Conto
0
132 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Levo o meu problema comigo

Bem, meus cabelos são crespos, tenho um 1,62m de altura. Chamem-me "Probleminha".

Meus pais morreram num acidente de carro quando eu tinha apenas 5 anos de idade, eu era a filha única. Minha tia me amparou e sempre esteve presente quando eu precisava, sempre acreditei que ela nunca quis que eu sentisse a falta dos meus pais por isso ela e o seu esposo sempre estiveram presentes e deram-me o que eu precisava, tudo de acordo às suas possibilidades. Eles têm duas filhas, eu sei que a igualdade nunca será absoluta, porém sempre me contentei com o que eles me ofereciam.

Aos 17 anos de idade quando estudava a 12° classe, me apaixonei por um rapaz incrível, o Ander. O Ander não olhava muito para mim, mal me prestava atenção, sofri por dois meses amando ele até que um dia resolvi fazer de tudo para chamar atenção dele, algumas vezes fui um pouco estúpida e embaraçosa. Minhas amigas me ajudaram a ganhar a confiança dele, até que ele se apaixonou por mim. A gente começou a namorar no dia 16/05/2018, o Ander era tão doce, amável e cuidadoso comigo, ele me surpreendia dia pós dia, ele era assertivo, agia com veracidade e era muito intelectual, ele era um nobre e tinha tudo que eu precisava mas, não me dava tudo que eu queria.

Minhas amigas eram muito chiques e eu só queria ser mais uma delas, quer dizer, tal como elas. Seus celulares, suas roupas, seus calçados e acessórios eram incríveis. Minhas roupas chiques eram por seleção escassas e meu celular não era assim tão bom. Elas sempre tinham dinheiro na bolsa e as vezes quando levavam-me para lugares chiques quase que não conseguia pagar nada e elas assumiam sempre a minha conta. Mas, no fundo, elas sempre me amaram, eram as minhas melhores amigas.

Meus pais (tios), conheciam o Ander como um amigo meu, saiamos a maioria dos finais de semana e, tudo era recíproco apesar de algumas vezes ele financiar mais. Os amigos do Ander eram...digamos que, diferente de Ander. Eram muito estrovertidos, gostavam muito de festas e coisas do gênero. Para eles, meninas eram apenas para fins sexuais e outras diversões, mas o Ander era diferente, era mais construtivo. Sinceramente não sei como ele lidava com seus amigos.

Bom, dinheiro era tudo que eu mais desejava, eu tinha desejos e necessidades que somente seriam supridas se eu trabalhasse muito. Então, conheci o Hugo. Um sr. muito atrevido, ele tinha dinheiro e quem o visse facilmente notava. Suas roupas, seus carros e seus acessórios eram muito valiosos. Para mim, o Hugo era uma oportunidade para mudar a minha vida, então começamos a namorar. Sim, a gente fingia sentimentos e tudo pelo nosso interesse, ele queria satisfações sexuais e eu o dinheiro.

Minha mãe (tia) ficava muito preocupada comigo, ela não conversava muito com as filhas, mas observava detalhadamente a gente, as 3. Ela não era daquelas mães que conversam abertamente com as filhas e quanto ao meu pai(tio), ele era muito ausente por conta do seu emprego.

Minha mãe me perguntava como eu conseguia comprar roupas caras, telefones e outros bens caros e a minha resposta era sempre: o Ander oferece-me, o Ander dá-me dinheiro, o Pai do Ander é muito gentil...

‌Eu oferecia muitas coisas lindas às minhas irmãs e à minha mãe (tia), já não tinha problemas para sair com as minhas amigas. Não deixei de namorar com o Ander, claro! Ele era o amor da minha vida. Até Novembro de 2018 tudo corria exatamente como queria. Certo dia o Hugo havia me contado que tinha uma família, aí eu descobri que ele nunca se envolveu comigo porque me amava, mas isso menos me interessava então, aceitei a sugestão dele de continuarmos a namorar.

Certo dia, o Ander me surpreendeu com um pedido. Ele queria se deitar comigo e estava a falar tão sério. Na verdade eu não esperava isso dele, ao menos tão cedo. Não exitei, 3 dias depois a gente se deitou. Foi uma noite inesquecível, eu estava super apaixonada e era relativo, porém, fiquei grávida. Duas semanas depois a minha mãe (tia) já desconfiava, minhas irmãs também. Minhas amigas aconselhavam-me a contar para o Ander mas eu tinha muito medo de tudo. Já agia estranho e estava a ficar deprimida então, contei também às minhas irmãs, elas prometeram manter em segredo até que eu decidisse contar à mãe (tia), mas elas já me aconselhavam a contar para o Ander.

Dia seguinte, minha mãe(tia) me surpreendeu com uma psicóloga, eu tive que mentir na terapia. Dia 26/12/2018 a noite, já há um mês grávida, minha mãe disse que no dia seguinte eu seria obrigada a fazer um teste então, no dia seguinte resolvi procurar a minha amiga Marta muito cedo e contei tudo à ela, ela me sugeriu colocar a urina dela em vez da minha, então peguei numa garrafa e levei comigo. À caminho de casa peguei um táxi até à casa do Ander e contei ao Ander que esperava um filho dele, ele realmente me surpreendeu, nunca pensei que o carácter de alguém mudaria por uma simples notícia, bem, não no sentido literal. Ele negou e renegou a gravidez, ele disse que não estava preparado para assumir uma criança. Nem eu mesmo estava! Naquele dia, eu me decepcionei muito com o Ander, ele me expulsou da sua casa como se nunca houve nada entre nós. Eu saí daí a chorar e quando cheguei à casa abracei muito forte as minhas irmãs e contei tudo para elas.

10 minutos depois, minha mãe (tia) acaba de chegar e partimos logo para o teste. Pedi privacidade e entrei no banheiro, coloquei a urina da Marta e me safei de mais um problema que sabia que seria apenas temporário. Minha mãe (tia) me abraçou fortemente e disse que estava muito preocupada e com medo de que algo aconteça comigo.

4 dias depois tive uma ideia, fui ao apartamento do Hugo e esperei por ele, eu disse que a gravidez era dele, até jurei! Ele ficou confuso e parecia que estava com raiva e desesperado. Entrou no quarto e saíu Depois de 20 minutos já mais calmo. Ele disse que não sabe como me engravidei dele, na verdade ele tinha razão, sempre usou a camisinha, ele era muito preventivo. Mas acabou por aceitar e impôs uma condição, nem a mulher dele tinha que saber sobre a gravidez e, nem a minha família tinha que saber que ele é o pai ou mesmo que existe. Ele realmente era um homem incrível apesar de tudo. Então, foi pagando as consultas e tudo mais. Eu já não estava com o Ander, mas ele era o amor da minha vida.

Já estávamos em Abril e já era quase impossível esconder a gravidez. O que mais me preocupa era como eu diria que não sei quem é o pai da criança. Acreditem, eu estava tão aflita com tudo que acontecia.

O que as pessoas diriam ao meu respeito?qual seria a reação da minha mãe ao saber que lhe enganei por 5 meses?

Eu já não aguentava mais, eu pensei mil vezes no aborto, mas ninguém me aconselhava a abortar e diziam que além de ser crime seria muito perigoso. Eu juro que não queria viver aquela situação.

Dia 22 de Abril, foi o meu último dia, eu já não aguentava nenhum pouco. Escrevi uma carta para o amor da minha vida, escrevi uma carta para a minha mãe, escrevi uma carta para o meu pai, escrevi uma carta para as minhas amigas, escrevi uma carta para o Hugo.

Eu apontei uma arma para a minha cabeça e me matei logo. Me desculpa filho!




19 de Junho de 2022 às 15:28 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Luh Kehl Ler não é decifrar, escrever não é copiar.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas