Pole Dance Seguir história

seventeen Segredo Dezessete

Otabek é pego espiando Yuri dançando pole dance, o menino marrento que dizem não ser boa pessoa. Não acreditando nos rumores o moreno procura descobrir a verdade, como consequência descobre mais sobre a vida de Yuri.


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#Yaoi #Otayuri #Fanficsotaconda #Yuri!!! On ice
Conto
17
7098 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Memórias

De todos os hobbies de Otabek um de seus preferidos é a dança, não tem nem um mês que começou a dançar e já adora isso, aquela sensação de liberdade que invade sua mente e toma conta do seu corpo. É quase como pilotar uma moto, sente como se não precisasse se preocupar com mais nada, só com o agora.

Por trabalhar como Dj, quase sempre a noite, tem muito tempo de dia pra fazer o que quiser.

O lugar onde faz as aulas é bem grande. Tem vários salões para vários tipos de dança e o salão de dança de rua, que é a que Otabek faz, é um dos últimos. No caminho, sempre quando tem a oportunidade, observa com o canto do olho o que se passa nas outras salas. Talvez estivesse procurando um novo estilo de dança, algo que chame mais atenção. Estava indo tão bem com a dança de rua que não via problema em tentar algo novo. Nesse dia não foi diferente. Chegou cedo, trocou de roupa e foi até sua sala, mas ao passar por uma porta que estava entreaberta, e olhar brevemente, o que viu lá, por um milésimo de segundo o fez parar no corredor e alguns segundos depois dar alguns passos pra trás pra ter certeza do que viu. Uma sala com uma boa iluminação natural e alguns postes espalhados, mas só uma pessoa.

— Pole dance? - perguntou baixo para si mesmo enquanto assistia um lindo rapaz loiro fazer uma dança hipnotizante.

O loiro se pendurou no poste como quem já faz isso a muito tempo. Usava poucas roupas pra facilitar os movimentos. Inclinou o corpo pra trás enquanto agarrava o poste com as pernas. Ao ouvir um ruído, olhou rapidamente pra porta e lá estava...um cara olhando vidrado que só acordou quando percebeu o loiro indo em sua direção.

Otabek nunca havia visto tanta beleza, mesmo com raiva e vindo em sua direção parecia um anjo.

— Ah...oi...desculpa...eu nã. - Foi interrompido quando a porta fechou na sua cara.

Chegou a levantar a mão pra bater na porta e pedir desculpas, mas desistiu logo em seguida para evitar problemas maiores.

Depois daquilo ficou distraído, não imaginou que iria afeta-lo tanto, inclusive durante sua aula.

A aula é dividida em dois tempos de meia hora e mais dez minutos de intervalo entre os tempos pra recuperar o fôlego e beber agua. Os primeiros trinta minutos pareceram horas para Otabek, que saiu de ritmo muitas vezes. Mesmo tendo começado a dançar só à algumas semanas isso era raro acontecer. Já estava pensando em várias desculpas no intervalo quando foi interrompido.

— Ou!...Ei Otabek - O instrutor chamou atenção - Você tá bem? parece mais lerdo do que o normal hoje.

O moreno acordou de seu devaneio e riu - Você não é pago pra xingar seus alunos Chris.

— Me processa então. Mas e aí, você não respondeu se esta bem eu não.

— Vamos conversar em outro lugar - Foram pro corredor fora da sala.

Chris é seu amigo mais antigo. Um dia convenceu Otabek a fazer uma aula com ele e foi aí que descobriu seu amor pela dança. Eles confiam muito um no outro. Sempre que pode, Chris aparece nas festas que Otabek trabalha como DJ pra dar apoio e dar uns pegas no pessoal.

— Eu to legal...é só que...não dormi direito essa noite e não estou me sentindo bem agora, sabe como é né. - Tentou sorrir normalmente mas falhou.

— Meu bem...desista, você não sabe mentir e sabe que eu sempre descubro a verdade no final.

— Tá bom - Respirou fundo - Não consigo parar de pensar em alguém - se arrependeu no momento que terminou a frase e viu a cara de surpresa de Chris - Não é o que você tá pensando!

— Otabek altin - fez uma entonação dramática - Será possível que você tenha se apaixonado?

— Shhh fala baixo - olhou para os lados e conferiu se alguém tinha ouvido aquela blasfêmia. - Eu espiei ele dançando e fui pego, mas não tive a oportunidade de pedir desculpas e isso tá me incomodando.

— QUE? ele é daqui do clube? e você andou espiando ele? me conta tudo agora! - Chris estava mais animado que o normal com aquela história, geralmente é ele que conta os babados.

— Quando cheguei hoje pra aula vi esse rapaz loiro fazendo pole dance sozinho, não consegui tirar os olhos até ele fechar a porta na minha cara.

— Yuri Plisetsky é o nome dele. - Chris ficou sério derrepente - ele é filho do dono do clube, por isso pode usar as salas sozinho. Fiquei sabendo que ano passado ele sofreu uma lesão por causa do instrutor e fez ele ser demitido depois.

— Nossa, você tem certeza? quer dizer...será que não é demais fazer uma coisa assim?

— Foi o que me falaram, pode ser que não seja verdade, você só vai saber se perguntar direto pra ele - Chris assustou quando lembrou da hora - Mas você vai ter que fazer isso depois da aula, o intervalo acabou, se concentra agora e arrasa.

Os dois voltaram pro salão onde ficaram até dar a hora de ir embora. Otabek saiu com pressa pra encontrar Yuri, mas quando chegou ele já tinha ido e a sala de pole dance estava vazia. O moreno curioso não conseguiu evitar e entrou pra olhar melhor aquele lugar diferente, o cheiro era único assim como a energia que ele transmitia. Olhou para as barras e foi em direção a uma. Estava pensando no quanto uma pessoa precisaria de força e equilíbrio pra fazer uma performance no pole dance. Segurou com uma mão fazendo seu corpo girar, soltou até um riso, mas voltou a ficar em pé quando sentiu uma presença. Lá estava na porta o loiro de braços cruzados observando e tentando segurar a risada.

— É ruim ser espiado né?! - Yuri se divertiu com a situação - Pode continuar fazer o que você estava fazendo, parecia estar se divertindo. Só vim buscar meu celular que esqueci aqui. - Foi até a janela, pegou o celular e já ia saindo quando o moreno chamou.

— Espera! - engoliu seco

— O que foi?

— Me desculpa por mais cedo, estou aqui tem pouco tempo, daí vi a porta aberta e fui ver qual era a aula e quando vi você fazendo aqueles movimentos eu não consegui deixar de olh... - Parou de falar quando viu o loiro corado.

— Nunca tinha visto pole dance?

— Não com alguém tão...experiente fazendo. - ele ia dizer lindo

— Eu não sou tão bom assim, mas obrigado. Na verdade eu estou recuperando de uma lesão no tornozelo então não estou dando tudo de mim.

— É aquela do ano passado?

— Pra quem começou a fazer aulas aqui a pouco tempo você tá sabendo demais.

— Um amigo que me contou.

— Hm...ele também contou que fiz meu instrutor ser demitido porque ele fez eu me machucar? - o loiro parecia irritado

— Você fez isso mesmo?

Suspirou - Olha, eu não te conheço e eu tô atrasado, tchau.

— Foi mal - Yuri já estava fora da sala e não ouviu.

Otabek sentou no chão e encostado em uma das barras ficou pensando se era possível aquele menino ter feito aquilo, fazer um instrutor ser demitido, mesmo não o conhecendo tinha certeza. Um pouco que conversou com ele já percebeu que Yuri é todo marrentinho mas é tudo teatro. Só não sabe ainda que tipo de pessoa ele é de verdade, mas quer muito saber.

depois de cinco minutos levantou pra ir embora, pegou sua bolsa e foi saindo. Antes de passar pela porta fez uma expressão como se tivesse tido uma idéia, tirou o celular do bolso e tirou uma foto da sala.

Antes de entrar no estacionamento do clube já estava tirando o capacete da bolsa e indo em direção a sua moto, até que ouviu alguém xingando alto.

— Carro de merda, não é a primeira nem a segunda, mas sim a terceira vez que essa caçamba de lixo para de funcionar esse mês. - O loiro chutava o pneu do carro enquanto xingava o mesmo.

— Desse jeito vai deixar ele magoado. - O moreno estava segurando pra não dar risada da situação.

— Vai se foder você também - Encarou ofegante.

— Precisa de ajuda?

— Só se tiver um motor de carro novo aí com você, não? então não tem o que fazer. Já chamei um guincho.

— Ta, mas você não tinha me dito que estava atrasado pra alguma coisa?

— É verdade, droga. Bom...vou ter que chamar um táxi tambem.

— Posso te dar carona.

— Naquilo? - Apontou pra moto.

— Que foi, não quer ou tem medo? - Sorriu provocando.

— Não tenho medo, eu aceito, mas vamos ter que esperar chegar o guincho primeiro.

— Tudo bem.

— Qual seu nome? - Agora estava mais calmo.

— Otabek. - Foi andando até o meio fio pra sentar, o loiro acompanhou.

— Sou Yuri, mas você já deve saber.

O silêncio constrangedor fazia com que o tempo passasse cinco vezes mais devagar. Depois dos quinze minutos mais longos de suas vidas o guincho veio e levou o carro de Yuri pra oficina.

Otabek estendeu o capacete para o loiro que estava nervoso, mas empolgado.

— Não vamos morrer né Otabek? - Era brincadeira mas estava preocupado.

— Meu Deus que drama, nunca andou de moto? - Perguntou enquanto subia.

— Uma ou duas vezes na vida e não era uma moto grande assim. - O loiro também subiu na moto e segurou atrás.

— Pronto?

— Sim! - Quando a moto ligou o barulho do motor o fez arrepiar.

Durante o percurso Yuri dava as instruções para chegar no local, uma missão e tanto levando em conta que seu coração estava acelerado e seu corpo cheio de adrenalina.

Em algum momento da viagem Yuri foi pego de surpresa quando a moto passou por uma rua com alguns buracos, abraçou Otabek com força sem perceber e quando viu já era tarde demais pra dizer que tinha apenas esbarrado, então continuou por mais um tempo. O perfume que o moreno usava era tão bom que Yuri podia andar mais vezes naquela moto com Otabek sem problemas, apenas para ficar sentindo.

— Ei, Yuri! - Chamou o loiro que soltou dele rapidamente.

— An...que foi?

— Essa é a rua, mas onde fica o lugar?

— É ali na frente, aquela loja. - Apontou

Chegaram ao petshop do seu avô que também servia de abrigo para gatos de rua. Yuri que convenceu seu avô a abrigar alguns gatos, que mais tarde se tornariam vários. Eles tinham um canto próprio na loja pra receber carinho dos clientes e eventualmente serem adotados, funcionava muito bem. A única condição era que Yuri ajudaria seu avô com o lugar.

Otabek parou a moto em frente ao lugar e Yuri desceu.

— Muito obrigado! - Entregou o capacete.

— Não foi nada, até mais então. - Ia saindo quando o loiro disse algo que não ouviu direito. - Que?

— Perguntei se quer entrar um pouco e conhecer meus filhos.

— Eu quero sim. - desceu da moto tentando entender a piada dos filhos.

Yuri estava agindo muito diferente de antes quando era direto e frio com Otabek. Aos poucos está abaixando a guarda e mostrando quem ele é de verdade, um menino doce e divertido que adora gatos e ama seu avô.

Quando entraram na loja notaram que o avô de Yuri parecia irritado.

— Chegando atrasado mais uma vez, o que aconteceu? - O velho mudou o tom da voz de bravo para decepcionado - só permito que esses gatos fiquem aqui porque você disse que cuidaria deles sozinho, Yura.

— Yura?! - Otabek estava prestes a dar risada, mas quando viu Yuri olhar dentro de sua alma com um olhar assustador abaixou a cabeça na hora.

— Desculpa, foi aquele carro de novo. Não vai acontecer outra vez, eu juro.

— Ah Yura, você devia pedir pro seu pai um carro novo.

— Já falamos disso, eu não quero nada dele!

— Ta, ta bom, mas se aquele carro velho der problema mais uma vez e você chegar atrasado novamente eu mesmo vou pedir um carro novo pra você.

— Combinado. - Não era a primeira nem a segunda vez que tinham aquela conversa. - Ah, vô, esse aqui é Otabek, ele que me deu carona até aqui. - Puxou o moreno à frente pelo braço.

— P-prazer em conhece-lo senhor. - Estava visivelmente nervoso.

— Tudo bem rapaz, relaxa, não é o primeiro namorado do Yuri que eu conheço.

— VÔ! - O loiro arregalou os olhos e corou, assim como Otabek.

O velho riu e andou em direção a porta da saída.

— Tenho que sair pra resolver uns problemas, já sabe o que fazer - Saiu deixando os dois em um silêncio constrangedor.

— Foi mal por isso, é a punição por eu ter atrasado.

— Tudo bem, eu gostei dele.

— Vem ver os meus filhos que te falei. - Yuri puxou Otabek até um grande cercado com vários gatos, todos pedindo carinho e atenção. Foi apresentando um por um. - Aqueles dois no canto são Minami e Phichit, e essa gracinha aqui é a Sala que não sai de perto da Mila. A casa do meu avô é aqui atrás que é onde eles ficam, lá tem mais quatro, a gente tem que revezar pra todos ficarem aqui na loja um pouco. Mas e aí, vai levar quantos?

— Q-que?! eu até adotaria um, mas não fico muito em casa então não tem como.

— É brincadeira, mas se mudar de idéia eles vão estar aqui te esperando. - Se divertiu com a expressão do moreno.

Os dois ficaram conversando e brincando com os gatos por um bom tempo.

Enquanto fazia carinho em Phichit que estava deitado em seu colo, Otabek observava Yuri rindo e falando com os outros gatos, parecia estar tão feliz. O moreno só percebeu o que estava fazendo aquilo de novo quando Yuri viu que estava sendo observado, o loiro mexeu no cabelo e sorriu tímido. Foi ali, vendo aquela cena linda que lembrou o que o Chris disse sobre ele estar apaixonado, o maldito tinha razão.

Depois de algumas horas o avô de Yuri voltou com comida e assumiu a loja para que os dois fossem pra casa dele comer. Sentaram no sofá da sala e comeram todos os piroshkis de katsudon que o velho trouxe.

— Seu avô sabe como agradar. Ser seu namorado deve ser bom.

— Não é tão bom se você perde o emprego. - o loiro perdeu o brilho derrepente.

— Como assim? - Tinha entendido de certa forma, mas queria saber mais.

— Meu instrutor que foi demitido, Jean, a gente namorou por um tempo, meu pai não aprovou e a gente brigou, eu disse que não largaria dele então meu pai demitiu Jean e com sua influência garantiu que ele não conseguisse mais emprego nessa cidade, daí ele teve que mudar.

— Sinto muito Yuri. - Apoiou a cabeça em seu ombro. - Mas como machucou o tornozelo?

— Ah...isso foi depois, tinha outro instrutor de Pole dance que dava aulas apenas pra quem participava de competições, eu ia treinar com ele mas tinha outro que queria também. Fizemos então uma competição entre nós dois e o melhor seria treinado por Victor. Eu acabei me esforçando demais e machuquei. Claro que perdi, desde então tenho praticado sozinho. As pessoas não sabem o que aconteceu então inventam que eu fiz o Jean ser demitido porque ele fez eu me machucar, o que é minha culpa de certa forma.

— Você e o Jean não se falam mais?

— A gente conversava escondido, mas decidimos que o melhor era cortar comunicação. Ele já tá em outra também.

— Entendi. - Respirou fundo.

Finalmente Otabek entendeu o que estava acontecendo. A forma como Yuri agia, sendo frio e xingando sempre era uma forma de autodefesa pra evitar mais sofrimento. Não conseguia imaginar o que ele passou, Yuri deve se sentir quebrado por dentro. Otabek decidiu então fazer o que estiver a seu alcance para ajuda-lo.

Os dois ficaram no sofá por alguns minutos até que decidiram caminhar um pouco. Foram andando até uma praça que tinha ali perto para espairecer.

— Aqui é tão calmo. - O moreno andava ao lado de Yuri, era uns quinze centímetros mais alto que o loiro.

— É mesmo.

— Sabe...meu amigo tem uma gata linda, ele não desgruda dela um minuto. Eu tenho algumas fotos dela aqui... - Entregou o celular.

— Nossa, que linda. - Foi passando as fotos até que surgiu uma diferente, não era a gata, era um lugar, ele conhecia esse lugar. - É a sala de pole dance do clube!

— Aaah é, não lembro porque quis tirar essa foto.

— Porque não faz aulas de pole dance? parece gostar.

— Por enquanto vou ficar só na dança de rua mesmo. Pole dance exige muita resistência, mas acho que um dia vou fazer sim.

— Já viu ao vivo? aquela vez que me espiou não conta.

— Não! - Ficou todo corado. - E esquece isso!

— Posso fazer uma demonstração se quiser. - Desviou o olhar e mexeu na franja.

— Eu quero...pra aprender claro, é só para fins de aprendizagem mesmo.

— É...aprendizagem...eu não tinha pensado em outra coisa. - Tinha sim.

— Semana que vem lá no clube então?

— Eu tava pensando em hoje mesmo, só que lá na minha casa.

— P-posso sim, mas espera, achei que morasse com o seu avô.

— Não, eu moro sozinho e lá tem um poste que eu uso pra treino.

— Ah entendi, combinado então.

Os dois voltaram até a loja, mas logo foram embora. Combinaram de se encontrar de noite na casa de Yuri. Como ainda estava de dia Otabek levou o loiro até a casa dele e depois foi embora se arrumar.

Assim que chegou em casa e conectou no wi-fi as mensagens de Chris começaram a chegar. Se tratando de Chris, ja imaginava o conteúdo das mensagens.


Chris 13:25 - Falou com Yuri?

Chris 14:02 - Vc tá demorando mais que o normal hoje,não se se fico feliz ou preocupado

Chris 14:34 - Aaaaa Georgi disse que viu vc dando carona pro Yuri, seu safado

Chris 14:35 - Vai me contar tudo


16:32 - Cheguei

16:32 - O carro dele quebrou então eu ofereci carona. Fomos até a casa do avô dele e conversamos um pouco

16:33 - Mas vou na casa dele mais tarde, acho que é um encontro


Quase que ao mesmo tempo em que a mensagem chegou, Otabek ja recebia ligação de Chris.

— Alô?

— Como assim, encontro?!

— Ele me chamou pra fazer uma demonstração de pole dance, mas é só pra me mostrar como é, pra ver se eu gosto e quem sabe faço aula também.

— "Mostrar como é", ah tá. Acho que você vai gostar até demais - Chris ria sem se segurar - Leva camisinha hein.

— Tchau, Chris. - Encerrou a ligação com o rosto todo corado.

O tempo passou rápido e já era hora de ir, Otabek estava nervoso e a conversa com o Chris não ajudou. Levou um preservativo na carteira por precaução. No caminho até a casa do loiro ficou repetindo em sua cabeça que não ia tentar nada, era só o primeiro encontro. Chegou em menos de vinte minutos, não era tão longe, ou ele estava com pressa de chegar.

A casa não era muito grande, mas também não era pequena. Tocou a campainha e esperou. Não demorou muito até que o loiro abrisse o portão, estava com o cabelo amarrado e usava uma regata preta cheia de cortes atrás, tinha também uma calça escura, luvas e um pouco de sombra nos olhos

— Chegou cedo.

— Wow, que roupa é essa? - O moreno se surpreendeu, nem parecia o Yuri que conhecera mais cedo.

— Faz parte da minha apresentação, não gostou? - Levantou uma sobrancelha.

— É uma apresentação agora? achei que fosse só uma demonstração. Tem diferença você sabe né? e é claro que eu gostei.

— Cala boca, são só detalhes. Vai entrar ou não?

— Tá bom, credo. - Os dois riram da brincadeira.

Yuri segurou a mão do moreno e foi levando ele pra dentro, passaram pela sala até um corredor que dava para vários cômodos dos quais um era uma pequena sala com um poste no meio e sofás em volta, a iluminação era escura como de uma boate.

— Nossa, você tem mesmo um poste em casa.

— Pois é, senta.

O loiro ligou o rádio e se preparou. Ao som de "Welcome to the madness" ele começou sua performance. Eram movimentos rápidos que acompanhavam o ritmo da música mas que não passavam despercebidos por Otabek. Yuri agarrou o poste com as pernas e deixou a cabeça pra baixo fazendo a camisa abaixar mostrando a linda pele branca.

Pelo jeito a "apresentação" focava em provocar quem estivesse assistindo, o moreno só faltou babar, assistia hipnotizado.

Quando Otabek pensou que conseguiria se controlar o loiro derrepente tirou uma das luvas e com a outra mão colocou um dos dedos na boca do moreno que mordeu e puxou com a cabeça pra tirar a luva.

Voltou ao poste onde terminou com mais alguns movimentos ousados.

A essa altura o moreno sentia um calor que tomava conta do seu corpo.

— E aí...gostou? - Yuri disse ofegante.

— Foi...maravilhoso - Levantou.

— Eu disse pra levantar? - Empurrou Otabek de volta ao sofá e subiu em seu colo, uma das mãos apertava o membro sob a calça e com a outra segurava o pescoço enquanto o beijava com vontade, as línguas brincavam uma com a outra. Otabek com as mãos na cintura puxava e apertava, cedeu quando escutou um gemido ao morder o pescoço de Yuri.

Segurou-o e levantou com ele no colo.

— Onde fica o quarto?

— No fim do corredor. - Sussurrou em seu ouvido.

— EI, ei, ei, pode parar, não precisa de tanto detalhe assim. - Yuri interrompeu o moreno. - Pode só dizer que fomos jantar depois.

— Não teve jantar porque você esqueceu de fazer algo pra gente comer aquele dia, não lembra? - Todos na mesa riram - E nesses anos que estamos juntos eu comecei a ser o responsável pela comida.

— Isso não é justo, você já esqueceu muita coisa também... - Parou pra pensar. - No nosso casamento você esqueceu as alianças.

— Mas isso é história pra outro dia.

Estavam em um restaurante junto com Leo e Guang Hong. Os conheceram em uma viagem pra Rússia a algum tempo.

— Mas e vocês, como se conheceram? - Yuri perguntou pro casal.

— Bom...

28 de Fevereiro de 2018 às 06:47 0 Denunciar Insira 5
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~