Unexpected Seguir história

xixisss Isis

O festival que acontecia em Karasuno carregava muitas tradições. Para Tobio, era uma forma pretensiosa de exibir seu segundo gênero. Para Hinata, era uma cerimônia marcante e especial. Mas, talvez, essa simples comemoração guarde algo realmente inesperado. E, às vezes, do que menos se espera surge exatamente o que se precisa.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas. © Haikyuu e seus personagens não me pertencem, mas o enredo sim. História de fã para fã.

#omegaverse #fanficsotaconda #desafiootaconda #AlphaxOmega #haikyuu #mpreg #universo-alternativo #abo #Hinata-Kageyama #Daichi-Suga #gravidez-masculina #Betaxomega #Tsukishima-Yamaguchi #Shimizu-Yachi
57
8190 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Revelação

As ruas estavam tomadas pela agitação, o que era incomum para uma cidade tão pacata quanto Karasuno. Tanta agitação que Tobio achava irritante. De fato, a cidade só entrava nessa polvorosa nesta época. A época do, na opinião do moreno, estúpido Festival. Era a tradição antiga que a cada 3 anos houvesse um festival onde ocorria a Cerimônia de Revelação. Todos os jovens a partir dos 15 anos passavam pelo exame que informaria qual o seu segundo gênero algumas semanas antes e o resultado era anunciado no Festival. Durante muito tempo esta era a maneira que a sociedade tinha de apresentar os possíveis parceiros e o hábito era que as famílias se utilizassem do festival para começar a planejar os casamentos que lhes seriam mais convenientes. Naquela época, o gênero atestado à pessoa determinava todo seu futuro. Entretanto, este pensamento arcaico já havia sido mudado há tempos. Hoje, a tradição se mantinha como uma noite de festa e celebração à descoberta dos jovens sobre seu segundo gênero. E o mais importante, independentemente de qual fosse este, todos tinham a certeza de que seriam tratados com equidade.

Muitos dos jovens, ao passarem pela cerimônia, já tinham uma boa noção de qual seria seu resultado - principalmente aqueles que eram mais velhos, tendo tido que esperar até chegar a época do festival para poderem fazer o exame, mesmo que já tivessem completado a idade mínima há algum tempo. Isto era mais comum entre os ômegas, alguns tendo seus cios chegando mais precocemente do que o normal para a região, evidenciando seu gênero sem a necessidade do teste. Ainda assim, todos eram estimulados a passar pelo ritual e raramente alguém se recusava.

Mas Kageyama Tobio era mesmo raro. E definitivamente queria se recusar.

— Vamos, Tobio. Você já viu como é o festival, viu que é algo bonito e divertido, não tem porquê não participar. - Daichi dizia.

— Eu queria poder só ver meu resultado e acabou.

— Você tem vergonha de que as pessoas saibam seu segundo gênero? Porque, você sabe, não há razão pra isso, não é como se as pessoas julgassem as outras por isso hoje em dia.

— Eu sei que não. E claro que não tenho vergonha, até porque provavelmente sou Alpha mesmo. Só acho meio exibicionista demais.

— Talvez seja, mas sua mãe está muito animada com os preparativos, não custa nada agradá-la. Além do mais, sei que todo o pessoal do clube vai estar lá também, vai ser como estar em uma festa entre amigos.

Tobio pensou por alguns instantes e logo se viu concordando com o irmão de consideração. Daichi era filho do padrasto de Tobio e era um raríssimo caso de alguém que já sabia qual era seu segundo gênero desde muito cedo. Sua mãe, uma mulher beta, havia tido complicações durante toda a gravidez e não resistiu ao parto. Pelos exames os médicos deduziram que era pelo fato de a criança ter muitos genes Alpha. Quando o pai de Daichi casou-se com a mãe de Tobio o menino tinha 7 anos e já demonstrava diversas características comuns no gênero Alpha, como a força e a inteligência, reforçando ainda mais o que havia sido especulado anos antes. E mesmo já tendo praticamente certeza do resultado, Daichi ainda participaria do festival.

Tobio estava confiante que seria atestado alpha também. Apesar de não ser tão inteligente e não ter tanta força e energia assim, seu corpo sendo mais esguio em comparação com alguns colegas da mesma idade, era bastante alto e bem-sucedido naquilo a que se dedicava - o vôlei, principalmente. Mas não podia ter certeza absoluta ainda. Não sabia quais eram suas probabilidades, já que sabia apenas que sua mãe era ômega, mas ela jamais tinha lhe falado sobre a outra pessoa em questão. A única coisa que ela garantia é que não havia tido nada de errado ou traumático na concepção de Tobio e, portanto, ele sempre havia sido muito amado, desde o primeiro momento. A verdade é que parte de si se preocupava sim com qual seria o resultado do exame, mas nem para Daichi ousaria admitir.

Tentava não ficar pensando muito no bendito Festival que aconteceria dali a dois dias, mas isso era impossível, não só por toda a comoção na cidade mas porque não havia outro assunto aonde estivesse. A maioria das aulas estava tendo o Festival como temática de fundo; nos corredores as pessoas faziam apostas sobre os gêneros uns dos outros; até no clube de vôlei o assunto vinha à tona com certa frequência. Kageyama havia decidido participar do festival mas ele nem tinha chegado e já estava cansado dele.

As ruas estavam tomadas pela agitação, o que era incomum para uma cidade tão pacata quanto Karasuno. Tanta agitação que Shouyou se via contagiado. Adorava ver as pessoas, as cores, tudo mais vibrante na época do Festival. Sempre havia sido fascinado pelo evento, desde criança, e agora finalmente tinha chegado sua vez de participar. Pouco importava que gênero teria, não era isso que o definia. Sua ansiedade era por toda a cerimônia em si.

Quando fez seu teste a examinadora disse que havia sido um dos únicos a não querer saber se tinha alguma maneira de saber o resultado antes da noite marcada para a revelação. “GWUAAA e estragar a emoção do momento? Nunca!”, foi o que respondeu, arrancando uma risada da simpática senhora.

Embora não estivesse tão preocupado consigo mesmo, via as pessoas comentando pelos corredores da escola sobre quais deveriam ser seus gêneros e de seus amigos e se via tentando adivinhar os daqueles ao seu redor. Já tinha observado e especulado sobre todos os colegas do clube de vôlei. “Suga-san deve ser ômega, ele é muito cuidadoso… Daichi-san todo mundo já sabe que é alpha… Asahi-san é um mistério, tem porte de alpha e jeito de ômega, eu não faço ideia… Noya-san também é difícil, é pequeno como eu, mas não sei se seria ômega… Tanaka-san e Ennoshita-san acho que são betas… Talvez Tsukishima também… Acho que Yamaguchi pode ser ômega… Yachi-chan também… Shimizu-san é outra que não sei bem, ela é tão calada… E claro, o Bakageyama deve ser alpha.”

Mesmo que não pensasse tanto no assunto Hinata desconfiava que devia ser ômega. Embora homens ômegas não fossem tão comuns na sociedade em geral, em Karasuno não seria nenhum acontecimento extraordinário. Achava isso não só por não ter grande estatura, embora tivesse uma constituição corporal bem forte e bastante energia, mas também porque seu avô era um ômega, o que aumentava suas chances, mesmo que ambos seus pais fossem betas. Sabia que uma pequena parcela da população ainda virava a cara para ômegas no geral e que, provavelmente, teria que aturar uma ou duas piadinhas sem-graça se fosse mesmo o caso. Mas também sabia que, na prática, nada mudaria, a não ser os cuidados na época de cio; “com os quais provavelmente não terei que me preocupar por algum tempo, já que o comum é só se manifestar após o amadurecimento total do corpo, já por volta dos 18 anos, para a maioria das pessoas…”.

Fato era que não tirava o evento da cabeça, impactado por todo o clima que ele trazia. O Festival ainda nem havia chegado e Hinata já estava imensamente feliz em ser parte disso.

Quando enfim a noite da revelação chegou, na primeira sexta-feira do Outono, a estação do início do ciclo de renovação segundo os costumes locais, Tobio recebeu sua mãe em seu quarto, trazendo as vestes tradicionais da cerimônia feitas por ela mesma. A mulher tinha os olhos azuis marejados enquanto vestia o filho e Tobio tentava controlar a expressão entediada para não magoá-la. Ao fim, quando Tobio já estava pronto, sua mãe lhe segurou a mão com firmeza e carinho ao dizer:

— Tobio, quero reforçar que não importa o resultado de hoje, nada precisa mudar na sua vida ou nos seus planos, ok?!

— Eu sei, mãe.

Assim, com um abraço apertado e um elogio sincero, a mãe de Kageyama deixou o quarto. Alguns minutos depois Tobio desceu as escadas e encontrou a família à sua espera na sala de estar. Daichi usava uma roupa semelhante à sua e tinha um sorriso encorajador nos lábios. Tobio saiu pela porta de casa com a sensação de que quando voltasse algo estaria bem diferente.

Ao chegar na praça da cidade nem mesmo Kageyama poderia deixar de admitir que o lugar estava lindo. Luzes e flores espalhadas pelo local, pessoas em seus melhores trajes e com sorrisos no rosto, cheiro de comida especial sendo preparada. Era uma atmosfera de comemoração e parecia impossível não se contagiar por ela. Jantou com sua família em um dos restaurantes ricamente decorados, apreciando o seu prato favorito preparado com ainda mais sabor pela ocasião. Durante a refeição foi a vez de seu padrasto assegurar que o resultado não mudaria nada, ao que Tobio e Daichi concordaram verdadeiramente.

Enfim chegou o momento para que os jovens em idade de revelação fossem até a área cerimonial. O ritual não era complexo. Todos aqueles que participariam do ritual naquele ano deveriam se direcionar até o monumento da cidade, um obelisco adornado com corvos, que ficava bem no centro da praça, numa superfície um pouco mais alta do que o restante do local, de modo que todos tivessem ampla visão. Ao subirem até lá todos recebiam em suas mãos uma pequena caixa, dentro da qual estaria o resultado do exame; porém, ninguém poderia abrir sua caixa, as chaves ficando com o cerimonialista escolhido pela cidade.

O cerimonialista então se dirigiria a cada um dos jovens, abrindo a caixa e deixando que ele mesmo visse o resultado antes de, com a ajuda de algum assistente, lhe entregar o símbolo que representaria seu segundo gênero. Em épocas passadas as pessoas eram separadas de acordo com o resultado, tendo espaços reservados para cada um dos três gêneros. Entretanto, com o passar dos anos e com a noção de que as diferenças não necessariamente precisavam evidenciar uma hierarquia rígida ganhando força, isto foi abolido. Assim, cada um recebia o símbolo correspondente e se posicionava à frente do obelisco, todos misturados, identificados apenas pelas coroas que recebiam na cabeça: flores coloridas para os ômegas, folhas verdes para os betas, um trançado de caules para os alphas - as três partes complementares de uma obra da natureza, assim como os três gêneros eram partes complementares da sociedade.

Ao se aproximar do monumento Tobio viu vários de seus colegas, inclusive aqueles com quem convivia no clube de vôlei. Logo estavam todos juntos, conversando sobre o que tinham feito no festival antes de receberem suas caixas. Hinata e Nishinoya eram os que estavam mais animados, não paravam de falar um segundo. Tobio rolava os olhos da empolgação dos dois, mas a verdade é que sentia um pouco de inveja da energia que ambos irradiavam. Hinata principalmente com seu jeito sempre expansivo demais. Ele era uma das poucas pessoas capazes de se infiltrar sob a pele de Tobio, deixando-o irritado com uma facilidade enorme, embora fosse um parceiro incrível em quadra. Os dois eram chamados de dupla esquisita e não só pelas jogadas em quadra, mas por estarem sempre juntos, embora brigassem mais do que tudo.

Kageyama só percebeu que encarava o ruivo, perdido em pensamentos, quando uma moça baixa lhe encobriu a visão, entregando a caixa em suas mãos. Tobio segurou o objeto com força suficiente para deixar os nós de seus dedos brancos, mas não demonstrou mais nenhuma reação. Percebeu que Hinata fizera menção de se aproximar, mas foi interrompido por Yachi. Tobio apertou a caixa com ainda mais força.

Logo a cerimônia teve início e, após o discurso padrão, o cerimonialista começou a citar os nomes dos jovens a serem revelados, na ordem em que tinham comparecido para realizar o exame. Kageyama viu Shimizu, a gerente do clube, ser revelada alpha, assim como Tanaka. Tsukishima, Asahi, Ennoshita e Nishinoya foram revelados betas. Yachi, Suga e Yamaguchi, ômegas. Imediatamente antes de Tobio, Daichi havia sido revelado alpha, como era o esperado. Quando seu nome foi dito no microfone e o cerimonialista abriu sua caixa, Tobio olhava fixamente para a bandeja com os três tipos de coroas que a moça que lhe entregara a caixa mais cedo segurava. Não sabia o que sentir quando seu resultado foi pronunciado e viu a coroa que seria encaixada sobre seus cabelos ser erguida lentamente pelo cerimonialista: flores amarelas, vermelhas e rosadas a adornavam. Ômega.

Shouyou estava radiante no momento em que pegou sua caixa em mãos. Se sentia tão importante ali em cima daquele monumento, finalmente tendo seu lugar na cerimônia que sempre admirou. Conversava animadamente com os colegas, mas ora ou outra seu olhar recaía sobre certo moreno de olhos azuis. Kageyama parecia nervoso e isto parecia fora de lugar. Hinata tinha adquirido o hábito de observar o outro. Por conta do time, é claro, afinal, formava uma dupla poderosa com o levantador quando estavam em quadra juntos. E também eram amigos, certo? Ao menos estavam sempre juntos e mesmo que Kageyama fosse um bruto na maior parte do tempo, partilhavam muito tempo juntos. Nesses meses tinha aprendido que, apesar de parecer sério demais, Kageyama era bem transparente em demonstrar seus sentimentos, nos menores gestos, visíveis para quem estivesse atento o suficiente. Na maioria das vezes, ele exalava confiança em si mesmo. Mas não hoje. Shouyou podia perceber ele olhar ao redor muitas vezes, sua atenção dispersa da conversa que acontecia em sua volta, suas mãos apertando a caixa com força demais. Mas não entendia o porquê de tamanho nervosismo. Ia se aproximar para conversar com o moreno quando Yachi chamou sua atenção. Viu quando a expressão já séria de Kageyama se fechou ainda mais. Antes que conseguisse finalizar o assunto com a loira, foi anunciado o início da cerimônia.

Conforme as revelações foram sendo feitas, Hinata percebeu que tinha acertado vários de seus palpites. Ficou um pouco surpreso por Shimizu ser alpha, mas pensando bem até que fazia sentido. Até que chegou a vez de Kageyama. “A coroa trançada vai ficar bem nele”, Hinata ainda pensou, antes que o resultado fosse anunciado. E ficou literalmente chocado ao ouvir a palavra “Ômega” e ver a coroa de flores ser posta sobre a cabeça de um Kageyama visivelmente atordoado.

Não pôde tirar os olhos dele, que foi para a frente do obelisco num movimento automático, tendo sido recebido por Suga e Daichi, que pareciam lhe falar algo que ele não estava ouvindo. “Kageyama...ômega?”. De tão perdido em seus próprios pensamentos e em observar o outro, Hinata só reparou que tinha chegado sua vez ao ver o cerimonialista parado à sua frente. Finalmente tinha chegado o seu momento no ritual e Hinata não podia estar menos interessado no resultado. Se antes não se importava muito, agora sequer pensava no que estaria escrito dentro da caixa, ainda observando Kageyama mais a frente, encarando o resultado em suas mãos com olhos confusos. A expressão do moreno despertava uma inquietação em Hinata, uma vontade súbita de estar ao seu lado.

O cerimonialista perguntou baixo, fora do microfone:

— Ei, você está bem Hinata-san?

— Hum? Ah, sim, estou.

— Ótimo, eu vou abrir agora sim?

— Claro.

Só então Hinata voltou sua atenção para a caixa em suas mãos, que foi aberta com cuidado. A voz do cerimonialista ecoou mais uma vez no microfone com um resultado abalador de estruturas. “Alpha”. E Hinata não pôde acreditar ao sentir a coroa trançada em sua cabeça. E sentiu seu interior revirar ao ver o olhar alarmado de Kageyama sobre si.

24 de Fevereiro de 2018 às 23:44 5 Denunciar Insira 6
Leia o próximo capítulo Florescimento

Comentar algo

Publique!
Joana Kawaii Joana Kawaii
Brotei aqui por que eu ainda quero dizer o que aconteceu comigo. Então... Eu tava quase dormindo quando me venho na cabeça "Será que tem uma fanfic aonde o Tobio é uke? Porque pra mim ele parece mais uke do que seme.Será que eu to estereotipando? aaaah,mas eu quero saber...vou procurar!!" Primeiro eu passei no spirit mas ai eu vi que teve toda aquela treta e decidi ver a sua fanfic aqui por que eu tava muito curiosa :D
27 de Julho de 2018 às 02:33
AnnyeCS AnnyeCS
Hohohohhohohoho o que temos aqui! Um Kageyama Ômega! E um Shouyou Alpha tenho certeza de que isso é diferente de muita fic abo que vou encontrar por aí. Tá lindíssimo. Tô louca pra ver como isso vai se desenrolar.
9 de Junho de 2018 às 11:40

  • Isis Isis
    hohohho diferente sim. culpe essa imagem da capa do Kags com coroa de flores que me fez plotar esse festival. 11 de Junho de 2018 às 18:20
Celi Luna Celi Luna
21 de Maio de 2018 às 21:08

  • Isis Isis
    AI CELI NÃO TA APARECENDO NADA NO COMENTÁRIO AAAAA Q HORA PRA DAR BUG 22 de Maio de 2018 às 15:01
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 8 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!