marlucci-bortolato Marlucci Bortolato

Em um reino longínquo chamado de Dovânia vivia Dafne Nivelin, que com seus 18 anos era amada por todos e até invejada, vivia feliz com seus pais e buscava encontrar seu verdadeiro amor. Já em outro reino chamado Felimon existia um jovem soldado do Reino . Odiado por muitos, amado por outros e temido por todos. Alex Pavilon 20 anos, era um dos melhores ou se não o melhor soldado do Reino.  Dois corações, uma espada e uma decisão a ser tomada: vida ou morte,quem venceria... A Espada ou o Amor verdadeiro


Romance Suspense romântico Todo o público.

#reino #soldado #epoca # #amor #romance
0
140 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quintas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 1

  • Cap 1


O sol havia acordado e dado bom dia para mais um dia de verão em Dovânia, o comércio já estava a todo vapor, e Dafine sorria alegremente comprimentando as pessoas pela rua mais movimentada do Reino, todos sentiam simpatia por ela, e seu sorriso contagiava a todos.
E hoje como toda manhã andava rumo a floricultura da senhora Danster uma senhora de 59 anos que tinha muito carinho por Dafne.
- Senhora Danster, como vai a senhora?- falou alegre e sorridente.
- Muito bem querida - disse carinhosa. A senhora Danster tinha muita afeição por Dafne.
(Será que é hoje que eu jogo verde e colho maduro? - Pensou)
- Um passarinho verde me contou que tem um pretendente para a senhora muito bem afeiçoado, e que é muito mais romântico que meus personagens literários, e que gostaria de ter uma oportunidade com a senhora. - falou como quem não que nada pegando uma margarida e passando seus delicados dedos nas pétalas brancas

"Sapeca" é o que diria sua mãe se a ouvisse falar essa última frase.

- Há menina, você sabe que não quero me casar mais, fui muito feliz com meu falecido Robert, mas diga ao senhor Darcy que não estou mais aberta a casar. E você sabe muito bem, que jamais me casaria com o senhor Darcy depois do último acontecimento - indagou um tanto chateada com o ocorrido.

O senhor Darcy era um homem de 60 anos muito bem afeiçoado e romântico, ele sempre teve uma quedinha ,ou melhor, um tombo pela senhora Darcy, só que por mais que ele fosse o mais apaixonado dos homens, ele não sabia como chegar na mesma. E a senhora Danster para complicar não era um doce de goiabada, a mulher de 59 anos, era uma casca dura quando o assunto era o senhor Darcy ou qualquer outro cavalheiro que estivesse com os olhos nela. Mas Dafne sabia que os dois eram apaixonados um pelo outro e os olhares sempre diziam a real situação. Porém o senhor Darcy era um tanto envergonhado em relação a senhora Danster que era só ela dar "Bom dia" o mesmo virava uma tartaruga e se escondia dentro da casca. Porém como Dafny tinha muito carinho pelos dois, sempre fazia o possível para ajudar ele, ela os tinha como seus avós e era até engraçado a amizade que havia com eles, realmente, senhor Darcy e senhora Danster eram seus melhores amigos. O senhor de idade a via como neta e só conseguia expor seus sentimentos pela florista de 59 anos quando conversava com Dafne.

Porém, uma bela tarde o homem tomou coragem, depois de ter lido um verso de seu livro favorito onde dizia o seguinte verso:

Amar é decisão

Amar é correr riscos

É viver em ação

É sentir borboletas

É ter a pupila dilatada

Amar é isso… é embarcar numa aventura onde as consequências são deixadas para depois.

Realmente, o homem de 60 anos quis correr riscos, e deixou as consequências para depois.

Saiu em direção a floricultura e então percebeu que as ruas estavam bem movimentadas

"Perfeito, assim todos estarão de testemunha dessa declaração de amor" pensou ele. Chegando assim na frente da floricultura, começou sua declaração de amor.

- Senhora Danster, me dê a honra de poder contemplar tamanha formosura…

O povo começou a aglomerar, uns querendo ter fofoca para passar, e outros realmente querendo testemunhar como o amor era lindo de um senhor de 60 anos para com uma senhora de 59.

- ... senhora eu amo - na terceira chamada sai a senhora Danster acompanhada por Dafne.

Dafne se mostrou muito feliz pelo homem ter desbravado a coragem de dentro de si, entrelaçando as duas mão abaixo do queixo sorriam muito e torcia para que os dois finalmente se acertacem. Porém quando deu uma espiada para seu lado, percebeu que a senhora de 59 anos não estava nem um pouco sorridente. Como uma mão na cintura e a outra na testa percebeu que a mesma estava muito aborrecida, então para amenizar o rosto da senhora falou:

-Que lindo senhora Danster veja que declaração digna, ele tomou corag…

- Quieta Dafne! se não sobrará para você também - a olhou a repreendendo bufando.

…"Se eu pudesse descrever a beleza dos teus olhos e enumerar teus atributos em épocas vindouras... Diriam: o poeta mente! A Terra jamais foi acariciada por tal toque divino."- recitou alto o senhor Darcy

- Ele citou shakespeare veja que fofo…- falou não ligando para a última frase que a senhora falou

- clichê demais - Mas verdade é que ela havia gostado da proeza do senhor Darcy, não achou clichê, porém, ele poderia ter vindo falar com ela mesma não sair recitando poema pelo reino. A senhora Darcy não gostava de estar na boca do povo, ela era uma mulher recatada, mais na dela. Não gostava de fofocas, e com certeza seu nome chegaria até os ouvidos do rei.

Dafne estava tão concentrada que não percebeu quando a mulher ao seu lado pegou e jogou um balde de água no senhor Darcy, ela ficou arrasada com a atitude daquela senhora.


- SENHORA DANSTER! - disse atômica vendo a mesma entrar na floricultura. O povo estava sem reação com pena do pobre homem.

Dafne com triste com a situação, só conseguia pensar no o coração do homem, então começou a enxotar o povo


- Por favor acabou, voltem para seus afazeres! - disse dispensado e se aproximando do homem que estava com a cabeça baixa.


- Nossa e…eu sinto muito senhor Darcy…- falou de frente ao homem - olha não desista ela só é um pouco casca dura, mas há de amolecer nem que nós dois tenhamos que fazer um jantar para ela.


- Tudo bem menina, não se desculpe, esse velho aqui não mediu as consequências, talvez a emoção foi tanta que ela não soube como reagir. - disse rindo um pouco tristonho - ela deve ter se apaixonado um bocado a mais.- o silêncio reinou na conversa e em seguida as gargalhadas vieram - … aquele olhar dela disse que estou quase lá. -continuou rindo

- Com certeza, mais algumas serenatas e o senhor já pode marcar o casório… - falou gargalhando, porém as risadas foram cessando- vou entrar… preciso ver como ela está. - falou voltando ao normal


- Não acha melhor eu falar com ela? - perguntou senhor Darcy receoso


- Se entrar pela aquela porta e capaz dela jogar o balde no senhor - disse risonha - deixe comigo.


- Obrigado minha neta - se aproximou dando um beijo da testa dela e curvando-se para beijar a mão.

Então saiu e ela ficou olhando caminhar pelas ruas. Virando-se para a floricultura pensou:


"É hora de ver se a onça já amansou"
19 de Maio de 2022 às 22:42 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua… Novo capítulo Todas as Quintas-feiras.

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~