.downtown Seguir história

basquiart ailüj

Jungkook gostava quando Jimin ia até embaixo. [ jikook!centric | gangsta!au ]


Fanfiction Para maiores de 21 anos apenas (adultos). © Todos os direitos reservados

#criminal #gangster #songfic #downtown #yaoi #lemon #jikook #bts
Conto
8
7.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

.me gusta cuando baja downtown


As notas de cem dólares preenchiam toda a cama king size ao ponto de transbordarem o colchão a baixo e espalharem-se pelo chão próximo de onde estava. As maletas prateadas, que haviam usado para transportar o dinheiro, encontravam-se jogadas na entrada do quarto sendo seguidas pelas peças de roupa de alta costura que ambos usavam.


A janela grandiosa e impecavelmente limpa, ao lado esquerdo de onde estavam, os permitia verem boa parte da noite agitada e luminosa de Las Vegas. Todos os prédios luxuosos, placas neons, cassinos, clubes de strip e tudo aquilo que a cidade do pecado pudesse oferecer.


No entanto, para Jungkook, o único pecado possível no momento estava deitado seminu em cima dos milhões de dólares que haviam conseguido através de um golpe bem sucedido a um cassino famoso.


Nada para o moreno soava mais pecaminoso do que Jimin trajando sua boxer preta e camisa branca de seda quase transparente. A pele alva do companheiro insinuava-se perversamente por baixo do tecido como um convite mudo à luxúria, o que estava fazendo com que Jeon perdesse a cabeça aos poucos e tortuosamente.


Jimin se esfregava em cima das notas exibindo-se ao parceiro de crime e paixão. Desde que se conheceram a atração e química entre ambos fora e é excepcional, o castanho sentia-se em chamas somente em olhar para Jeon, pois tudo o que o outro fazia soava como uma melodia erótica audiovisual.


O mais velho achava excitante muitas coisas em Jungkook, mas suas habilidades ilegais com certeza o levavam ao delírio. Ver o moreno tão dominante e seguro enquanto empunhava uma metralhadora e gritava palavras agressivas aos reféns usando sempre roupas elegantes, fazia Jimin suspirar e sentir vontade de sentar no mais novo com toda vontade que tinha dentro de si. Ele admitia, gostava e muito do lado violento do outro principalmente quando ele usava de sua força consigo.


Por outro lado, o mais alto venerava a maneira divina e devota a qual o Park se entregava. Ele não media palavras ou ações e fazia sempre o que lhe era pedido, porque Jimin gostava de ser dominado por Jungkook e Jungkook gostava de dominar Jimin. Namjoon dizia que tinham uma relação doentia e que não era normal duas pessoas dependerem tanto uma da outra e se tratarem da forma como se tratavam, porém os dois rapazes não davam ouvidos ao seu hyung, pois sabiam que no fim do dia, além dos milhões que entravam em suas contas, o que acontecia em cima da cama era sua maior recompensa.


Park não se importava em realizar os caprichos de Jeon, mas não o fazia por amor, nunca amou Jungkook e sabe que nunca foi amado pelo mesmo, o que existia entre os dois era um misto de coisas complexas que poderiam ser chamadas de qualquer coisa menos amor. Talvez cumplicidade e desejo sirvam momentaneamente para descrever o que se passa entre os dois, mas amor não. Amor é certinho demais e tanto um quanto o outro rejeitavam qualquer tipo de regra. Eram marginais não só no sentido criminoso, mas também pessoal.


Jungkook aproximou-se a passos lentos da cama e parou ao pé da mesma observando com cuidado toda a provocação latente que Jimin fazia. Ele passeava em seu corpo definido com suas mãos delicadas, Jeon sempre achou engraçado como as mãos quase infantis do seu hyung contrastavam com suas curvas proeminentes – mas o mais novo adorava isso.


O castanho raspava seus dedos levemente em seu peitoral trilhando um caminho languido até abaixo de seu ventre fazendo o outro querer ardentemente ser ao menos um de seus dedinhos pequeninos. Ele encarava o mais novo de um jeito sádico, enquanto seu sorriso dizia ao Jeon o quão doce ele poderia ser. Park Jimin sempre fora esse paradoxo em pessoa, o verdadeiro pesadelo vestido de sonho e talvez por isso Jungkook sentia-se tão envolvido por ele.


Jimin ameaçava descer mais um pouco e tocar sua semi ereção, mas toda vez que chegava perto voltava ao começo e refazia o caminho torturante por sobre a pele fresca e ainda coberta. Ele mantinha o tempo todo os olhos presos no mais alto, gostava de provocá-lo, mas gostava mais ainda de ver suas reações. Jeon tornava-se ainda mais atraente quando seus belos olhos negros dilatavam-se e eram tomados por aquela neblina luxuriosa que, aos poucos, se espalhava por seu corpo e fazia Park pagar por ser tão abusado.


Como se pudesse ler os pensamentos de seu hyung, o mais novo cansou-se das provocações baratas do mesmo e enlaçou os calcanhares do castanho o puxando até a beirada da cama e o obrigando a ficar sentado com o rosto na altura de seu baixo ventre. Jungkook sorriu malicioso ao ver as coxas fartas de Park distribuídas no lençol preto de seda.


O mais baixo, notando que seu parceiro estava quase perdendo a cabeça, sorriu travessamente para si mesmo e decidiu que testaria o limite e a paciência de Jungkook essa noite.


– Você parece um pouco afoito, Jeon. – disse erguendo seu olhar até encontrar os olhos do outro.


– Eu não to muito interessado nas suas provocações hoje. – respondeu acariciando sua bochecha até seu polegar descobrir os lábios carnudos do outro e afagá-los em movimentos circulares.


Jimin, mantendo o olhar no rosto de Jungkook, abriu a boca vagarosamente e passou a ponta de sua língua quente sobre o dedo do mais novo. Sentiu a textura macia da pele do companheiro e quando percebeu que o mesmo havia suspirado baixinho, optou por abrir mais seus lábios e lamber toda a extensão do polegar do moreno de forma sugestiva.


– Porque você não para com isso, huh? Eu tenho uma coisa melhor pra você chupar.


Jeon emaranhou os dedos da outra mão nos cabelos macios e cheirosos de Jimin e quando o mesmo o encarou daquele jeito devasso e engoliu toda a extensão do mais alto, ele puxou os fios castanhos de seu hyung com força fazendo com que sua cabeça pendesse um pouco para trás expondo seu pescoço alvo.


Jimin fechou os olhos e gemeu sôfrego sentindo sua ereção pulsar dentro da cueca. De repente o quarto imenso ficara menor, mais apertado e absurdamente quente tudo isso porque o mais novo puxou seu cabelo e por Deus, como Park amava quando o moreno fazia isso.


O rapaz mais alto tornou a puxar os cabelos castanhos do outro, mas dessa vez o trazendo para si deixando o rosto do mais velho a poucos centímetros de sua ereção marcada pela calça de linho preta, única peça de roupa que usava, pois Jeon odiava usar roupa íntima. Mas antes que ele pudesse fazer ou dizer algo, o garoto sentado a sua frente deu uma lambida fervorosa em seu membro deixando um rastro de saliva pelo tecido caro. Jungkook arfou e exclamou um palavrão com a atitude do Park.


– Era isso que você queria que eu chupasse, Jungkook? – perguntou sorrindo de forma pervertida enquanto falava muito próximo a ereção do outro. O moreno suspirou contido ao sentir a vibração da voz dele em seu pau. Jimin deixava o seu corpo sensível, a mínima ação era o suficiente para o fazer querer jogar seu hyung na cama e fodê-lo com toda a violência que sabia que o mesmo gostava.


– Sabe, Jimin, eu acho que mudei de ideia. – retrucou fazendo o outro franzir o cenho em confusão. – Talvez seja bom jogar um pouco antes de eu gozar nessa sua carinha linda. – completou sorrindo diabolicamente enquanto acarinhava os lábios cheios do mais velho.


– Kookie, por favor... – sussurrou em tom de súplica. Não é como se ele não quisesse isso, mas gostava de fingir que estava desesperado só para ver Jungkook realmente o deixar assim.


– Ah Jimin! A gente mal começou e você já tá implorando?! Você já foi melhor nisso meu amor.


– É que você me deixa assim, Jungkookie... – ele respondeu inclinando-se para trás e alisando sua ereção lentamente.


O moreno deu uma leve mordida em seu lábio ao ver seu parceiro tão excitado e se questionava se conseguiria suportar mais daquilo. Ele sentia-se ardente, todo o seu corpo formigava e seu pau clamava por alívio dentro de sua calça. Jungkook só conseguia pensar em todas as formas que queria afundar-se em Jimin para depois pintar seu rosto harmonioso com todo o prazer que guardava dentro de si.


E foi nesses poucos segundos que o mais alto ponderava sobre sua atual situação fisiológica que Park Jimin abaixou sua cueca e iniciou alguns carinhos singelos em sua extensão vibrante e avermelhada pelo grande fluxo de sangue no local.


Jungkook queria não ter reparado o quanto o pau de Jimin estava mais bonito do que antes, o quanto suas poucas veias estavam inchadas e que a cabeça de seu membro brilhava por conta do líquido que saía dela. Ele não queria observar as mãos macias do mais velho rodear a região mais molhada e levar seu pré-sêmen por todo o comprimento de sua ereção o deixando lustroso, facilitando o deslize de seus dedos.


O mais baixo já começava a gemer manhoso, daquela forma que o moreno adorava ouvir ao pé do seu ouvido enquanto o preenchia com toda a sua vontade e devoção. Seus dígitos aumentavam de velocidade a cada segundo fazendo barulhos úmidos ecoarem pelo quarto bem decorado da cobertura. Jimin alisava seus mamilos e mordia seus lábios abundantes enquanto fechava os olhos com força.


– Jimin. – ele pronunciou e apesar do tom ter sido baixo era notável o autoritarismo em sua voz o que fez com que o outro ficasse mais alucinado do que já estava.


– J-jungkookie... – gemeu num sussurro apertando seu pau em seguida.


Jeon queria tirar as mãos do mais velho dali para ele poder dar prazer ao outro, mas Jimin tinha que saber as consequências em agir tão despudoradamente assim. Ele sabe como as coisas funcionam entre eles, mas ainda assim testa a sanidade do mais novo o levando até seus limites e o forçando a ultrapassa-los. Park Jimin nunca sabia a hora de parar e Jeon Jungkook adorava ensinar isso a ele.


E o castanho continuaria fazendo o que estava fazendo até o fim se o mais alto não o tivesse interrompido bruscamente.


O mais baixo abriu seus olhos e encontrou o rosto do seu comparsa. Ali, naquele par de olhos negros sempre tão focados e enigmáticos estava aquela neblina que Park tratava de trazer a tona sempre que podia. Jungkook estava totalmente dominado pelo desejo carnal, pelo desejo de possuir Jimin no sentido mais literal da palavra. O mais velho sorriu internamente por ter conseguido alcançar seu objetivo.


– Abra a boca! – ele exclamou autoritário e um pouco raivoso. O de cabelos castanhos prontamente fez o que foi mandado.


Jungkook empunhou sua pistola tingida num preto fosco e contornou os lábios umedecidos de Jimin registrando cada pedacinho de pele que o cano de sua arma tocava. Ele queria que o mais velho chupasse o seu pau, mas antes ele teria que chupar sua arma. Jeon riu pensando no duplo sentido que tinha a situação, pois de uma forma ou de outra, Park iria chupar suas duas armas.


– Agora você vai ser bonzinho e vai pagar um boquete pra minha pistola entendeu? – questionou num tom baixo, mas com severidade na voz. O mais baixo apenas assentiu já enlaçando o cano com sua língua.


Jimin lambeu toda a parte interna da pistola de Jungkook que conseguiu alcançar. O outro estava em cima de si, observando cada detalhe da cena estupidamente erótica que estava diante de seus olhos. O de cabelos castanhos nunca achou que usaria uma arma para estes fins e muito menos que sentiria prazer em chupar uma, da mesma forma que o moreno jamais imaginou que conseguiria perverter mais ainda sua relação com o Park.


Jeon começava a estocar a boca do mais velho de forma vagarosa, mas quando reparou que o outro estava cada vez mais empenhado em abocanhar sua arma, aumentou o ritmo e afundou o cano na garganta do castanho o fazendo se engasgar e babar na extensão de metal, mas ele não se importou com o engasgue estava acostumado e até gostava da sensação fazia parte do processo de chupar alguém – ou algo no caso. Ele gemeu por sobre a pistola quando o mais alto puxou seu cabelo e principiava uma série de chupões e mordidas pelo pescoço e peito do Park.


– Você chupa tão gostoso, Jimin... – sussurrou ao pé do ouvido e erguendo a cabeça a tempo de ver o outro revirar os olhos com sua frase. – Mas eu quero muito que você se ajoelhe e engula meu pau desse jeitinho que só você sabe. Você pode fazer isso? – questionou mantendo o tom baixo e movimentando seu quadril de forma languida sobre o outro, arrancando suspiros de ambos.


Jungkook ia repetir sua pergunta quando viu o Park retirando sua boca da arma e lambendo toda a parte externa do cano sustentando o olhar repleto de luxúria de seu amante.


Empurrou levemente o mais alto até colocá-lo de pé próximo a grande janela. Aproximou-se e o beijou com desejo explorando todos os sabores da boca do Jeon que no momento não tinha nenhum gosto além de prazer. Ao terminar o beijo olhou profundamente nos olhos do mais alto e riu sapeca virando-se de costas para o mesmo e esfregando-se com vontade na ereção dele.


– Jimin, porque você tem que ser assim? – questionou arfando sentido a bunda macia do Park chocando-se contra seu pau que latejava em protesto por todo o tempo em que fora negligenciado. O mais baixo iria pagar caro por tudo isso.


– Assim como? – retrucou num sussurro deixando um suspiro no final.


Rebolou com mais afinco contra a extensão de Jungkook ao sentir suas mãos grandes apertarem seu quadril com força unindo mais os seus corpos desejosos.


– Com tanto fogo. – disse contra o ouvido do castanho notando os pelos de sua nuca arrepiarem-se com o contato tão próximo.


– Isso é um problema pra você, Jeon? – perguntou num tom provocativo. Adorava brincar com o ego do seu parceiro, pois sabia que ele se empenharia mais em fodê-lo majestosamente para que isso não se repetisse. Mas Park Jimin fazia questão de sempre repetir.


– Às vezes é difícil apagar o seu fogo. – respondeu arfando pesadamente ao sentir as mãos delicadas do outro tocarem em seu membro brilhoso por conta da lubrificação.


O mais baixo virou-se devagar fazendo questão de esfregar-se o máximo possível no moreno. Era sempre uma sensação deliciosa sentir a pele do outro contra si.


– Mas não é pra você apagar e sim queimar comigo.


Ao dizer isso Jungkook, que estava com os olhos fechados compenetrado nas carícias do mais velho em sua ereção, abriu os mesmos encarando a face d’aquele que estava a sua frente. Suas bochechas estavam avermelhadas e sua boca úmida e um pouco inchada devido ao trabalho que teve minutos atrás e o mais novo não via a hora de dar mais trabalho a ele.


E antes que Jeon Jungkook reagisse, Jimin ajoelhou-se em sua frente abocanhando seu pau sem aviso prévio e o afundando em sua garganta pequena e quente. Se o Jeon acreditasse em paraíso certamente acreditaria que estar dentro de qualquer cavidade do menor seria o próprio céu.


O castanho chupava, lambia, babava em toda a extensão dura e ardente do maior colocando tudo o que podia dentro de sua boca. Nunca era demais sentir o pau de Jungkook pulsando sob sua língua, a textura viscosa do pré-gozo, as veias engrossando dentro de suas paredes bucais. Isso sem falar nas expressões de luxúria e gemidos que o mais novo fazia, os puxões de cabelo e as estocadas agressivas fazendo o mais baixo engasgar. Jeon era o pecado puro em sua forma mais linda, devassa e impiedosa e Jimin poderia chupá-lo e ser fodido por um dia inteiro e ainda iria querer mais.


– Essa sua boquinha me deixa louco, Jiminie! – disse arfando completamente envolvido pela cavidade úmida do Park.


Ele estava prestes a gozar, o castanho sabia, mas não deixaria que ele fizesse isso sem o foder devidamente, então foi cessando seus movimentos aos poucos e antes que o moreno reclamasse inclinou-se sobre a pequena mesa de vidro próxima a ele ficando empinado e oferecendo-se ao seu parceiro.


– Me fode aqui na frente dessa janela, Jungkookie. Eu quero que todo mundo veja o quanto você mete gostoso. – disse suspirando e ouviu um arfar seguido de um tapa em sua nádega direita em resposta.


O maior nada disse, apenas abaixou-se, massageou a carne macia da bunda de Jimin e rodeou sua língua na entrada piscante do outro. O castanho foi pego de surpresa e soltou um gemido alto sentindo o músculo molhado de Jeon o prepar da melhor forma possível.


Jeon Jungkook enfiava sua língua mais e mais enquanto apalpava e apertava a bunda alva de Jimin arrancando suspiros dos dois. Adorava a sensação da entrada do outro comprimindo-se e relaxando sob seus beijos, gostava da textura e do calor que emanava. Porém gostava mais de ouvir os gemidos nem um pouco castos do mais velho, principalmente quando ele rebolava em sua boca levando os dois ao delírio. Poderia dizer que o menor era sua perdição e agradecia secretamente por ele ser tão atrevido.


– J-jungkookie, me fode logo pelo amor de Deus! – esbravejou irritado com a demora do outro em prepará-lo.


– Você acha que pode aguentar? – questionou rente a nuca do mais baixo puxando os cabelos da região o fazendo gemer sôfrego.


– Eu aguento, mas será que você aguenta? – retrucou entre arfares com um sorrisinho petulante nos lábios.


E essa foi a gota d’água para Jungkook.


Ele posicionou a cabeça de seu pau na entrada convidativa do menor e começou a empurrar com cuidado esperando que o outro se acostumasse, mas ao mesmo tempo sem deixar de penetrá-lo. Queria vingar-se de Jimin, porém não machucá-lo.


Sentiu o corpo do castanho retesar e tratou de morder e chupar seus ombros e pescoço conseguindo alguns suspiros contidos do mais velho que aos poucos voltava a relaxar.


– Ah Jimin! Você é tão gostoso! É tão bom te foder e sentir você todo molhadinho pra mim, me apertando e gemendo meu nome! Geme pra mim, Jiminie, geme daquele jeito que você sabe que eu gosto! – falou baixinho ao pé do seu ouvido tentando distrair o menor da dor que apossava seu corpo.


– Jungkookie... – gemeu em resposta sentindo o pau dele vibrar dentro de si e isso foi o suficiente para que Jimin quisesse que o mais novo começasse a se movimentar.


Ele rebolou lentamente no membro do maior num pedido mudo para que o mesmo tornasse a estocá-lo e prontamente seu desejo foi atendido.


Jeon começou a se mexer devagar, afastando-se um pouco e indo mais fundo quando retornava. Os suspiros foram se misturando e os lábios passaram a serem presos pelos dentes enquanto o mais novo saía e entrava vagarosamente, mas com profundidade. A cada milímetro que conquistava no interior de Jimin sentia seu pau ser esmagado e envolto por uma névoa de sensações prazerosas que tomava conta da mente do moreno. Precisava ir mais rápido, precisava sentir as paredes do Park o pressionando mais e mais enquanto seu quadril chocava-se com as nádegas fofas do menor.


– Jimin... – gemeu o nome do outro ao senti-lo o apertando e rebolando mais avidamente em seu membro.


– Me fode, Kookie! Me fode do jeito que nós gostamos! – o mais velho disse entre gemidos jogando seu corpo para trás e empinando mais ainda para o Jeon.


– Porra! – o maior exclamou ao ir mais fundo e rápido no outro e ao senti-lo quicando com força em si.


Jimin gemia avidamente enquanto Jungkook era certeiro e atingia o ponto mais prazeroso que tinha fazendo a mente do Park escurecer-se e desligar-se completamente de todo o resto que não fosse o pau do Jeon o preenchendo magnificamente.


O mais novo segurava firme na cintura do outro apertando com força mostrando toda sua imponência e agressividade. Desferia tapas nas nádegas do castanho só para vê-lo gemer seu nome e deixar sua pele branca com as marcas de suas palmas. Ia fundo, rápido, forte e com destreza. Jeon queria fazer Jimin implorar por mais, para gozar, para que o fodesse e não saísse mais de dentro dele. Park tinha que pagar pelo o que fez e por isso lembrou-se da arma em cima da cama.


Separou-se do mais velho momentaneamente deixando o mesmo com as pernas bambas e sem entender o que estava acontecendo, o puxou até a cama e o deitou nos lençóis negros ficando por cima dele, mas sem o penetrar.


Jungkookie pegou a pistola novamente e enquanto tornava a penetrar Jimin lentamente enfiava o cano da arma na boca do mais velho sem ao menos dar explicações e não precisava, o menor já havia entendido quando avistou o “brinquedo” e sentiu uma onda de excitação tomar conta do seu corpo febril.


– Eu vou queimar com você, Jimin. – disse voltando a estocar com rapidez fazendo o mesmo com o metal entre os lábios do outro.


Eles foderam até seus corpos fomigarem. Foderam até suas cabeças esvaziarem e só conseguirem pensar no prazer um do outro. Foderam até o pau de Jungkook cansar e a bunda de Jimin doer. Foderam até o cano da pistola estar completamente molhado e o Park ter se engasgado inúmeras vezes preso entre o metal que atingia sua garganta e os gemidos que queriam fugir. Foderam até esquecerem seus nomes e lembrarem-se de novo só pra poder voltar a gemê-los. Eles foderam, era isso que faziam: foder.


E quando o moreno sentiu que o seu parceiro estava quase gozando retirou a arma de sua boca e colocou sobre o colchão para que o rapaz pudesse suspirar e gemer a vontade enquanto o mais novo observava suas expressões de prazer.


Olhos revirando, boca entreaberta, gemidos e sussurros fugindo, suor escorrendo pela testa, bochechas avermelhadas e suas mãos pequeninas apertando todo e qualquer pedaço de pele de Jungkook que conseguia alcançar. Jimin se tornava um verdadeiro caos quando gozava, era quase um apocalipse, um furacão, uma verdadeira zona de perigo. Jeon não se importava com isso, pois a parte que mais gostava de foder com o Park era vê-lo afogando-se no próprio prazer.


Depois que o mais velho gozou sobre seu abdômen, o moreno seguiu o fodendo impiedosamente até que sentisse chegar ao seu limite e Jimin sabia o que fazer.


Empurrou o corpo grande e forte até que o mesmo ficasse em pé e não tardou e ajoelhar mais uma vez naquela noite em frente ao membro completamente molhado de Jeon. Levou os dedos ágeis à base e iniciou uma masturbação rápida e eficaz. Quando o mais novo estava quase gozando, retirou as mãos de Park rapidamente e passou a fazer o mesmo que ele fazia segundos antes até sentir suas veias engrossando cada vez mais e aquela sensação aterradora de um orgasmo descomunal invadir seu corpo e personificar-se em gozo.


Tomou cuidado em jogar o máximo possível no belo rosto de Jimin deixando que algumas gotas caíssem em sua boca, que o mais velho rapidamente engoliu. Assim que terminou viu o rosto do menor pintado com seu líquido enquanto ele levava seus lábios até seu membro ainda gotejante e lambia os resíduos que não havia caído.


Jungkook estremeceu com a prolongação do prazer e quando Park cessou os movimentos abriu os olhos e acarinhou sua bochecha enquanto o assistia sorrir satisfeito para si.


– Eu gosto quando você vai lá embaixo.


si quieres ven y quédate otro round
27 de Fevereiro de 2018 às 15:28 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

ailüj ° je suis devient °

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~