lanthys Lanthys LionHeart

Um mundo praticamente sem regras, onde um ser chamado de demônio por muitos e, fiel à um código de conduta pessoal, tenta ser a diferença em uma terra marcada pelo materialismo, egoísmo e ambições! Um futuro devastado pela guerra, corrupção e violência onde um único ser, em busca de redenção e descanso, usa sua espada e sua fúria como formas de tentar trazer uma última chance para a humanidade mudar seu futuro!


Pós-apocalíptico Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#cyberpunk #pós-apocalíptico #samurai-futurista
2
171 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Olhos na escuridão!

A noite já ia alta e nos céus turbulentos a chuva, embora não fosse torrencial, era forte o suficiente para molhar em questão de instantes... A cada novo estrondo entre as nuvens, os relâmpagos revelavam os vultos imóveis que cada objeto ou árvore representava na noite e que ainda não tivesse sido exposto pelas luzes de neon e multicoloridas do bairro afastado, mas igualmente iluminado como todo o resto em Kyoto SkyLand...

Estamos no que se pode enumerar como ano 3075 após a vinda daquele que alguns chamaram de “messias” em livros antigos, livros esses que atravessaram séculos espalhando suas narrativas e que com certeza jamais imaginaram seus escritores que hoje, tais narrativas seriam pouco mais do que lendas como lobisomens, vampiros e tantos outros... A população restante do planeta Terra, após tantos conflitos e a última grande guerra, se dividiu em suas crenças e expectativas, pois uma parcela embora pequena mas muito significativa, havia deixado de ter esperança, deixou de acreditar em salvação, em salvadores, deixou de esperar por tempos melhores e vivem a cada dia como se fosse o último, o que para muitos desafortunados, infelizmente o é... Mas para outros, uma grande maioria da população na verdade, esse mundo novo, infestado de cheiro de cigarro e poluição hipnotiza com promessas vazias mas ao mesmo tempo fantásticas de grandes ganhos e vida longa devido às novas tecnologias e ciências tanto mecânicas quanto medicinais, o que não permitia tempo ou vontade de buscar tais crenças que muito antigamente apaziguavam guerras e a alma dos mais aflitos...

Sim, o mundo hoje nem de perto era o que já fora um dia, estava completamente fragmentado no quesito sociedade, novas raças surgiram, muitas mutações e ciborgues agora viviam pelas ruas com tamanha naturalidade como a vida o era antes da grande guerra, com os humanos à preencher as grandes cidades para uma melhor chance de sobrevivência, apesar do sistema caótico, causando um cenário completamente avesso ao que os que viveram aqui dezenas e centenas de anos antes da destruição nuclear presenciaram...

Neste cenário de desesperança e muito caos é que inicia nossa história, mais exatamente acima de uma das árvores que nasceu nos restos do que já fora um ônibus escolar, agora destruído em algum confronto das gangues com a polícia de choque... Ali, alguém observava a noite, inicialmente para obter paz de espírito ao toque suave da chuva refrescante e revigorante em seu rosto, prazer esse que era raro para ele e naquele dia, ou melhor, naquela noite, durou bem menos instantes do que ele esperava se tivesse muito azar, pois os sons da noite deixaram de ser apenas o esperado e aprazível ruído da chuva sobre as ruas asfaltadas, seus telhados e árvores como ele buscava, para se tornar mais um sinal, daqueles que ele batizara de "ingratos" à agir pela escuridão... Entre a frustração de ter seu momento relaxante destruído e satisfação de encontrar mais "não merecedores" da vida para enviar ao julgamento das divindades, o vulto oculto sobre a copa, com olhos fechados, falava consigo mesmo...


“- "Ingratos"... Eles creem que podem ter tudo e não respeitam nada ou ninguém... Não compreendem que tiveram uma chance que muitos não tiveram... Tirar vidas inocentes, é imperdoável...”


Com um movimento quase imperceptível, o vulto desaparece em busca de algo que somente ele havia percebido na noite e os noticiários do dia seguinte teriam mais mortos à notificar, isso claro, se a polícia resolvesse fazer seu trabalho e dignar-se a tentar esclarecer o caso, o que tornaria público as ações que aconteceriam em instantes...

A chuva em Kyoto SkyLand, principalmente sob a óptica noturna, que é quando os raios ultravioletas não a transformam em gotas bastante desconfortantes que incomodavam a pele devido sua carga ácida, era prazerosa para a maioria dos seres... Ninguém sabia explicar direito, ou ninguém se importou em conseguir a explicação, mesmo nos dias avançados de hoje, como a chuva foi capaz de receber influência da luz do sol, mas muitos acreditavam que a camada de ozônio bastante alterada, de alguma forma altera os raios de luz que por sua vez incidem na composição da água que cai... Assim sendo, tanto "presas" quanto "caçadores", que basicamente é o que a sociedade se tornou atualmente, preferem o período da noite para ganhar as ruas e é neste ambiente aconchegante para uns e perigoso para outros que, ao contrário do que já foi a vida no passado, mais e mais seres saem atrás de suas metas de sobrevivência, sejam elas honestas, uma raridade nos dias atuais aliás, ou aquelas que contrariam as poucas leis destas novas terras para se satisfazer...


O ser alcança rapidamente o topo de um telhado localizado três quarteirões de onde estava anteriormente, abaixo deles no breu da noite, três homens e um garoto em uma rua pouco movimentada eram visíveis... Aparentemente o jovem voltava da feira ao ar livre com uma sacola quase vazia e mesmo diante do fedor exalado pelo lixo contido nos containers pixados que agora serviam para ocultar os quatro, sobre o topo do prédio de quatro andares, o agora "caçador" observava suas "presas" e conseguia até mesmo decifrar o aroma do objeto de disputa... Peixe-seco, banana e pão, um verdadeiro banquete nestas épocas de pouca ou nenhuma posse da maioria esmagadora dos vivos, e em pouquíssima quantidade do referido alimento inclusive... O braço reluzente do jovem que segurava a sacola deveria impor respeito, afinal era um braço cibernético, mas ao invés disso, apresentava faíscas demonstrando sua inutilidade no momento e, não eram defeitos recentes, provavelmente a manutenção estava vencida e como grande maioria dos implantados, não havia dinheiro suficiente para manter seus componentes cibernéticos funcionando, o que se tornava um peso e não uma vantagem...

Os três homens cercam o garoto certeiros de estarem em vantagem (o que realmente estavam), empunhando adagas, pistolas e correntes... Um dos meliantes tinha o olho esquerdo em vermelho indicando um implante visual que deveria conferir ao mesmo, visão noturna entre outras recompensas... O segundo exibia uma perna robótica no lugar da que provavelmente foi arrancada em algum "trabalho" enquanto o terceiro, deveria ter gasto uma verdadeira fortuna para ter um peitoral que protegia todo seu tórax como ele ostentava... O de olho vermelho fala algumas coisas pesadas intimidando o jovem, os outros dois, cerca de um metro e meio de distância mais distantes, riam para aumentar a pressão psicológica sobre a vítima, o pequeno rapaz por sua vez, se urina completamente e chora fechando os olhos implorando por sua vida, enquanto se podia sentir a intenção do “olho vermelho” desde que ele decidiu tomar a atitude de encurralar o jovem naquele espaço... Tudo então ficava, ao "caçador", em câmera lenta...


A visão de uma viatura com um guarda da força policial pública dentro da mesma passando pelo local e ignorando por completo a ação dos "ingratos" não escapa da visão do "caçador", mas ele resolveria aquilo depois, no momento ele precisava agir ali e evitar mais um inocente afetado pela ação dos malditos... O assaltante de olho vermelho puxa a adaga para trás e logo em seguida leva o punho para frente de novo buscando perfurar e matar a vítima, segundos apenas foram gastos para essa ação, mas esses segundos foram mais do que suficientes para o "caçador"... Ao levar a adaga à frente para perfurar o jovem, "olho vermelho" percebe ao desferir o ataque que sua mão segurando a adaga voou pelos ares distante dele alguns metros, enquanto somente o cotoco ensanguentado chegava até o rapaz, respingando sangue no rosto do mesmo...

Sem entender o que acontecia, pois não havia tido qualquer sensação de dor e sequer teve tempo pra isso, o agora maneta "olho vermelho" vira-se para trás proferindo palavrões em busca de o que havia acontecido quando sem aviso algum, algo adentra por seu implante cibernético chamativo, atravessando seu crânio e parando somente ao cravar-se na parede ao lado da cabeça do jovem em prantos que ainda não havia aberto seus olhos para testemunhar o fato... Os outros dois, devido a velocidade da ação levam alguns segundos para compreender que uma espada havia perfurado seu comparsa e assim que retesam seus músculos para agir, a radiância da lâmina é a única coisa que demonstra seu trajeto, rasgando a cabeça do “olho vermelho”, indo em direção à cintura do “perna mecânica”, partindo o mesmo ao meio e espalhando suas vísceras pelo chão, ao passo que sem tempo para decifrar o que aconteceu aos "colegas", o "peitoral de aço" vislumbrou um brilho em direção ao seu pescoço e logo em seguida sua cabeça voou pela rua, espirrando sangue novamente no garoto, que agora começava à conter o choro percebendo que algo ou alguém havia atendido suas preces e vindo o amparar naquele momento de grande medo, ou pelo menos assim ele pensava...


O silêncio toma conta de tudo, o rapaz começa a abrir os olhos e vislumbrar a cena dantesca, buscando pelo responsável pelas mortes e claro, cogitando já desta feita que ele ia ser o próximo dada a brutalidade dos acontecimentos, mas tudo que conseguiu ver foi um par de olhos na escuridão da rua, que o observava sem piscar, como se o analisasse... Limpando as lágrimas e ainda trêmulo, visto os segundos que transcorrem sem que ele seja atacado pelos "olhos", o jovem arrisca e agradece: “- O... Obrigado... Seja lá quem for... Isto era pra minha mãe... Mas... Pode levar... Me deixe vivo para cuidar dela... É suficiente pra mim... Eu lhe imploro...”


Os olhos o observam ainda em silêncio, a alimentação que ele carregava era obviamente cara para alguém pobre, mas seu senso de justiça julgou que de alguma forma ele a adquiriu honestamente, seu íntimo sentia isso... Os olhos então se fecham, para dar lugar a um som de deslocamento para logo em seguida apenas uma voz ecoar pela noite, como uma resposta e um aviso: “- Não se corrompa... E não há dívidas comigo... Se corrompa e me verá de novo... E então sim será a última coisa que verá!”


O garoto agradece sem palavras, junta sua sacola e corre para o lado mais iluminado da rua, agradecendo baixinho por mais um dia de vida e por mais uma noite poder voltar para casa e cuidar de sua mãe, seu único bem neste mundo revirado ao avesso e que assim ainda o fazia agradecer por estar vivo...

Já o "caçador" que atuou no impasse entre o jovem e os meliantes, enquanto se deslocava pelas sombras, lembrava de tempos passados, tempos de honra, tempos de justiça e de punição aos maus... Lembra também que já esteve em todos os lados que um ser humano poderia estar e agradece pela oportunidade de ter encontrado seu caminho, certo ou errado, era o caminho mais próximo da justiça e da honra que ele conseguia visualizar e ele havia prometido para sua grande amiga, que seguiria sempre o caminho da justiça, não importa quem morreria por isso... Em sua mente, sendo que uma vez ele trilhou caminhos difíceis e os sobrepujou, em situações muito mais adversas segundo ele julga, sua mente não tolerava em tempos amenos quem se voltava ao egoísmo visando para isso sobrepujar os mais fracos... À estes, o fio de sua lâmina ancestral era a única recompensa... Eis o código que ele seguia desde seu aprendizado naquela vez...

Olhando os céus de SkyLand, ele detém seus movimentos e novamente admira os relâmpagos, sorve a chuva fresca novamente permitindo que o sangue dos últimos "ingratos" punidos escorresse de seu corpo... Ele respira à plenos pulmões o ar menos pesado da noite, talvez o oxigênio fosse purificado pelos ventos da chuva forte, ele não saberia dizer, mas agradecia por aqueles segundos de paz e conforto diante de tantas atrocidades... Os minutos passam... A chuva cai... O vento sopra... Os relâmpagos iluminam... Ele abre os braços e como se recebesse os elementos da noite, ele ficam assim, por vários minutos, no topo de um dos prédios completamente lotado de lâmpadas de neon e outras luzes fortemente chamativas... A paz invadia seu coração e ele pedia aos deuses que aquele momento durasse para sempre, mas como a maioria das pessoas desta era considera, os deuses parecem não ouvir mais pedidos e quanto ele se preparava para ter um momento de meditação profunda, uma vez mais seus olhos se abrem abruptamente, cheiros e sons chegam aos seus sistemas auditivos e olfativos de forma abrupta...


Seus ouvidos se aguçam, seu faro completa os sons, os pelos de seu corpo pareciam receptores de localização enquanto que completamente imóvel em qualquer sentido físico que se pudesse imaginar, ele captava os ruídos que poucos conseguiam ouvir ou sentir... Passos distantes, mas frenéticos, com certeza demonstravam estar em fuga de algo ou alguém... Um deles estava cansando mais do que o esperado, e não era sua respiração que estava abalada, seu fôlego estava em boas condições, mas ainda assim estava em defasagem se comparado aos demais... Se eram humanos, o que era o mais aceitável pelo cheiro, seriam pelo menos dois homens e uma mulher... Um ouvido menos treinado poderia confundir os passos da mulher com os passos de uma criança devido ao pouco peso, mas o intervalo entre cada pisada, deixava claro sua estatura adulta... Além disso, seus cheiros confirmavam conforme se aproximavam que eram realmente humanos, feromônios diferentes exalavam pelo ar e o da mulher, aliás, jovem, era bastante diferente e mais forte que os demais... Mais estranho de tudo isso é que o cheiro que ele sentia na jovem mulher parecia-lhe nostálgico... Talvez usasse alguma fragância que ele sentira em algum lugar em sua vida, ou poderia ela ter estado perto de alguém cujo cheiro fosse familiar, mas ele não conseguia por mais que tentasse, definir o que era essa "nostalgia" que o cheiro da mulher em fuga lhe trazia... Ele então deixa de tentar identificar o cheiro familiar e pensa na outra pergunta importante e ainda sem resposta... Porque estavam aqueles três naquele local afastado onde poucos além dos moradores, que ele reconheceria pelo cheiro facilmente, se aventurariam à ir? As pupilas do "caçador" inacreditavelmente se modificavam em segundos, ficando em forma de fenda como olhos felinos em intenso amarelo, para logo voltarem ao normal e perder seu brilho, fazendo com que o ser se colocasse de pé, pronto para se deslocar em busca de suas respostas... “- Que esses malditos tombem antes de macular este lugar novamente...”

A visão para qualquer um andando pelas ruas da atual Kyoto era basicamente uma selva de pedra multicolorida, cheia de becos e prédios, governado por poucos, povoado por muitos, o que releva a pelo menos 40% da população deste novo Japão, a pobreza extrema enquanto quem consegue ter alguma dignidade, ou melhor dizendo, dinheiro para ter uma sobrevivência, dificilmente o consegue por meios tradicionais, pois até mesmo os antigos “empregos fixos”, hoje não conseguem se manter apenas dentro da lei... Prostitutas, garotas e garotos de programa, robôs sexuais, vendedores de todo tipo de coisa e situação se aglomeravam em alguns pontos enquanto outros ficavam mais desertos, essa era a nova era nua e crua, danificada e desmoralizada pelo próprio ser humano, e aqui, ou você se vira, ou você morre...


Apesar disso, muitos consideram que essa nova era trouxe milagres incríveis que compensam tais mudanças, mas na verdade os maiores difusores dessa “boa nova”, são os mesmos que lucram com a atual tecnologia e facilidade que em tempos antigos não eram viáveis... Hoje, se um órgão vital parar, desde que tenha o capital necessário, ele é substituído por um novo, cibernético, totalmente auto-sustentável na maioria das vezes e sem qualquer chance de sofrer de doenças novamente... Na verdade, sequer é preciso adoecer para fazer isso, se tiver os fundos para tal, pode fazer substituições e melhoras em seu corpo com implantes e próteses de qualquer sortilégio...

Para reforçar tal ideia, basta verificar que algumas práticas do passado ainda se mantém, ou seja, a boa e velha pirataria sobreviveu aos tempos, e se pode conseguir implantes de baixo custo também nas mãos de vendedores ambulantes que o conduzem ao "cirurgião" que fará tal processo, às vezes pela quinta parte do valor normal de mercado, o que claro significa também, que se pode esperar os mesmo de suas qualidades e durabilidades, sem falar nos riscos de uma cirurgia de inserção dos componentes mal feita, ou mal higienizada feita por pessoas que se julgam aptos à isso e na verdade não o estão... Tudo é negociável, tudo é adaptável, tudo tem valor de troca e desta feita esse novo mundo ganhou espaço, tudo mesmo, até as coisas mais inimagináveis viram moeda de troca nesses tempos impensáveis desta nova era...

O "caçador" se posiciona acima de um letreiro em neon que anunciava vagas para diversão sexual com robôs, enquanto os três que ele havia detectado tentam adentrar o beco ao lado e se ocultar do que quer os estivesse perseguindo... Sem mover-se um milímetro que fosse, oculto pela luz ofuscante e pela chuva forte, mesmo com os trovões e a torrente, seu faro e sua visão não perdiam os andarilhos noturnos de sua percepção e eis que finalmente os inimigos se revelam correndo em busca de suas "caças"... Facilmente aquele que observava de trás do letreiro reconhece o "trabalho" dos perseguidores, eram traficantes de escravos, em número de sete, buscavam pelos fugitivos para usurpar algo para usar como moeda de troca em alguma outra negociação, e dado que uma mulher jovem estava entre os em fuga, agora tudo ficava claro, a "moeda de troca" que eles "caçavam" era clara agora... O acontecimento estava desvendado, era hora de agir...


Os sete adentram o beco, eles buscam pelos refugiados e então um impacto entre poças de água existentes no beco se faz ouvir... Os fugitivos se mantém escondidos, os traficantes buscam pelo som que denotava que alguém havia chegado ao local e ambos ao mesmo tempo conseguem apenas ver os olhos amarelos brilhantes em meio à escuridão... Os sete começam à dar passos para trás como se temessem a imagem que viam, embora somente os olhos, devido à escuridão, eram possíveis de serem definidos.. Um relâmpago clareia o local e a silhueta do ser, o recém chegado era definida e um deles que estava mais próximo dos fugitivos sussurra em pânico...


“- Bakemono..."


Os olhos desaparecem e somente o clarão do neon e dos relâmpagos refletidos na lâmina ancestral que o ser empunhava era possível de serem vistas! O suposto líder, aterrorizado com a cena que só havia ouvido falar até então, corre em direção aos refugiados para pegar o que veio buscar e fugir enquanto os outros ocupavam o demônio que ele temia e exatos cinco segundos foi o necessário para que duas ações acontecessem...

Enquanto o ser de olhos amarelos avançava, cabeças e corações foram seus alvos... Um golpe giratório atingiu o pescoço do primeiro, atravessando o mesmo de forma fácil como se nenhuma resistência oferecesse e sua cabeça voou pelos ares espirrando sangue, movimento brutal este que o atacante aproveitou para arremeter sua lâmina à frente de forma vigorosa, perfurando com precisão macabra o coração do segundo! O terceiro veio por detrás do "bakemono" buscando um ponto cego para se aproveitar, mas seu destino foi tão terrível como os demais até então, pois com o cabo da espada empunhada fortemente, um movimento de recuo com técnica indescritível e o meliante teve perfurado também seu peito, assim como o segundo, mas sem a sutileza de um corte que a retidão da lâmina fazia, e assim, seu tórax foi literalmente destroçado pelo golpe fazendo inclusive com que a parte traseira de seu corpo explodisse para fora tamanho o impacto! Puxando a espada novamente à frente, desenhando um corte transversal de baixo para cima com o reflexo das luzes na lâmina aterradora, o quarto traficante teve seu corpo aberto, de um flanco à outro passando pelo coração do mesmo enquanto esse mesmo arco continuou, assumindo uma trajetória linear agora, separando a cabeça do quinto integrante da gangue de seu corpo, restando assim, apenas o sexto "ingrato" que foi abatido de forma violenta com um impacto fulminante da bainha da lâmina, golpe esse que afundando seu crânio para dentro, abriu diversas rachaduras no mesmo deixando-o ao chão com massa encefálica à escorrer...


No mesmo instante em que o “caçador” realizava seus movimentos, o líder dos traficantes, de posse de uma adaga circular recoberta de cravos de metal, corria em direção aos fugitivos, sua meta era a mulher, pegá-la e desaparecer dali antes que o ser que golpeava seus comparsas se liberasse, mas ele não esperava resistência e a enfrentou, pois um dos homens que a acompanhava a mulher se colocou à frente tentando impedir o avanço do criminoso... Infelizmente e com muita facilidade o bravo mas agora morto herói, teve seu peito perfurado sem piedade! Se apressando como nunca fez antes o traficante avançou e o último acompanhante também tenta detê-lo, agarra-o pelos punhos, lutam, mas este acompanhante era o que estava mais lento quando o "caçador" escutava seus passos, e o motivo, ele havia levado um tiro, seu ombro sangrava muito e infelizmente, também não foi páreo para o traficante furioso e assustado, tendo seu abdomem aberto com um golpe linear para em seguida ter seu peito retalhado igualmente, sangrando em profusão, e retirando-o do combate, restando apenas o traficante e a mulher, assustada e acreditando serem aqueles seus últimos minutos... O traficante se arremessa, sua intenção era usá-la como refém ou matá-la se ameaçado, sua mão ia à frente pronto para agarrar ou retalhar, porém sua sorte terminava ali...

Apesar de parecer que detinha vantagens visto que o oponente misterioso tinha seis para derrubar, uma dor lancinante em sua mão esticada à frente chegou aos seus receptores implantados mais rápido que a dor do impacto da mesma ao chão, onde a lâmina do “bakemono” havia à perfurado prendendo-a com o movimento ao asfalto molhado encerrando assim sua ação... O traficante olha para cima, percebe os olhos amarelos a o observar com expressão de raiva, o vulto misterioso e que havia derrubado sete enquanto ele tentou chegar à mulher, agora estava entre o "mão furada" e a jovem mulher... O homem, que ostentava implantes cibernéticos em seu pescoço, talvez para substituir parte do corpo danificada por cânceres ou mesmo outras doenças devido à seus vícios, tenta se mover e ameaçar, que mataria a mulher se ele não o soltasse... Um sorriso muito discreto correu pela boca do portador da espada com a tentativa de blefe do "ingrato" à sua frente, afinal, ele não tinha como ir à lugar algum quanto mais ameaçar a jovem... Um brilho então demonstrava o deslocamento da espada e enquanto ainda esbravejava o traficante ficou em silêncio repetinamente, pois seu maxilar caía ao chão com um golpe que ele sequer viu como aconteceu e quando tentou levar a mão ao queixo para descobrir o que acontecera, a espada desceu novamente dos céus abrindo seu crânio em dois, encerrando a jornada deste "ingrato" nas terras que o "caçador" protegia ou em qualquer outra...


Aterrorizada, em pânico, ferida e sem entender quem era quem naquela cena dantesca, associado ao medo e à velocidade de que tudo acontecera, tudo que a jovem mulher fugitiva conseguiu gravar antes de desmaiar, foram os dois olhos amarelos a se aproximar dela lentamente... O "caçador" a observa de perto, suas narinas à cheiram à certa distância... Ele passa à mão no rosto da mesma para limpar a sujeira do mesmo e fica à observando por alguns instantes...

"- Uma gênesis... Aqui... E porque seu cheiro parece tão familiar?"

3 de Junho de 2022 às 22:55 6 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Decisões e dúvidas!

Comente algo

Publique!
Rodrigo Martins Rodrigo Martins
Vamos lá a mais um comentário em um trabalho seu completamente diferente daquilo que estou acostumado. Enfim, é inegável a distância entre o seu primeireo texto que li e esse. Uma melhora narrativa que salta aos olhos e nos mostra como todos esses anos de Neo e outras poucas coisas que você escreveu foram de extrema importância na sua jornada como fictor/escritor. Aqui, percebo claramente uma intensão em um primeiro episodio de nos cituar ao cenário em que estamos sendo inseridos e ao personagem que provavelmente seguiremos nos próximos dias. Toda e qualquer oportunidade, não só de expor o cenário de uma forma fisica, mas também de expor os fatos que o compõem ou que culminaram nele foi usada de forma primorosa. Durante a noite enquanto acompanhamos o "Bakemono", somos mergulhados nas luzes em neon, nos prédios, na historia da humanidade que resultou nessa realidade que além de colorida e aparentemente atraente aos mais desavisados, é dura, é triste, é cruel e te mata só pelo fato de você optar seguir uma caminho honesto. A Jornada do persoangem durante a noite, fazendo aquilo que deveria ser obrigação do poder publico, se é que podemos chamar assim, nos brinda com cenas que apesar de heroicas, são pesadas, com um toque de gore, mas que nos trazem um certo, por que não dizer, conforto por estarmos vendo pessoas que não valem um tostão furado recebendo o que merecem. Não estão sendo mortas ali apenas por que tentaram roubar o alimento de um garoto ou tentaram sequestrar uma mulher, mas estão sendo mortos ali por que tiveram uma vida de crimes, incubiram violencias e destruiram vidas ao longo das deles e o que acontece nos becos, pelas mãos do Bakemono, é apenas o resultado de tudo isso. Bom, agora é esperar pra ver quem é a mulher que ele salvou, e qual ligação ela deve ter com ele nos próximos capítulo. Parabéns meu amigo por extrelar mais um título.
June 12, 2022, 16:36

  • Lanthys LionHeart Lanthys LionHeart
    Fala Rodrigo meu amigo, prazerzasso te ter por aqui também, prestigiando meu novo trabalho! Indomável é pra ser algo diferente, misterioso, brutal, mas ao mesmo tempo heroico, empático e soturno... Eu quero mesclar ele entre muitos opostos e fazer com que mesmo assim ele consiga ter uma personalidade definida, algo que em determinado momento tu possa cogitar "sob tal atitude ele vai agir de tal forma", esse seria o alcançar a meta com Indomável... Também pretendo conta a saga aos poucos, com origens e situações acontecendo conforma algo no episódio tal lembra de alguma forma aquilo, fazendo com que a situação seja explicada, pra manter o mistério claro e também , pra tornar mais atrativa conforme os capítulos forem avançando! Fico muito feliz que tenha curtido cara, feliz mesmo e espero que os próximos capítulos possam te prender ainda mais, Indomável é meu mais audacioso projeto no momento, o que vai exigir mais de mim, então esse apoio é sempre bem vindo e recompensador! Grande abraço! \0/ June 13, 2022, 15:48
Pensador Louco Pensador Louco
Soturna, aliciante e convidativa, a história nos carrega fácil no passo-a-passo de conhecer os personagens, e arma a trama com cuidado pra nos deixar presos lendo cada linha de seu desenrolar. Adorei o persnagem do Caçador, e seguirei lendo avidamente. Parabéns.
June 08, 2022, 11:39

  • Lanthys LionHeart Lanthys LionHeart
    Salve Pensador, muito obrigado pela leitura e pelo comentário mais que incentivador! Minha intenção inicial era bem diferente, seria mais um personagem de tokusatsu que outra coisa, mas a gente amadurece, ouve bons conselhos e a coisa se modifica e novas ideias surgem! Meu intento é que essa seja a minha melhor escrita até agora então, conte com todo meu empenho para continuar cativando tua leitura, muito obrigado pela força e grande abraço! June 08, 2022, 21:39
Norberto Silva Norberto Silva
Uma história muito bem narrada e conduzida, apresentando muito bem o Caçador, deixando-o bem construído e tridimensional, um protagonista que te ganha de cara. O cenário foi um espetáculo a parte, bem como sua descrição, um escritor menos capacitado acabaria por apresentar o cenário inteiro, numa narrativa que poderia soar lenta e didática demais, mas quando a pessoa tem controle do modo de contar uma história faz desse jeito, ligando o cenário à ação, dando detalhes conforme os personagem se movem e isso vemos em vários momentos esse, por exemplo "O "caçador"se posiciona acima de um letreiro em neon que anunciava vagas para diversão sexual com robôs" deu prá ver certinho o personagem pousando no letreiro, quem já viu filmes com temática futurista, com certeza, já consegue visualizar como seria esse letreiro, deixando a cena com um apelo visual fora do comum. Você também construiu perfeitamente os personagens coadjuvantes, fossem os oponentes do Caçador, cujas mortes foram lindamente descritas e tiveram os detalhes de seus implantes, novamente, amarradas com perfeição à narrativa, não deixando-a em nenhum momento "travada", muito pelo contrário, vide toda a história de vida do garoto que fora salvo... E como não poderia ser diferente, uma história tão perfeita recebe um gancho igualmente perfeito no final. Fosse já um livro físico, seria impossível não avançar na leitura, ávido por saber o que vai acontecer no próximo capítulo. Meus mais sinceros parabéns cara! Sério! Tô aqui de pé aplaudindo! Quem esse seja o inicio de mais uma obra de sucesso absoluto.
June 03, 2022, 23:32

  • Lanthys LionHeart Lanthys LionHeart
    Meu bom amigo Norberto, cá estou eu novamente, em um projeto novo e tu como sempre, apoiando, incentivando, ajudando e me impulsionando à seguir à frente, como sempre desde que começastes à ler meus trabalhos! Antes de mais nada, meu muito obrigado sem igual por estar sempre ali, pronto à dar o incentivo que falta para que possamos seguir em nossos projetos e isso é muito bem vindo mesmo, gratidão sem igual meu amigo! Vamos ao texto em si: Sobre apresentar o personagem e o cenário, eu me dispus desde o início a fazer algo assim, sempre critico como os sentais apresentam tudo que tem na abertura, não dando oportunidade de uma surpresa maior, e pretendo, à exemplo do estilo NeoChangeman, apresentar coisas que parecem desconexas, mas que de alguma forma se ligam ao todo e contam a história e os detalhes aos poucos... Veja, não temos um nome, não temos uma ideia exata do personagem, não temos uma ideia maior da cidade ou do Japão e muito menos de vários outros detalhes, mas temos um vislumbre em neon, amarelo limão e quase uma terra sem lei de extrema pobreza e muita injustiça... Em meio à ela, alguém o oposto disso que aos poucos vai ganhando forma... Acho que é a maneira mais coerente e menos cansativa de mostrar o conteúdo, ir como dissestes, à cada ação do personagem ou dos personagens, mostrando um pouco do que tem para ser mostrado, um pouco da tragédia que esta linha de tempo viveu e assim ir inserindo à todos dentro do universo do Indomável... Aliás, o próprio termo, não é usado por ele ou por outros, mas terá um motivo e uma explicação plausível nas narrações, o que espero, agrade e muito! Os personagens, os acontecimentos, as coisas disponíveis, o tipo de vida que vivem, como se comportam, tudo preciso estudar e me adaptar mais para dar mais veracidade, pretendo ver animes, filmes e ler coisas sobre o assunto, buscar o que procuro exatamente visto ser algo bem extenso para não cometer gafes ou fugir muito do estilo, claro, criei um cenário baseado na ideia, mas não estou dentro do universo Cyberpunk o que me permite criar coisas que não existiriam ou que não fazem parte para deixar ele mais livre, mas pretendo me enquadrar em tudo que puder para manter um estilo de narrativa com uma linha à seguir embora pequenas escapadelas para lá e para cá, adicionando elementos que considero, ficariam legal na ideia! Assim tivemos, bandidos, vitimas, mistério, chuva na noite multicolorida, polícia FDP e uma mulher e um homem (será que são homem e mulher?) misteriosos que precisamos desvendar seus segredos! Espero que eu seja capaz de manter isso no decorrer da série kkkk! Sobre o gancho final, pode esperar isso em praticamente todos os episódios, às vezes sucinto, outras de forma mais enfática, mas pretendo sempre deixar um para prender a atenção do leitor e tornar também a saga mais convidativa! Fico contente, imensamente contente que tenha curtido e que esse primeiro episódio tenha agradado, é como eu disse, um desafio novo, uma forma de buscar novos horizontes e quem sabe um dia poder escrever pra valer! Gratidão pela amizade, pelo apoio e pela força de sempre! Grande abraço e valeu por tudo! \0/ June 04, 2022, 21:12
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!