ladysiph Siph Ferreira

Uma encomenda é recebida pela dona do apartamento.


Conto Todo o público.

#conto
Conto
0
663 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A caixa

Estava no escritório divagando em frente ao computador quando ouvi a campainha tocar. Amaldiçoando a hora levantei e fui atender a porta, para minha surpresa não havia ninguém lá fora apenas uma grande caixa de madeira clara, com meu nome endereço e um carimbo do dia. Não tinha remetente ou sinal de quem havia deixado ali. Fiquei intrigada, pensei que era mais uma das brincadeiras dos amigos da faculdade, os tempos andavam difíceis. Não havia distrações aprovadas pelo ministério ou se

ficava em casa ou corriamos o risco desaparecer na calada da noite por causa de uma cerveja ou um encontro não programado. Estavamos sob a tutela do Estado do

amanhecer ao anoitecer, éramos felizes, tínhamos dinheiro, bons empregos e liberdade.


Difícil pensar em liberdade quando a simples menção a palavra traz olhares curiosos e necessita de prévio esclarecimento. Não há paz onde o reina o medo de pensar livremente. Peguei a caixa e levei ao escritório.


Já havia perdido o raciocínio a alguns minutos então decidi preparar um banho e meu jantar. O encanamento velho do prédio fazia barulho sempre que acionava a agua quente, derramei alguns sais, óleo e perfume na água e entrei na banheira. A água morna me relaxou quase que instantaneamente e cai no sono.


Não sei quanto tempo passou mas ao despertar o apartamento estava mergulhado na penumbra, apenas a luz fraca e azulada do computador iluminava o ambiente quando vi uma sombra passando pelo corredor.


Meus cabelos se arrepiaram, foi como se abrissem todas as janelas e um vento gelado e furioso percorresse o ambiente.


- Vav, aleph, lamed.

Para todos os que mal me desejarem olhos cegos, surdos ouvidos e linguas mortas. Vav, aleph, lamed.


Me troquei e fui a cozinha, olhando toda aquela parafernália me pergunto o que fazer... Há frutas, legumes e nenhuma carne. Onde estava a carne? Lembro claramente de trazer ao menos 4 quilos de porco em bisteca, bife e medalhões.


- Esquece...


Havia peras, mangas e morangos e pêssegos, corto alguns, pego uma garrafa de espumante e volto ao escritório.


Preciso comer, terminar o bendito artigo, revisar e enviar ainda esta noite.

A caixa está lá, compartilhando de meu silêncio e companhia, coloco a tigela com as frutas de lado, o espumante faz lindas borbulhas naquela luz, reviro a caixa e não encontro nenhuma indicação de onde possa ter vindo, apenas um mecanismo que ao apertar se abre, envolvida num tecido ricamente bordado em flores e folhagens outra caixa, esta de um vermelho profundo, filigranas em diferentes matizes de ouro velho, pesada e muito fria ao toque, retiro da caixa de madeira, coloco ela de lado, é realmente uma peça muito bonita, não consigo imaginar o preço dela ou o que possa haver em seu interior, preciso voltar ao artigo, me concentrar e continuar o trabalho para depois descubrir o que tem ali dentro.

24 de Junho de 2022 às 14:59 2 Denunciar Insira Seguir história
2
Fim

Conheça o autor

Siph Ferreira Nerd de maquiagem, amante de música, livros e quadrinhos. Navegante do multiverso, amiga de Meia Noite e Qliph, viciada em podcast e buscando seu rumo nesse mundo.

Comente algo

Publique!
Norberto Silva Norberto Silva
E então ficamos, nós leitores e a moça do artigo sem saber o que tem na caixa?!!! Uma ótima quebra de expectativa nesse final. Curti muito!
June 25, 2022, 02:07

  • Siph Ferreira Siph Ferreira
    Na real, eu não sei se devo escrever o que tem na caixa, ultimamente tenho encontrado muitas pessoas fisicamente iguais a personagens meus e isso me dá um medo terrível hahahahshahhs June 30, 2022, 19:43
~