R
Rafael Silva


Nessa série de contos. Iremos acompanhar o lendário detetive Jack Northon, em suas diversas peripécias no combate ao crime.


Suspense/Mistério Impróprio para crianças menores de 13 anos.
3
558 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Toda semana
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Mistério do Sr. Jones

Ext. Ruas de Nova York- Noite

Três viaturas cortam as ruas de Nova York com suas sirenes ligadas, e vão em direção a uma grande e antiga mansão.

As viaturas param na parte externa da mansão e adentram.

Fim da cena

INT. Mansão dos Jones (hall de entrada) - Noite

Os policiais avistam o corpo do dono da casa, Chublin Jones, e rapidamente cercam a área.

Ao redor do corpo, haviam 4 pessoas. O Mordomo Joseph, a esposa de vítima Martha, a faxineira Mary e o jardineiro Franklin

Mordomo

- Calma senhora, acho melhor a senhora sair daqui, vamos deixar a polícia trabalha.

Marta

- Não, eu quero ficar. Dizia a mulher choramingando

Fim da cena

A polícia estava observando cada detalhe do cadáver de Chublin e começavam a investigar a casa.

Policial Jackson

- O que será que deu com ele? O cara morreu do nada dentro de casa, na frente de todo mundo.

Delegado Hartman

- Tanto faz, esse cara era um babaca, já deve estar no inferno a essa altura.

Fim da cena

No momento em que a polícia iria retirar o corpo de Chublin do local, eles ouvem uma voz grossa dizer de forma imponente

- Esperem!!!

Dizia um homem de sobretudo com Chapéu, saindo lentamente das sombras, e se revelando como o detetive Jack Northon, um dos investigadores mais renomados do país.

Fim da cena (Duração estimada: 6 minutos)

INT. Hall da Mansão- Noite

Jack Northon

- Saiam de perto do corpo, levem todos os moradores para sala de estar, vou conversar com eles depois.

Delegado Hartman

- Você acha que pode chegar aqui dando ordens? Eu estou no comando por aqui. Disse o policial com rispidez.

O detetive apenas olha para o policial, que se sentido acuado, cumpre a ordem do detetive.

Delegado Hartman

- Como você foi parar aqui? Ninguém te chamou. Ainda já estava prendendo o culpado.

Jack

- Então quem é?

Delegado Hartman

- Aquele homem. Disse o delegado apontando para o jardineiro Franklin.

Franklin

- Mas eu não fiz nada, vocês nem investigaram direito.

Jack

- Com quais provas?

Delegado Hartman

- Porque.... aaaa esquece.

Jack

- Se for prender as pessoas pela aparência, já estou vendo que esse caso vai ser mais complicado do que eu imaginei.

Delegado Hartman

- Tá tá, mas você ainda não me respondeu. Como você veio parar aqui?


Jack Northon

- Eu ouvi o caso pelo rádio, então decide dar uma passada por aqui. Mas se não quiserem ajuda, posso sair agora.

Delegado Hartman

- Não não, pode ficar.

O detetive começa a observar o corpo da vítima.

- Um corte leve na garganta, e duas perfurações no peito, huuum. Dizia o detetive para ele mesmo. Em seguida se dirige aos policiais.


- Não tem nenhum sinal de luta por parte do Chublin. Os olhos deles estão um pouco vermelhos, e aparentemente ele vomitou antes de morrer, acho que ele foi atacado de outra forma antes de morrer aqui.

Discursou o detetive, despertando olhares impressionados de todos os policiais.

Fim da cena (Duração estimada: 3 minutos)

INT. Mansão Jones (cozinha)- noite

Northon começa a revirar a cozinha da casa, enquanto os policiais revistavam o restante do local. Enquanto investigava a cozinha, Northon acha um copo cheio até a metade por água, porém, ela estava com uma cor bastante anormal.

Jack Northon

- O Sr. Jones bebeu alguma coisa antes de cair no hall? Questionou o detetive a cozinheira da casa.

Mary

- Eu vi ele descendo para a cozinha, mas não tenho certeza se ele chegou a pegar alguma coisa

Northon nota que o liquido era bastante denso, aquela água estava envenenada. Após essa descoberta, o detetive se reúne com alguns policiais.

Jack Northon

- O Jones havia sido envenenado antes do ataque com a faca, o veneno era letal, mas ele não bebeu o suficiente para matar. Quem o matou, tentou fazer isso de outra forma antes. Além de...

Antes que o detetive possa continuar, ele é interrompido por um estouro na porta e o grito de um dos policiais.

Policial Jackson

- Achei essa moça na suíte principal, ela disse que estava dormindo até agora. E mais uma coisa, o cofre no escritório do cara tava aberto, levaram tudo.

Ao lado do policial, havia uma bela jovem, que atraiu os olhares de todos ali, principalmente dos moradores da casa.

O mordomo olhava com desgosto para a mulher, ele parecia demonstrar que já sabia o que estava acontecendo.

Martha

- Quem é essa maluca? O que ela está fazendo aqui?

Mulher desconhecida

- Sou a preferida do seu marido querida, mas respeito.

Martha

- Essa vadia invadiu minha casa, tira ela daqui.

A mulher invasora se chamava Margaret e rapidamente responde as provocações de Martha.

Margaret

- Vadia? Hahaha, não era o que seu marido achava, e além disso, eu não invadi lugar nenhum, eu entrei pela porta da frente, com ele. Ele sempre vinha brincar comigo, quando cansava de você. Agora eu entendo o porquê, você está a-c-a-b-a-d-a. Disse a mulher rindo.

Falou Margaret em tom de deboche, enquanto descia as escadas.

Jack Northon

- Chega, levem todos para a sala, e podem retirar o corpo para analise, chegou a hora de conversar com os nossos moradores. Se bem que a briga estava ficando boa....

Martha

- Por que precisa conversar com a gente? É obvio que foi ela que fez isso.

Margaret

- Eu fiz o que? Do que estão falando?

Dizia a garota com um tom levemente forçado de surpresa.

Ela desce as escadas e vê o cadáver.

Margaret

- Aaaaaaaaaaaaaa. Gritar a mulher em pânico. E em seguida caindo em um choro forçado, semelhante à sua expressão de surpresa.

Delegado Hartman

- Tá bom chega desse showzinho, vamos embora pessoal.

Disse o policial levando o corpo de Chublin junto com seus parceiros

Delegado Hartman

- Jackson e Finnigan, vocês ficam aqui, para ajudar o detetive. Os policiais confirmaram com a cabeça e se movimentaram para a porta principal

Fim da Cena (Duração estimada: 7 minutos)

INT. Mansão Jones (sala de estar) – noite

Jack Northon

- Boa noite para todos. Se alguém quiser se entregar antes, eu agradeço. Disse o detetive, o que gerou expressões de pânico em todos na sala.

- Todos vocês estavam no local, quando a tragédia ocorreu, então todos são suspeitos... TODOS. Disse o detetive olhando para a esposa de Chublin.

- Vou levar um de cada vez para o escritório, e lá vamos conversar. Alguém se oferece? Pergunta o detetive calmamente.

Mordomo

- Posso começar. não tenho nada a esconder. Disse Joseph com raiva clara na voz.

Jack Northon

- Jackson, fica de olho neles por enquanto.

Fim da cena (Duração Estimada: 1 minuto)

INT. Mansão Jones (Escritório de Chublin) – noite

Jack Northon

- Bom vamos começar, onde você estava quando recebeu a notícia da morte de Chublin?

Mordomo

- Eu estava arrumando o quarto da Sra. Jones, a Mary pode te confirmar isso.

Jack Northon

- Huuum, você sabia da presença da outra garota na casa? Você me parecia conhecer ela.

Mordomo

- Sabia.

Jack

- A quanto tempo?

Mordomo

- A alguns meses, eles estavam juntos a cerca de um ano. Tudo começou quando os filhos do Chublin Faleceram.

Jack

- Curioso, não sabia que eles tinham filhos. Mas ainda não entendi porque ele começou esse caso.

Mordomo

- A Sra. Jones entrou em uma depressão profunda depois da morte dos filhos. Mas ela nunca foi muito digamos... normal, mas depois daquilo, ela ficou completamente isolada. O casamento deles já nunca foi dos melhores, eles tiveram um casamento arranjado, a única coisa que manteve os dois nessa fantasia, eram os filhos.

Jack

- Bom então... O detetive é interrompido pelo mordomo

Mordomo

- É ela, a Sra. Jones matou ele, tenho certeza que ela descobriu a traição, e matou ele por vingança. Disse o mordomo bastante exaltado

Jack

- Não vou prender ninguém sem provas senhor, sugiro que você abaixe o tom. Disse calmamente o detetive.

O mordomo estava claramente irritado.

Jack

- Só por curiosidade, quando você conheceu o Chublin?

Mordomo

- Eu conheço o Chublin desde que ele nasceu, eu trabalhava para o pai dele.

(Duração Estimada: 2 minutos)

Flashback

Joseph estava limpando um vaso no corredor, quando ouve o pequeno Chublin o chamando.

Chublin

- Pai, mãe, me ajuda!!! Socorro. Gritava a criança

O mordomo deixa o vaso cair, e corre para o quarto do pequeno.

Joseph

- O que foi Chub? Perguntou o mordomo, usando um apelido carinhoso.

Chublin Jones

- Eu tive um pesadelo.

Joseph

- Hahaha, isso é normal. Com o que você sonhou?

Chublin Jones

- Eu não lembro direito, só lembro que papai tava me jogando de um penhasco.

Joseph

- Que? Que sonho maluco hahaha seu pai nunca faria isso.

Chublin Jones

- Eu não sei, ele é sempre tão irritado comigo.

Joseph

- Seu pai trabalha muito, é normal que ele fique estressado.

Chublin Jones

- Ele nem veio, quando eu chamei ele. Disse o menino bastante triste.

Joseph

- Mas eu vim, vou ficar com você. Vamos ler uma história

Chublin Jones

- Vamos! Disse o menino animado.

Joseph puxa um livro debaixo do criado mudo, e começa a ler para o menino.

Fim do Flashback (Duração Estimada: 3 minutos)

Jack

- Então você realmente foi um companheiro muito fiel dele.

Mordomo

- Claro, eu sempre cuidei dele desde a infância. O pai do Chublin sempre trabalhou muito, então eu tive que criar ele.

Jack

- Bom, encerremos por enquanto, pode voltar por enquanto.

Fim da cena (Duração Estimada: 1 minuto)

Na sequência, Jack iria interrogar Martha

Jack

- Podemos começar senhora? Pergunta o detetive ao ver que a mulher não parava de chorar

Martha

- Podemos sim

Jack

- Onde você estava quando recebeu a notícia?

Martha

- Eu estava no quintal com o Franklin. Eu só descobri o que tinha acontecido, quando a Mary começou a gritar.

Jack

- Interessante, pelo que o Sr. Joseph me falou, o seu relacionamento com o Chublin vinha meio mal. Queria saber o que você pode me dizer sobre isso.

Martha

- Nosso casamento nunca foi dos melhores, meus pais me obrigaram a casar com ele, em um acordo comercial. O meu pai e o dele trabalhavam no ramo da pesca industrial, nosso casamento ia ser a o contrato da parceria dos dois.

(Duração Estimada: 2 minutos)


Flashback

EXT. Faculdade de Columbia- Noite

Martha estava isolada em um dos corredores da faculdade, e o jovem Chublin se aproxima dela.

Chublin Jones

- Oi, Martha

Martha

- Oi. Disse a mulher timidamente.

Chublin Jones

- Nosso jantar está marcado para as 19:00. Vamos fazer uma lagosta, você gosta né?

Martha

- Eu sou alérgica a lagosta

Chublin Jones

- Aaah, vamos fazer outra coisa então, lembra de ficar pronta até as 18:30, pra eu te buscar. Meu pai não gosta de atrasos.

Martha

- Está bem. Disse a mulher com desanimo.

Fim da Cena

INT. Casa de Martha- Noite

Martha estava se arrumando para o jantar com Chublin, quando seu pai chega no quarto.

Barão Rogers

- Já está pronta minha filha?

Martha

- Quase, pai

Barão Rogers

- Ótimo, trate de se comportar bem lá. Espero que não aconteça o que aconteceu com o filho do senhor Stephen.

Martha

- Aquela vez que o senhor tentou me obrigar a casar com uma pessoa que eu não amo?

Barão Rogers

- Vou falar pela última vez. Não interessa se você gosta dele ou não. Disse o Barão, já alterado.

Martha

- Porque o senhor não casa com ele então? Respondeu Martha com imposição.

Barão Rogers

- Chega, você vai casar com quem eu quiser. Eu te dei tudo que você tem, você deve a sua vida a mim. Então, eu escolho o que você vai ou não fazer. Disse o velho homem bastante irritado.

Fim do Flashback (Duração Estimada: 3 minutos)

Jack

- Realmente é bastante complicado, mas fale mais sobre a relação de vocês nos últimos ano, e como era a sua relação com seus... filhos. O detetive hesitou em concluir a pergunta, mas a fez mesmo assim.

Martha volta a chorar, mas depois de ser acalmada pelo detetive, continua a sua fala.

- A gente nunca foi muito próximo, ele sempre estava viajando, e quando estava em casa, a sensação é de que ele continuava longe. Ele nunca foi próximo de mim. Mas quando o Bill e o Jason vieram, as coisas melhoraram. Mesmo que o Chublin nunca tivesse realmente me amado, ele começou a ficar mais próximo de mim. Pela primeira vez, eu vi carinho nos olhos dele, não por mim, mas por eles. E foram eles, que fizeram eu me sentir amada uma vez na vida.

Jack

- Nossa, eles pareciam ótimos garotos, você teve sorte.

Martha

- E eram mesmo, o Bill queria ser engenheiro, ele sempre ia bem na escola, todo mundo elogiava ele. O Jason queria trabalhar com Chublin na empresa, ele sempre adorou o pai.

Jack

- Agora uma pergunta difícil, mas importante. Como e quando eles morreram?

Martha volta a chorar, mas depois volta a sua postura.

Martha

- Eles morreram em uma batida de carro, eles estavam fazendo uma viagem de férias quando aconteceu. Eu lembro como se fosse hoje...

(Duração Estimada: 2 minutos)

Flashback

Bill e Jason estavam arrumando suas malas para uma viagem para Las Vegas, para comemorar a sua formatura.

Martha

- Bill, sua mala já está pronta?

Bill

- Sim, Mãe.

Jason

- Bora Bill, daqui a pouco vai levar a casa junto.

Joseph já estava guardando todas as malas no carro, e Bill finalmente desce.

Jason

- Aleluia!!! Vamo bora.

Bill

- Cala boca. Disse Bill brincando.

Martha

- Prometam que vão tomar cuidado, que não vão fazer nenhuma besteira.

Bill

- Essa é a graça de Vegas mãe.

Martha

- Meu deus. Disse a mulher um pouco nervosas.

Martha beija seus filhos na testa, e se despede dos dois.

Martha

- Boa viagem, meus amores.

Joseph

- Boa viagem senhores, estaremos aguardando a volta de vocês.

Os dois já estavam entrando no carro, quando Chublin chega gritando.

- Esperem.

O pai dos garotos vai até os dois, e diz.

Chublin

- Iam esquecer de dizer tchau pra mim? Perguntou Chublin ironicamente.

Jason

- De jeito nenhum pai.

O homem abraça forte os seus dois filhos.

Chublin

- Eu amo vocês

Bill

- A gente também te ama pai.

Os dois entram no carro, e Chublin fala sussurrando no vidro.

- Tragam umas lembrancinhas né, principalmente das mulheres. Disse Chublin rindo.

Os garotos riem, e finalmente tocam o carro, rumo a morte.

Fim do Flashback (Duração Estimada: 4 minutos)

Jack

- Como foi a reação de vocês?

Martha

- Aquele foi o pior dia da minha vida... das nossas vidas. Eu não consigo me esquecer....

- Depois do choque, o Chublin ficou ainda mais distante de mim, a minha única companhia foi o Joseph, e depois a Mary, e imagino que a dele foi aquela vaca que apareceu aqui.

Você viu a frieza nos olhos daquela desgraçada? Ela olhou pra ele como se não fosse nada, tenho certeza que ela só queria o dinheiro dele, talvez a herança.

Jack

- Que herança? Conta mais sobre isso.

Martha

- O Chublin criou isso a uns anos, ele colocou algumas pessoas na lista para receber os bens caso acontecesse alguma coisa com ele.

Jack

- Preciso saber quais.

Martha

- Os primeiros eram o Jason e o Billy, depois eu e por último o Joseph.

O detetive recua um pouco na cadeira, e começa a refletir sobre o que havia escutado. E dispara a sua última pergunta.

Jack

- Falando no Joseph, como eram a sua relação com ele?

Martha

- Ele sempre foi uma boa companhia, principalmente nos últimos tempos. E o trabalho dele nunca deixou a desejar. Se não fosse por ele, acho que eu já não estaria mais aqui, eu sempre fui tão fraca. Dizia a mulher em um tom depressivo

Jack

- Você não é fraca Sra. Jones, poucas pessoas passariam por tudo isso e continuariam de pé, você é muito mais forte do que pensa. Diz o detetive carinhosamente

- Mas então, encerramos por aqui, pode voltar para a sala com os outros.

Martha

- Obrigado

Fim da cena (Duração Estimada: 3 minutos)

INT. Quarto de Chublin- Noite

Jack aproveitou o pequeno intervalo, para investigar o cofre roubado, e ele rapidamente que nota que não haviam sinais de arrombamento, o cofre foi aberto com a senha. Quem quer que tenha roubado o dinheiro, sabia a senha do cofre.

Fim da cena (Duração Estimada: 2 minutos)

INT. Escritório de Chublin- Noite

Jack agora partia para o penúltimo interrogatório da noite, com humilde casal de funcionários da residência.

Jack

- Bom, primeiro de tudo. Onde vocês estavam quando aconteceu o assassinato?

Mary

- Eu estava na parte do jardim, e quando voltei para dentro, vi o Chublin ali

Franklin

- Eu estava fechando as janelas da casa

Jack

- A quanto tempos vocês trabalham aqui? Pelo que eu sei, vocês entraram recentemente.

Franklin

- Sim, a gente começou a trabalhar a uns 3 meses, quando a Sra. Martha deu uma chance pra gente.

Jack

- O que vocês faziam antes disso?

Mary

- A gente trabalhava vendendo produtos usados na rua, foi lá que dona Martha encontrou a gente inclusive.

(Duração Estimada: 2 minutos)

Flashback


Mary e Franklin estavam nas ruas vendendo flores e costuras, quando Martha passava pela rua.

Mary

- Senhora, não quer uma flor. Você parece triste, flores alegram todo mundo. Disse a mulher carinhosamente.

Martha

- Estou precisando mesmo de um pouco de alegria. Falou a mulher brincando.

Quanto custam?

Mary

- 3,50.

Martha

- Quero sete. E mais uma daquelas corujas de crochê.

Mary

- Muito obrigada senhora, a gente não conseguiu vender nada hoje. A gente precisa de dinheiro, pro nosso bebê.

Franklin

- É

Martha

- Vocês não têm nenhum outro emprego, além desse?

Franklin

- Não

Martha

- Vocês sabem fazer algum trabalho doméstico?

Mary

- Eu sei cozinhar, lavar, varrer, eu faço qualquer coisa. O Franklin também. Disse a mulher ansiosa.

Martha

- Então vocês podem trabalhar na minha casa, acabei perdendo alguns empregados recentemente. Vocês podem começar amanhã mesmo, vão ter um quarto só pra vocês e o bebê.

Franklin

- Meu deus, a gente aceita. Vamos amanhã mesmo

Mary

- Muito obrigada senhora.... não sei seu nome.

Martha

- Martha

Mary

- Muito obrigada senhora Martha. Meu nome é Mary

Martha

- De nada Mary, pessoas trabalhadoras como vocês merecem uma coisa melhor. As 7:30 em ponto, vocês devem estar lá, sem atrasos.

Mary

- Não vamos nos atrasar.

Fim do Flashback (Duração Estimada: 3 minutos)

Jack

- Huuum, e como era a relação de vocês com a Chublin?

Os dois suspiram, e Franklin começa a falar.

- O senhor Jones detestava a gente, qualquer oportunidade que ele tinha de humilhar a gente, ele aproveitava. Além de que ele ficava acusando a gente de roubar as coisas da casa.

Flashback

Mary estava servindo a comida, e chamando todos para o almoço.

Martha e Joseph se sentam. Franklin chega em seguida, e também se senta. Até que Chublin chega.

Chublin

- Quem disse que você pode sentar? Você viu aquelas raízes nas paredes? Eu falei que não era pra ter contratado eles, gente desse tipo não sabe trabalhar.

Franklin

- Poxa patrão, depois do almoço eu arrumo isso. Me desculpe

Chublin

- Você não vai comer, não enquanto não cumprir o seu trabalho.

Franklin

- Mas....

Chublin

- Não tem mais, vai logo. Eu estou mandando. Gritava o homem.

Martha

- Chega Chublin, deixa ele comer.

Contrariado, o homem se senta e começa a comer.

Chublin

- Que merda, essa carne tá seca.

Martha

- A carne está ótima, come logo.

Chublin

- Já não basta me roubar, ainda tentam me matar com essa comida.

Mary

- Olha aqui. Disse a mulher irritada.

- Você pode falar o que quiser do nosso trabalho, mas não admito que chame nem eu e nem meu marido de bandidos.

Chublin

- E aquele meu relógio que desapareceu? Quem pegou ele?

Mary

- Foi você quem perdeu aquele relógio, ou você não lembra? A velhice já está chegando pra você?

Chublin

- Você acha que está falando com quem? Disse o homem calmamente.

Se não fosse por mim, vocês estariam morando na rua até agora. O que seria do filho de vocês se não fosse eu? Disse o homem alterado.

A mulher volta ao seu trabalho, e Franklin deixa a mesa.

Martha

- Até quando vamos viver nesse inferno Chublin? Você está fazendo todos os empregados saírem.

Chublin

- Se eles são vagabundos, o problema não é meu.

Fim do Flashback (Duração Estimada: 3 minutos)

Jack

- E vocês realmente roubaram alguma coisa?

Mary

- Claro que não. Respondeu a mulher irritada

Jack

- Vocês andam bem em questão de dinheiro? Não passam nenhuma dificuldade?

Franklin

- Já está querendo acusar a gente.

Jack

- Eu tenho que perguntar tudo senhor. Disse calmamente o detetive.

Mary

- A gente sempre passou sufoco com isso, mas como moramos aqui, não passamos muita necessidade.

Jack

- Mas vocês não sonham em sair daqui? Ter a sua própria casa.

Mary

- Sim, mas é um sonho um pouco distante.

Jack

- Ok, então encerramos, podem voltar a sala.

Fim da cena (Duração Estimada: 2 minutos)

INT. Escritório de Chublin (noite)

Era o momento do último interrogatório, com Margaret.

A mulher entrou na sala, com um ar sedutor sobre o detetive.

Margaret

- Podemos começar detetive. Disse carinhosamente a mulher

Jack

- Muito bem, você confirma que estava no quarto, quando ocorreu o assassinato?

Margaret

- Confirmo

Jack

- Mesmo com todos em casa, você ainda sim veio se encontrar com o Chublin? Corajosa, e ao mesmo tempo idiota.

Margaret

- Não sabia que a mulher dele estava aqui, ele me disse que ela ia ficar fora por algumas horas.

Jack

- Interessante. Quando exatamente você o conheceu?

Margaret

- Conheci ele no trabalho, eu trabalhava numa cafeteria aqui perto, ele sempre ia lá. E é claro que eu não ia perder a chance de pegar um bofe rico como ele.

(Duração Estimada: 3 minutos)

Flashback

Margaret trabalhava como garçonete, em um dos cafés mais refinados da Nova York.

Chefe

- Margaret, vai atender a mesa 6 agora. Eles já estão esperando a vinte minutos. Dizia a chefe de Margaret bastante irritada.

Margaret

- Está bem! Eu sou uma só.

A mulher parou de limpar uma das mesas e foi correndo atender a mesa 6. No momento em que um homem muito bonito, entrava e se sentava na mesa ao lado.

O homem olhava fixamente para Margaret, ela atende o pedido da mesa 6, e vai em direção ao homem.

Margaret

- Bom dia, qual o seu pedido?

Chublin Jones

- Bom dia, quero um café e um croissant.

Margaret

- Só isso?

Chublin Jones

- Na verdade não, quero dois de cada.

Margaret

- Ok

Margaret volta com o pedido do homem e os coloca na mesa.

Margaret

- Bom apetite

Chublin Jones

- Espere, sente-se. Comprei essas coisas para você.

Margaret

- Não posso, estou trabalhando. Disse a mulher rindo.

Chublin Jones

- Eu pago o dobro do que você ganha aqui, só se sente.

Margaret se senta.

Margaret

- Obrigado. Disse a mulher nervosa

Ainda com um nervosismo a mulher pergunta.

- Qual o seu nome?

Chublin Jones

- Chublin

Margaret

- Eu te conheço, já vi seu nome no jornal. Aliás meu nome é mar...

Chublin

- Margaret, li no seu crachá. Um lindo nome, para uma linda mulher. Disse o homem elegantemente.

Margaret

- Obrigado. Disse a mulher envergonhada.

Os dois terminam de comer e se levantam.

Chublin

- Foi um prazer te conhecer, Margaret. Disse o homem beijando a mão da mulher.

- Isso é uma pequena gorjeta. Disse o homem dando uma nota de 100 dólares a mulher.

Margaret

- Muito obrigada. Disse a mulher rapidamente pegando o dinheiro

Chublin

- Depois do seu trabalho, posso te levar num restaurante que fica aqui perto. Eu sempre vou lá.

Margaret

- Pode ser as 19:00?

Chublin

- Claro, e já pode pedir as contas por aqui. Essa espelunca não é digna de você.

Margaret pede demissão e vai ao encontro com Chublin, e após um ótimo jantar. Os dois terminam a noite em um hotel 5 estrelas.

Fim do Flashback (Duração Estimada: 7 minutos)

Margaret

- Eu nunca tinha visto tanto luxo na minha vida, e finalmente consegui me livrar daquela merda de emprego.

Jack

- Isso revela muito, então o principal motivo de você se aproximar dele, era realmente o dinheiro.

Margaret

- Eu não falei isso. Respondeu a mulher irritada

- Ele era bastante gentil e divertido. Além de bonito. Completou a mulher como uma risada de leve.

Jack

- Gentil e divertido não é bem o que eu esperava dele, todos aqui disseram que ele era bastante sombrio. As declarações não batem. Disse calmamente o detetive, enquanto acendia o seu charuto.

Margaret

- Ele só era ele mesmo quando estava comigo, ele não se sentia bem nesse mausoléu, junto com aquela múmia da mulher dele.

Jack

- Sei. Disse o detetive com dúvida.

- E como ele te tratava?

Margaret

- Ele sempre me levava pra fazer compras, me dava presentes caros, era ótimo.

Jack

- Isso é bastante raso pra mim.

Margaret

- Bom, sim. Mas o que tem de errado nisso? Achei que iam fazer uma entrevista, não lançar acusações. Falou a mulher exaltada, e se levantado na cadeira.

Jack

- Sente-se agora! Ordena o detetive, também exaltado.

Margaret se senta, e começava a falar em um tom sedutor

- Me desculpa mesmo, eu acabei exagerando. A mulher começava a se deitar sobre a mesa e tocar no rosto do detetive.

Jack

- Sai daqui. Diz o detetive com imposição.

Margaret sai de cima da mesa, e se afasta

- Podemos nos entender Jack, tenha calma. Dizia a mulher.

Jack

- Esses seus truques não funcionam comigo querida, Jackson! Gritou o detetive, chamando o policial, que rapidamente chega na sala.

- Filho, leve a senhorita pra uma sala separada dos outros por favor, e fique de olho nela.

Policial Jackson

- Sim, senhor. Responde prontamente o jovem policial. Levando a jovem para a lavanderia da casa.

Fim da cena (Duração Estimada: 4 minutos)

INT. Hall de entrada- Noite

Jack Northon retorna ao Hall, com um caderno de anotações nas mãos e se direciona a um dos policiais.

Jack

-Sargento Jackson, vou sair para entregar as informações ao delegado Hartman. Preciso que você vigie todos aqui, se eles forem pra qualquer lugar, você vai junto. QUALQUER LUGAR. Completou o detetive com imposição.

Policial Jackson

- Ok, pode contar comigo senhor.

Fim da cena (Duração Estimada: 1 minutos)

INT. Carro de Jack- Noite

Enquanto dirigia pelas ruas de Nova York, Jack refletia sobre tudo que havia escutado, e começa a falar com ele mesmo.

Jack

- A Margaret estava bastante nervosa durante o interrogatório, estava sempre tentando se esquivar de mim. A ganancia dela podia levar ela a matar ele, mas acho difícil ela ter feito ferimentos tão sérios nele, o físico dela não torna isso provável.

- Joseph era bastante próximo do Chublin. Mas ele não me convence, ele poderia se favorecer com a morte do Chublin por causa da herança, e ele poderia ter envenenado e depois o esfaqueado, e a forma com que ele tentou colocar a culpa na Sra. Jones, não me pareceu por simples preocupação em resolver o caso.

- A Sra. Martha não gostava do marido, e não estava mentalmente estável. Mas ela não teria motivos para roubar o cofre, ela poderia ter tudo que quisesse.

- Franklin e Mary tinham seus problemas com dinheiro, o que poderia motivar o roubo do cofre, além de que teriam facilidade para matar ele, já que um poderia tê-lo envenenado e o outro o esfaqueado. Principalmente devido ao porte do Franklin, ele poderia tranquilamente ter matado o Chublin.

Ao terminar sua reflexão, Jack já estava em frente à delegacia, e desce para trazer as informações para o delegado.

Fim da cena (Duração Estimada: 5 minutos)

INT. Delegacia de Polícia- noite

Jack adentra na agitada delegacia, e se encontra com o delegado Hartman em seu escritório.

Jack apresenta todas as informações recolhidas nos interrogatórios e o delegado apresenta descobertas que teve na delegacia.

Delegado Hartman

- Conseguimos descobrir o que tinha na bebida do Chublin, era uma mistura de remédios de farmácia, essa mistura foi feita pra parar o coração dele.

Jack

- Vocês têm a lista dos remédios?

Delegado Hartman

- Sim, vou mandar buscarem.

Jack

- Também quero que me tragam qualquer informação que tiverem sobre Margaret Hamilton, precisamos saber mais sobre ela.

Rapidamente, uma pequena ficha é trazida por um dos policiais, e é lida atentamente por Jack.

Jack

- Isso me vai ser muito útil.

Fim da cena (Duração Estimada: 3 minutos)

EXT. Delegacia de polícia- Noite

O detetive se despede do delegado, para investigar algo excepcional para a investigação.

Delegado Hartman

- Já vai detetive?

Jack

- Vou até a casa da senhorita Margaret, vamos ver o que encontro por lá. Diz Jack entrando em seu carro.

Fim da cena (Duração Estimada: 2 minutos)

INT. Mansão Jones (Sala de estar) – Noite

Enquanto o detetive revirava a cidade atrás de informações, a mansão dos Jones continuava mórbida e silenciosa.

Joseph

- Vou te trazer um chá senhorita Jones.

Policial Finnigan

- Ninguém está autorizado a sair da sala.

Joseph

- Ela está passando mal aqui, precisamos sair um pouco, pegar ar puro.

Policial Finnigan

- Senta no sofá senhor, não vamos nos estressar.

Contrariado, Joseph volta ao sofá.

Joseph

- É ridículo o que estão fazendo com a gente, os senhores estão tratando a gente como se todos fossem criminosos.

Mary

- É verdade, mesmo o Chublin me tratando que nem lixo, eu nunca faria nada contra ele. Disse a mulher gritando.

Policial Finnigan

- Abaixe o tom agora, não quero ninguém se rebelando aqui dentro.

Franklin

- Tenho certeza que só tão deixando a gente aqui, porque a gente é pobre. Vão dizer que a gente roubou o cofre do patrão.

Mary

- Sempre tratam os pobres assim amor.

Policial Finnigan

- Já falei pra calarem a boca. Disse o policial irritado

Martha

- Eu não admito que você os trate desse jeito. Disse a dona da casa de forma imponente

Policial Finnigan

- Olha aqui, não é só porque a senhora tem dinheiro que pode se meter nos assuntos da policial. Ou você fica em silencio, ou vou dar uma surra em você e na sua empregada.

Franklin

- Você não vai encostar um dedo em nenhuma das duas. Disse o homem indo em direção ao policial de peito aberto.

Mordomo Joseph

- Por favor senhor Franklin, se contenha.

Mesmo com a insistência do velho mordomo, Franklin continua avançando em direção ao policial, que o acerta com um cassetete no rosto.

Policial Finnigan

- Isso foi mais satisfatório do que eu imaginei, agora volta pro sofá.

Franklin rapidamente se levanta e ataca o policial, lhe dando um soco forte.

Mary

- Franklin para pelo amor de deus! Gritava a mulher desesperada.

Franklin vira as costas para o policial, que se levanta rapidamente e o acerta com toda a força na cabeça com o cassetete.

Policial Finnigan

- Eu disse pra você me obedecer, agora você me deu a tudo o que eu queria. Disse o policial chutando a barriga da Franklin

- Foi pra isso que eu entrei pra polícia hahaha, pra bater em vagabundo.

Mary

- Para com isso. Exigiu a mulher

Finnigan saca sua arma e aponta para todos

- Voltem pro sofá agora, cansei dessa palhaçada.

Todos voltam para o sofá assustados.

- Aposto que foi você que matou o cara, tava precisando de dinheiro né?

Dizia o detetive, enquanto o jardineiro era consumido pela raiva.

- Vou te levar pra outra sala, você é muito perigoso para ficar aqui.

Mary

- Não, por favor.

O Policial ignora a suplica da mulher, e tranca seu marido no porão da mansão.

Policial Finnigan

- Vamos ver se agora você aprende a ter bons modos.

Dizia o policial enquanto trancava a porta do porão, trancando Franklin na escuridão.

Fim da cena (Duração Estimada: 10 minutos)

INT. Lavanderia da Mansão- noite

Margaret estava trancada junto com o policial Jackson, e ela começa novamente o seu jogo de sedução.

Margaret

- Está meio quente aqui né? Pode abrir a janela por favor?

Policial Jackson

- Não

Margaret

- Vamos lá, não precisa se fingir de durão, teu chefe não tá aqui. Podemos nos divertir um pouco agora. Disse a mulher se aproximando do policial.

Policial Jackson

- Se você não calar a boca e sentar aí, vou ser obrigado a usar a força pra isso.

Margaret

- Babaca. Disse a mulher em um tom enojado

Fim da cena (Duração Estimada: 3 minutos)

EXT. Edifício Holmes- noite

Jack estava de frente pro prédio, um local extremamente decadente e sujo. O detetive adentra no prédio, e acha o apartamento de Margaret, destrancando a porta com um clip.

Fim da cena

INT. Apartamento de Margaret- Noite

Ao entrar, o detetive começa a procurar por qualquer pista possível, e não demora muito pra achar algo que mudaria completamente o rumo daquela investigação.

Jack

- Vamos, tem que ter alguma coisa aqui.

O detetive encontra diversas caixas de remédios jogadas pela casa, os mesmos remédios que foram usados para envenenar Chublin, além de diversas anotações e animais mortos, provavelmente sendo usados de cobaia.

Jack

- Então foi ela, como eu imaginava. Esses remédios formam exatamente a mistura que matou o Chublin.

Mas tinha mais alguma coisa por ali, que chamou a atenção de Northon, 3 cartas, vindas da mansão Jones.

Jack

- Olha o que temos aqui. Dizia o detetive pegando a primeira carta.

- É uma carta do Chublin.

Chublin Jones

- Oi amor, vou ver se consigo sair mais cedo do trabalho hoje. Vamos naquele restaurante de novo? Tenho muita coisa pra te contar.

Assi: C. Jones

Jack

- Ele parecia tão encantando, mal sabia a cobra que estava criando.

Jack pega a segunda carta

- Essa não tem remetente.

Pessoa desconhecida

- Está difícil aqui, aquela infeliz da Martha não está me dando chance de sair da casa. Vou te enviar o dinheiro por correio, lembra de comprar exatamente os remédios que eu te falei. E tome mais cuidado antes de vir aqui de novo, quase que aquele mendigo viu, podíamos ter posto tudo a perder.

Jack

- Imagino que o mendigo seja o Franklin

Jack pega a segunda carta e começa a ler.

Pessoa desconhecida

- Você é tão burra quanto eu imaginava, mil dólares jogados foram com aqueles remédios. Mas não se preocupe, deixa que eu mesmo faço isso, só preciso que você cumpra a segunda parte do plano, senão estaremos perdidos. Se você quer tanto esse dinheiro, vai ter que ser um pouco mais esperta, eu sei que você consegue!

Jack termina de ler e começa a refletir. Mas agora ele já sabia que não estava lidando com só um assassino e sim dois, e ele sabia exatamente quem eram.

Jack contacta o delegado Hartman pelo telefone, e lhe conta a sua descoberta.

Jack

- Delegado, eu consegui. Estávamos enfrentando dois assassinos, mas eu preciso de mais uma prova pra prender eles, vá até a mansão, é hora de acabar com isso.

Fim da cena (Duração Estimada: 9 minutos)

INT. Mansão dos Jones (Sala de estar) – noite

Jack entra juntos com os policiais na mansão e se encontra com os suspeitos na sala principal.

Jack

- Finnigan, traga a senhorita Margaret aqui.

Policial Finnigan

- Sim, senhor.

Martha

- Vocês descobriram quem foi? Falem logo

Mordomo Joseph

- Calma senhora, isso vai acabar logo. Dizia o mordomo calmamente.

Com Margaret na sala, o detetive começa a falar.

Jack

- Junto com o delegado Hartman, fizemos uma minuciosa investigação, juntando os relatos de vocês com as provas que coletamos. E com isso, chegamos a uma conclusão, mas antes de revelarmos, preciso que vocês assinem esse documento.

O policial Jackson passa distribuindo um papel para cada um dos suspeitos, e lhes entrega uma caneta.

Franklin

- Do que é esse documento?

Policial Finnigan

- Não interessa, só assina essa merda. Disse de forma grosseira o policial.

Após todos assinarem, o detetive recebe as assinaturas, e as lê atentamente.

Jack

- Bom, essa assinatura era a última prova que eu precisava. Agora eu posso dizer que o culpado é.....

Todos os suspeitos olhavam sem piscar para o detetive, suando e com o coração quase saltando do peito.

- A senhorita Margaret Hamilton...

A mulher é rapidamente segurada por um dos policiais

Margaret

- Eu só queria um dinheiro pra mim, esse bando de burgueses não liga pra gente, não ligam pra você também. É isso que eles merecem. Dizia a mulher loucamente enquanto era carregada

Jack

- Após essa breve interrupção, a senhorita Margaret é a culpada, ela matou Chublin com a ajuda do Sr. Joseph, o tão bom amigo do senhor Jones.

Todos na sala olharam impressionados para Joseph, que rapidamente mudou de sua expressão calma e amigável, para uma de pura raiva.

Joseph

- Eu quero uma prova concreta de que eu fiz isso, eu não admito essa acusação.

Jack

- Eu vi as suas cartas para a senhorita Margaret, por isso mesmo pedi essa assinatura, eu queria confirmar que a caligrafia das cartas era sua. Eu vi todos os planos que você tinha, além de que aquelas facadas, eram profundas demais para terem sido feitas por uma mulher, acabou Joseph.

-Você queria matar o Sr. Jones e incriminar a Sra. Martha, para que os dois saíssem do seu caminho da herança.

- Você é bem ardiloso senhor Joseph, sua parceira, no entanto, não atua muito bem. Disse o policial em tom de deboche.

- Ela claramente estava forçando aquelas reações quando viu o corpo do Chublin, além de que o interrogatório dela foi realmente deplorável.

- Você é um dos piores criminosos que eu conheci, você traiu as pessoas que confiaram em você, simplesmente por dinheiro. Mas agora você vai apodrecer na cadeia junto com a sua parceira.

Joseph

- Não tão fácil. Só vão me levar daqui se for direto pro cemitério. Dizia o mordomo sacando uma arma e disparando contra o policial Jackson, que cai berrando no chão.

Aproveitando a brecha, o mordomo puxa sua parceira e começa a fugir pela casa.

Jack

- Fechem todas as saídas, eles não podem sair daqui.

Fim da cena (Duração Estimada: 8 minutos)

INT. Corredor da Mansão – Noite

A dupla de assassinos corre para chegar à porta dos fundos e são impedidos pelo detetive Northon, que dispara na lâmpada sobre eles.

Jack

- Chega disso, se entrega agora. Disse o detetive com imposição.

Percebendo que não tinha mais escapatória, o Mordomo prende Margaret e a faz de Refém.

Joseph

- Sai da frente agora, ou ela morre.

Jack

- Você está maluco, se entregue logo, você vai colocar tudo a perder.

Joseph

- Eu já coloquei.

Antes de conseguir chegar na entrada, Margaret acerta uma cotovelada na barriga do mordomo, que a solta por um breve momento, o que dá a brecha para Jack Northon lhe dar dois tiros no peito. Derrubando o criminoso.

Jack

- Acabou Joseph, você quis assim.

Joseph

- É melhor morrer, do que apodrecer em uma cadeia.

Martha chega lentamente próxima ao assassino, e lhe pergunta.

- Porque Joseph? O Chublin te amava, você podia ter tudo o que queria. Eu também sempre te tratei bem, você era o meu melhor amigo, eu confiava minha vida a você. Pra isso?

Joseph

- O Chublin era um crápula, assim como o pai. Você nem imagina tudo que eu passei com ele desde criança. O quanto eu me humilhei!!! Ter que cuidar daquele garoto estupido a vida toda, ele sempre foi arrogante, mas eu tive que suportar tudo isso, pra me aproximar dele.

E no fim de tudo, eu o fiz confiar o bastante em mim, a ponto de me colocar na herança. E você, uma mulher patética, fraca. Não é à toa que o Chublin preferiu a outra.

Martha começa a chorar descontroladamente.

Joseph

- Aaaa, mas ele não foi o único que eu tive que tirar do caminho.

Martha

- Do que você está falando?

Joseph

- Ninguém descobriu a causa do acidente do Jason e do Bill não é mesmo?

A mulher já começava a ligar os pontos.

Joseph

- Eu cortei os freios do carro deles, eu matei eles!!! Disse o homem com uma alegria sádica nos olhos.

Martha

- Você é um monstro Joseph, agora vai queimar no inferno. Martha pegou a arma de Jack, e apontou pra cabeça do mordomo traidor.

Jack

- Não faça isso, não se rebaixe ao nível dele. Ele já está condenado. Disse o homem segurando a arma.

Martha solta a arma.

Joseph

- Quando eu chegar no inferno, vou mandar lembranças suas pro Chublin e os garotos, não se preocupe. E essas foram as últimas palavras do mordomo, antes de morrer.

Martha

- Como eu confiei nele, por tanto tempo. Como eu deixei ele colocar todos aqui em perigo.

Jack

- Você não tinha como saber Senhora.

Martha começa a chorar e se encosta no detetive, que abraça a mulher.

O policial Jackson acaba não resistindo, e morre na sala de estar da antiga mansão.

Delegado Hartman

- Você honrou a farda filho, iremos nos lembrar de você

Finnigan tentava resistir, mas acaba chorando pela morte de seu amigo e parceiro.

Por fim, Margaret é levada para a cadeia, e o resto dos moradores vão descansar.

Fim da cena (Duração Estimada: 7 minutos)

INT. Sala de interrogatório da delegacia- Dia

Os policiais levaram Margaret para ser interrogada, para descobrirem mais sobre o caso.

E o próprio Jack realizou o interrogatório.

Jack

- Oi, Sra. Hamilton

Margaret

- Vai se ferrar

Jack

- Bom dia pra você também. Disse o detetive com ironia.

- Bom, precisamos te fazer umas perguntas antes de você ir pra uma cela pelos próximos 20 anos.

Margaret

- Começa logo, quero sair dessa merda.

Jack

- Parece empolgada, então vamos começar.

Quando você se uniu com o Joseph?

Margaret

- Faz uns 5 meses. Em uma noite, eu estava na casa do Chublin. Quando eu estava saindo da casa, ele me parou, naquela época ele não sabia do nosso caso.

Depois que ele descobriu o que eu realmente queria com o Chublin.

Jack

- Sugar todo o dinheiro dele. Disse o detetive em forma de piada.

Margaret

- E então a gente traçou o plano, nós pensamos naquele plano de envenenar ele. Demorou um pouco, mas quando ficou pronto, era a hora de colocar em prática.

(Vemos ambos os personagens, conversando sem áudio dentro do quarto de Chublin)

Mas acabou não dando certo, e foi aí que o Joseph teve que ser mais direto.

Jack

- Bom, e...

Margaret

- Chega, não posso responder mais nada, quem planejou tudo foi o Joseph, e acho que ele já não está em condições de te responder. Agora me deixa sair daqui.

Jack

- Ok então, pode aproveitar as suas férias na cadeia. Podem levar. Assim que o detetive completa a frase, os policiais retiram a mulher dali.

Fim da cena (Duração Estimada: 3 minutos)

INT. Escritório da Delegacia- Dia

Jack é chamado pelo delegado, para ir até seu escritório, e ao chegar recebe uma notícia surpreendente.

Delegado Hartman

- Sente-se detetive, vamos conversar um pouco.

Você mais uma vez resolveu um caso bastante difícil, você é um dos melhores a agentes que eu já trabalhei, por isso eu queria...

Jack

- Me dar um emprego aqui? Não senhor, eu trabalho melhor sozinho.

Delegado Hartman

- Por favor detetive, você seria muito útil aqui. Pelo menos prometa que vai pensar no assunto.

O detetive se levanta, e vai em direção a saída.

Delegado Hartman

- Vamos fazer o seguinte, vou pegar essa moeda...

Jack

- Você não vai fazer esse jogo de novo né?

Delegado Hartman

- Eu sou cara, e você coroa. Melhor de 3.

Jack

- Para por favo...

Delegado Hartman

- Coroa. Disse o homem arremessando a moeda pela primeira vez.

Está com sorte.

O delegado lança a moeda mais uma vez.

- Cara. Hehe.

Era o ultimo arremesso.

Vamos ver agora.

Ele arremessa, e sai cara.

- Haha, finalmente.

Jack

- Vou pensar no assunto.

Delegado Hartman

- Não foi isso que a gente combinou. Disse o homem enquanto o detetive ia saindo do escritório.

Fim da cena (Duração Estimada: 2 minutos)

INT. Apartamente de Jack Northon

O detetive Northon estava em seu apartamente. Descansando e ouvindo Frank Sinatra, quando recebe uma carta. Era de Martha, o convidando para um almoço.

Jack

- A Sra. Jones, nem Deus vai me fazer sair de casa esse mês.

Fim da cena (Duração Estimada: 4 minutos)

EXT. Mansão Jones- Dia

O detetive Northon havia aceitado o convite, e estava na frente da casa de Martha.

Jack

- Coragem Jack. Disse o detetive apertando a campainha. E em seguida sendo recebido por Martha, que o leva para dentro da casa.

(Duração Estimada: 2 minutos)

Fim

2 de Dezembro de 2021 às 23:26 1 Denunciar Insira Seguir história
4
Continua… Novo capítulo Toda semana.

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
LR Larissa Rachadel
Muito bom
December 02, 2021, 23:45
~

Histórias relacionadas