0
1.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capitulo 1

Era uma noite fria e chuvosa de inverno.
Ana puxou o capuz do longo sobretudo vermelho,de modo a proteger o rosto e então saiu do supermercado, que ficava próximo ao Empire, para onde havia mudado com o filho Jack, um lindo menino de três anos, feliz e sorridente.
Ana sorriu ao pensar no filho, como amava aquele filhote de homem como a sua irmã o chamava, agora era só ela e o filho, mas acreditava que ficaria tudo bem, no princípio tivera medo, nunca avia morado sozinha, logo depois da morte dos pais ela e a irmã aviam ido morar com a irmã de seu pai, quando Anjela que era três anos mais velha, completara a maioridade deixara a casa da tia e a levará consigo, só deixara a companhia da irmã ao se casar.
Atravessou a rua a passos largos, e entrou no saguão do prédio, suspirou aliviada ao ver que o elevador estava no térreo, havia deixado Jack dormindo sozinho no apartamento, por isso a presa de chegar rápido em casa.
Sorriu novamente, já estava começando a se sentir em casa.
Apertou o número nove e então sacudiu a água que descia pelas pernas.
Quando as portas se abriram, estranhou que o corredor estivesse todo escuro, um arrepio atravessou sua espinha, o corredor sempre estava bem iluminado.
Apressou ainda mais os passos ao ouvir ruídos na escuridão.
Tentou abrir a porta, mas a chave caiu, abaixou se nervosa para pegar, quando sentiu uma dor violenta na cabeça, então perdeu os sentidos.

A delegacia estava cheia, as pessoas falavam ao mesmo tempo, em meio a está confusão uma jovem de longos cabelos vermelhos e gesto suaves caminhou até a recepcionista, que tentava restabelecer a ordem em vão, a distância de dez passos um homem observava o frenético vai e vem do grande salão.
Viu a jovem que parecia destoar dos demais, vir em sua direção,
A jovem que não devia ter mais de vinte e cinco anos, não era muito alta, não devia ter mais que um metro e meio de altura.
O detetive Bleik gostou do jeito que ela andava e da voz doce.
___ Boa tarde, o senhor é o detetive Bleik?
___ Sim senhorita, em que posso ajudar?
___ A recepcionista disse que o procura se.
___ Venha, vamos conversar aqui dentro!
Ela o seguiu e ele fechou a porta da sala de interrogatório o que fez abafar o barulho.
___ Sente por favor, senhorita...?
___ Anjela Stil.
___ Em que posso ajudá-la?
Anjela o observou sentar se na beirada da mesa.
"Ele é bonito, na verdade muito bonito".
Gostou do jeito como despenteava os cabelos que quase chegava ao ombro, no geral não gostava de homens de cabelos compridos, ele era uma exceção.
___ Vim registrar o desaparecimento de minha irmã...
Ele levantou se.
___ Sinto não poder ajudá-la, sou detetive da homicídios.
___ Foi o que a senhora na recepção disse, mas também me mandou lhe dizer que minha irmã mora no Empire...
Jonas parou a meio caminho da porta.
___ O que disse?
___ Que minha irmã mora no Empire.
___ Espere um pouco por favor.
Surpresa a jovem viu o detetive sair e voltar logo em seguida acompanhado de um homem de uns quarenta e cinco anos, um pouco acima do peso e os cabelos estava penteado de forma a disfarça calvície.
Ele apresentou se.
___ Senhorita Stil, isso?
___ Sim!
___ Eu sou o detetive Robert Wilson.
Os dois sentaram se e ficaram olhando para ela.
Aquele silêncio era enervante.
___ Vamos senhores, porque minha irmã morar no Empire é relevante?
Robert Wilson disse:
___ Porque ela não foi a única residente do Empire a desaparecer.
Anjela ficou pasma olhando para os dois de olhos arregalados.
___ Quantas mulheres desapareceram?
Jonas disse:
___ A sua irmã é a sétima.
___ A quanto tempo isso está acontecendo?
___ A primeira foi a seis anos, segundo o registro mais antigo.
Foi a vez de Jonas falar.
Robert Wilson acrescentou.
___ A um padrão, todas jovens, bonitas e que residiam no Empire.
Anjela respirou fundo.
___ Vocês são da homicídios, isso me diz que acreditam que essas mulheres estão mortas... e que há um serial killer agindo no Empire!
___ É possível que sua irmã tenha saído em viagem sem o seu conhecimento?
___ Não mesmo! Ana jamais deixaria Jack sozinho!
O detetive Bleik enrugou a testa.
___ Quem é Jack senhorita?
___ O filho de Ana, que tem três anos, sei disso por que ela morava comigo quando Jack
nasceu...
A voz de Anjela falhou e foi preciso muito alto controle para não cair em prantos.
Respirando fundo prosseguiu.
___ Tudo indica que Ana tinha ido ao mercado que fica na esquina, a vizinha de porta de Ana encontrou as compras caídas na porta, as três horas da manhã foi acordada pelo choro de Jack esperou que a mãe o atende se ao chamado do filho, mas o tempo passou e nada, percebeu que avia algo errado, a mãe sempre o atendia prontamente.
Ela pegou a chave com o síndico e o levou para sua casa, está manhã encontrou meu contato, e aqui estou.
Jonas Bleik pegou seu caderninho de notas.
___ Qual o nome da vizinha?
___ Mara Martins.
___ O número dó apartamento e o andar de sua irmã.
___ Nono andar e apartamento número oito.
___ O que sabe sobre o pai do bebê?
Foi a vez do detetive Wilson perguntar.
___ Jack Silva morreu em um acidente de carro três meses após o casamento, por isso Ana voltou a morar comigo.
___ O que pretende fazer agora?
___ Vou ao apartamento da senhorita Martins pegar Jack e me instalar no apartamento de Ana.
___ Não tem medo senhorita? jovem bonita e residindo no Empire, pode ser a próxima vítima.
Jonas falou sem nenhuma emoção, parecia está apenas constatando um fato, mais foi o bastante para fazer a jovem corar.
___ Devíamos tentar convence la a mudar de ideia, mas sinceramente, ter alguém lá dentro pode nos ajudar, os moradores não confiam na polícia, talvez possa conquistar a confiança deles, e falem com você.
___ Sim Robert está certo, faça perguntas, mas não conte que somos da homicídios, devem pensar que estamos investigando um caso isolado de desaparecidos.
Jonas ergueu se enquanto falava.
___ Vamos, vou com a senhorita, quero conversar com a senhorita Martins.
Os dois deixaram a delegacia.
___Veio de carro senhorita?
___Vim de táxi direto do aeroporto.
___Venha, vamos no meu carro.
Anjela instalou se no banco do carona e colocou o cinto de segurança.
___O Empire fica muito distante daqui?
___ De carro uns cinco minutos.
___ A quanto tempo a polícia
investiga os crimes do Empire?
___ Na verdade, está investigação ainda não é oficial, todo esse tempo só eu acreditava que todas estas mulheres estavam sendo sequestradas por um único indivíduo, Robert era cético.
___ Você não acha que pode ser uma mulher? mulheres são tão capaz de matar quanto um homem.
Jonas sorriu.
___ Sim é claro que são mas as probabilidade nos leva a um homem.
Ele conduziu o carro para o estacionamento do Empire.
Estacionou e foram de elevador para o nono andar.
Anjela achou difícil crer que coisas tão sinistras ocorressem em um lugar tão bonito.
Como se soubesse no que estava pensando Jonas disse:
___ Agora precisamos de provas.
A jovem estreitou os olhos.
___ Farei de tudo para pegar este monstro.
Jonas parou o elevador.
___ Prometa senhorita que vai tomar cuidado.
___ Eu prometo!!
O detetive ligou o elevador.

CAPÍTULO 2

Mara Martins, suspeita ou aliada?

9 de Novembro de 2021 às 01:50 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Capitulo 2 E 3

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 4 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!