Conto
0
980 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Amarração

0h de 12 de junho de 2018.

- Amandita Velasquez, onde pensa que vai a essa hora?

- Vou fazer minha simpatia madre! Hoje é véspera de Santo Antônio lembra-te?

- Ah é... Essa não perde a esperança mesmo.

É, Amandita não sabia direito o porquê de ainda dar satisfação para a mãe. Afinal, na cultura de sua família latina e mexicana essa mulher de 35 anos já era considerada “pra titia”, e adulta. Ainda morava com os pais sim e apesar de ser bem-sucedida profissionalmente e já ter muito dinheiro, de lá só sairia para casar.

Desde os quinze anos Amandita, a romântica, tenta realizar o sonho de ter um marido. O primeiro namorado perdeu para um acidente de moto, e depois deles muitos vieram, mas nenhum tinha aquele tcham todo. Ano após ano eles terminam o namoro, ou simplesmente somem. Sua família assistia já com pena a má sorte de sua filha mais velha, que nem era tão exigente assim, e que apesar de tudo estava sempre animada. Como hoje, dia 12 de junho.

Sim, todos os anos desde o primeiro minuto de cada dia 12 de junho Amandita bota em prática todas as simpatias que conhece para arrumar um marido. Sentada na mesa da sala era meia noite em ponto quando terminou de escrever e recortar 3 alfabetos numa folha de papel virgem e enrolar cada papelzinho com uma letra em mini canudinhos. Ela nem se achava tão maluca assim. Fazia isso para descobrir as iniciais de seu futuro marido.

Essa era apenas a primeira simpatia do dia sentou-se na cama, orou e chacoalhou os papeizinhos na palma das mãos como se faz com os dados e depois aninhou o montinho embaixo do travesseiro antes de jogar sua cabecinha sonhadora na fronha vermelha e suspirar pensando com seus botões:

“Será que o senhor me mostra com quem vou casar em sonho?”

Mas não. Algumas poucas horas depois acordou no susto e de mal humor, no meio de um pesadelo. Sonhou que não conseguia encontrar o lugar do show que ia à noite com as amigas, justamente por que estavam solteiras e queriam pagar de bem resolvidas, o problema é que ela estava levando o comediante de carona. Sentada no bacio, ainda sem ar teve que correr para não se atrasar. Claro que não seria isso que estragaria o dia dos namorados de Amandita e do seu planejamento do dia.

A primeira coisa que fez foi sequestrar o menino Jesus do santo Antônio da família, aliás esse já tinha casado várias mulheres de sua casa, tinha que correr pois as novinhas estavam planejando a mesma coisa. Para o santo prometeu entregar o sequestrado de volta somente se até o final do dia ela já estivesse namorando. Colocou o menino no bolsinho da calça jeans e quando abriu a porta da frente da casa para ir trabalhar falou em alto e bom som:

“Santo Antônio, protetor dos enamorados, faça chegar até mim aquele que anda sozinho e que em minha companhia será feliz”.

E foi...

Trabalhar naquele dia não foi difícil, seu copo de água na mesa estava ocupado com outro Santo Antônio afogado nele também.

“Desse jeito, Amandita vai arrumar um monte de namorado.” – pensou consigo seu pai.

Assim que a noite chegou, a moça correu para encontrar as amigas. O pesadelo daquela noite lhe veio aos pensamentos, porque sua mente tinha razão em alertá-la: Amandita não conhecia direito o bairro onde ficava o ComedyClub, então preferiu deixar o carro na empresa e ir de Uber. Claro, pretendia dar uma enchida na cara também. Haja tequila!

Putz, só tem compartilhado... mas vai.

Chegando o carro lá estava no banco de trás seu companheiro, um boçal que não tirava a cara do celular. Nem notou quando, ao passarem em frente a uma igreja, uma noiva esperava ansiosa as portas da frente se abrirem para ela entrar. Amandita saiu louca do carro e na maior cara de pau perguntou para a moça:

- Posso escrever meu nome na barra do seu vestido?

- Claro que sim! Você foi a única pessoa que me pediu isso, acredita! Que sorte a minha! No ultimo minuto.

- Boa sorte, você está radiante! Seja feliz!

Assim voltou ao carro correndo e o outro passageiro ria sozinho. Sem dar muita importância chegando ao ComedyClub, desceu correndo para encontrar suas amigas. Encontraram uma mesa e logo o garçom as serviu com três shots de tequila cada, o show começou pontualmente.

Amandita, engoliu um dos shots como se fosse água com açúcar, e quando prestou mais atenção no palco reconheceu que o primeiro stand-up da noite, era bem o cara que veio junto com ela no Uber.

- Conhece ele Amandita?

- Um mal-educado que não me respondeu boa noite no Uber...

- Mal-educado ou não, seus olhos estão brilhando.

- Credo e cruz! Não tô tão desesperada assim....

Sua melhor amiga deu aquele sorrisinho de quem está duvidando dela, mas Amandita não ligou. Suas certezas internas sobre aquele moço ser um belo de um babaca só se fortaleceu durante o show.

“Boa noite seus arrombado!”

Todos responderam ovacionando o “comediante”.

“Dia dos namorados então... por que vocês namoram gente?”

Tudo que ele falava o pessoal ria. Amandita cruzou os braços.

“É contra a lei da natureza gente... “

Todos riram outra vez, afinal é um show de humor não? Amandita só fez o queixo cair, ainda com os braços cruzados e com as unhas travadas na jaqueta. Ele continuou:

“Sabe aqueles bolos casamento que a noivinha tá puxano o noivinho pela gravata? Ahahah cara! Isso já é um sinal... Mano não vaaaaaai lá...”

Braços cruzados, queixo caído e agora, pezinho batendo no chão. Amandita se sentia metralhada.

“Agora o pior gente... é mulher que faz simpatia... o gente que dó!

Eu tava vindo pra cá! Escuta essa seus arrombado, para de rir! E... uma mulher pegou o Uber comigo... cara!

Cês acredita que ela do nada... do nada... saiu do carro correndo e foi botar o nome dela na barra da saia da noiva! Eu não acreditava... meeeu!”

Amandita notou a sinceridade de suas amigas quando elas ficaram com pena da tal moça.

- Amandita, você tá chorando?

- Não! É a tequila que tá forte pra carai... Mas eu vou acabar com esse cara agora!

- Pera amiga tá derrubando a bebida peraí! O que você vai fazer?

- Calma Amandita! Não vai fazer barraco!

Mas esta espectadora estava implacável. Sua postura era de um tanque de guerra. O comediante continuou:

“Pior que a mulher... mó gata! Mano do céu! Se uma gata daquela me dá mole meeeeeu!”

- Ei engraçadinho!

“Oi?”

- Sim, você mesmo! Então quer dizer que tu tá tirando quem faz simpatia?

“Não moça calma desculpa aí... é que ... Eita!”

- O que é? Tá me reconhecendo agora?

“É a moça do carro!”

- Sou eu sim!

“Nossa moça desculpa aí! Cala boca galera! Mas é que eu acho engraçado mesmo... sabe, minha irmã também faz essas coisas.”

- Tira sarro dela também!

- Senta amiga deixa ele!

“Não moça... ela não é tããão gata assim...

Desculpa aí mesmo, ... com você eu casava!!!”

Suas companheiras de mesa comemoravam como se fosse um gol da seleção quando o moço pediu que parassem. Já a jugular de Amandita, saltava uns metros do pescoço:

Desculpa aí de novo, vou continuar aqui então hihihi.

Mas Amandita continuou de pé, e foi assim que ela engoliu sua segunda dose de tequila num golpe só. E enquanto chupava o limão o apresentador da noite continuou seu show, cheio de água na boca.

“Hoje, nesta noite romântica, eu... pra provar que isso de simpatia não dá certo, eu vou fazer simpatia.

Todas as simpatias que eu sei. Agora olha, já sequestrei o menino Jesus do Santo Antonio, Hu huuuu!

Agora vou botar o irmão gêmeo dele no copo de uísque aqui... porque não tem água....”

Amandita teve sua mão segurada por uma das amigas:

- Que idiota meu! Será que eu sou idiota assim?

- Não te acho idiota amiga... mas ele é engraçado.

“Agora vou pegar a bacia aqui ó... e vou jogar um monte de letrinhas que eu fiz no papel, dizem não sei.... chego a duvidar... que se a gente fizer isso na noite do dia doze, amanhã que é dia de Santo Antonio... dia 13... Dizem, que se abrir os papeizinhos vai ter as iniciais do meu amor....”

- Ooooooooohhhh

“Má ó... só amanha de manhã a gente vai saber... por que amanhã é que eu vou poder tirar esse paninho de prato daqui.....”

- Eu também fiz essa...

“Mas moça... você também fez essa simpatia?”

Amandita não respondeu.... alias já estava quase chorando e público.

“Fez né?”

“Olha que tal a gente combinar de amanhã de manhã... hahaha... A gente fazer uma live juntos e ver se nossas simpatias deram certo?”

- É pode ser, e eu vou te provar que não dá certo...

Ohhhhhhhh – se animou a plateia.

“Por que moça? Você não tem fé não?”

- Eu sei que não dá certo porque eu faço isso há vinte anos e ainda não casei... aliás só conheci idiotas.

Amandita golpeou sua última dose de tequila, colocou deliciosamente o limão entre os lábios e jogou uma nota de cinquenta reais na mesa. Saiu chorando do bar.

“Hey! Como eu te acho no face?”

- Amandita Velasques

“Vander Almeida”

- Tá bom... amanhã é você quem vai passar vergonha.

No dia seguinte, Amandita acordou com a cara inchada, mas não fez a mínima questão de esconder-se por detrás de um quilo de reboco de maquiagem para a tal live no Face. O Smart tocou e em plena quarta-feira, você sabe.... dia de semana é difícil pra quem trabalha pela manhã. Mas eram 6 horas já, e Vander não tinha dormido ainda e nem ela. Talvez inventaria uma enxaqueca para faltar ao expediente na loja do pai.

- E ai garota vamos ver nossas letras?

- Que idiotice... mas vamos lá

- Ok, no três a gente entra! 1... 2... 3... e:

“Fala galera! Eu tô aqui com a gata das simpatias do show de ontem e ela concordou em não me dar umas porradas... e além disso vamos ver se nossas simpatias deram certo.”

Ao lado da tela centenas e centenas de coraçõezinhos subiam indicando que a plateia continuava com eles. Amandita, porém ainda estava com um bode danado da situação.

“Vamos juntos. No três! Conta aí moça da tequila! 1... 2... 3... e:

Ô ô ô ô ô ô vai lá!”

Vander e Amandita revelaram suas letrinhas exatamente ao mesmo tempo. Um tirou o pano e outro seu travesseiro vermelho.

E lá estavam dois papeizinhos abertos com as iniciais...

A e V

Continua...

21 de Maio de 2022 às 20:06 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~