Falta-me ar (2012) Seguir história

alicealamo Alice Alamo

O aperto das mãos em seus braços cedeu ao aperto que se formava em seu coração, quase ou tão sufocante quanto a asma que quase sempre queria lhe roubar a pequena praga, sua pequena praga que ele ainda não havia pesquisado um jeito de destruir.


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público. © Todos os direitos reservados

#Fluffy #Yaoi #Near #Mello #Mello/Near #DeathNote
Conto
9
6.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único


Sentia-se rodopiando, embora nem se mexesse na realidade.

Os braços que o acolhiam eram quentes e reconfortantes, mas a dor em seu peito lhe asfixiava, literalmente.

As pequenas mãos pálidas agarravam com força os braços do loiro, tentando segurar-se à sua única esperança.

O couro da roupa dele, sempre incômoda, já não era um empecilho. Sentados na mesma silenciosa sala de brinquedos, sozinhos e assim permaneceriam.

Não por escolha, mas por obrigação.

Os lábios rosados entreabertos, puxando como podia o ar, com força, com intensidade, com desespero.

Os cabelos brancos grudados ao rosto pelo suor que descia lentamente pela face, a camisa também dava sinais de estar umedecida.

Soluçou com força, como se algo se prendesse a sua garganta e sentiu o abraço ficar mais apertado.

Lacrimejou.

Mello atrás de si, as pernas abertas tentando trazer mais a si o albino, desesperado, com medo.

Que ideia fora aquela de esconder a bombinha do albino? Quem foi o idiota que teve a brilhante e mortal ideia?

Mello acabaria com a pessoa mesmo se fosse L o vilão.

Estranho. Caçoara do garoto quando o ataque começou, achou que era uma brincadeira, enfim uma tentativa de fazer o loiro não lhe bater.

Mas, ao ver as mãos irem ao peito, o desespero nos olhos do menor – antes tão sem vida.

Os olhos... Mello nunca mais levantaria sequer a mão contra Near com a finalidade de ver aqueles olhos adquirem qualquer sentimento, pois agora que viu, arrependeu-se.

Correu até o albino quando percebeu que ele parecia sentir tamanha dor que chegava a arranhar o peito, olhou ao redor, destruiu a construção de dados, chutou o quebra-cabeças e nem um sinal do aparelho salva vidas do menor.

Abaixou-se, segurou o rosto de Near entre as mãos, tencionou sair para buscar ajuda, mas aqueles olhos... Aqueles olhos molhados, com medo, com dor e desespero, não deixaram.

Sentou-se como pode, abraçou o menor, reteve-o consigo, tentou o acalmar, sussurrava que igualasse a respiração com a dele, mas como se a do loiro estava quase igualmente descompassada?

As batidas do coração infantil sobre sua palma, batidas aceleradas e sem ritmo.

Pressionou os lábios contra o ouvido do albino, continuou em desespero sussurrando que se acalmasse, implorando que se acalmasse.

Nada.

Os olhos do loiro ardiam, algumas lágrimas começaram a cair silenciosamente e contra a vontade do chocólatra.

Mordendo a língua, Mello passou a rezar.

Deus? Não. Ele não acreditava ou acreditava, nem ele mesmo sabia.

Passou a orar com força, para qualquer um que ouvisse. Orou ao ouvido do albino, sentindo o menor apertar com mais força seus braços, colar-se mais ao seu corpo.

Os minutos passavam, os segundos voavam.

O aperto das mãos em seus braços cedeu ao aperto que se formava em seu coração, quase ou tão sufocante quanto a asma que quase sempre queria lhe roubar a pequena praga, sua pequena praga que ele ainda não havia pesquisado um jeito de destruir.

E queria?

Não... Caso quisesse, não estaria desesperado só com a hipótese. O pior era não saber dizer quando o albino passou de praga para parasita, hospedando-se, não no coração, mais na alma do chocólatra, marcando-a a ferro e deixando claro sua posse.

O nó em sua garganta agonizava mais do que a respiração já um tanto controlada de Near. Chorara por ele... Que vergonhoso.

Sentiu-o relaxar, salvara a vida de seu adversário, deveria se sentir nobre por isso. Mas só isso.

Contudo, não se mexeu. Passou a se concentrar na respiração calma do albino para tentar controlar a sua própria, pois agora que verdades em si foram esclarecidas era ele que precisava de um tempo parra fazer o ar entrar novamente em seus pulmões.

25 de Fevereiro de 2018 às 00:18 0 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~