi a mão de Suzzy que ele entregara e era o dever dela casar-se.


Meses se passaram e com isso o rei se desesperava, seus guardas não haviam encontrado rastro da sua primogênita. Suzzy já estava com seus oito meses, e a mesma vivia se corroendo por ter fugido desse jeito, sem ter contado com o pai e sem os conselhos chatos da irmã mais nova. Amava seu alfa mesmo sabendo que o mesmo também tinha uma noiva, mas que a largara para ficar consigo.


A barriga volumosa protegia o lúpus, Jeon Dong-yeon, filho do rei que fugiu após ser coroado. O filho de ambos estava para nascer, como a parteira havia falado e ao seus cálculos não demoraria para o herdeiro chegar, assim como o casamento que ambos deveriam comprir.


E não tardou para que o inferno caísse sobre eles.


Suzzy entrara em trabalho de parto logo pela manhã chuvosa, o alfa ficou desperado e transformou-se em sua forma de lobo e olhos azuis para buscar a parteira. O parto foi feito a muito custo, os gritos da moça era ouvidos pela floresta e isso deixava o rei louco para tentar ajudar trazer seu filhote ao mundo.


Do outro lado dos reinos, os pais dos foragidos haviam descoberto onde eles estavam por Yoora, essa que caçava pela floresta quando ouviu os gritos da irmã. Sang-uk, ao ouvir o barulho das armaduras dos soldados de ambos reinos, tomou mulher e filho nos braços, mesmo que ambos estivessem demasiadamente fracos.


Ele não conseguiria se esconder muito bem, não iria tão longe.


E foi o que aconteceu.


Ao passar a tarde inteira fugindo entre os arbustos, chegaram ao rio, onde tentaram atravessá-lo.


Na travessia, um tiro direcionado para o céu os assustou, mas não os fez parar. Sendo assim, o rei Chi-ang atirou em direção a Sang-uk, mas surpreendeu-se ao que o tiro acertara a sua filha, quando a mesma entrou na frente do marido.


Sang se desesperou. Puxou a esposa para dentro da mata, ainda segurando firme seu filhote.


— Não! Não! Suzzy, por favor... — Pedia aos prantos.


O tiro acertara seu peito, já não bastando as forças que havia perdido no parto. Não conseguia manter seu olhos pretos e gentis abertos. Sua mão banhada de seu próprio sangue manchou o cobertor branco do bebê, feito por si.


— Cuide do nosso filhote, Sang. Nosso fruto, nosso pequeno Dong-yeon. — Sussurrou, acariciando o bebê e logo o rosto do marido. — Eu te amo, meu alfa. Como nunca amei ninguém, além de você. Sempre vou te amar. Me prometa que será feliz e cuidará do nosso filho…


— E-Eu... — As lágrimas de tristeza e o ódio — dos outros seres, claro — deixavam seu lobo sedento por vingança. Mas ainda assim prometeu à esposa. — Eu prometo cuidar do nosso filho, meu anjo.


Diante daquela promessa amargurada, sua amada fechou os olhos para sempre e um último pingo de lágrima molhou-se sua mão. Sang-uk se viu perdido, seu bem mais precioso havia sido miseravelmente tirado a força de seus braços, isso não podia ficar assim. Eles não sairiam ilesos.


Deixou seu filho nos braços da sua amada e levantou-se concentrando todas sua força para transformar em um lobo branco; com os olhos azuis e a partir dali... Bem, o massacre foi iniciado. Sang-uk matou todos os guardas, sem piedade, deixando sobrar apenas um no campo de batalha, apenas Chi-ang. O pobre Park foi torturadamente dilacerado.


Um mês sangrento pairou sobre os dois reinos, o que sobrara foram restos de pessoas jogadas em qualquer lugar. E os que sobreviveram partiram em busca de ajuda para acorrentar a fera, mas a ira de Sang-uk fora tão grande que apenas uma sacerdotisa de um reino distante veio ao seu encontro. A mulher ficou abismada com todo aquele pecado terrível que o homem lobo cometeu, e pior, as vidas que foram levadas e torturadas.


Ela teria que fazer algo, mesmo que soubesse que não podia com um monstro como o rei. Mas precisava detê-lo, mesmo que tivesse de usar o pequeno filho que estava nos braços do homem. E então, a sacerdotisa citou aquela “maldição” sobre o filho do rei.


— “Receberás os olhos da cor que teu progenitor manchou em uma longa jornada da sua vida, a cor do sangue. Receberás a maldição sobre teu lobo, ele não será domado até que seu coração tenha bondade e amor. Enquanto tu carregar a sede de vingança em teu peito, a maldição se espalhará por tua linhagem. Terás que conhecer o amor verdadeiro e desse fruto, nascerá o herdeiro que acabará com maldição e a guerra.”


E no fim, o rei se desesperou...


Atualmente.


O vento forte adentrou por sua janela e o livro que antes estava nas mãos pequenas e gordinhas, caíu sobre o chão enquanto o menino dormia calmamente. O pobre ômega dormia tão serenamente, que os olhos do mais velho sorriam encantado com o rostinho fofinho do amigo.


Seokjin mal teve tempo de pegar o livro caído chão, o mesmo foi pegado rudemente. Ah, como isso irritava o ômega. Aquele guarda chato não tinha o direito de se intrometer em sua vida, por isso, Jin o seguiu visivelmente irritado.


— Yoongi! O que acha que está fazendo? Esse livro não é seu! — O guarda o olhou cansado. Não era a primeira vez que Yoongi fazia aquilo. Desde que seu pai, Kyung-ho, o colocou como seu guarda — ou cão de guarda, como o príncipe Seokjin preferia dizer, — ele lhe irritava e não o deixava fazer nada que quisesse.


— Isso também não é seu. — Reclamou, levantando o livro. — Esse garoto deveria parar de ler essas porcarias. Ele está te induzindo a esse mundo idiota que ele mesmo criou, tá na hora de vocês caírem na realidade.


— O que quer dizer com isso, Sr. Min?! Esse livro retrata o passado de nossas terras, o que aconteceu entre os reinos Paloadins e Paleodius. — Yoongi riu, debochadamente, dando de ombros e virando-se para sair daquele corredor. Aquilo intrigava o acastanhado, obviamente queria saber o porquê de o Min evitar tanto entrar naquele assunto, ele parecia atordoado. — Me devolva o livro, Sr. Min!


— Não, príncipe Seokjin. — O moreno o olhou firme. Já estava cansado das artimanhas do garoto e deveria seguir as ordens do rei, isso apenas lhe bastava. Portanto, sabia que o príncipe sendo um ômega era destemido e brigão, mas Yoongi estava sem cabeça para enfrentar a birra do mais novo. — Irei entregar ao rei o livro e depois levá-lo para seu devido lugar, a biblioteca proibida e se quiser pegá-lo... Terá que pedir ao rei.


E então o guarda foi embora, totalmente tenso por dentro e calmo por fora. Era apenas uma máscara para esconder sua dor. A dor da perda pela desgraça da guerra, e não era um mero príncipe de dezoito anos que iria fazer voltar as lembranças inúteis.


— Ah, Jiminnie. — Sussurrou, o jovem príncipe, olhando para a porta do quarto do seu criado e amigo favorito. — Não me traga mais problemas…


[...]


Yoongi bateu levemente na porta dourada dos aposentos do rei, estava um pouco nervoso e em conflito com sua própria mente. Dedudaria ou não o príncipe e seu criadinho?


Respirou fundo quando ouviu um “entre” baixinho, e então abriu a porta escondendo o livro entre os braços. O rei riu fraco ao lhe ver.


— O que o trás a essa hora, guarda Min? — O da realeza vestia um hobby preto de cetim, enquanto estava sentado sobre a escrivania. O guarda deu de ombros, deixando o livro sobre o cômodo e então o rei suspirou, sabendo do que se tratava. — Onde estava? Não me lembro de tirá-lo da biblioteca proibida.


— A pergunta não é “onde” e sim com quem” ele estava. — Deu de ombros, indo em direção a janela aberta.


— Presumo que foi com o filho do Park, estou certo? — Yoongi assentiu, sem olhar para o rei. — Esse garoto sonhador acha que pode entrar na minha biblioteca e roubar meus livros?! Fale com irmão dele para que dê um bronca nesse moleque.


— Irei falar com o guarda Chanyeol, assim que ele voltar para o seu posto. Seu ômega entrou em trabalho de parto na semana passada e ainda está muito fraco, Chanyeol não pode sair do lado do Baekhyun com ele nesse estado.


— Oh, é o segundo filhote? — O moreno respondeu um sim baixinho, ainda estava vidrado totalmente na floresta que dividia ambos reinos. Algo parecia está acontecendo lá e uma tempestade das grandes estava por vir... E não era só isso.


No reino de Paloadins...


— Basta! Taehyung irá assumir o trono e logo iremos arrumar uma noiva ou noivo pra ele. — Disse o rei Dong-yeon, visivelmente irritado. Seus conselheiros não entendiam que seu filho, um alfa, poderia assumir o reino.


Droga! Taehyung também não facilitava para o pobre rei, atormentava todas as pessoas do reino com suas traquinagens, quando na verdade deveria estar treinando.


Os conselheiros deixaram a grande sala, o rei suspirou.


— Kim Namjoon!


— Sim, majestade. — O guarda prontamente o respondeu.


— Você irá ficar responsável por Taehyung, será seu guarda pessoal. — O guarda se curvou, respondendo um 'sim' baixinho.


— Meu caro rei, o senhor não acha que devemos prepará-lo para o pior? Jungkook completa seus quinze anos hoj... — O rei lançou um olhar mortal para o guarda Kim. Aquele assunto…


— Não ouse falar sobre isso, Kim! Jungkook foi isolado com a Yo-won desde que tinha um ano e ela prometeu nunca contar que tivemos um caso e que aquele bastardo nasceu. — O rei levantou-se da cadeira e tocou o ombro do guarda. — Jamais toque nesse assunto, muito menos com o Taehyung. Meu filho se tornará o rei de Paloadins em breve, e não vai ser um bastardo que vai acabar com iss…


Fora naquela noite, que a fala do rei Dong-yeon foi cortada e ambos reinos, Paloadins e Paleodius, ficaram aterrorizados. Um uivo de dor, raiva e sofrimento foi ouvindo. Não era só isso, não mesmo. Nenhum lobo havia uivado com tremenda voz potente e atordoante como ele.


Ele só queria uma coisa e já estava decretada a partir daquele momento; uma guerra estava pra ser travada e quem a começaria seria nada mais nada menos que o primogênito do rei.


Jeon Jungkook.



28 de Fevereiro de 2018 às 16:56 3 Denunciar Insira 3
Leia o próximo capítulo A Descoberta

Comentar algo

Publique!
Maira  Pareja Maira Pareja
Estas obsesionada con los lobos ??,y presiento que me estas pegando la obsesión por los licatronpos ....
31 de Agosto de 2019 às 10:49
Kim BTS Kim BTS
UNNIE É VOCÊ?! SE SIM SOU EU A LARISSA14000
28 de Fevereiro de 2018 às 15:22

  • chimminiez chimminiez
    SIM SAENG AAAAAAAAAAA EU NÃO TAVA CONSEGUINDO VER O COMENTÁRIO AQUI T.T 9 de Março de 2018 às 19:18
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!