fragmentoshumildes Ellen De Oliveira Santana

"Meu paraíso é seu inferno" foi criado para as pessoas refletirem. Para tirarem suas próprias conclusões sobre cada texto. Um livro muitas vezes lido não perde o sabor, ele apenas muda, cada vez mais, a nossa percepção. Leia a sua maneira, interprete do seu jeito. O que para mim é um inferno, para você pode ser um paraíso. Estou disposta a conhecer esse outro lado. O seu lado.


Poesia Todo o público.

#Poesia
0
961 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Acendedor de lampiões

Queria ter te conhecido,
antes de sua profissão ter sido invalidada.
Queria ter te conhecido,
Bem antes, quando sua profissão ainda existia.
Queria ter te conhecido,
Bem antes, quando sua profissão ainda era necessária.
Queria ter te conhecido,
Quando sua profissão ainda encantava.
Queria ter te conhecido,
Quando ainda não fora esquecido.
Nesse tempo abriria a janela só para te ver marchar.
Perto do luar, te veria acender o lampião.
Então sonharia com esse momento, em que seguiria essa profissão.
Acenderia meu lampião, e veria
Alguém que, como eu, admirasse a rua brilhar.
Marchando, sem tempo!
Iluminaria as ruas, preparando as estradas para os amantes da lua.
Observaria os casais enamorados, em bancos no chamego.
Sentiria inveja é claro, mas continuaria marchando, para acender meu lampião.
Odiaria e amaria, a minha querida profissão.
Mas se não pudesse praticar-la, não haveria problemas.
Eu estaria ali, na minha janela, a espera do acendedor de lampiões.
Estaria a espera dos casais enamorados e ouviria de longe o canto da cigarra.
Ouviria o silêncio e a lua.
Eu veria o acendedor de lampião.
Mas já tardiamente, o tempo já passou.
A profissão já não existe.
Como uma profissão tão bonita, poderia ser facilmente esquecida?
Coitado do acendedor de lampião! Que foi esquecido pelas mesmas ruas que, um dia, iluminou.
Coitado do acendedor de lampião! Nem as estrelas se lembram de sua profissão.
Coitada de mim! Que nunca conheci, e quando ouvir falar, já era tarde para apreciar.
Então fecho as janelas, pois as cigarras sumiram.
Fecho as janelas, pois os enamorados já perderam a graça.
Fecho as janelas no luar, pois, o que se houve são os bêbados e as prostitutas.
Fecho as janelas essa noite, pois o acendedor de lampião se perdeu em algum lugar.
Talvez ele ainda exista, onde o pequeno príncipe o viu. Em um planeta bem pequeno.
Talvez um dia eu o encontrasse, mas talvez ele sumiria no mesmo instante mordido por uma víbora, como o pequeno príncipe.
Talvez...
Queria ter te conhecido, quando sua existência não era uma dúvida e sim uma certeza.

Queria ter te conhecido, antes de ter sido esquecido.

18 de Fevereiro de 2022 às 03:37 2 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo E se não tiver fim?

Comente algo

Publique!
Giovanni Turim Giovanni Turim
Ótimo poema. Algo pertinente ao texto, as letras estão muito pequenas.
March 20, 2022, 20:45

  • Ellen De Oliveira Santana Ellen De Oliveira Santana
    Só vi seu comentário agora, fico feliz que tenha lido. Vou tentar arrumar a letra. ☺ May 17, 2022, 16:49
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 12 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas