ohnomaria3099 Maria Matos

Stephanie Bellucci de Le Alveberia, é a Imperatriz do Reino de Alveberia. É impetuosa, encantadora, feroz e luta sem descansar para atingir seus objetivos. Com a pressão dos nobres de seu reino, ela foi forçada a escolher um homem, para ser o Imperador. E assim, ela escolheu Leon Barueri de La Casteyer. Após anos de casados, ela fica cheia de seu querido esposo. A raiva sobrepõe na relação deles.( apenas por parte da Imperatriz) Enquanto, Leon fica confuso sobre as ações de sua esposa. Faz de tudo, para acalmá-la, mas a única coisa que consegue é irritá-la mais ainda. Stephanie e Leon, conseguirão melhorar a relação deles? Ou talvez irão ficar cada vez pior?


Romance Contemporâneo Todo o público.

#Casamento
0
1.6mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo I - CAFÉ DA MANHÃ

Stephanie Bellucci:

Todos na vida, carrega sobre sua consciência erros. Mas sempre tem aquele que é o pior de todos, os erros. Bem, o meu é ter se casado com Leon Barueri.

O homem, é bonito? Claro! Não tema sobre este assunto! O x da questão é outro. Ele é frio, impiedoso, e muitas das vezes sem graça. Fica falando, toda e toda hora sobre questões do governo e várias outras porcarias.

Devem está se perguntando se isto é culpa minha. Bem, boa parte é sim! Joguei os assuntos mais chatos sobre os ombros dele, e nem cheguei a perguntar se queria ou não. Mas também, ele chegou ajoelhado diante de mim e disse:

Você é a minha imperatriz, e farei tudo segunda a vossa ordem ou pedido

Aí né, eu tomei a dianteira.

Hoje, eu acordei disposta, mas de alguma forma só de ver aquele homem um fúria tomou parte de meu corpo. Ele estava há dormir tão tranquilamente. Sua roupa, era tão leve. Na parte de cima, a roupa estava tão aberta, e dava para ver claramente o seu peitoral definido.

Fiquei admirando por um tempo, mas logo me dei conta do que estava fazendo, e parei dando dois tapas nas minhas bochechas.

Maldito homem! Como se atreve a ser tão bonito!?

Me espreguiço, e olho novamente para aquele homem. Resmungo, e chamo minhas damas para me arrumar e vestir.

— O seu banho está pronto, senhora. — umas das servas me avisa, com a cabeça baixa.

Entro no banho, e fico um bom tempo lá. A água, está na temperatura ideal e colocaram outras loções também. Saio, e as mulheres logo me encobrem.

Logo, começam a me arrumar. Pegam um vestido longo de cor bege, e com bastante detalhes. Joias, sapatos alto, mas nem tanto. Iria tomar café, e não para uma festa ou cerimônia normal. Pentearam meus cabelos, e por fim colocaram a coroa.

Saio dos meus aposentos, e me digiro ao salão. No caminho, para o salão me deparo com a linda vista do jardim. Já que, a lateral esquerda do corredor é só vidro. Mesmo querendo bastante apreciar a vista, não podia. Tinhas várias coisas para me estressar ainda, e o jardim era a minha saída de tudo isso.

Chegando até às escadas, paro, e dos que ali presentes estavam se ajoelharam.

— Nós saudamos, Vossa Majestade, a Imperatriz! — uns dos nossos guardas grita. Sério, que todo vez tem que fazer isso? Cansa demais, ouvir sempre a mesma coisa.

Sim, sim. Bem isso, que vocês estão pensando. Eu sou, a Imperatriz do Reino de Alveberia. Nosso reino, é abençoado com chuvas abundantes, terras férteis, natureza e várias outras coisas. Vim da linhagem dos primeiros que fundaram este maravilhoso império. Dizendo por fim, que sou Stephanie Bellucci de Le Alveberia. Nome exaustivo e pesado também. Passei por muitas coisas, só porque eu uma mulher, era a única herdeira do trono. Queriam que eu me casasse com um homem de outro reino(que seja próspero e poderoso) e assim uma aliança seria formada. Só que eu, não queria isso para mim. Então os coloquei a prova! Quando o meu pai deu o seu último suspiro, subi ao trono e dei o meu melhor.

Fui para os campos de batalhas, resolvi diversos problemas, como a fome, tributos altíssimos e má distribuição de suplementos que havia entre as regiões, li e assinei diversos papéis, conseguir fazer contratos de paz com muitas regiões e várias outras coisas. Fiz tudo com mais do que excelência e calei as bocas que ousaram dizer que uma mulher não podia governar sozinha.

Mesmo com tudo isso, muitos ainda continuaram me pressionando a casar.( os muitos que eu falo, é os nobres insolentes.) Então, sem muita saída eu escolhi o jovem general da família Barueri La Casteyer, das terras do Norte. Apesar de ser muito novo ele já ganhou muitas conquistas, é estrategista, rico, poderoso e sua família é a mais nobre de suas terras.( além de ser muito bonito, se é que me entende.)

Vou até a mesa, um jovem puxa a cadeira que me sentar.

— Obrigada. — falo, e o jovem que até então evitava olhar para mim, me olhou surpreso com a minha atitude. Será que é um novato?

— Não precisa, Majestade. Eu só estou fazendo o meu trabalho. — sorri e eu devolvo o sorriso. Com isso, percebi que o garoto havia corado. Riu baixo e me acomodo na mesa.

Mexo discretamente a minha mão, em um sinal para quê sirvam o vinho e uma tentativa para ver se o rapaz, estava preparado ou não para servir no palácio.

Fico, o observando e em poucos segundos ela começa a se mover e despeja o conteúdo em minha taça. E volta para a sua posição.

Este está mais do que pronto. Quase ninguém passa neste meu teste.

Com isso, começo a fazer a minha refeição. Todos no salão estavam quietos, e os únicos barulhos que podia se ouvir era o de fora.

Paro de levar a comida até a boca quando percebo que falta a presença de alguém na mesa.

— Cadê Luigi? Ainda não está acordado? — pergunto abertamente, para qualquer que saiba possa e responder.

— Sua Majestade, sua Alteza, o príncipe disse que logo desceria para lhe acompanhar. — um homem, sem ser um dos guarda me responde.

— Obrigada, Donatello. — agradeço.

Em seguida, ouço passos de alguém correndo vindo da escada. Logo que aparece, um menino com um sorriso reluzente indo em minha direção com os braços abertos.

Me levanto, da cadeira para recebê-lo.

— Bom dia, mama! — o pego no braço.

— Bom dia, meu amor. Dormiu bem? — pergunto.

— Sim! Eu sonhei que a mama me protegia de pessoas más. — me responde com entusiasmo, com os braços erguidos para cima.

— Olha que coisa boa! — o desço e observo uns dos servos o acomodando na mesa. O servem e ele começa a comer.

Paro de comer, e fico apenas observando Luigi comendo.

Mesmo depois de tudo, eu ainda tenho um filho do maldito. Apesar, de que, no começo Leon e eu eram bastante próximos. Que eu me lembre começarmos a ficar distante pouco depois de Luigi nascer. Mas isso eu acho que não importa muito, eu acho... Deste de que, já chegamos a este ponto.

Luigi, é um garoto forte, esperto, corajoso e determinado. De aparência, ele puxou quase que completamente o pai. Pele branca, olhos vermelhos vibrantes, cabelos pretos e lisos que vão até um pouco abaixo da orelha. Desse modo, prevejo um futuro em que ele vai ser tomar a cópia perfeita do pai. Mas pelo menos, dele eu gosto! Já do pai dele, não posso falar a mesma coisa.

— Luigi, querido, por favor coma mais devagar. A comida não irá fugir. — peço, chamando a atenção do menor.

— Sim, mama. — ele concorda e aos poucos diminui a velocidade.

— Muito bem. Continue assim, e mais tarde ganhará um prêmio. — falo e vejo um enorme sorriso tomar o rosto de Luigi.

Leon Barueri:

Acho que foi uma péssima ideia ter aceitado a proposta da Imperatriz Stephanie. Ela é uma mulher extremamente perigosa, então mesmo que eu recusasse ela daria um jeito de me fazer aceitar, além, de que não estava em posição de recusar. Era uma ordem direta da Imperatriz. Nossa relação foi de mal a pior de uns anos para cá e sinceramente não entendo a cólera da Imperatriz. Não me lembro de feito nada que a desagradasse.

Sinto seus olhares discretos, mas conciliadores. Ela parece realmente, não suportar a minha presença diante dela.

Acordo disposto, mas ainda preciso confirmar uma coisa. Suspiro, e crio coragem para olhar para lá. Confirmo que Stephanie já acordou e se retirou do cômodo. Me sinto aliado, mas de certo modo sinto uma certa frustração.

Levanto e vou direto ao banho. Chamo um mordomo e ele separa as minhas roupas.

Já faz um tempo que eu percebi, mas nunca cheguei a pensar fundo sobre o assunto. Stephanie, parece querer me evitar desesperadamente. Ela faz tudo mais cedo. Como está manhã, ela já acordou e foi direto para o salão. Faz suas obrigações primeiro, termina elas primeiro e dorme mais cedo também. Então resumindo ela faz tudo mais cedo que eu!

Saindo do banho, visto minhas roupas e me retiro do quarto. Me dirijo até o salão para tomar o meu café. Passo pelo corredor onde é todo de vidro, e paro para apreciar o jardim.

Acho que depois de cumprir com as minhas obrigações irei tomar um descanso no jardim.

Já descendo as escadas, algumas pessoas percebendo minha presença começam a se ajoelhar.

— Vossa Majestade, o Imperador! — uns dos guardas grita, alertando a todos minha presença neste exato momento.

— Não precisa disso tudo, a todo instante. Basta a reverência. — falo e o guarda assente.

Antes eu não havia prestado atenção, mas percebo que Stephanie e nosso filho ainda estão presentes na mesa. Muitas das vezes, eu acabo comendo sozinho.

Stephanie estava distraída com o nosso filho, então não percebeu minha presença. Assim, aproveitando a deixa eu me sento discretamente na mesa. Contudo, infelizmente, ela percebeu minha presença.

Droga!

— Bom dia, minha Imperatriz. — falo, evitando contado com os olhos de Stephanie.

— Bom dia, meu Imperador. — ela me responde, levando a taça até a sua boca. E continua. — Dormiu bem?

Fico surpreso com a pergunta dela. Nunca até agora, ela havia perguntado isso. Bom, a única opção que me resta é responder. Vai que passa pela a cabeça dela, que eu a estou ignorando?

— Bem. Eu dormi muito bem. E você, minha senhora? — a respondo e pergunto.

Dessa vez, parei de comer e observei a expressão de Stephanie. Um pequeno sorriso apareceu em seu rosto, mas não foi um sorriso que fez o meu coração latir. Foi um sorriso que me fez sentir calafrios. O que ela estará pensando?

— Bem. Eu também dormi muito bem. Obrigada por perguntar. — o contado visual que eu estava desesperadamente tentando evitar, aconteceu neste momento. Ela tombou a cabeça, e seu sorriso permanecia. Na mesma hora, eu levantei a cabeça.

Aos os que estavam presentes naquele instante, podia muito bem se enganar com aquele sorriso inocente e brilhante dela. Mas eu vejo por trás de sua máscara. Ela está fingindo ser legal comigo, para que boatos desnecessários não corram soltos. Já que muitos irão comentar que a nossa relação não estava indo bem.

A mulher dos fios loiros como o sol, olhos azuis profundos e misteriosos, pele branca e macia. Me abomina com todas as forças. Ela é um leão indomável e pensar que sou eu que porto o nome ‘Leon’ hilária está situação.

Em uma saída desesperada, eu tento achar alguma coisa para quê Stephanie pare de mim fuzilar com o olhar. Olho para ao lado de Stephanie e vejo o nosso filho comendo tranquilamente.

— Luigi, ouvi falar que você está indo muito bem em seus estudos. Está se divertindo? — pergunto para o pequeno, e Stephanie me olha com mais raiva ainda. Oh céus, o que eu fiz agora?!

— Ah, sim. Sim, estou me divertindo bastante, pai. — o pequeno me responde, desviando sua atenção entre Stephanie e eu.

— Que bom. Continue assim, e não hesite em pedir a minha ajuda quando tiver alguma dificuldade. — falo sério.

— Não precisa. — Stephanie fala se levantando da mesa. — Não precisa se preocupar. Eu já estou cuidando disso. — ela suspira e olha em direção de Luigi. — Ah, sim. Luigi, não se esqueça de me procurar mais tarde. Estou lhe aguardando ansiosa, para dar o seu prêmio. — me olha de canto e se retira do salão.

Luigi, termina a sua refeição logo em seguida e sai também.

Suspiro com está situação complicada.

— Acho que Stephanie e Luigi me odeiam. — murmuro. Me sinto desconfortável com tudo isso. Ainda hoje preciso perguntar a Stephanie sobre este comportamento dela. Está situação está indo longe demais. Bom, sei que é complicado ficar com alguém forçado. Mas esperava pelo menos uma relação indiferente, mas parece que ela quer é me matar! Assim não dá mais! — Hoje nós resolvemos isso! — falo decidido. Me aguarde Stephanie Bellucci de Le Alveberia, hoje você não me escapa! Achava mesmo que eu permaneceria calado?

Continua....

21 de Janeiro de 2022 às 15:44 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Capítulo II - JARDIM

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 10 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas